Neonatologia (Infecções/Dist. Resp./Reanimação/Ictericia) Flashcards Preview

🧠 PEDIATRIA > Neonatologia (Infecções/Dist. Resp./Reanimação/Ictericia) > Flashcards

Flashcards in Neonatologia (Infecções/Dist. Resp./Reanimação/Ictericia) Deck (201)
Loading flashcards...
1
Q

O que é um RN Pré-termo?

A

< 37 semanas

2
Q

Oque é um RN a termo?

A

37-41 semanas e 6 dias

3
Q

O que é um Rn pós-termo?

A

≥42 semanas

4
Q

Baixo peso ao nascer? Muito baixo peso ao nascer? Baixo peso extremo?

A

(1) < 2500 g
(2) < 1500 g
(3) <1000 g

5
Q

PIG?GIG?AIG?

A

(1) < p10
(2) > p90
(3) p10-90

6
Q

CIUR simétrico resulta de?

A

Agressão no 1º trimestre Ex: infecções congênitas, anomalias cromossomiais

7
Q

CIUR Assimétrico resulta de?

A

(1) Perímetro cefalico > corpo

(2) Insuficiência placentária de 3º trimestre

8
Q

Um bebê PIG faz hipoglicemia por?

A

Baixa reserva

9
Q

Um bebê GIG faz hipoglicemia por?

A

↑insulina

10
Q

Quando o RN libera mecônio?

A

Até 48 horas

11
Q

Quando dar alta no ALCON?

A

Só após 48 horas

12
Q

Qual a temperatura na sala de parto (reanimação)?

A

Entre 23º-26ºc

13
Q

Ao receber um RN quais as três perguntais iniciais?

A

(1) RN à termo?
(2) Respirando ou chorando?
(3) Tônus adequado?

14
Q

Sim para as três perguntas de reanimação, o que fazer?

A

Clampeamento tardio do cordão + iniciar aleitamento

15
Q

Não para alguma das 3 perguntas de reanimação?

A

(1) RN < 34 s boa vitalidade: clampear após 30-60s + mesa
(2) RN ≥ 34 s boa vitalidade: clampear após 1-3 min
(a) à termo? mãe
(b) Pré/pós termo? mesa

16
Q

Quais os passos iniciais da reanimação?

A

Até 30 segundos para realizar o “APAS”

1) Aquecer
(2) Posicionar
(3) Aspirar (1ºBoca/2ºnarina
(4) Secar

17
Q

Como prover calor em um RN < 34 semanas?

A

(1) Saco plástico de polietileno

(2) Touca

18
Q

Como prover calor em um RN < 1.000 g?

A

(1) Colchão térmico

19
Q

Como posicionar o RN?

A

(1) Leve extensão do pescoço

20
Q

Quando aspirar as vias aéreas de um RN?

A

(1) Excesso de secreções obstruindo

(2) se for necessário VPP

21
Q

Nos RN < 34 semanas, durante o APAS, deve-se?

A

Colocar simultaneamente um sensor para oximetria de pulso

22
Q

Quais as 3 condições que indicam inciar VPP?

A

(1) FC < 100 bpm
(2) Apneia
(3) Respiração irregular

23
Q

O tempo máximo para realizar o APAS, avaliar vitalidade e iniciar VPP é de?

A

60 segundos (GOLDEN MINUTE)

24
Q

Qual equipamento se usa na VPP?

A

(1) Balão autoinflável
(2) Ventilador mecânico em T
(3) Máscara facial

25
Q

Qual a frequência de ventilação na VPP?

A

40-60 ventilações por minuto

26
Q

Como deve ser a oferta de oxigênio (FiO2) para um RN ≥ 34 semanas?

A

Iniciar em ar ambiente (21%)

27
Q

Como deve ser a oferta de oxigênio para um RN < 34 semanas?

A

Iniciar com 30% de O2

28
Q

Onde deve-se colocar o oxímetro (reanimação)?

A

MSD

Se < 34 semanas: iniciar monitorização no APAS

29
Q

Quando a VPP é indicada, recomenda-se monitorização cardíaca, onde são fixados os 3 eletrodos?

A

(1) Braço direito
(2) bBraço esquerdo
(3) Face anterior da coxa

30
Q

Qual o alvo da Saturação de O2 nos primeiros 5 min?(reanimação)

A

70-80%

31
Q

Qual o alvo Saturação de O2 nos primeiros 5-10 min?(reanimação)

A

80-90%

32
Q

Qual o alvo Saturação de O2 após 10 min?(reanimação)

A

85-95%

33
Q

Cada tentativa de intubação no RN deve durar quanto tempo?

A

30 segundos

34
Q

Quais as 4 indicações de ventilação por cânula traqueal (IOT) no RN?

