CHOQUE Flashcards Preview

URGÊNCIA e EMERGÊNCIA > CHOQUE > Flashcards

Flashcards in CHOQUE Deck (38):
1

O que é Choque?

É uma síndrome de incapacidade do sistema circulatório de fornecer oxigênio, levando á disfunção multissistemica e morte. Desequilíbrio entre oferta e demanda

2

Quais os critérios de diagnóstico típicos de choque?

•Má perfusão periférica, manifesta por: Hipotensão + taquicardia
(se hipertenso a PA sistólica pode estar normal).
*se PA<80mmHg preditor de morte, choque pode estar avançado.

Achados clinicos de Hipoperfusao periférica:
-extremidades frias e/ou com cianose,
-oligúria (diurese<0,5mL/kg/h)
-manifestação de baixo débito no SNC (sonolência, confusão e desorientação)
•Hiperlactatemia, indicando metabolismo Cel alterado

3

Quais os tipos de choque?

-Hipovolêmico (hemorrágico ou não(diarreia, vômito, anasarca, poluiria, queimadura, hipertermia))

-Distributivo (sepse, anafilático, neurogênico, endócrino, intoxicação)

-Cardiogênico

-Obstrutivo (tamponamento, embolia pulmonar, pneumotórax...)

4

Qual a fisiopatológia do choque?

Hipoperfusao>vasoconstrição periférica, redistribuindo volemia p o SNC e miocárdio.

Aumento da contratilidade e freq cardíaca.

Aumenta gliconeogenese, glicogenolise, lipólise, catab proteico. Metabolismo aerobio substituído pelo anaeróbio

Hipoperfusao tecidual causa Resposta inflamatória, ativação de macrófago, neutrófilo, linf e plaquetas.
Aumentam a estase microvascular, trombose e lesão endotelial
Piorando a Hipoperfusao

5

Qual a classificação do choque hipovolêmico?

Classe I, II, III e IV

Perda violência <750, 750-1500, 1500-2000, >2000 ou <15%, 15-30%, 30-40%, >40%

FC <100, >100, >120, >140 bpm

PA sem alterações, sem alterações, hipotensão, hipotensão

Preenchimento capilar sem alterações, prolongado, prolongado, prolongado

FR <20, 20-30, 30-40, >35

Débito urinário >30, 20-30, 5-20, desprezível

Nível de Consciência pouco ansioso, Ansioso, Ansioso-confuso, confuso letárgico

6

Como é a fisiopatológico da depleção volumétrica?

A diminuicao do débito cardíaco é inicialmente compensada por taquicardia e vasoconstrição.

Com a manutenção da Hipoperfusao o metabolismo anaeróbio cresce. Hiperventilação.

Intensa resposta inflamatória/imunológica.

Ativação plaquetária, coagulopatia, estase microvascular, lesão endotelial
Disfunção orgânica e risco de morte

7

Como é o choque obstrutivo?

Obstrução mecânica ao fluxo sanguíneo, gera redução do débito cardíaco e da perfusão sistêmica.

Turgência jugular sem edema pulmonar é o achado sugestivo

Tamponamento pericárdico, embolia pulmonar, hipertensão pulmonar, etc

Aumento da pressão toraxica: pneumotórax hipertensivo, ventilação mecânica com altos valores de PEEP

8

Como é o choque cardiogênico?

A disfunção miocárdica leva á hipotensão e Hipoperfusao sistêmica.

Círculo vicioso: hipoxemia e hipotensão reduzem a perfusão coronariana, isquemia miocárdica progressiva

Pode não ter congestão pulmonar

SCA, arritmias, ICC, miocardite etc...

9

Como é a fisiopatologia da sepse no choque distributivo?

Inicialmente resistência vascular sistêmica baixa, débito cardíaco normal ou aumentado, pressão de enchimento normal ou pouco diminuída, fração de ejeção diminuída levemente.

Fase avançada baixo débito cardíaco.
Shunt: micricirculacao c áreas com demanda normal hiperperfundidas e áreas com demanda aumentada hipoperfundidas. Desvio para metabolismo anaeróbio, acidemia e hiperlactatemia

Ativação imunológica, inflamatória e coagulante: plaquetas, neutrófilo, monólitos, pro-coagulantes e redução da fibrinolise... lesão endotelial>aumento da permeabilidade vascular

10

Como é o choque neurogênico (distributivo)?

