Gineco Flashcards Preview

Medicina > Gineco > Flashcards

Flashcards in Gineco Deck (59):
1

Vaginose bacteriana - critérios de Amsel

Corrimento branco acinzentado fino homogêneo
Ph> 4,5
Teste das aminas +
Clue cels

2

Candidíase

Corrimento esbranquiçado, nata de leite, aderido as paredes vaginais
Ph < 4,5
Pseudo hifas

3

Tto vaginose bacteriana e tricomoníase

Metronidazol 500 mg 12/12h por 7 dias

4

Tto candidíase

Miconazol/nistatina por 7 noites ou fluconazol 150 mg dose única
Recorrente: fluco 1 cp nos dias 1,4,7 e após, 1 cp por semana por 6 meses

5

Tricomoníase

Corrimento esverdeado, bolhoso
Ph> 4,5
Colo em framboesa
Protozoário móvel

6

Cervicite - agentes e tto

Clamídia e gonococo
Tto: azitromicina 1 g dose única + ceftriaxona 500 mg IM ou cipro 500 mg VO dose única

7

DIP - critérios diagnósticos

3 maiores + 1 menor ou 1 elaborado

Maiores: dor hipogástrica, dor a mobilização do colo, dor anexial

Menores: febre, leucocitose , aumento de vhs/pcr, cervicite

Elaborados: endometrite na bx, abscesso tubo ovariano ou fundo de saco ao US, dip na laparoscopia

8

Classificação de Monif

1- salpingite sem peritonite
2- salpingite com peritonite
3- abscesso tudo ovariano / oclusão tubária
4- abcesso > 10 cm / roto

9

Tto DIP ambulatorial

Ceftriaxona 500 mg dose única
Doxiciclina 100 mg 12/12h por 14 dias
Metronidazol 500 mg 12/12h por 14 dias

10

Tto DIP hospitalar

Cefoxitina 2g, EV, 6/6h por 14 dias + Doxiciclina 100 mg, VO, 12/12h por 14 dias
Ou
Clinda 900 mg, EV, 8/8h por 14 dias + gentamicina (ataque 2mg/kg, manutenção 3-5mg/kg) por 14 dias

11

Úlceras genitais únicas e múltiplas

Únicas: sífilis e linfogranuloma
Múltiplas: herpes, cancro mole e donovanose

12

Úlceras genitais dolorosas e não dolorosas

Dolorosas: herpes, cancro mole
Não dolorosas: sífilis, donovanose e linfogranuloma

13

Úlceras genitais que fistulizam

Cancro mole - orifício Unico
Linfogranuloma- orifícios múltiplos ( bico de regador)

14

Tto herpes genital

Primoinfeccao: aciclovir 400 mg, 8/8h por 7 dias
Recorrência: aciclovir 400 mg 8/8h por 5 dias

15

Tto linfogranuloma

Doxiciclina 100 mg 12/12h por 14-21 dias

16

Tto donovanose

Doxiciclina 100mg 12/12h por 21 dias

17

Conduta na violência sexual

1- acolhimento
2- notificação imediata (sinan) + conselho tutelar se < 18 anos
3- não exigir BO
4- contracepção de emergência: levonogestrel 1,5 mg dose única ( até 5 dias )
5- profilaxia dst virais:
Hiv: tenivofir + lamivudina + dolutegravir ( até 72h) por 28 dias
Hep B: se não vacinada, vacina + IG (até 14 dias)
6- profilaxia dst não virais: (até 2 semanas)
Pen benzatina 2,4mi
Azitro 1g
Ceftriaxona 500 mg
Metronidazol 2g (após término de tto antirretroviral)

18

Características malignas de derrame papilar

Unilateral, uniductal, espontâneo, sanguinolento ou em "água de rocha"

19

Qual o primeiro exame a ser solicitado após palpação de um nódulo mamário e para que serve

PAAF - diferenciar nódulos sólidos de císticos

20

Quando indicar bx do nódulo mamário após PAAF

Líquido sanguinolento, > 2 recidivas, massa residual, nódulo sólido

21

Características malignas e benignas de nódulo mamário ao USG

Benigno: anecoico, homogeneo, bem delimitado, reforço acústico posterior
Maligno: misto, heterogeneo, mal delimitado, sombra acústica posterior - PEDIR BX

22

Indicações de RM na investigação de nódulo mamário

Prótese mamária
Múltiplas cirurgias
BIRADS 0

23

Incidências da MMG

Mediolateral (vê axila e peitoral): sup x inf
Craniocaudal: medial x lateral

24

Classificação de BIRADS e suas condutas

0 - inconclusivo. CD: USG ou RM
1 - nenhuma alteração. CD: Repetir de acordo com a idade
2 - alterações benignas. CD: Repetir de acordo com a idade.
3 - duvidosa (provavelmente benigna). CD: Repetir com 6 meses (acompanhar por 3 anos)
4/5 - suspeita/maligna. CD: BX