A

(1) Ventilação c/ máscara ineficaz ou prolongada
(2) MCE/drogas
(3) Hérnia diafragmática (abd escavado)

35
Q

Quando iniciar MCE?

A

FC < 60, após 30s de VPP e intubação

36
Q

Quando iniciar MCE? (Na prática)

A

FC < 60 após 30 s de VPP e intubação + concentração de O2 entre 60-100%

37
Q

Onde fazer a MCE?

A

Terço inferior do esterno

38
Q

Qual a profundidade da MCE?

A

1/3 diâmetro AP do tórax

39
Q

Qual a relação compressão:ventilação da MCE?

A

3:1, intercalar mesmo se tiver intubado

40
Q

Por quanto tempo deve ser feito MCE+Ventilação antes da reavaliação?

A

60 segundos

41
Q

Quando está indicado iniciar adrenalina na reanimação neonatal?

A

(1) Falha da MCE por 60 segundos

42
Q

Qual a via de administração da adrenalina na reanimação neonatal?

A

(1) Intravenosa: veia umbilical (ideal)

(2) Via traqueal

43
Q

O que infundir se hipovolemia, palidez ou choque na reanimação neonatal?

A

SF 0,9% na dose de 10 ml/kg

44
Q

Como fazer adrenalina na reanimação neonatal?

A

(1) 1:10.000
(2) 0,03 mg/kg
(3) Se bradicardia persiste, repete adrenalina a cada 3-5 minutos

45
Q

Qual a conduta no RN banhado em mecônio?

A

(1) RN VIGOROSO: colo materno
(2) RN DEPRIMIDO: Clampeamento imediato + APAS + considerar VPP
(a) Não melhorou? considerar IOT+aspirar traqueia

46
Q

O que o boletim de Apgar avalia?

A

“REinaldo Foi TOmar REfrigerante COm amigos!”

(1) Respiração
(2) FC
(3) Tônus
(4) Resposta ao cateter nas narinas
(5) Cor

47
Q

O Que ganha 0 pontos no boletim de Apgar?

A

(1) Respiração: Ausente
(2) FC: Ausente
(3) Tônus: Totalmente flácido
(4) Resposta ao cateter nas narinas: Sem resposta
(5) Cor: Cianose central/pálido

48
Q

O que ganha 1 ponto no boletim de apgar?

A

(1) Respiração: Irregular
(2) FC: < 100 bpm
(3) Tônus: Flexão extremidades
(4) Resposta ao cateter nas narinas: Careta/alguma reação
(5) Cor: Cianose extremidades

49
Q

O que ganha 2 pontos no boletim de Apgar?

A

(1) Respiração: Regular/choro
(2) FC: > 100 bpm
(3) Tônus: Movimentos ATIVOS
(4) Resposta ao cateter nas narinas: Tosse/espirro
(5) Cor: Róseo

50
Q

O que fazer se no 5º minuto o Apgar for ≤ 6 ?

A

(1) Novas pontuações serão calculadas a cada 5 min
(a) 10º
(b) 15º
(c) 20º

Até obter uma nota maior que 6!

51
Q

Outras medidas após o nascimento (RN)?

A

(1) Prevenção de oftalmia gonocócica:
(a) Pomada eritromicina 0,5%
(b) Tetraciclina 1%

(2) Profilaxia dça hemorrágica do RN
(a) Vitamina K 1 mg IM

52
Q

O que o Método Capurro Somático leva em conta?

A

(1) Textura da pele
(2) Forma da orelha
(3) Glândula mamária
(4) Pregas plantares
(5) Formação da aréola

53
Q

O que o Método Capurro Somatoneurológico leva em conta?

A

(1) Todos do somático - formação da aréola + sinal do cachecol(xale) + posição da cabeça ao se levantar o RN

54
Q

O método capurro permite a avaliação de prematuros (<29 semanas)?

A

NÃO!

55
Q

Qual a utilidade do Novo escore de Ballard?

A

Avaliar prematuros. Estima a IG entre 20-44 semanas(a) (a) 20 semanas (-10)
(b) 44 semanas (+50)

56
Q

Quando a fontanela posterior se fecha? (lambda)

A

Dois meses de vida

57
Q

Quando a fontanela anterior se fecha? (bregma)

A

Até 2 anos

58
Q

Sobre a bossa serossanguínea?

A

(1) Abaulamento tecido subcutâneo (edema subgaleal)
(2) Ultrapassa as linhas de sutura
(3) Com ou sem equimose
(4) Desaparece espontaneamente

59
Q

Sobre o Cefaloematoma?

A

(1) Abaulamento hematoma subperiosteal
(2) NÃO ultrapassa a sutura
(3) NÃO apresenta equimose
(4) Desaparece espontaneamente

60
Q

O que é Craniossinostose?

