Obstetricia Flashcards Preview

Clinica Medica + GO > Obstetricia > Flashcards

Flashcards in Obstetricia Deck (64):
1

3 causas de sangramento das primeiras 20 semanas

(1) abortamento
(2) doença trofoblástico gestacional
(3)gravidez ectopica

2

Abortamento colo fechado e suas características e conduta

(1) abortamento completo: útero vazio e menor, seguimento ambulatorial
(2) ameaça de abortamento: útero compatível,repouso e antiespasmótico
(3)abortamento retido: embrião morto, útero menor que IG, esvaziamento

3

Abortamento colo aberto, características e conduta

(1) abortamento incompleto: útero menor, resto na cavidade, esvaziamento
(2)abortamento inevitável: embrião vivo, útero compatível, esvaziamento
(3) abortamento infectado: febre, odor fétido, leucocitose, desvio para a esquerda, atb e esvaziamento

4

Fator responsável por 50% dos abortamentos espontâneos, quais e qual o mais frequente e periodo

(1) Anomalias cromossomais
(2) trissomias
(3) trissomia do 16
(4) precoce

5

Definição de
(1) abortamento precoce
(2) abortamento tardio

(1)até 12 semanas
(2) entre 12 semanas

6

Abortamento habitual
(1) definição
(2) 4 principais causas

(1) 3 ou mais episódios de abortamento consecutivos
(2) doenças cromossomais, anormalidades anatômicas do útero, incompetência istimocervical

7

Abortamento completo, qual a espessura do endométrio?

Inferior a 15mm

8

Abortamento
Indicação de AMIU e sua vantagem

(1) gestação menor de 12 semanas (precoce)
(2) menos traumática

9

Abortamento
Curetagem

(1) impossibilidade de AMIU
(2) grande quantidade de material
(3) até 12 semanas

10

Contraindicações absolutas a uso de misoprostol

(1) gravidez ectopica suspeita ou confirmada
(2) doença trofoblástica gestacional
(3) alto risco de rotura uterina ( 2º ou 3º trimestre em mulher com mais de uma histerostomia prévias)
(4) presença de DIU ( retirar antes do procedimento)
(5) alergia a prostaglandina

11

Abortamento conduta
Até 12 semanas

(1) AMIU
(2) alternativa: curetagem ( com ou sem misoprostol)

12

Abortamento conduta
Mais de 12 semanas

(1) expulsão fetal (com ocitocina e/ou misoprostol) seguido de curetagem
(2) se colo aberto: curetagem

13

Abortamento infectado:
conduta (1) e (2) tempo de tratamento (3) e procedimento (4)

(1) gentamicina - 1,5 mg/kg/ 8/8h ou amicacina - 15mg/kg 8/8 h +
(2) clindamicina 600 a 900 mg 8/8 h ou metronidazol - 500 mg a 1g de 6/6 horas
(3) 7 a 10 dias
(4) esvaziamento assim que iniciar atbterapia + ocitocina antes e durante ( diminuir risco de infeção )

14

Incompetência istmocervical
(1) diagnóstico fora da gravidez

(1) dilatação maior que 8mm, passagem de vela de Hegar número 8 ou até maior

15

Qual o período ideal para a circlagem (1) e duas condições necessárias para a realização (2) e (3)

(1) melhor período é entre 12 e 16 semanas, pode até 24 semanas
(2) dilatação < 3 cm
(3) sem herniação da bolsa das águas

16

Cirurgia de escolha para circlagem

McDonalds
(Criança gosta)

17

Dados clínicos sugestivos de SAF

(1) perda fetal recorrente
(2) perda fetal inexplicável ou no 2º ou no 3º trimestre
(3) início precoce de pré-eclâmpsia grave
(4) trombose arterial ou venosa em paciente jovem
(5) CIUR inexplicável
(6) História previa de lúpus

18

Gestação ectopica
(1) local mais comum
(2) diagnóstico

(1) trompa, especificamente ampola tubária
(2) Clínica (dor pélvica + atraso menstrual + sangramento vaginal discreto) + beta-hCG (> 1.500 mU/ml) + USG sem evidência de gravidez tópica

