Síndromes Ictéricas 2 (Colestase) Flashcards Preview

Clínica > Síndromes Ictéricas 2 (Colestase) > Flashcards

Flashcards in Síndromes Ictéricas 2 (Colestase) Deck (55):
1

Principais etiologias das síndromes colestáticas?

Doença calculosa biliar, neoplasia maligna e doença autoimune da via biliar

2

Primeiro exame a se fazer quando há colestase?

USG abdominal (para localizar a obstrução)

3

Na USG abdominal, "colédoco dilatado em toda sua extensão", significa...?

Obstrução+ baixa

4

Na USG abdominal, "colédoco e vesícula não visualizados, com via biliar intra-hepátuca dilatada", significa...?

Obstrução + alta

5

Características do cálculo biliar do tipo amarelo?

Tipo + comum (80% dos casos)
Feito de colesterol
Radiostransparente

6

Fatores de risco para desenvolver cálculo biliar amarelo?

Mulher, obesidade, idade avançada, estrogenioterapia, emagrecimento rápido, doença ileal (Crohn, ressecção)

7

Características do cálculo biliar tipo preto?

15% dos casos
Feito de bilirrubinato de cálcio
Aparece no radiografia

8

Fatores de riscos para desenvolver cálculo biliar tipo preto?

Hemólise crônica, cirrose hepática, doença ileal

9

Características do cálculo biliar tipo marrom (castanho)?

+ raro (5% dos casos)
Feito de bilirrubinato de cálcio
Tem origem na via biliar ( os outros se formam na vesícula)

10

Fatores de risco para desenvolver cálculo biliar marrom (castanho)?

Colonização bacteriana: obstrução (cisto, tumor), parasita (C.sinensis em países asiáticos)

11

Clínica da colelitíase?

Maioria assintomática
Dor precipitada por libação alimentar (hipocôndrio direito) que dura <6 horas
Isoladamente não causa icterícia

12

Dx de colelitíase?

USG abdominal: imagem hiperecogênica+ sombra acústica posterior

13

Como diferenciar colelitíase de um pólipo no USG?

O pólipo não tem sombra acústica posterior

14

Que pacientes devem fazer cirurgia para ttt de colelitíase?

Pacientes sintomáticos, vesícula em porcelana, associação com pólipos, cálculo >2,5 -3cm, anemia hemolítica

15

Qual o tratamento cirúrgico da colelitíase?

Colecistectomia laparoscópica

16

Tratamento em pacientes com colelitíase sintomática que possuem alto risco cirúrgico ou que não querem fazer cirurgia?

Ácido ursodesoxicólico (dissolução farmacológica para cálculo de colesterol<1 cm)

17

Clínica da colecistite aguda?

Dor abdominal >6h + febre + sinal de Murphy
Sem icterícia

18

Laboratório da colecistite aguda?

Leucocitose+ bilirrubinas normais (pode haver discreta elevação em alguns casos)

19

Diagnóstico da colecistite aguda?

Escolha: USG abdominal
Padrão-ouro: cintilografia biliar

20

Tratamento da colecistite aguda?

ATB (cobrindo Gram -)
Colecistectomia laparoscópica precoce (até 72h)
Se caso grave sem condições cirúrgicas: colecistectomia percutânea

21

Complicações da colecistite aguda?

Empiema
Gangrena, que pode levar a perfuração livre ou fístula
Colecistite enfisematosa

22

O que é o íleo biliar e qual seu ttt?

Obstrução intestinal causada por cálculo biliar impactado, a partir de uma fístula entre vesícula e duodeno (complicação da colecistite aguda)
Gera ar na vesícula
Ttt: cirurgia de urgência

23

Características da colecistite enfisematosa?

Ocorre + em homens diabéticos
O clostridium forma ar no interior e na parede da vesícula (na parede é patognômonico dessa condição)

24

Diferença entre coledocolitíase (cálculo no colédoco) primária e secundária?

Primária (10%) formada na via biliar: cálculo castanho
Secundária: (90%): cálculo formado na vesícula

25

Clínica da coledocolitíase?

Icterícia colestática intermitente + vesícula biliar NÃO palpável
50% são assintomáticos

26

Dx da coledocolitíase?

Inicia investigação com USG abdominal
Melhores: colangiorressonância, USG endoscópica, CPRE (invasivo)

27

Tratamento da coledocolitíase?

CPRE (papilotomia endoscópica)
Exploração cirúrgica se descoberta durante colecistectomia
Derivação bileo-digestiva para casos refratários, mas com colédoco dilatado
Obs: pode fazer colecistectomia depois para evitar recidiva

28

Em pacientes que vão fazer colecistectomia por cálculo, quais tem risco elevado de ter coledocolitíase e qual conduta?