A

Fechamento prematuro das suturas

61
Q

Qual a forma mais comum de craniossinostose?

A

Dolicocefalia ou escafocefalia (sagital)

62
Q

Sobre o Eritema tóxico neonatal?

A

(1) Lesões eritematosas, maculopapulares ou pustulosas
(2) Poupa palmas e solas
(3) Autolimitada
(4) Bolha subcórnea/intraepidérmica ↑↑↑eosinófilos

63
Q

Sobre a Melanose pustulosa ou pustulose transitória neonatal?

A

(1) Pústulas estéreis
(2) Máculas hipercrômicas com colarete de escamas brancas
(3) Permanecem por 3 meses

64
Q

Sobre o Milium sebáceo?

A

(1) Micropápulas esbranquiçadas

(2) Na cavidade oral: pérolas de Epstein

65
Q

Sobre a Miliária?

A

(1) Lesões vesicopapulares ↑↑sudorese excessiva

2) Miliária cristalina x Rubra(“brotoeja”

66
Q

Sobre Mancha mongólica?

A

(1) Mancha azulada

(2) RN negro/asiático

67
Q

Sobre manchas salmão?

A

(1) Manchas róseas/vermelhas, ectasia capilar

(2) Exacerbam durante o choro

68
Q

O que é onfalocele?

A

(1) Herniação do conteúdo abdominal
(2) Recoberto por membrana peritoneal
(3) Associa com trissomias/anomalias

69
Q

O que é gastrosquise?

A

(1) Defeito à direita do umbigo

(2) Exterioriza sem mebrana peritoneal

70
Q

No que consiste a manobra de Barlow?

A

(1) Empurrar a cabeça do fêmur para fora do acetábulo

(a) Se +: Luxável!

71
Q

No que consiste a manobra de Ortolani?

A

(1) Redução da articulação luxada

(a) Se +: “clique”

72
Q

Se manobras de Barlow/Ortolani negativas com pistonagem positiva(+), indica?

A

Displasia do desenvolvimento do quadril

73
Q

O que fazer diante de Torcicolo congênito?

A

(1) Pesquisar displasia congênita do quadril

(2) Tumefação do esternocleidomastoideo

74
Q

Sobre a Paralisia de Erb-Duchenne?

A

(1) Lesão ao 5º-6º nervos cervicais

(2) Perde capacidade de abduzir e rodar externamento o braço e supinar o antebraço

75
Q

Sobre paralisia de Klumpke?

A

(1) Lesão 7º-8º nervos cervicais
(a) Paralisia da mão ipsilateral
(2) Sd. Horner (lesão 1º nervo torácico)

76
Q

Quando fazer teste do pezinho?

A

Entre o 3º-5º dia de vida

77
Q

O que o rastreamento do teste do pezinho prevê?

A

“H-F-H-F-H-F”

(1) Hipotireoidismo congênito
(2) Fenilcetonúria
(3) Hemoglobinopatias (An. Falciforme)
(4) Fibrose cística
(5) Hiperplasia adrenal congênita (17-hidroxiprogesterona)
(6) deFiciência de biotinidase

78
Q

Qual o objetivo do teste da oximetria (coraçãozinho)?

A

Cardiopatias congênitas críticas (dependentes de canal arterial)

79
Q

Qual o período recomendado para o teste da oximetria (coraçãozinho)?

A

Primeiras 24-48h

80
Q

Quais os locais de posicionamento dos oxímetros durante o teste da oximetria?

A

MSD (pré-ductal) + qualquer MI(pós-ductal)

81
Q

O que indica normalidade no teste da oximetria?

A

SpO2 > 95% e diferença < 3%

82
Q

Qual a conduta diante do teste da Oximetria inicialmente alterado?

A

Repetir em 1 hora

83
Q

Qual a conduta diante do teste da Oximetria duplamente alterado?

A

Solicitar ECOCARDIOGRAFIA

84
Q

Qual o objetivo da pesquisa do reflexo vermelho (Teste do olhinho)?

A

(1) Catarata (leucocoria)
(2) Retinoblastoma
(3) Retinopatia da prematuridade
(4) Coriorretinite

85
Q

No que consiste a triagem auditiva neonatal (Teste da orelhinha)?

A

Emissão otoacústicas para avaliação do sistema PRÉ-NEURAL (condução, cócleas)

86
Q

O que fazer em caso de teste da orelhinha alterado?

A

(1) Repetir teste alterado antes de 3 meses

(2) Casos confirmados de deficit auditivo: tto antes de 6 meses

87
Q

O que o Teste da Linguinha busca?

A

Alterações no frênulo lingual (SBP descorda)

88
Q

Quais os sintomas da sífilis precoce (<2 anos)?

