Cap. 57 - Hemorragia Digestiva Flashcards Preview

Gastrenterologia > Cap. 57 - Hemorragia Digestiva > Flashcards

Flashcards in Cap. 57 - Hemorragia Digestiva Deck (23):
1

A hemorragia digestiva baixa é cerca de 1,5-2x mais comum que a hemorragia digestiva alta.

F. A alta é mais frequente

2

A incidência de HD tem vindo a aumentar nos últimos anos.

F. Diminuir

3

Apesar da diminuição da incidência, a mortalidade da HD ainda é considerável (cerca de 20%).

F. <5%

4

A causa mais comum de morte nestes doentes é a descompensação de patologia subjacente.

V

5

Vómito em borras de café não é considerado hematemese.

F. É

6

Se o doente se apresentar com sintomas de perda de sangue ou anemia (tontura, síncope, angina ou dispneia), podemos considerar uma hemorragia oculta como causa.

V

7

A úlcera péptica é a causa mais comum de HDA.

V

8

Cerca de 80% dos casos de HDA são por úlcera péptica.

F. 50%

9

Apenas 2% das HDA são por lacerações de Mallory-Weiss.

F. 5-10%

10

Até 40% das HDA podem ser por varizes.

V.

11

As características de uma úlcera na EDA não têm informação prognóstica.

F. Têm

12

Se à EDA se visualizar hemorragia activa ou vaso não sangrante, os doentes tratados de forma conservadora podem ter hemorragia subsequente com necessidade de Cx urgente em 1/3 dos casos.

V

13

Se à EDA se visualizar hemorragia activa ou vaso não sangrante, os doentes beneficiam de Tx endoscópico apenas com clips.

F. Beneficia Tx com todos os tipos de Tx endoscópico.

14

Se doente com hemorragia activa, o Tx endoscópico diminui a hemorragia, o tempo de hospitalização, a mortalidade e os custos.

V

15

Caso se visualize um coágulo aderente à EDA, o Tx passa por IBPs ev em alta dose.

V

16

Os IBPs em alta dose ev (60mg bólus, 6mg/h em perfusão) quando se visualiza um coágulo aderente à EDA têm como objectivo manter o pH intragástrico > 6, favorecer a estabilidade do coágulo e diminuir hemorragia subsequente e mortalidade quando é feito Tx endoscópico.

F. 80mg bólus, 8mg/h em perfusão

17

Caso se veja uma base limpa ou um ponto plano pigmentado à EDA, o Tx endoscópico é geralmente recomendado para diminuir a recorrência da hemorragia.

F. Não precisam de Tx endoscópico.

18

Caso se veja uma base limpa ou um ponto plano pigmentado à EDA, o Tx passa por IBPs orais em dose alta.

F. Dose standard

19

Caso se veja uma base limpa à EDA, a taxa de recorrência da hemorragia é de aproximadamente 10%.

F. 0%

20

Os doentes com uma base limpa à EDA, devem ficar internados pelo menos 3 dias, uma vez que as hemorragias recorrem dentro de 3 dias.

F. Doentes sem base limpa é que têm de ficar internados 3 dias. Os outros podem ter alta após a EDA.

21

2/3 dos doentes têm recorrência da hemorragia nos próximos 1 a 2 anos, se não for implementada uma estratégia preventiva.

F. 1/3

22

Úlceras sangrantes não associadas a H. pylori nem AINEs devem fazer IBPs indefinidamente.

V

23

Erradicação de H. pylori em doentes com úlceras sangrantes diminui risco de re-hemorragia para <5%

V