274_5. Bradiarritmias Flashcards Preview

Cardiologia > 274_5. Bradiarritmias > Flashcards

Flashcards in 274_5. Bradiarritmias Deck (58):
1

274_5. Bradiarritmias

Causas mais comuns de bradicardia patológica?

Disfunção do N.SA e BAV

2

274_5. Bradiarritmias

Causas mais comuns de disfunção extrínseca do N.SA?

Fármacos e influência do Sistema Nervoso Autónomo

3

274_5. Bradiarritmias

Incidência de taquicardia SV na Doença do N.SA?

1/3 a ½

4

274_5. Bradiarritmias

% de doentes com Doença do nó SA que também tem doença condução AV?

1/4

5

274_5. Bradiarritmias

Qual o efeito do bloqueio SA de 3º grau no ECG?

Ausência de ondas P

6

274_5. Bradiarritmias

Porque é que o tratamento da disfunção do N.SA é apenas sintomático?

Disfunção do N.SA não aumenta a mortalidade.

7

274_5. Bradiarritmias

Localização anatómica do NAV? E do Nó SA?

Subendocárdio. Epicárdio

8

274_5. Bradiarritmias

Como é a fase 4 no NAV?

Lenta

9

274_5. Bradiarritmias

Qual é o intervalo AH normal no eletrograma do feixe de His? E HV?

< 130 ms.
≤ 55 ms.

10

274_5. Bradiarritmias

Localização habitual do BAV de 2º grau Mobitz tipo I?

Intranodal

11

274_5. Bradiarritmias

Avaliação prognóstica do bloqueio do sistema de condução distal?

Intervalo HV - quanto maior, maior risco de progressão para BAV de maior grau

12

274_5. Bradiarritmias

Intervalo PR no BAV 1º grau?

PR > 200ms

13

274_5. Bradiarritmias

% de doentes com HV> 100ms que evolui para BAV completo por ano?

10%

14

274_5. Bradiarritmias

PE
A propósito da bradicardia, assinale a opção FALSA
a) Os doentes com a variante bradi-taqui da doença do nó sinusal têm um risco de tromboembolismo similar ao dos doentes em fibrilhação auricular;
b) A forma autossómica dominante da doença do nó sinusal que se conjuga com taquicardia supraventricular tem sido ligada a mutações no gene HCN4 do cromossoma 17;
c) Bloqueio transitório da condução auriculo-ventricular relaciona-se com o tónus vagal e observa-se em 10% dos adultos jovens;
d) As causas mais comuns de bradicardia patológica são a doença do nó sinusal e o bloqueio da condução auriculo-ventricular.
e) Metade a um terço dos indivíduos com doença do nó sinusal evolui para taquicardia supraventricular, habitualmente fibrilhação ou flutter auricular.

b) FALSA

A forma autossómica dominante da doença do nó sinusal que se conjuga com taquicardia supraventricular tem sido ligada a mutações no gene HCN4 do cromossoma 15;

15

274_5. Bradiarritmias

PE
A propósito da bradicardia, assinale a opção INCORRETA:
1.Os modos de pacing que preservam a sincronia auriculo-ventricular parecem associar-se a uma menor incidência de síndrome do pacemaker.
2.Em até cerca de ¼ dos doentes com doença do nó sinusal coexiste doença de condução do nó AV.
3.A disfunção do nó sinusal, mesmo num doente sem comorbilidades, está geralmente associada a aumento da mortalidade.
4.O pacing transcutâneo é eficaz na fase aguda mas a sua utilização prolongada encontra-se limitada pelo desconforto do doente.
5.Têm indicação para implantação de pacemaker doentes com BAV de 3º grau apresentando, quando vigis, períodos de assistolia superiores a 3 segundos ou ritmos de escape registados em número inferior a 40/minuto.

3. FALSA

A mortalidade global NÃO É ALTERADA na ausência de outras comorbilidades significativas.

