DAOP Flashcards Preview

Hemostasia e Vascular > DAOP > Flashcards

Flashcards in DAOP Deck (25)
Loading flashcards...
1

Daop, insuficiência arterial crônica ou obstrução arterial crônica

Crônica ou lenta e não abrupta

2

Etiologia

Aterosclerose obliterante
Só tem repercussão clínica quando a obstrução è >50% do leito arterial,mas se for bem maior que isso e o paciente tiver circulação colateral não vai ter sintomas

3

Aterosclerose

LDL entra no espaço endotelial
Monócito adentrar a camada íntima e se transformam em macrófago na qual são denominadas células espumosas
Capa de fibrina
Lesão na placa madura tem o mecanismo de trombose

OBS pessoas que tem aumento da proteína C reativa possuem um maior risco de aterosclerose
È uma proteína produzida no fígado, na qual aumenta a produção na fase aguda de processos infecciosos e inflamatórios

4

Fatores de Risco

Tabagismo- + importante isoladamente, já que o monóxido de carbono aumenta a permeabilidade de do endotélio aos lipídios e diminui a oxigenação causando lesão celular

Diabetes- papel direto na
lesão vascular e indireto na hipoxia tecidual

Hiperhomocisteinemia homocisteína é um aminoácido presente no plasma do sangue que está relacionado com o surgimento de doenças cardiovasculares como AVC, doença coronariana ou infarto cardíaco, por exemplo, já que seus níveis elevados podem causar alterações nos vasos sanguíneos.

Idade > 40 anos e mais H do que M devido ao efeito cardioprotetor do estrógeno

Hipertensão e Trauma

Fibrodisplasia arterial

5

Quadro clínico

Claudicação intermitente, a distância varia com a gravidade e circulação colateral

Oclusão é principalmente em terço médio distal da coxa

6

Classificação de FONTAINE

FONTAINE
ESTÁGIO I
Doente assintomático
ESTÁGIO IIa
Claudicação intermitente limitante
ESTÁGIO IIb
Claudicação
intermitente incapacitante
ESTÁGIO III
Dor isquêmica em repouso
ESTÁGIO IV
Lesões tróficas
A- nos pododáctilos
B- antepé
C- retropé

7

Territórios acometidos ?

Aorto ilíaco- ausência de pulsos femorais, poplíteos e distais mais comum na 4 e 5 década de vida

Femoro Poplíteo- pulsos femorais normais, diminuição ou ausência dos pulsos poplíteo e infrapatelares( TA e TP) mais comum na 5 e 6 década de vida

Infrapatelar - 7 e 8 década de vida

8

Sd de LERICHE caracterize

Sinais e sintomas secundários a insuficiência arterial crônica artoiliaco com trombose em cavalete

Claudicação bilateral em coxas e glúteos

Ausência dos pulsos femorais

Impotência ou amenorreia

9

Toda obstrução aorto ilíaco é se de LERICHE

Não
Somente aquelas que tem obstrução da aorta acima da ilíacas internas
Pega não só o mmii mas também a região pélvica

10

Sd do dedo azul
Caracterize

Em DAOP no setor femoro poplíteo ou terço distal da coxa
Qualquer situação que produza trombos no leito arterial

11

Qual local mais comum de DAOP?

Canal de Hunter ou canal dos adutores na Transição femoro poplíteo ou terço distal da coxa
Quando a artéria femoral vai de anterior para posterior por meio da aponeurose dos adutores, nesse trajeto a artéria pode ser comprimida e formar trombos pela lesão gerada

12

Pode existir também no setor subclávio axilar ??

Sim síndrome do roubo da subclávia, oclusão completa da subclávia proximal a origem da artéria vertebral
Logo, em grandes esforços possui lipotimia e síncope

13

Exame vascular

• Presença de claudicação intermitente
• Auscultação dos trajetos arteriais
• Palpação dos pulsos: femoral comum, poplítea, tibial anterior (pedioso) e tibial posterior, nessa sequência e tem que saber palpar. Faz parte do exame físico de todos os paciente.
• Coloração, temperatura pp comparando com o membro contralateral, integridade da pele do pé, e também a presença de ulcerações;
• Palpação abdominal e ausculta em diferentes níveis faz parte do exame físico, incluindo os flancos, a região periumbilical e as regiões ilíacas.
• Alterações da cor: pé pálido ou cianótico
• Alterações tróficas: pele delgada, ressecada, frágil.
• Atrofia de partes moles
• Edema: não confundir com edema da trombose venosa. Ele pode estar presente em DAOP com paciente com dor em repouso, se ele coloca perna para cima, piora.
• Alterações de temperatura: frio
• Frêmitos e sopros (em repouso e após exercício)
• Hipoestesia e hiporreflexia
Hiperemia reativa, vasodilatação periférica reacional para melhorar as condições
Sopros sistolicos no trajeto vascular pela estenose causada pelas placas

14

Após o dx clínico pela anamnese, que mostrou que tem claudicação, e o exame físico que demostrou que o pulso está diminuído, qual o próximo passo ?

