Apostila 2 - Ped - Sd. Respiratórias na infância Flashcards Preview

MED > Apostila 2 - Ped - Sd. Respiratórias na infância > Flashcards

Flashcards in Apostila 2 - Ped - Sd. Respiratórias na infância Deck (59):
1

O que é um estridor?

Ruído predominantemente inspiratório produzido pelo turbilhonamento do ar em uma via aérea estreitada (tipicamente laringe e traqueia).

2

Quais os valores indicam Taquipnéia na criança?

Até 2 meses >= 60 irpm
2-11 meses >= 50 irpm
12 meses - 5 anos >= 40 irpm

3

DD da mastoidite? O que os diferencia?

Adenite retroauricular. Ela possui massa bem delimitada.

4

Qual a conduta na Mastoidite?

TC+ Internação + ATB parenteral. Miringotomia e avaliação da neurocirurgia para necessidade de mastoidectomia.

5

Qual a clínica da Mastoidite?

Edema, desaparecimento da prega pós-auricular, dor e eritema atrás do pavilhão auricular, que tem sua parte inferior deslocada para frente e pra baixo.

6

Qual agente causador da Herpangina?

Coxsackie A.

7

Qual quadro clínico da Herpangina?

Febre alta e odinofagia.

8

O que é encontrado no exame físico da Herpangina?

Pequenas vesículas e úlceras com halo eritematoso, dolorosas, observadas na faringe posterior, palato mole, tonsilas e pilares tonsilares.

9

O que é o sinal de Hoagland? A qual patologia ele corresponde?

Edema palpebral. Correponde a Mononucleose infecciosa.

10

Qual o agente da Coqueluche?

Bordetella Pertussis.

11

Quais as 3 fases do Coqueluche?

1- Fase catarral;
2- Fase Paroxística;
3- Fase de convalescença.

12

Caracterize as Fase catarral do Coqueluche.

Manifestações respiratórias e sintomas leves.

13

Caracterize a Fase Paroxística do Coqueluche.

Típicos paroxismos de tosse seca, crises de tosse súbita incontrolável, rápida e curta. Ao término de cada episódio de paroxismo ocorre uma inspiração profunda através da flore estreitada, que origina o guincho.

14

Quais outra manifestações podem ser encontradas no Coqueluche?

Presença de vômitos pós-tosse, hemorragia subconjuntival, apneia e cianose.

Nos menores de 3 meses: a apneia pode ser a única manifestação; não exibem as fases características.

15

Caracterize a Fase de convalescença do Coqueluche.

Paroxismos desaparecem e dão lugar a episódios de tosse comum.

16

Qual o agente da Laringotraqueíte Viral Aguda (Crupe)?

Parainfluenza.

17

Quais as manifestações clínicas da PFAPA (ou Sd. de Marshall)?

Periodic Fever,
Aphthous stomatitis,
Pharyngitis (faringite exsudativa)
Adenitis (adenopatia cervical)

-> Mais comum entre 2 e 5 anos.
-> Boa resposta a prednisona.
-> Sem melhora com antimicrobiano.

18

Qual o agente mais comumente responsável pelo resfriado comum?

Rinovírus (centenas de sorotipos diferentes).

19

Qual a definição de resfriado comum?

Infecção viral causando inflamação da mucosa nasal. Também podendo afetar seios paranasais e mucosa faríngea.

20

Qual quadro clínico do resfriado comum?

1- Coriza (hialina até o 3º dia, torna-se mucopurulenta).
2- Obstrução nasal (roncos na ausculta);
3- Tosse (gotejamento pós-nasal);
4- Febre.

21

Qual o tratamento para o resfriado comum?

1- Soro nasal;
2- Aumento de ingesta hídrica;
3- Antipiréticos (dipirona, acetominofen, ibuprofeno)

22

Qual medicação não pode ser usada no tratamento do resfriado comum? Porquê?

AAS.
Caso seja um resfriado causado pelo Influenza pode ocasionar Sd. de Reye.

23

O que é a Sd de Reye?

Inicia com um quadro de infecção viral e cerca de 5-7 dias a criança desenvolve náusea e vomito intenso. Evolui para letargia, confusão mental, podendo desenvolver convulsão, coma ou até mesmo a morte.
Além disso, há degeneração da função hepática.

24

Quais as complicações mais comuns do resfriado comum?

1- OMA;
2- Sinusite Bacteriana.

25

Quando realizar antibioticoterapia na OMA?

1- Menores de 6 meses;
2- Entre 6 m e 2 anos: se doença bilateral;
3- Qualquer idade se dor moderada a grave; febre>=39 ou dor> 48h.

26

Qual o tratamento da OMA?

Analgésico/Antipirético;
ATB OU Observação

27

Quais os principais agentes da OMA?

1º: Streptococcus pneumoniae;
2º: Haemophilus influenzae não tipável;
3º: Moraxella catarrhalis.

28

Quais os mecanismos de resistência às Penicilinas dos agentes causadores da Otite Média Aguda?

S. pneumoniae: alteração afinidade PBP.
H. influenzae não tipável e M. catarrhalis: produção de beta-lactamases.

29

Qual a primeira escolha de antibiótico para tto da OMA?