Após lesão da medula espinal acima do nível torácico, ou TCE grave ou na anestesia subdural ou epidural

Disfunção autonômica >diminuição do tônus vascular>vasodilatação arterial e venosa>hipotensão e bradicardia

Perde tônus simpático. Pele quente e seca

Vasodilatação na ausência de taquicardia (só ação do parassimpático)

11

Qual a frequência epidemiologica dos choques?

Sepse (distributivo) >50%
Cardiogênico 10-20%
Hipovolêmico 10-20%
Obstrutivo <5% dos casos

12

Como é usado o ultrassom na emergência?

Complementar ao exame físico

-veia cava inferior (distendida? Colapsada? Colabada com a respiração?)

-VE (hiperdinamico? Baixa contratilidade?
-VD (dilatado e hipodibamico)

-sangramentos na cavidade abdominal (gravidez ectopica rota? Úlceras? Abcessos etc?)

13

Quais as manifestações clínicas de choque encontradas no exame físico?

Febre: infecção, sind hipertermia ou crise tireotoxica

SNC: Agitação, inquietação, confusão, desorientação, delirium, coma. (Rigidez de nuca: meningite)

Turgência jugular:choque cardiogênico ou obstrutivo

PA normal inicialmente ou < 90/60 (aumento da cotratilidade/vasoconstrição arterial)

Pressão de Pulso diminuída (Ps-Pd)

Taquicardia (bradicardia em hemorragia grave, antiarritmico)

*indice de choque: FC/PAS (normal 0,5-0,7)

Extremidades frias, sudoreticas, cianose, livedo reticular (quentes na sepse, quente e seca no neurogênico, baixo turgor e mucosa seca na hipovolemia, rash cutâneo no tóxico, petequias na infecção, placas urticariformes na anafilaxia)

Tempo de enchimento capilar aumentado (>4,5s vasoconstrição periférica na fase inicial de baixo débito)

Auscuta Cardíaca B3: choque cardiogênico. Abafamento de bulhas, atrito pericárdico: tamponamento

Auscuta pulmonar creptacoes difusas: choque cardiogênico

Taquipneia, dispneia, musc acessória
Hipoxemia grave. (Dispneia intensa, auscuta assimétrica com timpanismo á percussão, desvio da traqueia á palpacao: pneumotorax hipertensivo)

TGI hipomotilidade, estase, desconforto abdominal
Icterícia pode ser uma das disfunções orgânicas ou a causa(colangite aguda)

Débito urinário diminuído (oligúria) ou ausente (diuréticos ou nefropata)




14

Quais exames complementares pedir no choque?

•GERAIS
-Hemograma, Eletrólitos, Glicemia, Urina tipo I
-RX torax, ECG

•Avaliação fisiologica/inflamatória/lesão orgânica
-Lactato (indicador de gravidade, deve ser arterial e central)
-Ureia e Creatinina
-TGO, TGP, bilirrubinas
-Troponina
-Prot C reativa
-Gasometria arterial (pH, base excess, PCO2 - hipoxemia, hipercapnia, acidose metabólica)

•Avaliação Hemodinâmica
-US (cava inferior, funcao global de VE)
-cateter central: SvcO2

•Etiologia do choque
-Cultura (sepse)(hemocultura, urocultura, liquor, pleural etc)
-teste de gravidez
-Ecocardiografia transesofagica
-TC: crânio, coluna, torax, abdome, pelve
-outros

15

Quais os parâmetros normais?

PaO2 70-100 mmHg
SaO2 93-98%
PaCO2 35-50 mmHg

16

Quais as condutas iniciais para o tratamento do choque?

-Cateter central. Se drogas vasoativas indicadas, cateter periférico (monitorar PA e coleta(gasometria e lactato))

-sonda vesical (avaliação do débito urinário)

•Ressuscitação rápida, perfusão e oxigenação:
-Suporte ventilatorio (correção da hipoxia)
-Ressuscitação volemica (exceto edema pulmonar) 2acessos venosos calibrosos, veias antecubitais
-Drogas vasoativas (se indicadas)

•Identificação e trat da causa base
-pericardiocentese, punção toraxica, cardioversao nas taquiarritimias, revascularização miocárdio, antibióticos, trombólise, estancar hemorragia

17

Qual o risco do soro fisiológico NaCl 0,9%?

