Neoplasias (Mama, Ovários, Colo, Vulva e Endométrio) Flashcards Preview

GO > Neoplasias (Mama, Ovários, Colo, Vulva e Endométrio) > Flashcards

Flashcards in Neoplasias (Mama, Ovários, Colo, Vulva e Endométrio) Deck (135):
1

Mama - tipos de derrames papilares

Lácteo
Multicolor (verde, amarelado, marrom)
Sanguíneo
Água de Rocha

2

Causa de derrame papilar lácteo

Hiperprolactinemia

3

Principal causa de derrame papilar multicolor

Alteração Funcional Benigna da Mama

4

Principal causa de derrame papilar serossanguíneo

Papiloma intraductal

5

Quando investigar derrame papilar

Derrame:
- unilateral
- espontâneo
- em água de rocha
- serossanguíneo
- uniductal

6

Conduta na investigação do derrame papilar

Ressecção ductal

7

"Fluxograma" do nódulo de mama

1) Confirmar no exame físico
2) PAAF

Se cístico:
- Avalia líquido
- Exame de imagem (USG/MMG)

Se sólido:
- Biópsia
- Exame de imagem (USG/MMG)

8

Qual a 1ª conduta no nódulo palpável?

PAAF

9

Nódulo mamário - Características que sugerem benignidade ao exame físico

Móvel
Bem delimitado / Regular
Fibroelástico
Sem retrações de pele

10

Nódulo mamário - Características que sugerem malignidade ao exame físico

Aderido
Irregular
Pétreo
Com retrações de pele

11

Nódulo mamário - Indicações para solicitar USG

MMG inconclusiva
Diferenciar sólido de cístico
Avaliar nódulo em paciente jovem ou gestante

12

Nódulo mamário - Características que sugerem benignidade ao USG

Anecoico
Homogêneo
Regular
Reforço acústico posterior

13

Nódulo mamário - Características que sugerem malignidade ao USG

Misto (sólido-cístico)
Heterogêneo
Irregular
Com sombra acústica posterior

14

Nódulo mamário - Indicações de RNM

Presença de prótese mamária
Múltiplas cirurgias
MMG inconclusiva

15

Porque a RNM não é superior à MMG no rastreio de CA de mama?

Não detecta lesões pequenas <2mm
Não detecta microcalcificações

16

Classificação BiRads

0: inconclusiva
1: sem alterações
2: alterações benignas
3; alterações provavelmente benignas
4-5: alterações provavelmente malignas
6: alterações sabidamente malignas

17

Condutas de acordo com a classificação BiRads

0: solicitar exame complementar (USG/RNM)
1: repetir MMG de acordo com a idade
2: repetir de acordo com a idade
3: repetir em 6 meses
4-5: fazer biópsia
6: planejar cirurgia

18

Características da alteração BiRads 2

lesão regular, homogênea, calcificação grosseira

19

Características da alteração BiRads 4-5

Microcalcificações pleomórficas agrupadas
Espiculado

20

Tipos de biópsias de mama

Core Biopsy
Mamotomia
Biópsia cirúrgica

21

Complicação da mamotomia

Pneumotórax

22

Conduta no nódulo de mama não palpável

Estereotaxia

23

Tipos de patologias benignas da mama

- Fibroadenoma
- Tumor Filóides
- Alteração Funcional Benigna da Mama
- Esteatonecrose

24

Patologia benigna da mama mais comum

Fibroadenoma

25

Características do Fibroadenoma

Paciente jovem (20-35 anos)
Lesão pequena (20-35mm)

26

Indicações de se retirar o Fibroadenoma

Lesão > 35mm
Paciente > 35 anos

27

Características do Tumor Filoides

Semelhante ao fibroadenoma
Crescimento muito rápido
Retirar com margens cirúrgicas

28

Características da Alteração Funcional Benigna da Mama

Adensamentos
Cistos
Mastalgia

29

Características da Esteatonecrose de mama

Lesão após TRAUMA

30

Tipos de mastalgia

Cíclica
Acíclica

31

Causa de mastalgia cíclica

Alteração Funcional Benigna da Mama

32

Causas de mastalgia acíclica

Abscesso
Mastite
Nevralgia

33

Câncer de Mama - Fatores de risco

Idade
Menacme longo
Nuliparidade
Mutação no gene BRCA
Dieta rica em gordura
História familiar positiva
Carcinoma in situ
Hiperplasia atípica
Sexo feminino