Amoxacilina 45 mg/kd/dia, 10 dias.

30

Quando fazer dose dobrada de Amoxacilina no tratamento da OMA?

1- menores de 2 anos;
2- crianças que frequentam creches;
3- crianças com uso recente de ATB (últimos 30d).

31

Qual a opção de tto da OMA em caso de falha terapêutica?

Amoxacilina + Clavulanato.

32

Se há presença de Otite + Conjuntivite, qual o agente causador e qual o tto?

Hemófilo (Eyemófilo); Amoxacilina + Clavulanato.

33

Qual o quadro clínico da Sinusite Bacteriana Aguda?

1- Resfriado arrastado (sintomas >=10 dias e tosse diurna);

2- Quadro grave (>= 3dias de febre >= 39C + secreção purulenta);

3- Quadro que piora.

34

Quais os seios paranasais presentes em casa idade?

Ao nascimento: seio etmoidal.
Maxilar: se forma até 4 anos.
Esfenoidal: 5 anos.
Frontal: 7 anos até adolescência.

35

Qual o tratamento da Sinusite Bacteriana?

Igual ao tratamento da OMA(a outra complicação do resfriado comum). Entretanto a duração do tto se dá até 7 dias após a melhora clínica.

36

Quais as complicações da Sinusite Bacteriana e os ttos?

- Celulite orbitária e periorbitária.
TTO: TC+ internação + ATB parenteral (Amoxi+Clav ou Vancomicina + ceftriaxona).

- Complicações intracranianas: meningite, abcesso e trombose do seio cavernoso.

37

Quais os DD de Sinusite Bacteriana?

1- Rinite alérgica;

2- Sífilis (rinite sifilítica);

3- Corpo estranho.

38

Qual agente etiológico da Faringoamigdalite Bacteriana?

Streptococcus B hemolítico do grupo A (S. pyogenes).

39

Qual a faixa etária característica da Faringoamigdalite Bacteriana?

5 - 15 anos.

40

Qual a clínica da Faringoamigdalite Bacteriana?

Febre alta e dor de garganta.

Pode ter: vômito e dor abdominal; exsudato amigdaliano; petéquias no palato; adenomegalia cervical.

# NÃO TEM TOSSE NEM CORIZA #

41

Qual agente etiológico da Febre Faringoconjutival?

Adenivírus.

42

Quais as principais complicações da Faringoamigdalite Bacteriana?

Abscesso peritonsilar e Abscesso retrofaríngeo.

43

Quadro clínico do abscesso peritonsilar?

Amigdalite, disfagia/dispor-te-ias, trismo desvio da úvula para o lado contralateral.

44

Qual o TTO do Abscesso Peritonsilar?

Internação + ATB parenteral + drenagem (aspiração por agulha ou incisão e drenagem).

45

Qual o quadro clínico do Abscesso Retrofaríngeo?

IVAS recente
Febre alta e dor de garganta
Disfagia e Sialorreia
Dor à mobilização do pescoço
Pode haver estridor.

46

Quais os dois critérios a serem avaliados para definir área da árvore respiratória acometida pelo processo inflamatório?

Estritor e Taquipnéia.

47

Quais as principais doenças periglóticas e qual achado as caracteriza?

Presença de estridor.

1- Epiglotite Aguda;
2- Laringotraqueíte Viral Aguda;
3- Traqueíte Bacteriana.

48

Qual o quadro clínico da Epiglotite Aguda?

- Agudo e Fulminante;
- Febre alta e toxemia;
- Dor de garganta, disfagia e sialorreia;
- Estridor;
- Posição em tripé.

49

Qual a conduta imediata na Epiglotite Aguda?

Garantir Via Aérea.

50

Qual o principal agente causador da Epiglotite Aguda?

H. Influenzae tipo B (hoje em dia tem muito pouco devido à vacinação).

51

Qual sinal radiológico característico da Epiglotite Aguda?

Sinal do Polegar.

52

Qual o quadro clínico da Laringotraqueíte (Ou crupe viral)?

- Pródromos catarrais;
- Febre baixa;
- Tosse metálica;
- Estridor;
- Rouquidão.

53

Qual o tto da Epiglotite Aguda?

IOT + ATB (7-10 dias) = bom prognóstico.

54

Qual o sinal radiológico característico da Laringotraqueíte Viral?

Sinal da Torre ou da Ponta do Lápis.

55

Qual o TTO da Laringotraqueíte Viral.

Depende:
1) estridor em repouso: NBZ Adrenalina + Corticoide (manter em observação por 2 horas).
1) sem estridor em repouso : corticoide.

56

Qual o quadro clínico da Laringite Estridulosa ou Crupe Espamódico?

Semelhante à Laringotraqueíte Viral entretanto ocorre um despertar súbito sem pródromos.

57

Qual a complicação mais comum da Laringotraqueíte Viral?

Traqueíte Bacteriana.

58

Qual o quadro clínico da Traqueíte Bacteriana?

- Febre alta/ Piora Clínica;

- Resposta parcial ou ausente a adrenalina (pois a obstrução não é causada apenas pelo edema, mas também pelo pus)

59

Qual o TTO da Traqueíte Bacteriana?

Internação + ATB parenteral (vanco+ oxiciclina) + considerar IOT.