Sindrome Metabolica: has, Dlp Flashcards Preview

Clinica Medica > Sindrome Metabolica: has, Dlp > Flashcards

Flashcards in Sindrome Metabolica: has, Dlp Deck (30):
1

Critérios diagnósticos de síndrome metabólica

3 dos 5 critérios:
1️⃣PA: ≥130/85
2️⃣Triglicerídeos: ≥150
3️⃣Glicemia de jejum: ≥100
4️⃣HDL:
H<40; M<50
5️⃣Circunferência abdominal:
H:>102
M:>88

2

Classificação de HAS

Classificação PAs. PAd
Normal. <120. <80
Elevada. 120-129. <80
HAS estágio I. 130-139. 80-89
HAS estágio II ≥140. ≥90

Mudanças: pre hipertenso virou elevada; HAS é
PA ≥130x80

3

Diferenças entre HAS do jaleco branco e HAS Mascarada

HAS Jaleco Branco: MAPA normal, elevada no consultório
HAS Masscarada: MAPA elevada e Consultório normal

4

O que é medida residencial da pressão arterial MRPA e monitorização ambulatorial da pressão arterial MAPA?

MRPA: é o registro da PA obtido por medidas sistematizadas em aparelhos validados em estudos clínicos. Devem ser realizadas obrigatoriamente três medidas pela manhã e três à noite, durante cinco dias. São consideradas anormais as médias de PA≥130/85
MAPA: consiste na medida automática da PA, geralmente programada a cada 20min, durante 24h. Considerado o padrão outro pra p diagnóstico.

5

Quais são as lesões de órgãos alvos da HAS?

Coração: cardiopatia hipertensiva= hipertrofia ventricular esquerda, insuficiência cardíaca (sistólica e/ou diastólica) e doença coronariana aterosclerótica.
Cérebro: AVE, declínio cognitivo, demência.
Rim:
-nefroesclerose benigna=arterioloesclerose hialina, hipertrofia da camada média;
-nefroesclerose maligna=arterioloesclerose hiperplasica, necrose fibrinoide (bulbo de cebola)
Retinopatia:
1. Estreitamento arteriolar
2. Cruzamento AV patológico
3. Hemorragia, exsudato
4. Papiledema

6

Exames de rotina para o paciente hipertenso

EAS
Potássio plasmático
Cr plasmática e taxa de filtração glomerular estimada
Glicemia de jejum e Hbglicada
Colesterol total, HDL coslesterol e triglicerídeos
Ácido úrico plasmático
Eletrocardiograma convencional
* a solicitação desses exames busca procurar causas secundárias, distúrbio metabólico ou lesão de órgão alvo

7

Equação de Friedewald: como calcular o LDL

LDL= colesterol total -HDL -(triglicerídeos/5)

8

Qual valor de triglicerídeos em que está recomendado iniciar terapia farmacológica?

Tg>500

9

De acordo com a nova classificação como deve ser o tratamento da HAS

Normal e elevada:
Mudança de estilo de vida: reduzir peso, atividade física, cessar tabagismo
HAS 1:
Baixo risco cardiovascular: MEV 3-6m
Alto risco/ doença cardiovascular/ DM/ doença renal: 1 droga de primeira linha e reavaliar em 1 mês se alvo de PA foi atingido. Se não atingiu avaliar e otimizar aderências e considerar intensificação da dose
HAS 2: duas drogas, mas não associar IECA e BRA. Reavaliar em 1m.
Observações: PA alvo: <130x80; estágio 1 uma droga, estágio 2 duas drogas

10

Qual anti-hipertensivo usar e seus efeitos adversos:
Jovens, brancos
Nefropatia, IC, IAM prévio
Hiperuricemia

IECA (prils) e BRA (sartans)
Hiperuricemia: losartan
*Efeitos adversos:
IRA, ⬆️K, não usar se Cr>3, K>5,5 ou estenose bilateral de artéria renal
IECA: tosse e angioedema (⬆️bradicinina): substituir por BRA