ITB

Valor do ITB
Interpretação
>1,30 diabéticos tem a calcificação de monjeberg
Artérias não compressíveis
0,91 a 1,30
Normal
0,41 a 0,90
DAOP leve/ moderada
<0,40
DAOP grave

15

Após o DX clínico quais exames socilitar?

Ecodoppler
Vantagens: É um método diagnóstico não invasivo, eficaz em analisar com precisão vasos obstruídos, estenóticos e normais.
Desvantagem: Sua acurácia depende da experiência e habilidade do examinador.
Paciente obeso ou com calcificação na artéria tem limitações.

• Angiotomografia (pouco invasivo, utiliza contraste iodado e radiação ionizante
• Angio RM é boa para vasos maiores. Menos invasivo do que a angio TC pq não submete o paciente a radiação ionizante, porém o utiliza contraste GADOLÍNIO, causa nefropatia intertiscial
Angiografia por subtração digital
• Ainda é considerada padrão-ouro no diagnóstico de DAOP.
• você vai puncionar a artéria, vai pedir RX com contraste, por isso não é exame de rotina.
• Indicação: planejamento cirúrgico. lei
A vantagem da arteriografia é ver a anatomia e a perviedade do leito distal.

16

DD

• Tromboangeíte obliterante (doença de Buerger, a mais importante)
• Doença de Takayasu
• Oclusão arterial aguda OAA
• Doença de Raynaud
• Acrocianose
• Livedo reticular
• Insuficiência venosa crônica: pode confundir porque o doente chega edemaciado, endurecido, você não consegue pulso pelo edema. Uma história bem feita te leva ao diagnóstico correto.
• Doenças reumáticas e ortopédicas porque vão causar dor! portanto sempre palpar os pulsos e ver direitinho.
• Afecções neurológicas

17

Tratamento Clínico ?

Controle dos FR
Suspensão do TABAGISMO
CORREÇÃO Da hiperlipidemia
Controle da DM HÁS STRESS SEDENTARISMO
proteção ao frio, vasoespasmos deflagra as lesões atróficas, principalmente no inverno

18

Como fazer controle da hiperlipidemia ?

hiperlipidemia
• Medidas dietéticas
Drogas com Maior ação sobre os triglicerídeos
• Acido nicotínico
• Ácidos Fíbricos (fibratos)
Drogas com Maior ação sobre o colesterol- as mais usadas são as que agem sobre o colesterol.
Ação sobre o ciclo êntero-hepático (colestiramina)
• Inibidores enzimáticos, são vários no mercado (lovastatina, sinvastatina, rosuvastatina, caralhostatina).

Essas Drogas deixam a placa mais firmes e estáveis impedindo a progressão

19

Tto para todos com DAOP?

Anti agregante plaquetário Para diminuir o risco de trombose
AAS na profilaxia primária
AAS e Clopeidrogel na profilaxia secundária
Estatinas

20

E o tto para os claudicadores a partir de FONTAINE 2

Além do tto anterior
Marcha programada- caminhada até a fadiga para aumentar a circulação colateral

Vasodilatadores
Pentoxifilina- somente utilizado nos casos refratários ao tratamento, começo sempre com cilostazol, essa medicação melhora a maleabilidade da hemácia ao passar pela placa

Cilostazol é a droga de escolha e tem efeito hemorreologico que aumenta a maleabilidade da hemácia

21

Paciente que sentem dor em repouso além do tto, o que acrescentar?

Analgésico
Próclise

22

O que fazer para prevenir úlceras e Gangrena ?

Alprostadil PGE
diminui a chance de amputação, utilizado em último recurso em que NÃO é possível cirurgia

23

Quando se pode abrir mão do tto cirúrgico ?

Paciente com lesões troficas ou se mesmo com tto clínico limita o estilo de vida

Daí antes tto cirúrgico tenta o tto endovascular se o paciente apresentar deformidade anatômica ou procedimento sem sucesso que vamos pensar em tto cirúrgico

24

Quais os tto cirúrgicos disponíveis?

Endarterectomia

Reconstrução arterial By pass, o nome é da onde que tira e onde coloca, pode ser
AORTOFEMORAL, no caso da sd de Leriche
FEMOROPOPLITEO
DISTAIS OU LONGOS
EXTRA ANATÔMICOS
axilofemoral
Femoral cruzado, pct tem ci a
procedimento cirúrgico grande

SUBSTITUTO ARTERIAIS
VEIA AUTOGENA
melhor opção é artéria autógeno, mas não temos artéria sobrando, logo usamos veia autógena, veia safena magna
PRÓTESES
VEIA UMBILICAL
PERICÁRDIO

25

Complicações do tto endovascular é cirúrgico ?

HEMATOMA
PSEUDOANEURISMA
FISTULA ARTERIOVENOSA
INFECÇÃO
OCLUSÃO ARTERIAL AGIDA-trombose por manipulação arterial
HEMORRAGIA