A

(1) Rinite sifilítica: obstrução/ secreção nasal sanguinolenta
(2) Placas mucosas
(3) Condiloma plano
(4) Pênfigo palmo-plantar (exantema vesico-bolhoso)
(5) Lesões ósseas
(a) Osteocondrite: Metáfise, pseudoparalisia de Parrot
(b) Periostite: Diáfise ossos longos/crânio. Rx: Duplo contorno

89
Q

Quais os sintomas da sífilis tardia (>2 anos)?

A

(1) Bossa frontal (fronte olímpica)
(2) Tíbia em sabre (arqueamento)
(3) Dentes de Hutchinson
(4) Molares em amora
(5) Nariz em sela
(6) Rágades
(7) Articulação de clutton (derrame joelho)
(8) Ceratite intersticial

90
Q

Como fazer avaliação do RN com sífilis?

A

(1) Clinicamente
(2) VDRL
(3) Hemograma: Anemia/plaquetopenia
(4) Punção lombar
(5) Raio-x de ossos longos: Osteocondrite/periostite

91
Q

O que eu acho na sorologia (punção lombar) da sífilis neonatal?

A

(1) VDRL+
(2) > 25 células/mm³
(3) Proteínas > 150 mg/dL

92
Q

O que eu acho no Hemograma da sífilis neonatal?

A

(1) Plaquetopenia

(2) Anemia

93
Q

O que é um tratamento inadequado para sífilis na gestante?

A

(1) Não penicilínico
(2) Inadequado para a fase
(3) Incompleto
(4) ≤ 30 dias antes do parto
(5) Parceiro com sífilis não tratado

94
Q

Mãe NÃO TRATADA/INADEQUADAMENTE TRATADA com LÍQUOR ALTERADO?

A

“C10”
(1) P. Cristalina 2x/dia por 10 dias
DOSE: 50.000 UI/kg

95
Q

Mãe NÃO TRATADA/INADEQUADAMENTE TRATADA com LIQUOR NORMAL E OUTRA ALTERAÇÃO?

A

“CP10”

(1) P. Cristalina IV 10 dias
(2) P Procaína IM 10 dias

96
Q

Mãe NÃO TRATADA/INADEQUADAMENTE TRATADA com EXAMES NORMAIS E ASSINTOMÁTICO?

A

“B1”

1) P. Benzatina 50.00 dose única
(2) Garantir Acompanhamento
(a) Se não: CP10 (Cristalina/Procaína por 10 dias

97
Q

Mãe ADEQUADAMENTE TRATADA, o que fazer?

A

VDRL no RN sempre!!!

98
Q

Mãe ADEQUADAMENTE TRATADA, com RN SINTOMÁTICO ou VDRL(RN) > VDRL(materno)?

A

(1) Colher demais exames
(2) CP10 (Cristalina/Procaína por 10 dias)
(a) Procaína só se LCR normal

99
Q

Mãe ADEQUADAMENTE TRATADA, com RN ASSINTOMÁTICO e VDRL(RN) ≤ VDRL(materno)?

A

“A/CP10”

(1) Acompanhamento
(2) Cristalina/Procaína por 10 dias

100
Q

Mãe ADEQUADAMENTE TRATADA, com RN ASSINTOMÁTICO e VDRL não reagente?

A

“A/B1”

(1) Acompanhamento
(2) Benzatina dose única

101
Q

Como é feito o acompnhamento na sífilis neonatal?

A

“Cê Vê, se 2 negativos, Punciono e avalio olho+orelha”

(1) Clínico (1º ano de vida)
(2) VDRL seriado até 18 meses (1-3-6-9-12-18)
(a) Se 2 negativos posso parar!
(3) Punção lombar a cada 6 meses (se LCR alterado)
(4) Avaliação auditiva e visual (semestral nos primeiros 2 anos de vida)

102
Q

A deficiência de 21-hidroxilase pode levar à?

A

Genitália ambígua

103
Q

Qual a tríade clássica de Sabin?

A

“CHC”

1) Coriorretinite
(2) Hidrocefalia
(3) Calcificações difusas (TOdo o parênquima

104
Q

Como deve ser feito a investigação fetal para toxo?

A

“UAii”

1) USG
(2) Amniocentese (PCR do LA - identificar DNA

105
Q

Como deve ser feito a investigação do RN?

A

“SOFIA”

(1) Sorologia
(2) Fundo de olho
(3) Imagem do SNC
(4) Avaliação LCR

106
Q

Como é o tratamento da gestante para previnir infecção fetal (toxo)?

A

Espiramicina

107
Q

Como é o tratamento da gestante na presença de infecção fetal (toxo)?