34

Câncer de Mama - Tipos histológicos

Precursores
Ductal infiltrante
Lobular infiltrante
Carcinoma inflamatório
Paget

35

Câncer de Mama - Tipo histológico mais comum

Ductal infiltrante

36

Câncer de Mama - Dx diferencial com Paget

Eczema

37

Câncer de Mama - Rastreamento pelo MS

MMG bianualmente para mulheres entre 50-69 anos

38

Câncer de Mama - Rastreamento para pacientes de Alto Risco

Exame físico + MMG anualmente para pacientes >35 anos

39

Câncer de Mama - Paciente de alto risco

Parente de 1º grau com CA < 50 anos
Parente de 1º grau com CA bilateral
Parente masculino com CA de mama

40

Câncer de Mama - Tipos de Cirurgias

Conservadora
Radical

41

Câncer de Mama - Tipos de Cirurgia Conservadora

Quadrantectomia
Segmentectomia

42

Câncer de Mama - Contraindicações à cirurgia conservadora

Impossibilidade de RT no pós-op
Lesão multicêntrica

43

Câncer de Mama - Indicação de cirurgia conservadora

Relação tumor/mama de até 3,5cm que seja 20% da mama

44

Câncer de Mama - Tipos de Cirurgia Radical e diferença entre elas

Halsted - tira os dois mm peitorais
Patey - tira apenas o m peitoral menor
Madden - não tira mm peitorais

45

Câncer de Mama - Complicação do esvaziamento linfonodal radical

Escápula alada por lesão do nervo torácico longo que inerva o músculo serrátil anterior

46

Câncer de Mama - Indicação de QT adjuvante

Tumor > 1cm
Linfonodo + (N1)
Metástase hematogênica (M1)

47

Câncer de Mama - Indicação de RT adjuvante

Tumor > 4cm
Cirurgia conservadora

48

Câncer de Mama - Hormonioterapia indicação e medicação

Receptor Estrogênio +
Tamoxifeno / Inibidor da Aromatase

49

Câncer de Mama - Terapia Alvo Dirigida indicação e medicação

Tumor que expressa HER2
Trantuzumabe

50

Câncer de Ovário - Fatores de risco

Mutação no gene BRCA
Nuliparidade
Menacme longo
História familiar
Idade > 60 anos
Dieta rica em gordura
Tabagismo
Obesidade
Indutor de ovulação

51

Câncer de Ovário - Dx

Clínica + USG

52

Câncer de Ovário - Dx definitivo

Histopatológico

53

Câncer de Ovário - Características no USG

S ólida
U SG com IR baixo (neovascularização)
S eptada
P apilas
E spessamento da parede
I rregular
T amanho > 8cm
A ntes e após o menacme

54

Câncer de Ovário - CA 125 prós e contras

Contras:
- Inespecífico
- Muito falso negativo

Pró:
- Seguimento pós-tratamento

55

Câncer de Ovário - CA 125 valores de referência

Pós-menopausa > 35
Menacme > 200

56

Tumores benignos não neoplásicos de Ovário

Endometrioma
Cisto funcional
Abscesso

57

Tumores benignos neoplásicos de Ovário

Teratoma benigno
Cistoadenoma
Fibroma
Struma ovarii

58

Struma ovarii - característica

Tumor que secreta hormônio tireoidiano

59

Principal complicação do Teratoma benigno de ovário

Torção

60

Síndrome de MEIGS

Tumor de ovário + Derrame pleural + Ascite

61

Síndrome de MEIGS é mais comum em qual tumor?

Fibroma

62

Câncer de Ovário - Tipos de tumores malignos

Epitelial
Germinativo
Cordão Sexual

63

Câncer de Ovário - Tipos de tumores epiteliais

Adenocarcinoma seroso
Adenocarcinoma mucinoso

64

Câncer de Ovário - Tipos de tumores germinativos

Disgerminoma
Teratoma imatura

65

Câncer de Ovário - Tipos de tumores de cordão sexual

Androblastoma

66

Câncer de Ovário - Tipo mais comum

Adenocarcinoma seroso

67

Câncer de Ovário - Detalhe do adenocarcinoma mucinoso

Faz psudomixoma

68

Qual tipo de tumor germinativo de ovário mais comum?

