Associações e Inferência Casual Flashcards Preview

Epidemiologia - 2017 > Associações e Inferência Casual > Flashcards

Flashcards in Associações e Inferência Casual Deck (11):
1

Tipos de Associações

1) Espúria ou artefactual

2) Indireta

3) Causal ou etiológica

2

Defina Tipos de Associações: Espúria ou Artefactual

Falsa, resultante de vícios e erros;

​1)Erros e vicios -> não valem para nada
-> deve-se tomar cuidado

3

Defina Tipos de Associações: Indireta

Enfermidade, e o fator de risco criada pela presença de uma característica; ( associada tanto a enfermidade quanto ao fator de risco );


2) Quando a pessoa tem o problema (doença) e não sabe que tem o problema e está transmitindo o problema

Se eu não tenho diagnóstico para definir esse lado indireto -> isola e obseva

Quando não se chegou a um diagnóstico
Grupo de Risco -> se eu tenho evidencia, eu vou investigar

4

Defina Tipos de Associações: Casual ou Etiológica

Entendimento de causas de doenças ( prevenção X diagnóstico = terapêutica adequada;


3) Se eu tenho o agente agressor, faço o diagnóstico preciso, eu tenho o tratamento adequado, o que leva à chance de curar
O grande problema é conseguir chegar nisso; é descobrir quem é o agente.

5

Defina ​Inferência Causal

​1) Relação temporal
​2) Consistência da associação
​3) Força de associação​
4) Grau de exposição

Obs: As inferências não devem ser estudadas isoladamente. As evidências epidemiológicas e biológicas devem se somar para mostrar que a hipótese causal é a mais provável.

6

Defina ​1) Relação temporal

A causa deve preceder o efeito;

-> a causa deve preceder o efeito

7

Defina ​2) Consistência da associação

Os resultados devem ser semelhantes em diferentes estudos, diferentes populações e diferentes locais;

-> é o que nós chamamos de caso controle; você tem que ter controle para ter certeza que o seu caso é viável

-> você deve ter um controle sobre o seu grupo de estudos para ter certeza de que os seus resultados (do seu estudo) são confiável

-> você deve analisar tanto o grupo que tomou o remédio e melhorou (deu certo), quanto o grupo que tomou o remédio e não melhorou (não deu certo)

8

Defina ​3) Força de associação

Magnitude do risco relativo; quanto maior o risco é a evidência de uma associação;

-> é a força da exposição

9

Defina ​4) Grau de exposição

Existência da resposta à dose ou a diferentes gradientes de exposição;

-> força

10

Defina ​5) Plausibilidade biológica

É quando os resultados devem ser consistentes com os conhecimentos existentes;

-> quando você tem um problema ocorrendo, ao se esgotar todo o diagnóstico possível, você deve, então, isolar e observar, pois uma observação bem feita pode salvar vidas

11

Obs: As inferências não devem ser estudadas isoladamente. As evidências epidemiológicas e biológicas devem se somar para mostrar que a hipótese causal é a mais provável.

​-> Se eu tiver uma hipótese, eu já tenho um caminho

Se você sabe o que procurar, isso é uma hipótese e um caminho e, ao seguir um caminho, eu posso fazer a busca para a resposta à minha hipótese.