Epidemiologia Flashcards Preview

Preventiva > Epidemiologia > Flashcards

Flashcards in Epidemiologia Deck (35):
1

O que são os estudos analíticos?

O que são os estudos Descritivos?

→ Estudos Analíticos: são estudos que testam uma hipótese.

→ Estudos Descritivo: São estudos que fornecem informações sobre a distribuição das doenças e suas características. Podem gerar hipótese, mas não as testam (= baixo poder analítico)

2

As características populacionais que variam entre pessoas são conhecidas como VARIÁVEIS. Como as "variáveis" podem ser classificadas?

As variáveis podem ser classificadas dependendo da forma como são medidas.

1) NUMÉRICAS ou QUANTITATIVAS: são aquelas representadas por números. Podem ser de dois tipos:
→ Discretas (contagens): assumem apenas valores inteiros. Os valores diferem entre si por quantidades fixas. Nenhum valor intermediário ou frações são possíveis. Ex.: nº de admissões hospitalares.
→ Contínuas: assumem valores que podem ser fracionários, podem apresentar qualquer valor pertencente ao conjunto dos números reais, só dependendo da precisão da medida. Ex.: nível da PA, glicemia..

2) CATEGORIA ou QUALITATIVA: são aquelas que não podem ser representadas por números, mas sim categorias que descrevem atributos ou qualidade dos dados. Neste tipo, não é possível a realização de operações aritméticas como soma ou produto, sendo possível apenas a contagem das observações em cada categoria. Podem ser divididas em:
→ Ordinais: quando existe uma ordem entre as categorias. Ex.: Estadiamento de uma dça; nível de escolaridade; classe social
→ Nominais: quando não existe uma ordem entre as categorias. Ex.: sexo; tipo sanguíneo;

3

Sobre o ESTUDO ECOLÓGICO:
→ Característica do desenho:
→ Vantagem:
→ Desvantagem:
→ Medida de associação:

ESTUDO ECOLÓGICO:

→ Característica do desenho:
AGREGADO - OBSERVACIONAL - TRANSVERSAL

→ Vantagem: fácil, baixo custo, análise simples e possui a capacidade de gerar hipótese

→ Desvantagem: baixo poder analítico, vulnerável à chamada falácia ecológica (viés ecológico). Não determina a incidência, somente a prevalência.

→ Medida de associação: razão de prevalência (RP)

4

Sobre o ESTUDO DE PREVALÊNCIA (ou INQUÉRITO):
→ Característica do desenho:
→ Vantagem:
→ Desvantagem:
→ Medida de associação:

ESTUDO DE PREVALÊNCIA (ou INQUÉRITO):
→ Característica do desenho:
INDIVIDUADO - OBSERVACIONAL - TRANSVERSAL

→ Vantagem: fácil, baixo custo, análise simples e possível a capacidade de gerar hipótese. Mais desenvolvido na técnica de coleta de dados.

→ Desvantagem: baixo poder analítico. Não determina incidência, somente prevalência.

→ Medida de associação: razão de prevalência (RP)

5

Sobre o ESTUDO DE COORTE:
→ Característica do desenho:
→ Vantagem:
→ Desvantagem:
→ Medida de associação:

ESTUDO DE COORTE:
→ Característica do desenho:
INDIVIDUADO - OBSERVACIONAL - LONGITUDINAL PROSPECTIVO
Parte do risco para o desfecho.

→ Vantagem: define o risco, confirma a suspeita, menos chances de chegar à conclusões falsas; pode ser planejado com exatidão; os expostos e os não expostos são conhecidos previamente, antes de se saber os resultados; a medição do risco não é influenciada pela presença de enfermidade; o melhor método para estudar a incidência e a história natural da doença; especialmente úteis para doenças fatais.

→ Desvantagem: caro, longo, vulnerável à perdas, ruim para doenças raras e longas, dificuldade de ser produzido.

→ Medida de associação: Risco Relativo (RR), Risco Absoluto (ou atibuível ao fator), Risco atribuível populacional

6

Como se caracteriza a COORTE HISTÓRICA (ou retrospectiva ou não-concorrente)?

COORTE HISTÓRICA
→ caracteriza-se pela seleção dos grupos de estudo em algum lugar no passado (antes da data de início do estudo), com seus resultados produzidos no presente.

7

Sobre o ESTUDO CASO-CONTROLE:
→ Característica do desenho:
→ Vantagem:
→ Desvantagem:
→ Medida de associação:

ESTUDO CASO-CONTROLE:
→ Característica do desenho:
INDIVIDUADO - OBSERVACIONAL - LONGITUDINAL - RETROSPECTIVO
Parte do desfecho para o risco.

→ Vantagem: fácil, barato, rápido, permite avaliar doenças raras e longas, permite análise de vários fatores de risco ao mesmo tempo.

→ Desvantagem: dificuldade para formar o grupo controle aceitável, não é conveniente quando o diagnóstico não é preciso, estudo de uma única doença, mais vulnerável à erros do que a coorte.

