ITU Flashcards Preview

Grandes Síndromes Bacterianas > ITU > Flashcards

Flashcards in ITU Deck (16):
1

bacteriúria assintomática (BA)

Etiologia: semelhante a cistite e PN = G -
- menor capacidade de adesão das bac

FR: mulher, idade, DM, atividade sexual

Apresentação: coletar 1º jato médio pela manhã
+ se > 10x5 UFC/mL
se cateterizado, + se > 10² UFC/mL

Quando tratar: gestante e paciente que será submetido a procedimento urológico invasivo,
- Proteus, criança com refluxo vesicoureteral, tx renal, neutropênico

Quando não tratar: idosos, lesão medular, SVD

2

candidúria

paciente sondado com ATB de amplo espectro
tratar se sintomática
se assintomática, 33% se resolvem com retirada de cateter vesical de demora

3

ITU baixa - cistite

90% das ITUs sintomáticas, mesmos FR que BA

Apresentação: disúria, poliúria, urgência. noctúria, hesitação, desconforto suprapúbico, hematúria macro e urina turva.
- febre e dor em flanco sugere PNA

Diagnóstico: história é suficiente, mas padrão-ouro é urinocultura. fita reagente para nitrito (e. coli) e esterase leucocitária (piúria) são específicos mas tem sensibilidade média. urinálise mostra piúria e hematúria macro, frequentemente.

Tratamento: betalactâmicos (amoxi e cefalexina) e bactrim são opções de ATBs, mas as drogas mais seguras (no BR) são nitrofurantoína, quinolonas e fosfomicina dose única. Analgésicos urinários podem causar hemólise
>> cistite complicada ou recorrente deve ser tratada por 7 dias
>> em homens, sempre são complicadas e devem ser tratadas por 7-14 dias

4

Pielonefrite: complicada x não complicada

>> não complicada: via urinária sem alteração anatômica ou neurológica
>> complicada: se pct for gestante, homem, criança ou hospitalizado.

5

Pielonefrite - FR

mulher, atividade sexual, ITU prévia, diafragma com espermicidas, menopausa, anormalidade renal, instrumentação urinária, DM, imunodeprê.
>> gestante com BA (20-30%)

6

Pielonefrite enfisematosa

DM hiperglicêmico > fermentação da glicose por dos BGN >> gás no parênquima renal.

7

Na pielonefrite, DM está associada a quais duas complicações?

>>PN enfisematosa:
início rápido de PNA grave que evolui com sepse por BGN, com extensa necrose de parênquima. Tto individualizado: conservador ou nefrectomia

>> necrose de papila: causada por PNA grave, anemia falciforme, abuso de AINE, DM, alcoolismo crônico, doença vascular obstrutiva.
Geralmente bilateral

8

Apresentação de PN

FEBRE ALTA EM CERCA DE PIQUETE POR 72 H, dor progressiva em flancos, fadiga, prostação, N&V, além dos sintomas clássicos de cistite.

>> apresentação atípica não é tão atípica: dor difusa, cefaleia, sintomas constitucionais. No lactente, pode fazer ddx com meningite.

Dx: clínica + labs (urinálise, urocultura, esterase) + 2HMC
>> se falha terapêutica (igual ou pior em 2 dias), dúvida dx, suspeita de abscesso ou obstrução >> solicitar TC

*macroabscessos classicamente em junção corticomedular >> dissociação corticomedular ddx com DRC

9

Tto de PN

ATB individualizada VO ou IV de acordo com gravidade da doença e condições do paciente. Inicialmente empírico, que cubra BGN. Se complicado, deve cobrir G+ também. Média de 14 dias
- ÑC: quinolonas VO / C3ªG IV / quinolonas IV
- C: pipetazo/ cefepime/ carbapenêmico
*evitar quinolonas em gestantes e crianças*

>> ATB IV + internação se: doente grave, imunodeprê, gestante, suspeita de abscesso, obstrução ou cálculo, crianças e homens, vômitos refratários, sem VO adequada, má aderência, vulnerabilidade social

>> Follow-up com urinocultura de controle 2-4 semanas após

10

PN - agentes etiológicos

>> não complicada: E.coli, staphylo saprophyticus, BGN (kleb e proteus), enterococcus, strepto do grupo B

>> complicada: E. coli, PA, enterobacterias, fungos

11

PN - profilaxia

- evitar uso de espermicidas;
- estrogênio vaginal na menopausa;
- urinar após a relação sexual (mulheres);
- evitar cateterização
- corrigir anormalidade uro;

>> ATB em ITU de repetição (> 2 episódios sintomáticos no ano) e em pós-tx renal imediato.
- contínua e pós-coito: baixas doses de bactrim ou quinolonas ou NTF por 6 meses
- iniciada pelo paciente

12

Quando pensar em abscesso em pct com PN?

febre refratária após 4-5 dias de tto; urinocultura com flora polimicrobiana, impactação de cálculo renal; piúria + urinocultura estéril.
75% de origem urinária
os 25% hematogênicos tem sintomas, topia e agentes diferentes!
Pode requerer cx ou não

13

PNXantogranulomatosa

evolução crônica infrequente com inflamação por resposta imune aberrante associada à obstrução.
- destruição maciça do rim por granulomas
- macrófagos com lipídeos
- unilateral e aumento de volume do rim
- ddx com neo

FR: mulher, meia idade, PN de repetição,

clínica: dor lombar, febre, perda ponderal, piora constitucional, massa abd palpável,

Labs:anemia com VHS elevado, BGN ou estafilo,

dx por TC ou angio
tto por nefrec + ATB

14

prostatite bacteriana aguda (tipo I)

>> espontânea: homens jovens, BGN = ITU baixa
>> precipitada pela presença de cateter: espectro mais amplo de GN

clínica: febre, calafrios, dor perineal, disúria (cistite + febre e calafrios)
ao exame: toque retal com próstata edemaciada tensa e sensível
dx: gram e cultura
tto: resposta rápida ao ATB - quinolona, bactrim, C3ªG, aminoglicosídeo. Usar por 4 semanas

15

prostatite bacteriana crônica (tipo II)

próstata = reservatório
sintomas intermitentes, bacteriúria recorrente, pode ascender à bexiga

ao exame: próstata normal ao toque
dx: cultura específica - e. coli, kleb, proteus
tto: quinolona por 12 semanas. em último caso, prostatec radical.

16

sd da dor pélvica crônica (SDPC)

"prostatite não bacteriana" - sem repercussão sistêmica ou bacteriúria. Estratificada entre inflamatória ou não.
- inflama: 10x mais leucócitos ou 1k leucócitos/microL; pode ser clamídia (uretrite recente); ATB 4-6 semanas, com pouca resposta.
- não inflama: um mistério