Cirurgia - Trauma Flashcards Preview

Residência 2019 > Cirurgia - Trauma > Flashcards

Flashcards in Cirurgia - Trauma Deck (49):
1

Indicações de via aérea artificial

Apneia, proteção da VA (contra broncoaspiração), TCE grave (Glasgow≤8), incapacidade de manter oxigenação com máscara

2

Tipos de vias aéreas artificiais

- Definitiva: protege a VA através da colocação de balonete insuflado na traqueia (é a melhor)

- Temporária

3

Formas de via aérea definitiva

1. Intubação orotraqueal: mais comum
2. Intubação naso
3. Crico cirúrgica
4. Traqueostomia

Qual a melhor? Depende de cada paciente

4

Como verificar se o tubo está bem colocado?

Exame físico+ Capnografia + RX de tórax

5

Contraindicação de cricotireoidostomia

Criança < 12 anos -> risco de traqueomalácea

6

Indicação de traqueostomia

Fratura de laringe

7

Fratura de laringe

Rouquidão, enfisema subcutâneo, fratura palpável

8

RX do pneumotórax hipertensivo

Lesão em "saco de papel"

9

QC Pneumotórax hipertensivo

Desvio da traqueia, turgência jugular, percussão timpânica, MV abolido, HIPOTENSÃO (consequente do mediastino angulado)

10

Conduta (imediata/definitiva) no pneumotórax hipertensivo

1. Imediata: toracocentese de alívio no 5º EIC na linha axilar média (ATLS 2018)

2. Definitiva: Toracostomia (5º EIC entre as linhas axilares anterior e média)

11

Pneumotórax aberto/penetrante

Orifício > 2/3 do diâmetro da traqueia

12

Conduta no pneumotórax aberto

1. Imediata: curativo em 3 pontas

2. Definitiva: drenagem em selo d'água

13

Todo pneumotórax aberto deve ser drenado?

NÃO precisa se o PTX for simples/pequeno(20 a 30% do hemi tórax).

14

Quando drenar o pneumotórax aberto?

Se risco de aumentar -> transporte aéreo ou ventilação mecânica

15

Qual o choque mais comum?

Hipovolêmico hemorrágico

16

Trauma de tórax

Tórax instável: fratura de ≥2 ou 3 arcos arcos costais consecutivos

17

QC trauma de toráx

Dor + respiração paradoxal

18

Conduta no trauma de tórax

Analgesia + O2

- Se Pa02<65 ou SatO2<90% pode entubar e colocar ventilação mecânica

19

QC Hemotórax

Desvio de traqueia, turgência jugular, macicez na percussão, MV abolido, hipotensão

20

Conduta no hemotórax

Drenagem em selo d'água

21

Indicações de toracotomia no hemotórax

1. Drenagem imediata de 1500 ml
2. Drenagem de 200 ml/h por 2 a 4 horas
3. Necessidade persistente de transfusão

22

QC Tamponamento cardíaco

1. Tríade de BECK: turgência jugular, hipotensão, hipofonese de bulhas
2. Pulso paradoxal ( queda>10 mmHg na PAs durante inspiração)
3. Sinal de Kussmaul: aumento da turgência jugular durante inspiração

23

Conduta no tamponamento cardíaco

1. Temporária: pericardiocentese - retirar 10 a 20 ml de sangue

2. Definitiva: toracotomia

24

Lesão de aorta

1. Conceito
2. QC

1. Conceito: hematoma ao nível do ligamento arteriovenoso

2. QC: pulsos normais em MMSS e diminuídos em MMII

25

RX na lesão de aorta

1. Mediastino > 8 cm
2. Perda do contorno aórtico
3. Desvio do TOT / CNE para direita

26

Exame padrão-ouro na lesão de aorta

Aortografia

Entretanto, qual o mais utilizado? TC de tórax

27

Conduta na lesão de aorta

1. Tratar outras lesões; a aorta fica estável por em média 24 horas
2. Iniciar beta-bloqueador
3. Toracotomia à esquerda ou terapia endovascular

28

Conduta no tamponamento cardíaco

1. Temporária: pericardiocentese - retirar 10 a 20 ml de sangue

2. Definitiva: toracotomia

29

Lesão de aorta

1. Conceito
2. QC

1. Conceito: hematoma ao nível do ligamento arteriovenoso

2. QC: pulsos normais em MMSS e diminuídos em MMII

30

RX na lesão de aorta

1. Mediastino > 8 cm
2. Perda do contorno aórtico
3. Desvio do TOT / CNE para direita

31

Exame padrão-ouro na lesão de aorta

Aortografia

Entretanto, qual o mais utilizado? TC de tórax

32

Conduta na lesão de aorta

1. Tratar outras lesões; a aorta fica estável por em média 24 horas
2. Iniciar beta-bloqueador
3. Toracotomia à esquerda ou terapia endovascular

33

Caso o sangramento no trauma hepático não cesse após a manobra de Pringle, de onde é proveniente a hemorragia?

Lesão das veias hepáticas ou da veia retro-hepática

Se cessou: sangramento proveniente de ramo da artéria hepática ou da veia porta

34

Órgão mais lesionado no trauma fechado

Baço

35

Órgão mais lesionado no trauma penetrante

Fígado

36

Órgão mais lesionado por arma de fogo

Intestino delgado

37

Órgão mais lesionado na arma branca

Fígado

38

Órgão mais lesionado em trauma de carro (cinto de segurança)

Intestino delgado

39

Conduta no trauma penetrante por arma de fogo

Sempre laparotomia (sendo cirúrgico ou não)

40

Locais de análise do USG FAST

Espaço hepatorrenal, esplenorrenal, pelve/fundo de saco, saco pericárdico

41

Locais de análise do extended(E)-FAST

Tórax (pneumo/hemotórax)

42

QC na perfuração de duodeno (no trauma)

Retropneumoperitônio, escoliose antálgica, dor lombar irradiando até região escrotal ou grandes lábios, crepitação ao toque retal

Conduta: laparotomia

43

Empilhamento de moedas (ou mola espiral) no RX

Contusão do duodeno

QC: hematoma da parede duodenal

44

Síndrome de Compartimento abdominal

PIA ≥ 21 mmHg ou PAM-PIA <60 + Lesão de órgão

45

Lesão cerebral difusa - Concussão

1. Fisiopatologia
2. QC

Lesão cerebral difusa - Concussão

1. Fisiopatologia: desaceleração brusca

2. QC: "perda temporária de função neurológica"
- Redução ou perda da consciência <6h (clássico)
- Amnesia, confusão
- Convulsão

46

Lesão axonal difusa

1. Fisiopatologia
2. QC

1. Fisiopatologia: desaceleração com lesão por cisalhamento

2. QC: perda IMEDIATA da consciência
- Coma>6h

Dica: Glasgow BAIXO + TC "inocente"

47

Conduta: contusão abdominal + FAST positivo + instabilidade hemodinâmica

Laparotomia

48

Conduta: contusão abdominal + Irritação peritoneal (independente do FAST)

LAPAROTOMIA

49

Conduta: contusão abdominal + FAST positivo + estabilidade hemodinâmica

TC de abdome