→ Medida de associação: Razão de risco ou razão dos produtos cruzados OU ODDS RATIO

8

Sobre o ESTUDO ENSAIO-CLÍNICO:
→ Característica do desenho:
→ Vantagem:
→ Desvantagem:
→ Medida de associação:

ESTUDO ENSAIO-CLÍNICO:
→ Característica do desenho:
INDIVIDUADO - INTERVENCIONISTA - LONGITUDINAL PROSPECTIVO
* Testa intervenção: droga, vacina...

→ Vantagem: consegue controlar os fatores; melhor para testar medicamentos; insuperável nos aspectos teóricos e práticos para provar relação causal.

→ Desvantagem: problemas sociais, éticos e legais; complexos; caros; demorados; pouco eficazes para doenças raras.

→ Medida de associação: risco relativo, redução absoluta do risco, redução do risco relativo, número necessário de tratamento.

9

Quando ao Ensaio Clínico, o que é:
→ Randomização
→ Estudo Controlado
→ Pareamento

→ Randomização: distribuição dos pacientes entre os grupos de forma aleatória

→ Estudo Controlado: possui grupos de controle para comparação;

→ Pareamento: para cada indivíduo de um grupo, seleciona-se um ou mais indivíduos com as mesmas características (exceto a que está sendo investigada) para o grupo comparação.

10

Como se caracteriza uma meta-análise?

META-ANÁLISE: avalia os resultados de estudos originais sobre determinado tema. É uma revisão de estudos sobre um tema de interesse. Também conhecido como revisão sistemática quantitativa.

11

Quais os estudos compõem cada um dos níveis de evidência científica?
NÍVEL 1:
NÍVEL 2:
NÍVEL 3:
NÍVEL 4:

NÍVEL DE EVIDÊNCIA CIENTÍFICA
NÍVEL 1: Ensaio-clínico randomizado + Meta-análise
NÍVEL 2: Coorte
NÍVEL 3: Caso-controle
NÍVEL 4: opinião do especialista

12

O que significa o RISCO RELATIVO e como é calculado?

RISCO RELATIVO
→ quantas vezes é mais provável os indivíduos expostos virem a desenvolver a doença em relação aos indivíduos não expostos.
→ RR = Inc. Exp. / Inc. não Exp

13

O que significa o ODDS RATIO e como é calculado?

ODDS RATIO (OR):
→ quantas vezes mais chances os indivíduos expostos têm de vir a desenvolver a doença em relação aos indivíduos nãos expostos.
→ Usado no estudo caso-controle
→ Cálculo: (a x d)/(b x c)

14

O que significa o RAZÃO DE PREVALÊNCIA e como é calculado?

RAZÃO DE PREVALÊNCIA
→ quantas vezes é mais provável os indivíduos expostos virem a desenvolver a doença em relação aos não expostos.
→ Usado no estudo de prevalência ou inquérito
→ Cálculo: prevalência dos expostos / prevalência dos não expostos

15

O que significa o RISCO ATRIBUÍVEL AO FATOR (RaF) e como é calculado?

RISCO ATRIBUÍVEL AO FATOR (RaF):
→ de todos os casos de doença nos expostos, quais foram os casos exclusivamente relacionados ao fator estudado;
→ Cálculo: IE - InE
IE: incidência nos expostos
InE: incidência nos não expostos

16

O que significa o RISCO ATRIBUÍVEL NA POPULAÇÃO (RAP%) e como é calculado?

RISCO ATRIBUÍVEL NA POPULAÇÃO (RAP%)
→ de todos os casos da doença na população, quais foram os casos exclusivamente relacionados ao fator estudado? Representa a proporção da doença que poderia ser eliminada da popilação caso fosse removido o fator de risco
→ Cálculo: IE/Total de doentes
IE: incidência nos expostos

17

O que significa o REDUÇÃO DO RISCO RELATIVO (RRR) e como é calculado?

REDUÇÃO DO RISCO RELATIVO (RRR)
→ Qual foi a redução de morte nos pacientes do experimento
→ Cálculo: 1 - RR

18

O que significa o REDUÇÃO ABSOLUTA DO RISCO (RAR) e como é calculado?

REDUÇÃO ABSOLUTA DO RISCO (RAR)
→ de cada 100 pacientes tratados nos dois grupos, o que recebeu o novo tratamento teve quantos eventos a menos que o grupo placebo?
→ Cálculo: Incidência de Morte no grupo controle - Incidência de Morte no experimento

19

O que significa o NÚMERO NECESSÁRIO AO TRATAMENTO (NNT) e como é calculado?