Tem 154 mEq/l de Na e Cl. Baixo pH da solução (6,0), alta concentração de cloro. Se grande qtd causa acidose metabólica hipercloremica

18

Como é o Ringer Lactato?

Tem 129 mEq/L de sódio, 109 de cloro, 4 de potássio, 2,7 de cálcio, 26,8 de Lactato.

Tem capacidade tampão: o Lactato +H vira CO2 + H2O no fígado.

Não da coagulopatia nem acidose hipercloremica.

Tem potássio, não dar p pacientes com hipercalemia e disfunção hepática, pois n vai metabólizar Lactato corretamente no fígado

19

Qual a qtd de cristaloide em geral infundida nas primeiras horas?

20-40mL/kg nas primeiras horas

Bolus de 300-500mL, infundidos em 15-30min

20

Quais as metas de monitorização no paciente em choque?

PÁS>90
FC<100 bpm
Perfusao periférica<3s
PAM>65 mmHg

Lactato normal
Base excess menor que -5mEq/L

Outros

21

Quais as drogas vasoativas usadas para se manter a PAM>65mmHg após a infusão de cristalóides?

•Noradrenalina
(Alfa e beta adrenergico)
0,1 mcg/kg/min (5-10mcg/min). Depois aumentar infusão a cada 2 a 5 min conforme a clínica.
*aumenta rápido a PAM, causa menos arritmia

•Dopamina
(Catecolamina precursora da noradrenalina)
-Dose baixa < 3microg/kg/min efeito dolaminergico
-Dose intermediária 5-10microg/kg/min
Acao beta-adrenergico, aumenta freq cardíaca e ionotropismo
-Dose alta 10-20microg/kg/min
Acao alfa-adrenergica, aumenta resistência vascular sistêmica e PA
*causa taquiarritmias, útil no paciente com choque e bradiarritmia

•Dobutamina
Catecolamina sintética b-adrenergica
*Útil no choque cardiogênico, efeitos cronotropicos e ionotropicos positivos, discreta vasodilatação sistêmica, piora hipotensão em hipovolêmicos, aumenta perfusão periférica

•Vasopressina ou epinefrina
*Úteis no choque séptico refratário á noradrenalina. Choque anafilático, broncodilata, reduz edema pulmonar, aumenta contratilidade cardíaca, vasoconstritor potente

•Adrenalina
Usado para choque e hipotensão, choque anafilático
*Aumenta consumo de O2 no miocárdio, Causa mais arritmia de todos.

•Milrinona
Aumenta volume sistólico, aumenta FC, reduz resistência vascular

•Nitroglicerina
Vasodilatador venoso, melhora a congestão, efeito benéfico coronariano no choque cardiogênico

•Balão infra-aórtico
Diminui pós carga

22

Como avaliar a Hipoxemia e insuficiência respiratória ?

Utilizar a gasometria arterial

A oximetria de pulso não é confiável devido á na perfusão periférica

23

Como dar suporte ventilatorio e corrigir a hipoxemia?

O2 em cateter nasal até 4L/min > máscara de oxigênio > ventilacao não invasiva (VNI) se IC descompensada ou DPOC exarcerbada

Intubação rápida + ventilação mecânica: hipoxemia grave, rebaixamento do nível de consciência, instabilidade hemodinâmica, sem resposta ao trat inicial.
*utilizar Quetamina ou Etomidato

24

Quais outras condutas tb são revelastes no tratamento do choque?

•Hidrocortisona 200mg IV em BIC a cada 24h
Após hipotensão persistente após noradrenalina (PAM>65)

•Insulina Regular IV em bomba de infusão continua, se duas glicemias >180mg/dL. Fazer glicemia a cada 1-2h

•Heparina de baixo peso molecular (enoxaparina, 40mg, SC, 1x/dia), profilaxia de TVP/EP

•Omeprazol IV 40mg, 1-2x/dia ou Ranitidina, 50mg, IV, 3-4x/dia, profilaxia sangramento digestivo

•Hemácias, transfusão se Hb<7g/dL, meta Hb 7-9

25

Quais drogas usar na intubação de sequencia rápida?

Queratina, Etomidato

*Midazolam e Propofol pioram a hipotensão

26

Como fazer a profilaxia de TEP?

