Trauma ortopédico - aula Túlio Flashcards Preview

SVUE - Emergências - Raul > Trauma ortopédico - aula Túlio > Flashcards

Flashcards in Trauma ortopédico - aula Túlio Deck (16)
Loading flashcards...
1

Quais critérios devem ser utilizados e não são tão divergentes para identificação de um paciente politraumatizado?

Lesão em mais de 2 regiões com AIS(abreviated injury score) > 3 e SIRS em pelo menos 1 dia nas primeiras 72 horas que sucedem o evento traumático.

2

Qual o critério p/ identificar o paciente politrauma pelo grupo AO?

Síndrome de múltiplas lesões em que o ISS > 17 ou repercussão sistêmica com efeitos em órgãos a distância que não foram diretamente lesionados. ISS - 3 lesões mais graves ao quadrado somados(score máximo final é 75).

3

Como se comporta o paciente politraumatizado?

Primeiro impacto - acidente. Secundo impacto - intervenção do médico assistente. Processo inflamatório inicial - 2/4 dias = intervenção aqui pode ocasionar SIRS. Processo contra regulatório surge entre o quarto e o décimo dia(JANELA DE OPORTUNIDADE) = momento para programar a melhor intervenção/definitiva. Após o décimo quarto - vigésimo primeiro dia = imunossupressão(processos infecciosos aumentam muito).

4

Como é a classificação do politraumatizado?

Estável Borderline Instável In Extremis *leva em quatro parâmetro - choque, alt coagulação, temperatura e gravidade das lesões de partes moles.

5

O que define uma ressuscitação adequada?

Estabilidade hemodinâmica, ausência de hipoxemia/hipercapnia, lactato < 2, coag. normal, normotermia, débito urinário superior a 1ml/kg/hr, ausência da necessidade de drogas vasoativas. *condição mínima para realização da condição cirúrgica ortopédica definitiva.

6

A fixação precoce das fraturas nos pacientes estáveis/Borderline que se tornaram estáveis após adequada ressucitação é boa porque? O que seria feito nos outros casos?

reduz custos e tempo de internação, reduz complicações pulmonares. Fixação por hastes intramedulares/placas. Pac. instáveis/in extremis --> controle de danos.

7

O que é o controle de danos?

Medidas salvadoras --> controle de danos --> encaminhamento ao CTI --> após estabilidade --> terapia definitiva(4-10 dia = janela de oportunidade).

8

Quais são as prioridades no trauma ortopédico?

Fratura --> fonte de stresse e inflamação, pode gerar síndrome compartimental(rabdomiólise e repercussões), hemorragia, dor e contaminação no caso de fratura exposta. Prioridades --> fraturas dos ossos longos, pelves, gdes articulações e coluna vertebral. *emprego do fixador externo - não há mobilização do foco da fratura, estabiliza-se esse segmento = reduz dor e outras complicações(mov de fragmentos por exemplo além de aumentar mobilidade do paciente dentro do CTI), além de reduzir sangramentos(menor mobilidade do hematoma).

9

O que deve ser feito sempre que houver mudança clínica?

Repetir o ABCDE - pode evoluir gravemente e piorar muito o prognóstico.

10

Fluxograma politrauma - IMAGEM

11

Qual a classificação de Gustilo e Anderson? IMAGEM

Três níveis - I II e III(A B C).
GA I - fratura exposta com ferida punctórica <1cm, sem lesões importantes de partes moles ou vasculonervosas(baixo grau de contaminação)
GA II - fratura exposta com ferida entre 1 e 10 cm, há contaminação e cominuição moderada(sem lesão vasculonervosa).
GA III - Fratura exposta > 10 cm, elevada contaminação/cominuição(A - permite cobertura primária, B - não permite cobertura primária, C - lesão vasculonervosa)

12

Quais dados da epidemiologia das fraturas de anel pélvico?

60-80% dos paciente apresentam outras lesões músculoesqueleticas, 12% de lesões urogenitais e 8% lesão neurológica.

13

Na anatomia aplicada da pelve, qual ligamento da região da articulação sacroilíaca é o mais forte? Qual relação das lesões do anel pélvico e déficit neurológico? Qual a proximidade dos vasos pélvicos e os sítios das lesões?

Ligamento interósseo - mais forte.
Temos a conexão entre o íleo-sacro pelos ligamentos ileosacral anterior, ileosacral posterior e interósseo.
Déficit neurológico - estreita relação com as raizes lombares baixas e sacrais --> nervo ciático próximo também.
Proximidade dos vasos e aumento da ocorrência de sangramentos nas fraturas pélvicas(gde. parte do sangramento é venoso).
 

14

Qual a divisão da classificação de Tile para as fraturas do anel pélvico? A mais usada é a de Young e Burgess - como é?

TILE = A - Avulsões
B - Instabilidade rotacional 
C - instabilidade rotacional e vertical.

Young Burgess --> CAP(compressão antero-posterior) = 1 - lesão de sínfise < 2.5cm, 2 - lesão SI anterior(rotacional) e 3 - lesão SI anterior e posterior(rotacional/vertical).
CL(compressão lateral) = 1 - fratura do sacro, 2 - fratura em crescente do ilíaco e 3 = lesão em livro aberto contralateral.
CV(cisalhamento vertical) - instabilidade rotacional e vertical.
Combinado(sobreposição dos três mecanismos). 


 

15

Qual a abordagem na urgência da fratura pélvica?

Exame detalhado, avaliar presença do sinal de Destot (equimose em região escrotal/vulva), avaliação da estabilidade pélvica(compressão lateral e compressão antero-posterior).
*exame de estabilidade deve ser feito em ambiente hospitalar - mobilização de hematoma e choque pode ocorrer.

Exame de imagem - Rx Inlet(verá a pelve de cima - lesão rotacional e Oulet(inclinação cranial do raio - avalia lesão cisalhamento vertical - instabilidade vertical) ou TC.

Mobilização adequada - rolamento em monobloco e posicionamento em prancha dura - transporte + imobilização dos mmii(pés com pés, joelhos com joelhos e compressão trocantérica).

Fixação externa adequada - se lesão do ilíaco(fixador supra-acetabular - precisa do intensificador de imagens - desvantagem). 

 

16

Qual o fluxograma do atendimento ao paciente com fratura do anel pélvico?

Paciente com pelve estável + estável pela classificação sistêmica = tratamento não cirúrgico --> CD = muletas/andador até a dor cessar.
Pelve instável + paciente estável = tratamento cirúrgico.

Paciente com pelve estável e paciente instável = procurar sangramento em outro lugar(tórax, abdomen, outras fraturas ósseas).

Paciente com pelve instável + paciente instável = fixação externa, manobras de contenção, controle de danos e esperar a janela de oportunidade.