19

Principal fator de risco para gestação ectópica

Doença inflamatória pélvica

20

Principais sinais e sintomas da gravidez ectópica

(1) Atraso Menstrual
(2) Sangramento vaginal discreto
(3) Dor Abdominal (mais frequente)
(4) útero menor que IG esperada
(5) massa ameixial palpável
(6) Defesa abdominal
(7) Grito de Douglas (Sinal de Proust)
- os dois últimos mais sugestivos de tubária rota

21

Sinal de Laffon

Dor no ombro devido a irritação do nervo frênico

22

Sinal de Proust

Dor a mobilização do colo uterino e abaulamento, e dor no fundo do saco de Douglas decorrente do acúmulo de sangue no fundo do saco vaginal

23

Ultrassonografia transvaginal + 1 semana para abdominal - IG
(1) Saco Gestacional
(2) Vesícula Vitelínica
(3) Embrião e BCE

(1) 4 semanas - S A C O (4 letras)
(2) 5 semanas - V de 5
(3) 6-7 semanas - B6F

24

Gravidez ectópica
Condições para terapia medicamentosa (1 a 3)
Qual medicamento (4)

(1) SG < 3,5 cm
(2) Feto sem atividade cardíaca
(3) Beta-hCG < 5.000 mUl/ml
(4) Metrorexate - antagonista do ácido fólico

25

Padrão ouro para diagnóstico de gravidez ectopica

Laparoscopia, que não deve ser indica para fins diagnóstico

26

Fator de proteção para doença trofoblástica

Filho anterior normal

27

Características da Mola Completa
(1) cariótipo
(2) presença de feto
(3) eliminação de vesículas (sinal patognomônico)
(4)fundo uterino aumentado
(5)desenvolvimento de hipertiroidismo
(6)visto tecaluteínicos
(7) nível de beta-hCG
(8) USG
(9) progressão para NTG

(1) 46 XX (+comum) ou 46 XY
(2) Não
(3) sim (aspecto de “cachos de uva”)
(4) mais comum
(5) sim (70%) dos casos
(6) mais comum (50%)
(7) muito elevado
(8) Ecos amorfos intra-uterinos (flocos de neve)
(9) 10 a 30%

28

Características da Mola Incompleta
(1) cariótipo
(2) presença de feto
(3) eliminação de vesículas (sinal patognomônico)
(4)fundo uterino aumentado
(5)desenvolvimento de hipertiroidismo
(6)visto tecaluteínicos
(7) nível de beta-hCG
(8) USG
(9) progressão para NTG

(1) 69 XXY, 69 XYY ou 69 XXX
(2) Sim ou Não
(3) Não
(4) menos comum
(5) Não
(6) Raro
(7) Em geral normais
(8) Ecos dispersos placentários (custos placentarios) + feto
(9) 5 a 10%

29

Por que mola hidatiforme pode ter hipertireoidismo associado?

Como possui níveis elevados de beta-hCG (acima de 200.000 Ul/ml) e o hCG possui semelhança estrutural ao TSH

30

Após uma gestação molar (completa ou incompleta) o risco de nova gestação molar é ____ vezes maior que a população normal

10

31

Qual a neoplasia que mais se desenvolve após uma gestação não molar

Coriocarcinoma

32

Duas condutas em caso de DPP com feto vivo e parto não iminente

(1) Amniotomia
(2)Cesariana segmentar transversa

33

Mulher Rh negativa com parceiro Rh positivo ou desconhecido e Coombs indireto negativo

(1) Realizar Coombs indireto seriado 28ª semana e a cada 4 semanas até 40 semanas
(2) No pós-parto imediato: Coombs indireto, juntamente com Coombs direto e fator Rh do recém nascido
(3) outra estratégia: administração de imunoglobulina anti-D com 28 semana

34

Gestante com Coombs indireto com titulação baixa de ___ (1) e conduta (2)