16

274_5. Bradiarritmias

PE
Em relação às bradiarritmias, assinale a opção FALSA:
1.A implantação de pacemaker deve ser efetuada em qualquer doente com bradicardia sintomática e BAV irreversível de 2º ou 3º grau, independentemente da causa ou do nível do bloqueio do sistema de condução
2.A hipersensibilidade do seio carotídeo, se acompanhada de um significativo componente cardioinibitório, responde bem à implantação de pacemaker.
3.No EAM pode ocorrer BAV transitório em 10-25% dos doentes.
4.O aumento do tónus vagal durante o sono ou em atletas pode estar associado a BAV de 1º ou 2º grau, mas não a BAV de 3º grau.
5.A disfunção do nó SA não está associada a aumento da mortalidade, pelo que o objetivo da terapêutica é o alívio dos sintomas.

4. Falsa

O aumento do tónus vagal durante o sono ou em atletas pode estar associado a TODOS os graus de bloqueio AV

17

274_5. Bradiarritmias

Quais as células do coração com fase 4 mais rápida?

Nó SA

18

274_5. Bradiarritmias

Único tratamento eficaz na bradicardia sintomática?

Pacemaker definitivo

19

274_5. Bradiarritmias

Onde se localiza o nó SA?

Epicárdio

20

274_5. Bradiarritmias

Vascularização do nó SA: ___% da coronária ____ e ___% de origem ____. 55-60%.

55-60% Direita.
40-45%. Esquerda

21

274_5. Bradiarritmias

Qual o potencial de membrana em repouso do nó SA?

-40 a -60 mV

22

274_5. Bradiarritmias

Que HIPOs causam distúrbios do nó SA?

Hipóxia (pensar em SAOS)
Hipotiroidismo
Hipotermia

23

274_5. Bradiarritmias

Endocardite pode causar dist nó SA?

NÃO! Nó SA é no EPICÁRDIO!
Mas já pode causar alterações de condução AV (subendocárdio)!

24

274_5. Bradiarritmias

Quais as características da doença do nó sinusal Autossómica Dominante? Qual o gene e cromossoma envolvidos?

Variante taquicardia-bradicardia (disfunção NSA+taquicardia SV).
Gene HCN4, cromossoma 15
Afecta corrente pacemaker If

25

274_5. Bradiarritmias

Quais as características da doença do nó sinusal na forma Autossómica Recessiva?

Inexcitabilidade da aurícula, sem ondas P.
Gene SCN5A, cromossoma 3.
Afecta canal de Na

26

274_5. Bradiarritmias

Inicio da Doença do Nó Sinusal pode ser acelerado por? (5)

1.DAC
2.DM
3.HTA
4.Valvulopatia
5.MCP

27

274_5. Bradiarritmias

V/F
O risco de TE nos doentes com variante Taqui-Bradi é mais baixo do que na FA.

Falso - é semelhante.

28

274_5. Bradiarritmias

Pausas de até 3seg podem ocorrer em ________________ e >3seg podem ocorrer em __________________.

Atletas acordados;
Idosos assintomáticos

29

274_5. Bradiarritmias

Qual o Tempo de Recuperação do Nó Sinusal (TRNS) normal? E o Tempo de condução do nó sinoauricular (TCSA)?

<1500 ms (corrigido <550ms)
< 125 ms

30

274_5. Bradiarritmias

Tempo de Recuperação do Nó Sinusal (TRNS) anormal + Tempo de condução do nó sinoauricular (TCSA) anormal + Frequência Cardíaca Intrínseca (FCI) baixa = _______ .

Indicador sensível e específico de doença intrínseca do nó SA.

31

274_5. Bradiarritmias

Irrigação do nó AV?

Dupla, artéria do NAV + 1ªperfurante septal da DAE

32

274_5. Bradiarritmias

Potencial em repouso do nó AV?

-60 mV

33

274_5. Bradiarritmias

Tónus vagal ↑ durante o sono ou em atletas pode estar associado a BAV de que grau?

TODOS os graus

34

274_5. Bradiarritmias

Causas extrínsecas de BAV: que Hiper estão associados?

HiperK+
HiperMg2+

35

274_5. Bradiarritmias

V/F
Doenças de Lev e Lenégre são congénitas.