A

(1) Sulfadiazina + Pirimetamina + Ácido folínico

Esse esquema não pode ser feito no 1º tri

108
Q

Como é o tratamento dos RN com toxoplasmose congênita?

A
(1) Sulfadiazina + Pirimetamina + Ácido folínico 
POR 1 ANO!!
(2) Corticoide se:
(a) Coriorretinite grave
(b) Proteína no LCR > 1 g/dL
109
Q

Quais as 3 manifestações clínicas da Citomegalia?

A

(1) Microcefalia
(2) PIG
(3) Exantema petequial purpúrico
(4) Calcificações periventriculares

110
Q

Qual o tratamento da Citomegalia?

A

Ganciclovir IV por 6 semanas

111
Q

Quais as sequelas da Citomegalia?

A

Surdez neurossensorial

112
Q

Qual infecção congênita está mais relacionada com CIUR?

A

Rubéola

113
Q

Qual a clínica da Rubéola

A

(1) Catarata (reflexo assimétrico/branco/leucocoria)
(2) Surdez bilateral
(3) Cardiopatia congênita: PCA e estenose de artéria pulmonar

114
Q

A síndrome da varicela congênita só estará presente se a infecção ocorrer nas primeiras?

A

20 semanas

115
Q

Quais as manifestações clínicas da varicela congênita?

A

(1) Lesões cicatriciais
(2) Hipoplasia dos membros
(3) Doença neurológica

116
Q

Deficiência na concentração de surfactante pulmonar, levando à instabilidade alveolar leva à qual distúrbio respiratório neonatal?

A

Síndrome do desconforto respiratório I (Doença da membrana hialina)

117
Q

Como o surfactante é produzido?

A

Pneumócitos tipo II 20→34 semanas

118
Q

Quais os fatores de risco para Doença da Membrana Hialina?

A

“PAMDM”

(1) Prematuridade
(2) Asfixia
(3) Sexo masculino
(4) Diabetes materno
(5) Gemelares

119
Q

Quais os fatores de proteção na Doença da Membrana Hialina?

A

(1) RPMO
(2) Corticoide antenatal pra mãe
(3) Estresse crônico (insuf. placentária)
(4) DHEG
(5) Heroína (mãe)

120
Q

Como é a clínica da Doença da Membrana Hialina?

A

(1) Desconforto respiratório nas primeiras horas

(2) Piora progressiva nas primeiras 24h

121
Q

Qual o padrão radiológico da Doença da Membrana Hialina?

A

(1) Padrão reticulogranular difuso
(2) Aerobroncograma
(3) Volume pulmonar reduzido
(4) Imagem de vidro moído/fosco

122
Q

Qual o tratamento da Doença da Membrana Hialina?

A

(1) Suporte ventilatório (CPAP nasal)
(2) Ventilação mecânica invasiva
(3) Surfactante exógeno (RN grave)
(4) Antibioticoterapia

123
Q

Quando indicar Ventilação Mecânica Invasiva na Doença da Membrana Hialina?

A

(1) pH < 7,20
(2) PCO2 ≥ 60 mmHg
(3) SatO2 < 90% com FiO2 40-70%
(4) CPAP 5-10 cmH2O
(5) Apneia persistente

124
Q

Como prevenir Doença da Membrana Hialina?

A

(1) Corticoide antenatal
(2) Se <1.000g: Surfactante profilático na sala de parto
(3) CPAP na sala de parto

125
Q

Como é definido Pneumonia/Sepse Precoce?

A

(1) Nas primeiras 48h de vida
(2) Ascendente
(3) Intra parto
(4) Estreptococo grupo B (S. Agalactiae) e Enterobactérias (E.Coli)

126
Q

Como é definido Pneumonia/Sepse Tardia?

A

(1) > 7º dia
(2) Nosocomial
(3) Comunitária
(4) Estafilococos (coagulase negativo / S. Aureus)
(5) Enterobacterias (Coli/Listeria)
(6) Fungos (pmt<1.000g)

127
Q

Quais os fatores de risco para Pneumonia/Sepse neonatal?

A

“BIPAC”

(1) Bolsa rota prolongada ≥ 18 h
(2) ITU materna
(3) Prematuridade
(4) colonização materna pelo s. Agalactiae
(5) Corioamnionite (febre materna)

128
Q

Qual o quadro clínico da Pneumonia/Sepse neonatal?

A

(1) Período assintomático
(2) Desconforto progressivo
(3) Manifestações sistêmicas (TGI, ↑temperatura, estado de alerta)

129
Q

Qual o padrão radiológico da Pneumonia Neonatal?

A

Infiltrado reticulogranular difuso = DMH

130
Q

Quais exames devem ser pedidos na Sepse Neonatal?

