Sarampo Flashcards Preview

Pediatria > Sarampo > Flashcards

Flashcards in Sarampo Deck (51):
0

Qual agente etiológico Sarampo?

Vírus do sarampo do gênero Morbilivirus

1

Contra qual próteína se dirigem os anticorpos neutralizantes do virus Do sarampo?

H - hemaglutinina

2

O que é um caso autóctone de sarampo?

Caso novo ou contato de caso secundário de sarampo após a introdução do vírus no país

3

Como ocorre a transmissão

Contato com secreções nasofaringeas ou aerossol, penetra na conjuntiva ou trato respiratório

4

Qual o período de transmissão?

3 dias antes até 6 depois do início do exantema

5

O que ocorre com as células infectadas pelo vírus do sarampo? Como passam a ser chamadas?

Se fundem. Células gigantes de warthin-finkeldey

6

De que maneira o vírus causa imunossupressão?

Infecta linfócitos T CD4 e suprime resposta Th1

7

Quais os sintomas do período prodrômico?

Febre conjuntivite com fotofobia tosse e Manchas de Koplik

8

O que são as manchas de Koplik? Como se caracterizam? Onde se localizam?

Enantema patognomônico do sarampo. Manchas brancoazuladas de 1mm de diâmetro e halo eritematoso tipicamente na mucosa jugal, na altura dos pré-molares. Também podem estar na conjuntiva ou na mucosa vaginal

9

Por que ocorre redução dos sintomas com o início do exantema?

Porque há início da produção de anticorpos séricos

10

Que tipo de isolamento devem receber os pacientes com sarampo?

Precaução de contato aéreo

11

Como uma imunossupressão afeta o período de transmissibilidade?

A doença passa a ser transmissível durante toda sua duração

12

Quais as características da conjuntivite no sarampo?

Não purulenta e com fotofobia

13

Qual o último sintoma a desaparecer

Tosse

14

Caracterize o exantema morbiliforme

Maculopapular eritematoso com áreas de pele íntegra de permeio, mais confluente em tronco e face

15

Como se dá a progressão do exantema?

Craniocaudal iniciando na fronte, na região retroauricular e na nuca

16

Como se dá a remissão?

Com descamação furfurácea

17

Quem é afetado pelo sarampo atípico e como ele se caracteriza?

Pessoas que receberam a antiga vacina de vírus inativado e tiveram contato com o vírus selvagem. Exantema inicia em extremidades e evolui de maculopapular para petequial, de forma centrípeta. Há febre alta, cefaleia e pneumonia com derrame pleural é uma complicação frequente

18

Quem é afetado pela infecção subclínica? Como ela se manifesta? É transmissível?

Quem recebeu anticorpos via transplacentária ou por hemotransfusao ou ainda casos de pessoas vacinadas. O pródromo e o exantema são mais leves, não é transmissível.

19

A detecção de anticorpos IgM é possível em que período?

Entre 72h e um mês do início do rash

20

O isolamento viral é possível em quais espécimes? Qual é o mais recomendado pelo MS?

Sangue, secreções respiratórias e urina (a mais recomendada).

21

Quais casos devem ser submetidos a avaliação laboratorial?

Todos. No máximo, em até 28 dias (amostra oportuna), mas idealmente no momento do diagnóstico.

22

Qual os 3 objetivos de identificar o vírus e qual o intervalo para fazer a coleta?

Identificar o padrão genético circulante no país. Diferenciar casos autóctones de importados. Diferenciar o vírus selvagem do vacinal. Colher até o 3o, máximo 5o dia do rash.

23

Em que faixas etárias há maior morbidade e mortalidade?

Menores de cinco anos (especialmente menores de 1 ano) e maiores de 20

24

4 fatores para aumento de mortalidade

Aglomerações, desnutrição grave, hipovitaminose A e imunossupressão.

25

Principal causa de morte

Pneumonia

26

Principal complicação bacteriana

OMA

27

Tipos de pneumonia no sarampo

Pneumonia de células gigantes, por S. Pneumoniae, H. Influenzae ou S. Aureus

28

Outras complicações respiratórias do sarampo

Bronquiolite, traqueíte, crupe, sinusite, mastoidite

29

Qual a importância da relação sarampo-TB.

Sarampo pode reativar TB pulmonar. Além disso o PPD do paciente infectado ou vacinado pode tornar-se temporariamente não reator

30

3 Complicações no TGI do sarampo e seu mecanismo

Diarreia e vômitos devido a infiltrados de células gigantes. Apendicite por hiperplasia linfoide na mucosa local.

