Hanseníase Flashcards Preview

Dermatologia > Hanseníase > Flashcards

Flashcards in Hanseníase Deck (32)
Loading flashcards...
1

O que é a hanseníase?

Doença infecciosa crônica, curável, que tem como ag. etiológico o Mycobacterium leprae ou bacilo de Hansen. É um microorganismo de alta infectividade, mas baixa patogenicidade.

2

Principais características do Bacilo de Hansen:

Descoberto em 1873, BAAR resistente, intracelular obrigatório, predileção pelas células de Schwann do SNP, pele e mucosa nasal. Multiplicação lenta (doença insidiosa).

3

Manifestação clínica da hanseníase:

Máculas hipocrômicas, hipo ou anestésicas. Placas, nódulos, tubérculos e infiltrações podem ocorrer sem lesão aparente de pele. A infecção se dá profundamente na derme. Se não tratado, pode causar deformidades.

4

Epidemiologia da hanseníase:

Várias campanhas foram e são feitas nos últimos anos. A incidência diminui muito, mas está desacelerando. Brasil, Índia e China correspondem a mais de 80% dos casos mundiais. No BR, principalmente em TO, MA, RO e PA.

5

Como se dá a transmissão viral?

Homens são os reservatórios naturais. Há os BH paucibacilares, mas os multibacilares são a fonte de infectividade. A principal via de inoculação e eliminação do BH são as vias aéreas superiores, mas lesões cutâneas também podem ser portas de entrada. Pode ficar latente por anos.

6

Qual a resposta imune contra os BH?

Principalmente via imunidade celular, por meio da fagocitose e destruição dos BH por macrófagos. Contra paucibacilares (HT), Th1. Contra multibacilares (HV), Th2.

7

Como se classifica a hanseníase?

Dois polos estáveis e opostos (Virchowiana e Tuberculoide). Dois polos instáveis e não opostos (Indeterminado e Dimorfo).

8

Como a OMS classifica a hanseníase?

Quando até 5 lesões, paucibacilar. Quando mais de 5 lesões, multibacilar.

9

Dentro da classificação em 4 tipos, quais são as paucibacilares?

Tuberculoide e Indeterminado.

10

Quadro clínico da hanseníase indeterminada (HI):

Manchas hipocrômicas, anestésicas e anidróticas, com bordas imprecisas, lesões únicas ou pequeno número. Geralmente é a primeira fase da hanseníase, sem comprometimento neural, baciloscopia negativa. Pode evoluir para cura ou outra forma da doença.

11

Histopatologia da HI:

Infiltrado perivascular e perineural.

12

Quadro clínico da hanseníase tuberculoide (HT):

Surge a partir da HI não tratada. Lesões maculosas pouco numerosas, eritematosas, bem definidas que evoluem para placas papulosas. Em quadro agudos, pode apresentar neurite, com dor, sem comprometimento funcional do nervo.

13

Como pode evoluir a HT em quadros crônicos:

Com ressecamento intenso da pele, causando alopecia, perda de sensação (térmica, tátil), alteração motora desde dormência à incapacidade e deformidade.

14

Qual um sinal clássico da HT?

Sinal da raquete: espessamento neural visível que emerge da placa.

15

Quais sindromes motoras a HT pode causar?

Mão em garra, mão do pregador, mão caída, pé caído, lagoftalmia, mal perfurante plantar.

16

Qual o quadro clínico da Hanseníase Virchowiana?

Polimorfismo de lesões. Inicialmente manchas hipocrômicas. Após tempo variável, pápulas, nódulos, placas. Após isso, madarose, alopecia, espessamento de pavilhão auricular. 

17

Onde ocorre o comprometimento nervoso na HV e o que causa?

Pode acometer ramúsculos da pele, na inervação vascular e nos troncos nervosos. Nos últimos, ocorre deficiência funcional e sequelas tardias.

18

Histopatologia da HV:

Baciloscopia altamente positiva, multibacilar, representando grande foco infeccioso. A histopatologia demonstra aglomerado de bacilos nas camadas profundas da derme (globias).

19

Quadro clínico da hanseníase dimorfa (HD):

Marcada pela instabilidade imunológica, logo com grande variação na intensidade das manifestações. Lesões múltiplas, com semelhança de HV e HT. Uma diferença importante é a assimetria das lesões.

20

Como podem ser divididas as lesões da HD?

Bordeline Tuberculoide: eritemas anulares assimétricos. Baciloscopia negativa. Bordeline Bordeline: lesões bizarras foveolares tipo queijo suíço. Baciloscopia moderadamente positiva. Bordeline virchowiana: infiltrações elevadas, anular. Baciloscopia positiva.

21

Como se dá o diagnóstico de hanseníase?

Clínico e epidemiológico, pela história e manifestações dermatoneurológicas apresentadas. A baciloscopia é exame complementar, rápido e de baixo custo, mas pouco específica. Fecha-se o diagnóstico na presença de 2 dos 3 sinais: lesão cutânea típica, acometimento de nervos periféricos e baciloscopia positiva.

22

O que é a reação de Mitsuda?

Teste de aplicação intradérmico com análise após 28 dias. Devido a demora, não tem função diagnóstica, mas de definir classificação e prognóstico. Em todo mundo, gera uma reação em até 72h, mas uma segunda reação em doentes após 28 dias, com presença de pápulas ou nódulos.

23

De forma geral, como é o tratamento da hanseníase?

Rifampicina (ATB) 600 mg, dapsona (corticoide) 100 mg mensais e clofazimina nos multibacilares. Paucibalicares são 6 doses e multibacilares 12 doses.

24

Como está o teste de Matsuda na hanseníase Virchowiana?

Negativo.

25

O que é a Lepra de Lúcio?

Forma multibacilar com infiltração, eritema, alopecia, sem pápulas ou nódulos. Não há deformidade. Índice baciloscópico alto. 

26

O que são reações hansênicas?

Períodos de inflamação aguda no curso da doença. 

27

Reação hansênica tipo 1:

Reativação das lesões preexistentes.

Neurites.

28

Reação hansênica tipo 2:

Reação mediada por imunocomplexos, com eritema nodoso. 

29

O que é o fenômeno de Lúcio?

Vasculite aguda devido alta infestação do endotélio e necrose de arteríolas. Clinicamente, são lesões purpúricas.

30