11

Qual anti-hipertensivo usar e seus efeitos adversos:
Negros, idosos
Osteoporose ( retém Ca)

Tiazidicos ( HCTZ, clortalidona)
*Efeitos adversos:
4HIPO: volemia, K, Na, Mg
3HIPER: glicemia, lipidemia, uricemia (não usar na gota)

12

Qual anti-hipertensivo usar e seus efeitos adversos:
Negro
Doença arterial periférica
FA

Bloqueadores de canais de cálcio (dipinas=vasoseletivas, por isso usar em arteriopatia periférica; verapamil e diltiazem=cardioseletivas)
FA: diltiazem e verapamil
*Efeitos adversos:
Cefaleia, edema ("dipinas")
Bradiarritmias, IC( diltiazem, verapamil)

13

Qual o valor da PA alvo

PA <130x80

14

O que é HAS resistente e o que investigar

É a PA que não controla com 3 drogas, incluindo diurético, ou PA controlada com 4 medicamentos.
Deve se investigar: má aderência, efeito jaleco branco, HAS secundaria
Normalmente, esses pacientes estão em uso de IECA/BRA +ACC+ tiazidico ( preferencial clortalidona). Pode se associar espironolactona (bloqueador de receptor mineralocorticoide)

15

HAS com hipoKalemia: quais etiologias

#Hiperaldo secundário= HAS renovascular (estenose de a. Renal)
Hiperreninemico
TTO: IECA ou BRA
#Hiperaldo Primário ( adenoma: hiperplasia do córtex da adrenal)
Só aumenta aldosterona
Hiporreninemico
TTO: espironolactona

16

Qual o Dx e avaliação complementar?
Has resistente ao TTO, hipocalemia e nódulo na adrenal

Hiperaldo primário
Investigar com dosagem de aldosterona e renina

17

Qual o Dx e avaliação complementar?
Sopro abdominal, edema pulmonar súbito, hipocalemia, alteração da função renal por IECA/BRA.

Hiperaldo secundário = HAS renovascular =obstrução das artérias renais
Investigar com Doppler, angio TC ou RM

18

Conceito de crise hipertensiva

É a elevação súbita e intensa da PA
Há duas etiologias:
EMERGÊNCIA:
-Lesão aguda de órgão alvo ( cérebro, coração, rim, retina, eclampsia)
-Risco iminente de morte
-Terapêutica: redução imediata ( reduzir a PAM em 1h 20-25%), drogas IV: nitroprussiato, nitroglicerina, beta bloq, hidralazina-gestante.
URGÊNCIA:
-Risco de lesão (IAM, AVE, IC prévios)
-PA: 160x 100 em 24-48h
-Drogas VO: captopril, beta bloq, clonidina= baixa PA e efeito de sedação. Não fazer nifedipina, efeito muito rápido, hipotensão e taquicardia reflexa

19

QUAIS SÃO OS ACHADOS DE LESÕES DE ORGÃOS ALVOS EM CASOS DE EMERGÊNCIA HIPERTENSIVA

RIM: nefroesclerose hipertensiva: pode cursar com hematúria e azotemia aguda
Dissecção de aorta: dor intensa na região torácica anterior e ou dorso lombar
Encefalopatia hipertensiva: náuseas, vômitos e obnubilação.
Retinopatia hipertensiva aguda grave: grau III ou IV; hemorragia e papiledema.

20

Indicações de investigação de HAS secundária

HAS de início precoce (<30anos) ou tardio (>50anos)
PA> 180x110mmHg

21

HD e CD:
Mulher, 62 anos, admitida em OS com cefaleia intensa holocraniana associada a náuseas há cerca de 8h, evoluindo com confusão mental e rebaixamento do nível de consciência na ultima hora. Antecedentes de DM e HAS. EF.: RCR, 2T, PA= 230x120, FC 96, Glasgow: 13, ausência de déficit motores, ausência de sinais de irritação meníngea. Glicemia capilar: 160. TC de crânio sem alterações.