Com Enoxaparina 40 mg SC 1x/dia

*exceto se:
-AVC
-sangramento ativo
-plaquetopenia
-coagulopatia

27

Qual a meta para glicemia

Medir de 1-2h

Duas medidas acima de 180mg/dL iniciar insulina regular em bomba de infusão continua

META <180mg/dL

*evitar hipoglicemia

28

Quando fazer transfusão sanguínea?

Quando Hb<7g/dL

Meta: 7-9 g/dL

29

Como fazer a profilaxia de sangramento digestivo?

Com Omeprazol 40mg IV 2x/dia

Ou

Ranitidina 50mg IV 3x/dia

30

Quando não é indicado fazer ressuscitação volemica?

Qdo o paciente apresenta edema pulmonar

31

Qual achado no exame físico sugere choque obstrutivo?

Turgência jugular sem edema pulmonar

32

O que avaliar no exame físico para choque?

SINAIS DE HIPOPERFUSAO:

-PA Hipotensão
-FC Taquicardia
-FR taquipneia (acidose met)

-reenchimento capilar >4s
-extremidades frias
-cianose

-Oliguria (Diurese<5ml/kg/dia)
-SNC: sonolência, confusão, desorientação

-perda volemica (hipovolêmico)
-febre (distributivo)
-B3, crepitações difusas, edema mmii (cardiogênico), turgência jugular (cardiogênico ou obstrutivo)

33

Qual o mecanismo fisiopatológico do choque?

Hipoperfusao/hipotensão/diminuição da PAM

-SRAA, vasopressina, endotelina: vasoconstricao arterial/venosa e reabsorção renal de Na e água (redistribuição da volemia p SNC e miocárdio).
*tenta compensar a queda da PA.
*prolonga enchimento capilar, diminui temp extremidades e cianose.
*Diminui diurese e débito urinário

-Catecolaminas: FC aumenta, contratilidade aumenta

-Cortisol/Glucagon: Gliconeogenese, glicogenolise, lipólise, catabolismo proteico
*inibe insulina. Eleva glicemia
*Metabolismo Anaeróbio: ATP diminui, Lactato aumenta, acidose intracelular (hiperlactatemia/acidemia)

-Resposta inflamatória: macrófago, monócito, linfócito (citocina tnf alfa, IL1..., fator ativador de plaquetas), neutrófilos (degranulacao)

-Resposta pro-coagulante: Plaquetas, trombina, tromboxano...

Ciclo vicioso inflamação-coagulação piorando a Hipoperfusao. Gerando:
-Estase microvascular/Trombose/Lesão endotelial

34

Quais os exames para a avaliação de choque?

-RX
-ECG
-Ultrassom
-sonda vesical para monitoração da diurese
-cateter central para monitoração da PA ou arterial periférico
-Urina tipo I
-culturas (hemocultura, urocultura, punção liquórica...)

-Gasometria arterial
-Lactato
-Hemograma
-Glicemia
-outros

35

Qual o tratamento para o choque?

-Ressuscitação Volemica
em 2 acessos venosos calibrosos, depois central

-Drogas vasoativas (se hipotensão grave ou nao responsiva a volume

-Suporte ventilatorio para correcaovda hipoxemia

36

Como é o ultrassom para pesquisa de choque?

Avalia:
-cava inferior (distensão-cardiogênico/colabada-hipovolemico ou distributivo)

-pneumotórax, tamponamento cardíaco, embolia pulmonar (obstrutivo)

-Função de VE (hipodinamico-cardiogenico, hiperdinamico-distributivo ou outros)

-hemorragias abdominais
-colangite, etc
-gravidez ectopica

37

Como é o ciclo vicioso do choque?

Resposta inflamatória ativa resposta pro-coagulante e vice versa, piorando a Hipoperfusao. O que gera disfunção de órgãos.

Estase microvascular/Trombose/Lesão endotelial

38

Quais as fases do tratamento do choque?

•Salvamento ou resgate
-restaurar hemodinâmica, PAM. Medidas de resgate: descompressão pneumotórax, cirurgia p trauma, drenagem tamponamento pericárdico

•Otimização
-Melhorar oferta de O2. Aumento SvcO2. Redução Lactato. Primeiras 6horas

•Estabilização
-reduzir ou prevenir disfunção orgânica, minimizar complicações

•Redução
-promover diurese espontânea, reduzir sobrecarga de volume