Paciente com icterícia, USG mostrando cálculo no colédoco, bilirrubina>4
Conduta: fazer CPRE antes da colecistectomia

29

Em pacientes que vão fazer colecistectomia por cálculo, quais tem risco intermediário de ter coledocolitíase e qual a conduta?

Colédoco>6mm, bilirrubina entre 1,8 - 4, idade >55 anos, outro laboratório anormal
Conduta: colangiografia intraoperatória OU colangiorressonância pré-operatórios OU USG endoscópica pré-operatória

30

O que é a colangite aguda?

Obstrução+ infecção da via biliar (por tumor, cálculo...)

31

Manifestações da colangite aguda?

Não grave: tríade de Charcot- febre com calafrio + icterícia+ dor Abdominal
Grave: pêntade de reynolds- tríade de Charcot + hipotensão+ redução do sensório

32

Tratamento da colangite aguda?

ATB (cobrindo Gram -)
Drenagem biliar imediata se grave ou eletiva (24-48h) se não-grave
CPRE se obstrução baixa
Drenagem transhepática percutânea se obstrução alta

33

Clínica dos tumores periampulares?

Icterícia colestática progressiva+ vesícula biliar palpável e indolor (vesícula de couevoisier) + emagrecimento

34

Quais são os tumores periampulares?

CA de cabeça de pâncreas
CA de ampola de Vater
Colangiocarcinoma
CA de duodeno

35

Dx dos tumores periampulares?

USG abdominal
Padrão-ouro: TC abdominal (imagem hipodensa na ampola de Vater)

36

Ttt curativo dos tumores periampulares?

Raro, pois maioria já são diagnosticados em fase grave:
Cirurgia de Whipple (duodenopancreatectomia)

37

Principal fator de risco para CA de cabeça de pâncreas?

Tabagismo

38

Tipo histológico mais comum do CA de cabeça de pâncreas?

Adenocarcinoma ductal

39

Exame usado para acompanhamento no CA de cabeça de pâncreas?

CA 19-9

40

Qual tumor periampular pode simular uma coledocolitíase e como diferenciar?

CA da ampola de Vater (quando necrosa, pode causar icterícia intermitente e melena)
Diferença: coledocolitíase não tem vesícula de courvoisier

41

O que é o tumor de klatskin?

Colangiocarcinoma perihilar que acomete a confluência dos ductos hepáticos
Prognóstico muito ruim

42

Clínica do tumor de klatskin?

Icterícia colestática progressiva + emagrecimento SEM VESÍCULA DE COURVOISIER

43

Dx do tumor de klatskin?

USG: vesícula murcha + dilatação da via biliar intra-hepática
Confirmação: colangiorressonância e/ou TC

44

O que gera a hepatite alcoólica?

Libação alcoólica no bebedor crônico

45

Clínica da hepatite alcoólica?

Febre, icterícia, dor, transaminases até 400, TGO>TGP
Leucocitose: REAÇÃO LEUCEMOIDE

46

Achados na biópsia da hepatite alcoólica?

Lesão centro-lobular + corpúsculos de Mallory

47

Tratamento da hepatite alcoólica?

Corticoide (prednisolona 40mg/dia)
Pentoxifilina (alternativa)
Privação alcoólica

48

O que é a síndrome de Mirizzi?

Complicação da colecistite
Cálculo impactado no ducto cístico, gerando efeito de massa sobre o ducto hepático

49

Clínica da síndrome de Mirizzi?

Icterícia colestática (não é mais colecistite pura e simples!)

50

Riscos da síndrome de Mirizzi?

Maior incidência de CA de vesícula
Maior risco de lesão iatrogênica da via biliar

51

Tratamento da síndrome de Mirizzi?

Colecistectomia aberta (preferível do que por vídeo)

52

Quais são as doenças autoimunes da via biliar e sua clínica?

Colangite (ou cirrose) biliar primária e colangite esclerosante primária
Clínica: icterícia colestática+ PRURIDO+ FADIGA

53

Características da colangite biliar primária?

Atinge os ductos do espaço porta
Acomete + mulher
Associação com artrite reumatóide, Sjögren, Hashimoto
Anticorpo Antimitocôndria (+)

54

Características da colangite esclerosante primária?

Atinge as grandes vias biliares
Acomete + homem
Associação com RETOCOLITE ULCERATIVA
anticorpo p-ANCA (+)
Aspecto em contas de Rosário

55

Ttt da colangite biliar primária?

Retardar evolução com ácido ursodesoxicólico
Casos avançados: transplante hepático