A

(1) Hemograma (↑I/T ≥ 0,2)
(2) PCR
(3) Hemocultura
(4) Cultura do LCR
(5) Urinocultura (infecção tardia)

131
Q

Qual o tratamento da sepse precoce?

A

Ampicilina + aminoglicosídeo

P. Cristalina pode

132
Q

Qual o tratamento da sepse tardia?

A

Cobrir anti-estafilocócicos e gram-negativos

133
Q

O retardo da absorção do líquido pulmonar leva à qual disturbio respiratório neonatal?

A

TAQUIPNEIA TRANSITÓRIA (Síndrome do pulmão úmido ou Sd. do desconforto respiratório tipo II)

134
Q

Quais os fatores de risco para Taquipneia Transitória?

A

“CAT”

(1) Cesariana eletiva
(2) Ausência de trabalho de parto
(3) Termo

135
Q

Quais as manifestações clínicas da Taquipneia Transitória?

A

(1) Início nas primeiras horas de vida
(2) Desconforto leve/moderado
(3) Rápida resolução (<72h)

136
Q

Qual o padrão radiológico da Taquipneia Transitória do RN?

A

(1) Congestão hilar
(2) Aumento da trama vascular
(3) Líquido cisural (cisurite)
(4) Derrame pleural
(5) Cardiomegalia discreta
(6) Hiperinsuflação

137
Q

Qual o tratamento para TTRN?

A

(1) Oxigenioterapia (<40%)
(2) Suporte nutricional (sonda orogástrica
NÃO FAZER DIURÉTICOS

138
Q

Como é a prevenção da TTRN?

A

EVITAR CESARIANAS ELETIVAS!!

139
Q

A eliminação de mecônio intrautero associa-se à?

A

ASFIXIA

140
Q

A pneumonite química e infecção bacteriana Qual a sequência de eventos na Síndrome de aspiração meconial?

A

(1) Asfixia (elimina mecônio, aspiração VA inferior)
(2) Obstrução expiratória
(3) Pneumonite química
(4) Infecção secundária

141
Q

Quando pensar em SAM?

A

(1) Sofrimento fetal
(2) Termo / pós-termo
(3) LA meconial

142
Q

Qual a clínica da SAM?

A

(1) Tipicamente grave

(2) Inicio nas primeiras horas

143
Q

Como é a radiografia na SAM?

A

(1) Infiltrado GROSSEIRO
(2) Pneumotórax
(3) Volume pulmonar aumentado

144
Q

Como é o tratamento da SAM?

A

(1) Suporte ventilatório
(2) Antibioticoterapia
(3) Surfactante

145
Q

Qual a definição de Apneia do Prematuro?

A

Pausa respiratória > 20 segundos, ou qualquer duração, se Bradicardia ou Cianose!

146
Q

Quando a Apneia (PMT) surge?

A

Normalmente no 2º - 3º dia de vida

147
Q

Como é o tratamento e prevenção da APNEIA (PMT)?

A

(1) Estímulo tátil
(2) Graves/refratários:
(a) CPAP nasal/VPP
(b) Aminofilina/teofilina ou citrato de cafeína (metilxantinas)

148
Q

Qual a definição de Displasia Broncopulmonar?

A

Doença crônica por exposição pulmonar prolongado ao OXIGÊNIO

149
Q

Quais os fatores de risco para Displasia broncopulmonar?

A

(1) Prematuro
(2) Uso de O2
(3) Ventilação mecânica
(4) Infecção

150
Q

Como é feito o Diagnóstico de Displasia Broncopulmonar?

A

RN que permanecem em oxigenoterapia por mais de 28 dias de vida

151
Q

Quando será a reavaliação nos RN < 32 semanas de vida com Displasia Broncopulmonar?

A

36 semanas de idade gestacional corrigida ou na alta hospitalar

152
Q

Quando será a reavaliação nos RN > 32 semanas de vida com Displasia Broncopulmonar?

A

56 dias de vida ou na alta hospitalar

153
Q

DBP Leve?
DBP Moderada?
DBP Grave?

A

(1) Leve: Ar ambiente
(2) Moderada: Em FiO2 < 0,30
(3) Grave: Em FiO2 ≥ 0,30 e/ou ventilação com pressão positiva (CPAP/VM)

154
Q

O que o Raio-x de Displasia Broncopulmonar mostra?

A

(1) Enfisema intersticial
(2) Atelectasias com hiperinsuflação
(3) Formações císticas

155
Q

Como se trata Displasia Broncopulmonar?

A

(1) Diuréticos
(2) Beta-agonista
(3) Metilxantinas
(4) Oxigenação adequada
(5) Tratamento precoce de infecções

156
Q

O que caracteriza a Icterícia Fisiológica (↑BI)?