25

Características de nódulo maligno na MMG

Espiculado
Microcalcificações pleomórficas agrupadas

26

FR para ca mama

Idade > 40
HF 1 grau
Mutação BRCA
Nuliparidade
Menacme longo

27

Tipo de ca de mama invasor mais comum

Ductal infiltrante

28

Características do ca de mama lobular infiltrante

Bilateralidade
Multicentricidade

29

Diferenciação de eczema mamário e doença de paget da mama

Paget: descamação unilateral, pouco pruriginoso e deformidade areolopapilar

30

Rastreio de ca de mama

MMG bienal 50-69 anos
Auto exame contraindicado
Pct de alto risco (parente de 1o grau com ca < 50 anos; parente de 1o grau com ca bilateral; parente com ca mama masculino): Ex clínico + MMG anuais > 35 anos

31

Quando optar por cirurgia conservadora no ca de mama

Relação tumor/mama (até 3,5 cm ou 20% da mama)

32

Quando realizar RT adjuvante no ca mama

Cirurgia conservadora
Tumor > 4 cm

33

Quando realizar QT adjuvante no ca de mama

Tumor > 1 cm
Linfonodo positivo
Meta hematogênica

34

Técnicas cirúrgicas radicais no ca mama

Hasteld: tira os 2 peitorais
Patey: tira o peitoral menor
Madden: deixa os 2 peitorais

35

O que é o linfonodo sentinela e quando realizar sua pesquisa

1o linfonodo a drenar a área do tumor
Pesquisar em todo tumor infiltrante, apenas de axila não estiver clinicamente comprometida!

36

Complicação do esvaziamento linfonodal axilar

Escápula alada - lesão do n. torácico longo (responsável pelo m. serrátil anterior)

37

Quando usar hormonioterapia no ca mama

Se receptor de estrogeno positivo - Tamoxifeno

38

Fatores prognósticos ca de mama

Status axilar
Positividade para receptor de estrógeno

39

Quando usar terapia alvo dirigida no ca de mama

Superexpressão de HER2 - Trastuzumabe

40

Fatores de risco e proteção para ca ovário

Risco: idade < 60, mut BRCA, menacme longo, obesidade, tabagismo, indut ovulação
Proteção: amamentação, uso de anovulatórios, laq tubária

41

Carcterísticas malignas ao USG de cisto ovariano

Sólida
USG doppler com redução do índice de resistência (<0,4)
Septada
Papilas
Espessamento da parede
Irregular
Tamanho > 8 cm
Antes/após menacme

42

Valores suspeito de CA 125

> 35 após menacme
> 200 no menacme

43

Tumor ovariano epitelial mais comum

Adenocarcinoma seroso

44

Tumor ovariano associado a pseudomixoma

Adenocarcinoma mucinoso

45

Tumor ovariano germinativo maligno mais comum

Disgerminoma

46

Definição de tumor de Krukenberg

Meta ovariana de tumor primário do TGI - cel em anel de sinete

47

Estadiamento ca de ovário

I - confinado ao ovário
A - apenas 1 ovário
B - bilateral
C - cápsula rota/citologia positiva
II - pelve
III - abdome
IV - meta fora do abdome

48

Tipo de disseminação no tumor de ovário

Transcelômica

49

Passos do estadiamento do ca de ovário

CIRÚRGICO
- Laparotomia
- Lavado peritoneal + histerectomia total + salpingooforectomia bilateral + omentectomia + ressecar implantes e linfonodos

50

Quando fazer QT adjuvante no ca de ovário

A partir de IC ou G3

51

Quando colher colpocitologia

1x ao ano, após 2 anos negativos, colher a cada 3 anos.
Entre 25-64 anos, após sexarca.

52

Como conduzir LIE BG

Repetir em 6m (>= 25 anos) ou 3a (>25 anos)

53

Como conduzir LIE AG

Colposcopia + BX

54

Como conduzir ASC US

Repetir em 6m (>= 30 anos), 12 m (25-29 anos), 3a (< 25 anos)

55

Como conduzir ASC H

Colposcopia

56

Como conduzir AGC (AGUS)

Colposcopia + avaliação do canal endocervical

57

Tipo histológico de ca de colo de útero mais comum

Epidermoide/escamoso/espinocelular

58

Estadiamento do ca colo útero

0 - Carcinoma in situ
I - A1: < 3mm
A2: 3mm - 5mm
B1: 5mm - 4cm (COMEÇA A SER VISÍVEL)
B2: > 4cm
II - A: parte superior da vagina
B: paramétrios
III - A: parte inferior da vagina
B: parede pélvica/exclusão renal/hidronefrose
IV - A: bexiga e reto
B: meta a distância

59

TTO ca colo uterino de acordo com estadiamento

0 - cone é diagn + tto
IA1 - HTA tipo 1/ cone se deseja gestar
IA2 - HTA tipo 2 + linfadenectomia pélvica
IB1 - Wertheim-Meigs
IB2 - Wertheim-Meigs ou QT + RT
2A - Wertheim-Meigs ou QT + RT
>= 2B - QT + RT