31

3 complicações do SNC no sarampo

Convulsões, encefalite e panencefalite esclerosante subaguda

32

Qual a faixa etária mais acometida por convulsões no sarampo?

Adolescentes e adultos jovens

33

Fisiopatologia das convulsões no sarampo

Complicação pós-infecciosa mediada imunologicamente. Em imunodeprimidas ocorre um quadro subagudo, progressivo e fatal causado por ação viral direta.

34

Líquor nas convulsões por sarampo

Pleocitose linfocítica e aumento da proteinorraquia

35

Conceito de panencefalite esclerosante subaguda

Doença neurodegenerativa crônica rara e fatal, que ocorre de 7 a 10 anos após a infecção pelo vírus do sarampo, principalmente quando esta se deu antes dos 2 anos de idade

36

Patogênese da panencefalite esclerosante subaguda

Imaturidade imunológica + fenômenos de replicação viral dentro dos neurônios. Em determinado momento, os vírus se reativam.

37

Estágios clínicos da panencefalite esclerosante subaguda

I- mudanças súbitas de comportamento
II- mioclonias maciças
III- coreoatetose, distonia e rigidez em cano de chumbo, evoluindo com redução do nível de consciência
IV- disautonomia. Prediz morte iminente.

38

Critérios diagnósticos da panencefalite esclerosante subaguda

Quadro clínico mais um de:
I- anticorpos antissarampo no líquor
II- achados característicos no EEG (padrão de surto-supressão a partir do estágio II)
III-achados histopatológicos ou detecção de vírus/antígeno em espécimes de tecido cerebral biopsiado ou post mortem

39

O vírus vacinal causa panencefalite esclerosante subaguda?

Não, apenas o vírus selvagem é encontrado nos casos

40

O que é sarampo negro?

Também chamado sarampo hemorrágico, é frequentemente fatal. Cursa com lesões hemorrágicas na pele e trombocitopenia

41

Complicação cardíaca do sarampo

Miocardite

42

Consequências da infecção pelo sarampo na gravidez

Alta morbidade na gestante, abortamento, prematuridade e natimortos

43

Tratamento para o sarampo

Não há tratamento específico. Hidratar, usar antipiréticos (dipirona, paracetamol), oxigênio umidificado, suporte ventilatório quando necessário. Usar vitamina A.

44

Dose de vitamina A por faixa etária

Adm. No dia do Dx e no dia seguinte:
12 meses: 200 000 ui por dose
Repetir após 4 semanas se houver alteração oftalmológica sugestiva de hipovitaminose A

45

Papel do isolamento

O a precaução de contato aéreo tem papel relativo devido à transmissão ocorrer antes mesmo do rash. Ainda assim, é muito importante

46

Profilaxia pré-exposição

Vacinação - tríplice ou tetra viral aos 12 e 15 meses
Adolescentes e adultos - tríplice
Após os 20 anos fazer apenas uma dose

Vacina não exclui a possibilidade

47

Profilaxia pós-exposição

Vacinação de bloqueio em até 72h ou imunoglobulina IM em até 6 dias para os menores de 6 meses, gestantes e imunocomprometidos.

A vacinação de bloqueio não conta como dose de vacina regular, para os lactentes entre 6 e 12 meses. Fazer as 2 doses regulares normalmente.

48

Definição de caso suspeito

Febre e exantema maculopapular + tosse ou coriza ou conjuntivite

Ou suspeito com história de viagem ao exterior nos últimos 30 dias ou contato, no mesmo período, com alguém que viajou ao exterior

49

Definição de caso confirmado

Caso suspeito c/ um de 3: critério laboratorial OU critério de vínculo epidemiológico (contato com caso confirmado laboratorialmente entre 7 e 18 dias do início do aparecimento dos sintomas) OU critério clínico (quando não há coleta de amostra para sorologia, ou evolui para óbito antes de realizar exames - FALHA DO SISTEMA)

50

Definição de caso descartado

Caso suspeito c resultado laboratorial negativo em amostra oportuna ou positivo para outra doença OU caso suspeito cuja fonte de infecção foi descartada pelo critério laboratorial ou haja surto/epidemia na localidade de outra doença exantemática febril OU critério clínico, em que não houve coleta de exame mas os sinais ou sintomas sejam mais compatíveis com outra doença.