NÚMERO NECESSÁRIO AO TRATAMENTO (NNT)
→ É necessário tratar quantos doentes para evitar um evento?
→ Calculo: 1/ RAR

20

Qual a interpretação das medidas de associação:
RR, OR ou RP = 1 :
RR, OR ou RP > 1:
RR, OR ou RP < 1:

RR, OR ou RP = 1 : sem associação
RR, OR ou RP > 1: fator de risco
RR, OR ou RP < 1: fator de protetor

21

Sobre os ERROS SISTEMÁTICOS:
→ de seleção:
→ de aferição:
→ de confundimento:

ERROS SISTEMÁTICOS:
→ de seleção: quando o grupos de comparação são diferentes

→ de aferição: quando as variedades são medidas de formas diferentes entre os grupos de indivíduos;

→ de confundimento: quando uma terceira variável está associada à exposição e independente da exposição, e é um fator de risco para a doença

22

O que significa ERRO TIPO I e ERRO TIPO II:

ERRO TIPO I ou erro alfa: consiste em uma conclusão de FALSO-POSITIVO

ERRO TIPO II ou erro beta: consiste em conclusão de FALSO-NEGATIVO

23

O que é a HIPÓTESE NULA?

Hipótese nula: não há relação entre o fator de risco e o desfecho (consequência). Então, quando você faz um trabalho e encontra ussa associação e ela é estatisticamente significante, você diz que a hipótese nula foi rejeitada, ou seja, houve associação.

→ Se o risco relativo é diferente de 1 (> 1 ou < 1)e o intervalo de confiança (95%) é estatisticamente significativo, podemos dizer que a hipótese nula foi rejeitada.

24

Do que se trata o INTERVALO DE CONFIANÇA?

O intervalo de confiança representa a precisão estatística. Quanto mais estreito for o intervalo de confiança mais preciso é o estudo.

→ Exemplo: RR, OR ou RP > 1 --> o IC tem que ser todo >1 para confirmar o fator de risco.

25

Quanto as medidas de tendência central:
→ MÉDIA
→ MEDIANA
→ MODA

→ MÉDIA
* Vantagem: reflete todos os valores da amostra. Possui propriedade matemática definida.
* Limitação: é influenciada pelos valores extremos

→ MEDIANA
* Vantagem: Menos sensível à valores extremos que a média
* Limitação: Mais difícil de ser determinada em grande quantidade de dados

→ MODA
* Vantagem: representa um valor típico (o que mais se repete)
* Limitação: Não tem função em termo de cálculo.

26

O que é a SENSIBILIDADE de um teste diagnóstico?

A SENSIBILIDADE é a capacidade de um teste diagnóstico identificar os verdadeiros-positivos nos indivíduos verdadeiramente doentes.
→ triagem diagnóstica
→ para doenças graves
→para doenças tratáveis
→ para bancos de sangue
→ quando o resultado errado não confere traumatismo psicológico, econômico ou social para o indivíduo.

27

O que é a ESPECIFICIDADE de um teste diagnóstico?

A ESPECIFICIDADE é a capacidade de um teste diagnóstico identificar os verdadeiros-negativos nos indivíduos verdadeiramente sadios.
→ quando queremos confirmar uma doença
→ doença intratável ou de difícil controle
→ o fato de saber que não têm a doença tera importância sanitária e psicológica
→ quando o resultado errado confere traumatismo psicológico, econômico ou social para o indivíduo.

28

O que é a VALOR PREDITIVO POSITIVO de um teste diagnóstico?

O VALOR PREDITIVO POSITIVO é a proporção de indivíduos verdadeiramente-positivos em relação aos diagnósticos positivos do teste.

29

O que é a VALOR PREDITIVO NEGATIVO de um teste diagnóstico?

VALOR PREDITIVO NEGATIVO é a proporção de indivíduos verdadeiramente-negativos em relação aos diagnósticos negativos pelo teste.

30

O que é a ACURÁCIA de um teste?

A ACURÁCIA é a proporção de acertos, ou seja, o total verdadeiramente positivos e verdadeirmanete negativos em relação à amostra estudada.

31

Como a prevalência influencia o VPP e o VPN?

↑ prevalência → ↑ VPP e ↓ VPN
↓ prevalência → ↓ VPP e ↑VPN

32

O que você sabe da curva ROC (RECEIVER OPERATOR CHARACTERISTIC)?

Curva ROC: é a forma de representar a relação entre a sensibilidade e especificidade de um teste diagnóstico. Para ser construída é criado um diagrama que representa a sensibilidade e a especificidade.

→ o teste com maior acurácia é aquele com maior área abaixo da curva.

33

O que é a Razão de Verossimilhança e como é cálculada?

RAZÃO DE VEROSSIMILHANÇA: expressam quantas vezes mais provável (ou menos) se encontra um resultado de um teste em pessoas doentes comparadas à não doentes.

→ Razão de Verossimilhança de um resultado de Teste Positivo (RVP): sensibilidade / (1-especificidade)

→ Razão de Verossimilhança de um resultado de Teste Negativo (RVN): (1 - sensibilidade)/especificidade

34

TESTE EM PARALELO

TESTE EM PARALELO: é a realização de vários testes diagnósticos ao mesmo tempo, sendo o resultado positivo de qualquer teste considerado diagnóstico.
→ ↑ sensibilidade
→ ↓ especificidade

35

Teste em série

TESTE EM SÉRIE: é a realização de testes consecutivos, ou seja, um de cada vez. Neste caso, todos os testes precisam ter resultado positivo para confirmar o diagnóstico. Sendo que um exame negativo, o teste é suspenso.
→ ↑ especificidade
→ ↓ sensibilidade