A

(1) Início > 24h
(2) ↑Produção de bilirrubina (↓meia-vida)
(3) ↑Circulação êntero-hepática (↑Betaglicuronidase)
(4) ↓Captação/Conjugação (↓Glicuroniltransferase)

157
Q

Quais os fatores de risco maiores para hiperbilirrubinemia grave?

A

(a) Icterícia < 24h
(b) Incompatibilidade sanguínea
(c) Idade gestacional entre 35-36s
(d) Irmão tratado com fototerapia
(e) Cefaloematoma/equimoses
(f) Asiáticos

158
Q

Quais os fatores de risco menores para hiperbilirrubinemia grave?

A

(a) IG 37-38s
(b) Irmão com icterícia neonatal
(c) Icterícia antes da alta
(d) Macrossomia ou mãe diabética
(e) Mãe ≥ 25 anos
(f) Sexo masculino

159
Q

Quando pensar que a icterícia NÃO é fisiológica?

A

(1) <24 h
(2) Velocidade acumulação > 5 mg/dl/dia
(3) > 12 (termo) / > 14 (pré-termo)
(4) Icterícia persistente
(a) >8 dias: termo
(b) >14dias: prematuro
(5) Colestase (acolia,colúria)
(6) Ultrapassa zona 3 Kramer (umbigo)

160
Q

Incompatibilidade ABO?

A

(1) Mãe O

(2) RN A/B CD+/-

161
Q

Incompatibilidade Rh ?

A

(1) Mãe Rh- CI+

(2) RN Rh+ CD+

162
Q

CD negativo (incompatibilidade/icterícia), penso em?

A

(1) Esferocitose

(2) Deficiência G6PD

163
Q

Como se dá a investigação de icterícia neonatal?

A

(1) Bilirrubina total/fraços
(2) Hematócrito/Hb e reticulócitos
(3) Tipagem e Rh
(4) Coombs direto

164
Q

Policromasia na hematoscopia indica?

A

Reticulocitose

165
Q

O que indica deficiência de G6PD?

A

(1) Corpúsculos de Heinz

(2) Hemácias mordidas

166
Q

Icterícia sem colestase precoce (↑BI), penso em?

A

Icterícia do ALEITAMENTO materno

167
Q

Icterícia sem colestase tardia (↑BI), penso em?

A

Icterícia do LEITE materno

168
Q

Icterícia por ↑BD, devo pensar em?

A

Colestase (colúria/acolia)

1) Atresia de vias biliares extra-hepáticas (icterícia entre 2-6 semanas de vida

169
Q

Como se dá a investigação da suspeita de Atresia de vias biliares extra-hepáticas?

A

(1) USG de vias biliares (sinal do cordão triangular)
(2) Cintilografia hepatobiliar
(3) Biópsia hepática (+ importante)
(4) COLANGIOGRAFIA (confirma o diagnóstico)

170
Q

Qual o tratamento da icterícia por Atresia de vias biliares extra-hepáticas?

A

(1) Cirurgia de Kasai (portoenterostomia) nas primeiras 8 semanas de vida!

171
Q

Qual o tratamento proposto para ↓BI?

A

(1) Fototerapia

(2) Exsanguineotransfusão

172
Q

Quando indicar fototerapia?

A
(1) BT > 17 mg/dL
OU
(2) Para menores de 35 semanas:
(a) 1-1,5kg se BT>6
(b) 1,5-2,0kg se BT>8
(c) 2,0-2,5kf se BT> 10
173
Q

Qual a principal indicação da EXSANGUÍNEOTRANSFUSÃO?

A

(1) Falha da fototerapia

(2) Incompatibilidade Rh

174
Q

Qual a definição de enterocolite necrosante?

A

(1) Necrose mucosa intestinal

(2) Pode evoluir: perfuração, peritonite, sepse

175
Q

Quais os fatores de risco para enterocolite necrosante?

A

(1) PREMATURIDADE

(2) ASFIXIA

176
Q

Qual a clínica da enterocolite necrosante?

A

(1) Vômito bilioso
(2) Sangue nas fezes
(3) Distensão abdominal
(4) PNEUMATOSE INTESTINAL

177
Q

Qual a principal indicação de cirurgia em caso de enterocolite necrosante?

A

PNEUMOPERITÔNIO (pode haver perfuração oculta, sem pneumoperitônio)

178
Q

Onde ocorre o sangramento na Hemorragia Peri-Intraventricular (HPIV)?

A

Matriz germinativa subependimária (junção nucleo caudado e tálamo)

179
Q

Qual a clínica da HPIV?

A

(1) SILENCIOSA
(2) Detectada em USG transfontanela de rotina
(3) Hipotonia, desvios oculares anormais

180
Q

Qual a classificação de VOLPE (USG transfontanela) para HPIV?

