Cardiologia - Doença Arterial Coronariana Crônica Flashcards Preview

Medicina Interna > Cardiologia - Doença Arterial Coronariana Crônica > Flashcards

Flashcards in Cardiologia - Doença Arterial Coronariana Crônica Deck (55):
1

A doença arterial coronária é caracterizada por:

comprometimento da circulação coronária com alterações da luz das artérias, podendo levar a alterações no fluxo sanguíneo coronário.

2

Insuficiência coronária é:

Incapacidade da circulação coronária em manter o fluxo sanguíneo adequado

3

Isquemia é:

A expressão do desequilíbrio entre o consumo e a oferta de oxigênio

4

Miocárdio hibernante:

região do miocárdio que deixa de apresentar contração, pela presença constante de isquemia. É músculo ainda vivo porém sem função, mas que volta a se contrair ao receber quantidades adequadas de oxigênio

5

A isquemia é causada pela:

incapacidade de aumento proporcional da oferta do fluxo sanguíneo à demanda

6

Fatores que influenciam o consumo de oxigênio pelo coração:

FC, Contratilidade miocárdica e Tensão sistólica na parede miocárdica

7

Fatores que influenciam na oferta de oxigênio ao coração:

Fluxo coronário e Capacidade sanguínea de condução de oxigênio

8

O fluxo coronário depende:

da Resistência vascular coronária, da Diferença de pressão entre aorta e átrio direito e do Tempo de diástole

9

A Resistência vascular coronária depende:

da Auto-regulação, do Controle metabólico, do Controle neural e humoral, das Forças e da Compressão extravascular

10

Causa mais comum da DAC:

Aterosclerose

11

Aterosclerose:

Processo imuno-inflamatório desencadeado pela oxidação do LDL, havendo disfunção endotelial e redução dos níveis de substâncias protetoras como o óxido nítrico

12

Síndrome X:

Doença da microcirculação coronária, devida a disfunção endotelial ou alterações do tônus vascular (espasmos) na artéria coronária

13

Quanto maior a redução da luz do vaso:

Menor o consumo de oxigenio necessário para desencadear isquemia

14

Angina pectoris:

Dor retroesternal, precordial ou epigástrica, com irradiação para a superfície ulnar do antebraço esquerdo ou braço direito, dorso, pescoço e acima da mandíbula. Desencadeada por exercício ou estresse emocional. Aliviada com repouso ou uso de nitroglicerina.

15

Equivalentes angionosos:

Dispnéia, tontura, fadiga e eructações.

16

Diagnóstico Diferencial:

Esofagite, Costocondrite, Pleurite, Valvulopatia, Cardiomiopatia, Pericardite, Dissecção, TEP e Hipertensão pulmonar

17

B4 sugere:

Miocardiopatia isquêmica

18

Sopro, regurgitação mitral e estertores crepitantes em campos pulmonares sugere:

Disfunção de ventrículo esquerdo

19

Classificação da angina do peito:

I, II, III e IV

20

Angina do peito I:

Atividades físicas comuns com esforço intenso e prolongado sem desencadeamento de angina

21

Angina do peito II:

Leve limitação das atividades habituais

22

Angina do peito III:

Grande limitação das atividades habituais

23

Angina do peito IV:

Incapacidade de desempenhar qualquer atividade e angina de repouso

24

o ECG é normal em:

50% dos pacientes com angina do peito típica

25

Alterações do ECG na angina típica:

Inversão da onda T e segmento ST infra ou supradesnivelado

26

Alterações do Teste ergométrico com ECG:

Desempenho limitado por sintomas, infradesnivelamento do segmento ST, queda da pressão arterial sistólica superior a 10mmHg e taquiarritmia ventricular

27

Tratamento farmacológico:

Antiagregantes plaquetários, Betabloqueadores, Nitratos, Bloqueadores de canais de cálcio e Estatinas

28

Contraindicações do uso de Betabloqueadores:

Sinais de disfunção sistólica, Distúrbios de condução A-V ou FC menor que 65, DPOC e asma, Arteriopatia periférica grave e Diabéticos instáveis

29

Complicações das Estatinas:

Complicação hepática e Rabdomiólise

30

Estatinas mais potentes:

Atorvastatina e Rosuvastatina

31

Contraindicações do Teste Ergométrico:

IAM a menos de 4 dias, Angina instável de moderado a alto risco, Ritmos cardíacos instáveis, Estenose aórtica grave, Miocardite aguda e Endocardite infecciosa ativa.