(1) menor que 1:8
(2) deve ser repetido mensalmente até parto

35

Síndrome de Bandl-Frommel é característica de _____

Ameaça de rotura uterina

36

Fatores de risco para DPP
Fale 5

(1) Hipertensão Arterial - principal
(2) trauma
(3) idade > 35anos
(4) polidramnia, gemelar - Útero distendido
(5) Drogas (TABAGISMO/ cocaina)

37

DPP grave é

DPP com feto morto

38

Conduta em DPP com feto morto

(1) Amniotomia
(2)maioria das vezes via vaginal (dilatação de 2-3 cm)
(3) se demorar (colo fechado): cesárea

39

Primeira conduta em DPP independente de feto morto ou vivo

Realizar Amniotomia, romper bolsa

40

Síndrome de Sheehan
Causa
Consequências

(1) qualquer hemorragia puerperal
(2) necrose da hipófise
(3)amenorreia

41

Duas maiores causas de morte materna

(1) hemorragia puerperal
(2) hipertensão na gestação

42

DPP + feto vivo + colo fechado

(1) Amniotomia
(2) cesariana

43

Qual a definição de placenta previa?

Placenta próxima ou sobre orifício interno do colo confirmada após 28 semanas

44

Conduta de placenta previa total

Cesárea sempre, indicação absoluto, independentemente de feto vivo ou morto

45

Fatores de risco para placenta prévia

Cimet entre colo e feto
(1) Cesárea / cureta
(2) idade > 35 anos
(3) multiparidade
(4) endometrite
(5) tabagismo

46

Conduta proibida de ser feita na suspeita de placenta prévia

Toque vaginal

47

Duas condutas que devem ser feitas na suspeita de placenta prévia

(1) exame especular
(2) USG

48

Conduta em placenta prévia sangrando
(1) a termo
(2) prematuro

(1) interrupção
(2) depende do sangramento: INtenso INterrompe
EScasso EXpectante

49

Complicações de placenta prévia (3)

(1) apresentação anormal
(2) Acretismo placentário
(Puerpério anormal: hemorragia, infecção

50

Qual melhor exame para avaliar acretismo placentário no pré-natal?

RNM

51

Suspeita de acretismo placentário no pré-natal

Placenta prévia + cesárea anterior

52

Acretismo placentário: indicação de histerectomia

(1) increta
(2) percreta

53

Quadro clínico de placenta prévia com USG normal

Rotura de seio marginal

54

Qual o principal fator de risco para rotura de placenta prévia?

Inserção velamentosa

55

Rotura de vasa prévia é rotura de vaso _____

Fetal

56

Síndrome de Bandl (1) Frommel (2)

(1) Forma anel que separar corpo do segmento
(2) ligamento redondo anteriorizado e palpáveis

57

Rotura uterina consumada
(1)Sinal de Reasens
(2)Sinal de Clark

(1) subida da apresentação fetal ao toque
(2) crepitação na palpacao abdominal, enfisema subcutâneo

58

Complicações da placenta prévia
(1)
(2)
(3)

(1) Acretização
(2) Vasa Prévia
(3) Rotura Uterina

59

Incompetência istmocervical (ICC): Suspeita, qual a conduta?

Realizar avaliação cervical (<4 cm) e ultrassonografia (bolsa não herniada) para então realizar a circlagem

60

Faz-se diagnóstico de neoplasia trofoblástica gestacional quando, após esvaziamento uterino por mola hidatiforme, ocorre

Manutenção de bhCG por 3 semanas consecutiva (4 valores)

61

É considerado método de eleição para avaliação do grau de anemia fetal em gestações complicada ou doença hemolítica Perinatal

Doppler da artéria central média

62

Qual exame de escolha para diagnóstico de placenta prévia?

USG transvaginal

63

Após trauma abdominal em grávida Rh-negativa qual a conduta?

Administrar imunoglobina Anti-D

64

Principais causas de hemorragia puerperal em ordem decrescente “quatro T’s”

Tônus, trauma, tecido e trombina