A

I: Hemorragia de matriz com sangramento intraventricular < 10%
II: Hemorragia 10-50%
III: Hemorragia > 50%

181
Q

Sobre a leucomalácia periventricular?

A

(1) Áreas de necrose focal/gliose na substância branca periventricular.
(2) Atrofia e formação de cistos
(3) Não há tratamento específico. Prevenir hipotensão/hipóxia

182
Q

Qual a clínica da leucomalácia periventricular?

A

(1) SILENCIOSA

(2) Principal causa de sequelas em PREMATUROS

183
Q

Como é dado o diagnóstico de leucomalácia periventricular?

A

(1) USG transfontanela (ventriculomegalia)

(2) RM de crânio

184
Q

A Asfixia perinatal está associada à que?

A

(1) Acidose láctica
(2) Hipoventilação
(3) Hipercapnia
PRINCIPAL CAUSA DE ENCEFALOPATIA HIPÓXICO-ISQUÊMICA

185
Q

Como se dá o diagnóstico de asfixia perinatal?

A

Pelo menos 3: “que se DANE”

(1) Disfunção orgânica multissistêmica
(2) Acidemia metabólica (pH <7,0)
(3) Neurológicas (convulsão,hipotonia,coma,hiporreflexia)
(4) Escore Apgar 0-3 por + de 5 min!

186
Q

Qual a clínica da asfixia perinatal?

A

(1) Dura em média 12 h
(2) ↓↓Nível consciência
(3) Hipotonia
(4) Perda reflexos primitivos
(5) Apneia, convulsão

187
Q

Quando a hipotermia terapêutica é indicada na asfixia perinatal?

A

RN > 35 semanas, peso ao nascer > 1.800 g

188
Q

Para tratar a convulsão neonatal a droga de escolha é?

A

FENOBARBITAL

189
Q

Como se define hipoglicemia neonatal?

A

Glicemia < 40 mg/dL

190
Q

Quais as 3 principais causas de hipoglicemia neonatal?

A

(1) ↑Utilização de glicose (hiperinsulinismo)
(2) ↑ Utilização e/ou redução da produção
(3) ↓produção/reserva glicose (prematuridade)

191
Q

Quais os sintomas de hipoglicemia neonatal?

A

(1) Assintomático
(2) Hipoatividade
(3) Cianose
(4) Convulsão
(5) Recusa dieta
(6) APenai

192
Q

Qual o tratamento da hipoglicemia neonatal?

A

(1) Glicemia < 25 OU Sintomas: Glicose IV

(2) Glicemia 25-34 + assintomático: Leite materno + monitorar glicemia 30-60 min

193
Q

O que define hipocalcemia neonatal?

A

(1) Cálcio sérico total < 7
OU
(2) Cálcio ionizado < 4

194
Q

Quais as causas de hipocalcemia neonatal?

A

(1) Prematuro
(2) Filho de mãe diabética
(3) Asfixia
(4) Congênita (Sd. DiGeorge)
(5) Hipoparatireoidismo; Hiperparatireoidismo materno

195
Q

Síndrome de DiGeorge?

A

(1) Hipoplasia do 3º/4º arcos branquiais levando à:
(a) hipopara
(b) agenesia de timo
(c) imunodeficiencia celular
(d) Anomalia/cardiopatia

196
Q

Qual a clínica da Hipocalcemia?

A

Aumento da excitabilidade neuromuscular: Apneia, convulsão, hiperreflexia, estridor

197
Q

Qual o tratamento da Hipocalcemia Neonatal?

A

(1) Convulsão ou ECG alterado: Gluconato de cálcio 10% 1mg/kl/dose
(2) Parenteral: 500 mg/kgdia gluconato de cálcio 10%

198
Q

Qual a clínica da Persistência do Canal Arterial?

A

(1) Taquipneia, dispneia, apneia, retenção gás carbônico
(2) Precórdio hiperdinâmico
(3) Sopro sistólico/sistodiastólico (“maquinária”)
(4) Pulso periférico amplo
(5) Pressão de pulso elevada

199
Q

Quais os exames na Persistência do Canal Arterial?

A

(1) Raio-x de tórax: ↑aorta ascendente ↑câmaras esquerdas
(2) Ecocardiograma: confirmar o dx
(3) ECG: Sobrecarga biventricular/VE

200
Q

Como tratar Persistência do Canal Arterial no RN prematuro?

A

(1) Indometacina (fechamento farmacológico): atua inibindo a síntese de prostaglandina
(2) Cirurgia

201
Q

Sobre a doença Metabólica Óssea da prematuridade, qual o padrão laboratorial?

A

“CaPO4ta, FÁcil”

(1) ↓ Ca↓PO4
(2) ↑ FA