Falso. São degenerativas

36

274_5. Bradiarritmias

Fibrose idiopática progressiva é comum?

Sim. 4ª década.

37

274_5. Bradiarritmias

Fibrose idiopática progressiva é acelerada por_______________ .

Aterosclerose, DM e HTA

38

274_5. Bradiarritmias

Depois do EAM, que % tem BAV transitório?

10-25%

39

274_5. Bradiarritmias

Se EAM inferior, BAV é mais de que grau?Como são os QRS? Qual o prognóstico?

2º e 3º
Estreitos e estáveis
Melhor

40

274_5. Bradiarritmias

Se BAV 2:1 pode ser difícil de distinguir ___________. Como distinguir?

BAV 2º grau - entre Mobitz tipo I e de tipo II.
Através do estudo eletrofisiológico, intervalo AH.

41

274_5. Bradiarritmias

Qual o BAV 2º grau com pior px?

Mobitz tipo II.

42

274_5. Bradiarritmias

Qual o principal determinante px e tx nos bloqueios AV?

Localização do bloqueio

43

274_5. Bradiarritmias

O intervalo AH deve ser ____ e o HV ____

< 130 ms;
≤55 ms

44

274_5. Bradiarritmias

Qual a localização habitual do BAV 2º grau Mobitz tipo I?

Intranodal

45

274_5. Bradiarritmias

Modos mais comuns de modo pacemaker? (2)

VVIR
DDDR

46

274_5. Bradiarritmias

A 1ª letra da nomenclatura do pacemaker indica ______

Câmara estimulada

47

274_5. Bradiarritmias

Síndrome do pacemaker deve-se a ________

Assincronia AV

48

274_5. Bradiarritmias

Que % de doentes com HV>100 evolui para BAV completo/ano?

10%/ano

49

274_5. Bradiarritmias

Quais as causas extrínsecas mais comuns de disfunção do nó sinusal?
Quais as outras?

Extrinsecas (são reversíveis - corrigir antes de colocar pacemaker)
- fármacos
- influência do SNA

Intrínsecas (degenerativas)
- fibrose no nó SA ou das suas ligações à aurícula
- hereditárias (raras)

50

274_5. Bradiarritmias

Qual a alteração inerente ao SSS3 (sick sinus syndrome)?

Variantes na cadeia pesada da miosina (MYH6) que aumentam susceptibilidade ao SSS3

51

274_5. Bradiarritmias

Modos mais comuns de modo pacemaker?
A primeira letra da nomenclatura significa?

- Bicamerais
- 1ª letra = câmera estimulada.

52

274_5. Bradiarritmias

Síndrome de pacemaker deve-se a ____

Alteração da sincronia AV

53

274_5. Bradiarritmias

FA com pausas superiores a ____ é indicação de classe ___ para colocação de pacemaker na DNSA.
Qual a outra indicação absoluta?
Quando não colocar?

- >5segundos ; I
- Sintomas
- Assintomáticos, causas reversíveis, sintomas não associados a diminuição da FC

54

274_5. Bradiarritmias

No nó SA:
Qual o modo de pace preferido?
Melhora a SBV (V/F)

- Bicameral
- Falso .. se doença não afeta SBV, então o tx também não!

55

274_5. Bradiarritmias

Qual a característica da condução do nó AV?

- Decremental - filtra impulsos da aurícula

56

274_5. Bradiarritmias

Devemos colocar pacemaker no BAV ____ grau, independentemente ______

- 2º / 3º graus irreversível
- independentemente da causa ou localização

57

274_5. Bradiarritmias

NAV:
- Qual a indicação absoluta para colocar pacemaker no BAV 1º grau?
- Quando nunca colocar pace?
- BAV 2º grau mobitz tipo _____ com _______ é indicação absoluta para colocar pace.

- FA com pausas > 5 segundos
- Causas reversíveis ( DHE, fármacos, doença de Lyme)
- II ; sintomas e QRS largos

58

274_5. Bradiarritmias

BAV 2º ou 3º grau após EAM é indicação absoluta para colocar pace (V/F)

Falso

Avaliar possibilidade de reversibilidade; bloqueio fascicular sem indicação