32

Padrão de referência no diagnóstico da DAC obstrutiva:

Cineangiocoronariografia e Ventriculografia esquerda

33

Lesões angiograficamente importantes:

Obstrução de 50% ou mais do lúmen arterial

34

Indicações de Cintilografia de perfusão miocárdica:

Portadores de Hipertrofia de VE, Bloqueio de ramo esquerdo e usuários de Digitálicos

35

O Ecocardiograma detecta:

Alterações da contratilidade regional ou global da parede do ventrículo decorrente de uma cicatriz antiga ou de isquemia miocárdica persistente

36

Antes de submeter o paciente ao cateterismo cardíaco, deve-se avaliar o paciente por algum método não-invasivo, pois existe:

Morbidade e mortalidade relacionadas com a Cineangiocoronariografia

37

Indicações de Cineangiocoronariografia:

Dúvida diagnóstica, Sinais de alto risco nos testes não-invasivos, Permanência de sintomas com terapia ideal e Muito sintomáticos com mínimo esforço (Classe III e IV da CCS)

38

O Tabagismo é responsável pela:

Progressão da aterosclerose, Aumento da demanda de oxigênio e Redução do fluxo coronário

39

Tratamento não-farmacológico:

Reabilitação física, Perda de peso, Dieta e suspensão do tabagismo

40

Substitutos da Aspirina:

Clopidogrel. Ticlopidina e Trifusal

41

Vantagem da aspirina em relação a outros antiagregantes plaquetarios:

Além do efeito antitrombótico, possui efeito antiinflamatório

42

Estatinas são:

Inibidores da enzima HMG-CoA redutase

43

Indicação de Estatina para pacientes portadores de DAC:

LDL maior que 100

44

Em pacientes de alto risco, preconiza-se LDL abaixo de:

70

45

Efeitos adversos dos Nitratos:

Cefaleia, Rubor facial e Hipotensão

46

Betabloqueadores tem efeito:

Anti-hipertensivo e antiarritmico

47

Efeitos dos Bloqueadores dos canais de cálcio:

Tem efeito vasodilatador coronário e periférico. Reduz contratilidade miocárdica, FC e pós-carga

48

Efeitos dos Inibidores da ECA:

Redução da hipertrofia de VE, da hipertrofia vascular, Desaceleração do processo aterosclerótico. Reduz a chance de rotura de placas ateroscleróticas, reduz atividade simpática. Melhora relação demanda-oferta

49

Procedimentos de revascularização miocárdica:

Intervenção coronária percutânea (PCI) e Cirurgia de revascularização do miocárdio

50

Intervenção coronária percutânea:

Angioplastia coronária pelo uso de balão, com ou sem colocação de próteses (stents).

51

Procedimento da Cirurgia de revascularização do miocárdio:

Anastomose proximal entre artéria aorta e a distal com a artéria coronária por meio de um enxerto após o local de maior obstrução

52

Enxertos livres mais usados na Cirurgia de revascularização do miocárdio:

Veia safena, artéria radial e mamária

53

Fatores de risco:

HAS, Diabetes, Tabagismo, Relação LDL/HDL>5, LDL absoluto aumentado, HDL absoluto diminuido, Obesidade central, Sedentarismo, Idade + 55 (Homens) e 65 (mulheres) e História familiar de coronariopatia precoce

54

Etiologia:

Aterosclerose

55

Fisiopatologia:

Desequilíbrio oferta-demanda, Déficit de ATP, Disfunção endotelial, Diminuição do óxido nítrico, Obstrução do lúmen arterial coronariano, Isquemia e Aumento da trombogenicidade.

Decks in Medicina Interna Class (194):