HD: Encefalopatia hipertensiva
DD: AVE hemorragico (descartado pela TC normal)
CD: realizar fundoscopia para concluir o diagnostico

22

Como deve ser o preparo pré operatório de paciente com feocromocitoma

PRAZISINA (bloqueador dos receptores adrenergicos alfa 1) 2s antes da cirurgia + beta bloqueador caso o paciente se mantenha taquicardico

23

Idoso de 76 a com dx de HAS iniciou o tto medicamentoso e retorno ao ambulatorio para avaliação. Apresenta hiponatremia. Qual o medicamento provavelmente foi iniciado pela paciente que justifique esse quadro.

DIURETICOS TIAZIDICOS: Hidroclorotiazida

24

CAUSAS MAIS COMUNS DE HAS SECUNDÁRIA

Doenças parenquimatosas renais
Estenose da artéria renal
Outras: hipertireodismo, coarctação da aorta e apneia do sono

25

Qunado suspeitar de HAS secundária causada por hiperaldosteronismo primário

HAS + hipocalemia
Há aumento excessivo e autônomo de aldosterona pelo córtex da suprarrenal.
Dx é feito pela demostração de baixa atividade de renina plasmática e elevados níveis de aldosterona, com relação aldosterona/ atividade de renina plasmática > 30.
A confirmação pode ser feita após dosagem de aldosterona após sobrecarda de sal ou teste com fludrocortisona, evidenciando aldosterona não suprimida (> 5 ng l dL).
Deve se fazer TC ou RM de abdome para rastreio de tumor de adrenal.

26

Quais são os medicamentos:
1. Usados com precaução ou contraindicados em casos de gota, hiperuricemia, diabetes e hipocalemia.
2. Usados nas insuficiências coronarianas e cardíaca com baixa fração de ejeção.
3. Utilizados em casos de feocromocitoma.
4. Usados em pacientes portadores de taquicardias supraventriculares e contraindicados ou usados com cautela em pacientes portadores de bloqueio atrioventricular de segundo ou terceiro grau.
5. Insuficiência cardíaca com baixa fração de ejeção, nefropatas, pacientes que apresentam tosse como efeito colateral aos inibidores da enzima conversora de angiotensina.

1. Diurético tiazídico
2. Betabloqueadores cardiosseletivos
3. Alfa antagonista de ação central
4. Antagonistas dos canais de cálcio
5. Antagonista da angiotensina II

27

Quais drogas anti hipertensivas que respectivamente tem ação de diminuir e aumentar nível sérico de ácido úrico

losartana e HCTZ

28

Como deve ser tratada a dislipidemia nesses casos:
1. Doença aterosclerótica ou LDL ≥ 190
2. LDL 70-189 + Diabético ou com risco CV elevado
3. Demais pacientes
4. Refratários ou intolerância

1. Doença aterosclerótica ou LDL ≥ 190: TERAPIA DE ALTA INTENSIDADE (Diminuir LDL≥50%): Artovastatina 40-80mg
2. LDL 70-189 + Diabético ou com risco CV elevado: ALTA A MODERADA INTENSIDADE (Diminuir LDL 30-50%): ARTO 10-20mg; Sinvastatina 20-40mg
3. Demais pacientes: BAIXA INTENSIDADE (Diminuir LDL<30%): Pravastatina 10-20mg
4. Refratários ou intolerância: Ezetimibe ou Inibidor da PCSK9

29

DX e CD:
Paciente com menos de 30 anos ou mais de 55 anos com HAS grave e refrataria cuja função renal piorou com uso de IECA ou BRA.

ESTENOSE DE ARTÉRIA RENAL= HAS renovascular
CD: solicitar Eco-doppler de arterias renias , cintilografia renal com e sem captopril e angiorresonancia renal

30

Quais são os indicativos de um quadro secundário de HAS

Início precoce <30 a ou tardio > 55
HAS refratária
Tríade do feocromocitoma: palpitação, sudorese, cefaleia em paroxismo
Uso de medicamentos que podem elevar a PA
Sinais de endocrinopatia
Sopro abdominal
Assimetria de pulso femoral
Exame de urina anormal
Sintomas de apneia do sono