1. Síndrome ictérica - lesão hepatocelular Flashcards Preview

Gastroenterologia > 1. Síndrome ictérica - lesão hepatocelular > Flashcards

Flashcards in 1. Síndrome ictérica - lesão hepatocelular Deck (29):
1

Aumento de BD: quando suspeitar de lesão hepatocelular?

TGO/TGP > 10x
FA/GGT "tocadas"

2

Síndrome de Gilbert: causa? Prevalência?

Conjugação mais lenta da BI pela glucuroniltransferase (GT). Presente em 8% da população geral.

3

Síndrome de Gilbert: sintomas e alterações laboratorias?

Icterícia desencadeada por jejum, estresse, álcool, exercício...
BT < 4 com predomínio da BI

4

Síndrome de Gilbert: tratamento?

Fenobarbital (indutor da GT) e dieta hipercalórica - por motivos estéticos

5

Síndrome de Crigler Najar tipo I: causa?

Deficiência total da glucuroniltransferase

6

Síndrome de Crigler Najar tipo I: sintomas e alterações laboratoriais?

Aumento intenso de bilirrubinas no RN, podendo ocorrer kernictericus.
BT 18-45 com predomínio de BI e ausência de BD

7

Síndrome de Crigler Najar tipo I: tratamento?

Transplante hepático

8

Síndrome de Crigler Najar tipo II: causa?

Deficiência parcial da glucuroniltransferase

9

Síndrome de Crigler Najar tipo II: sintomas e alterações laboratoriais?

Icterícia no paciente adulto (mais intensa que na síndrome de Gilbert). BT 6-25 com predomínio de BI e níveis de BD detectáveis no sangue. BT pode aumentar mais em casos de jejum e infecção.

10

Síndrome de Crigler Najar tipo II: tratamento?

Fenobarbital somente por motivos estéticos.

11

Síndrome de Rotor e Dubin-Johnson: definição?

Alterações na excreção (Rotor) e armazenamento (Dubin-Johnson) da BD, gerando icterícia com predomínio de BD. Raras e benignas.

12

Hepatite viral: quando suspeitar (alteração laboratorial e histológica)?

TGO/TGP > 1.000 com predomínio de TGP.
Necrose periportal e em ponte, leucopenia com predomínio de linfócitos

13

Hepatite B: formas de transmissão? Quais as chances de transmissão para o RN?

- Sexual (mais importante)
- Percutânea
- Vertical (90% de chance se HBeAg+ e 10-15% se HBeAg-)

14

Hepatite B: sorologias para o diagnóstico e o seu significado?

- HBsAg: tem hepatite B (aguda ou crônica). Se negativo pode ter ou não.
- Anti-HBc IgM: tem hepatite B aguda
- Anti HBc IgG: tem hepatite B crônica ou curada
- Anti-HBs: tem hepatite B crônica: Se negativo tem hepatite B curada.

15

Hepatite B: onde e quando o HBeAg é produzido?

Produzido pelo core durante a replicação viral

16

Hepatites virais: qual o período de incubação?

Hepatite A: 4 semanas
Hepatite E: 5-6 semanas
Hepatite C: 7 semanas
Hepatite B e D: 8-12 semanas

17

Hepatite B: qual antígeno surge no período de incubação?

HBsAg (produzido pelo envoltório lipoproteico)

18

Quanto tempo duram as fases seguintes (prodrômica, ictérica e de convalescência)?

Dias a semanas

19

Hepatite B: qual anticorpo surge com os sintomas da fase prodrômica? Qual outra alteração laboratorial ocorre? Quais os sintomas?

Anti-HBc IgM (produzido contra o antígeno HBcAg do core, não detectado no sangue) e anti-HBc IgG logo depois. Também ocorre o aumento de TGO e TGP.
Sintomas gripais (febre, mialgia) e gastrointestinais (vômito)

20

Hepatite B: qual a prevalência e sintomas da fase ictérica?

Ocorre em 30% dos casos. Icterícia, hepatomegalia dolorosa e manutenção dos sintomas gastrointestinais.

21

Hepatite B: qual anticorpo surge no início da fase de convalescência? O que é a janela imunológica?

Anti-HBs. A janela imunológica surge entre a negativação do HBsAg e até o surgimento do anti-HBs. Durante esse período o HBsAg é negativo mas ainda há infecção aguda.

22

Hepatite B: quais as três manifestações extra-hepáticas?

- Glomerulonefrite membranosa
- PAN
- Síndrome de Gianotti-Crosti

23

Hepatite B: o que é o mutante pré-core? Quando suspeitar e qual exame solicitar?

Mutante da hepatite B que não produz HBeAg, com o anti-HBe podendo ser positivo ou não. Suspeitar se elevação de transaminases com HBeAg negativo. Solicitar DNA-HBV.

24

Hepatite B: o que é o mutante por escape? Quando suspeitar?

Mutante da hepatite B que produz HBsAg resistente. Suspeitar se anti-HBs positivo e HBsAg também positivo.

25

Hepatite B: risco de hepatite fulminante? Qual o tratamento?

Risco de 1%. Tratamento com tenofovir.

26

Hepatite B: risco de hepatite crônica?

Risco de 5% no adulto, 20-30% na criança e 90% no RN.

27

Hepatite B: profilaxia pré-exposição?

Vacinação em 3 doses. Realizar 4 doses duplas em casos de DRC e imunossupressão.

28

Hepatite B: quando dosar anti-HBs? O que fazer se negativo?

Dosar em grupos de risco (profissionais da saúde, DRC, transplantados, etc.)
Realizar as três doses de vacina novamente

29

Hepatite B: profilaxia pós-exposição?

- RN: vacinação e imunoglobulina de preferência em até 12h. Mãe deve receber tenofovir até 30 dias após o parto.
- Acidente perfurocortante ou vítima sexual: vacinação (se ausente, incompleta ou desconhecida) e imunoglobulina em até 2 semanas.
- Imunossuprimido: imunoglobulina mesmo se vacinado