Disgerminoma

69

Câncer de Ovário - Detalhe do teratoma imaturo

Causa pseudopuberdade precoce

70

Câncer de Ovário - Detalhe do Androblastoma

Causa virilização

71

Tumor de Krukemberg o que é?

Metástase no ovário de tumor do TGI

72

Câncer de Ovário - Como se dá a metástase?

Transcelômica

73

Câncer de Ovário - Estadiamento

IA: apenas 1 ovário
IB: bilateral
IC: cápsula rota

74

Câncer de Ovário - Tto

Laparotomia

75

Câncer de Ovário - Indicação de QT adjuvante

Estadiamento > IC
Tumor iniferenciado

76

Câncer de Ovário - Tto de exceção

Paciente em idade fértil com vontade reprodutiva
Estadiamento IA
Tumor bem diferenciado
SALPINGO-OOFOROPLASTIA/ECTOMIA unilateral

77

Câncer de Colo Uterino - HPV mais oncogênicos

16 e 18

78

Câncer de Colo Uterino - Fatores de risco

Exposição ao HPV
Sexarca precoce
Múltiplos parceiros
Tabagismo
DST prévia
Imunossupressão

79

Câncer de Colo Uterino - Exame de rastreio

Colpocitologia

80

Câncer de Colo Uterino - Quando fazer rastreio

25 - 64 anos após a sexarca
1x/ano, após 2 negativos, fazer de 3/3 anos

81

Câncer de Colo Uterino - Como colher colpocitologia?

Coleta dupla
Ecto e Endocervice

82

Colpocitologia - Possíveis resultados

LIE-BG (lesão intraepitelial de baixo grau)
ASC-US (célula escamosa atípica de origem indeterminada, possivelmente não neoplásica)
ASC-H (célula escamosa atípica de origem indeterminada, não exclui lesão de alto grau)
ACG (AGUS) (célula grandular atípica de origem indeterminada)
LIE-AG (lesão intraepitelial de alto grau)
AOI (atipia de origem indeterminada)

83

Colpocitologia - Conduta na LIE-BG

Repetir citologia
<25 anos: 3 anos
>25 anos: 6 meses

84

Colpocitologia - Conduta na ASC-US

Repetir
<25 anos: 3 anos
25-29 anos: 1 ano
>30 anos: 6 meses

85

Colpocitologia - Conduta na ASC-H

Colposcopia

86

Colpocitologia - Conduta na AGUS

Colposcopia com visualização do canal endocervical

87

Colpocitologia - Conduta na LIE-AG

Colposcopia

88

Colposcopia - O que o ácido acético marca

Atividade proteica
Região Acetobranca

89

Colposcopia - O que o lugol marca

Presença de Glicogênio
Coloração escura

90

Colposcopia - Teste de Schiller

+ se ausência de glicogênio -> Iodo negativo

91

Colposcopia - Achado mais suspeito de invasão

Formação de Vasos Atípicos

92

Colposcopia - Quando biopsiar gestante?

Suspeita de invasão

93

O que é Colposcopia insatisfatória?

JEC não visualizada

94

Colposcopia - Como avaliar canal endocervical?

Escovado (preferência)
Curetagem
Histeroscopia

95

Conduta na Colposcopia insatisfatória

Abrir mais o especulo
Usar o espéculo endocervical
Passar estrogênio e repetir após

96

Colposcopia - Possíveis resultados da biópsia

Lesão Intraepitelial - NIC 1, 2 ou 3
Câncer cervical

97

Colposcopia - Conduta no NIC 1

Acompanhar por 2 anos, se não desaparecer
- Crioterapia
- Cauterização

98

Colposcopia - Conduta >NIC 2

Cone ou CAF (EZT)

99

Colposcopia - Contraindicações à CAF

Não visualização da JEC
Suspeita de invasão
Não visualização do limite da lesão

100

Câncer de Colo - Sinônimos para Epidermoide

Escamoso
Espinocelular

101

Câncer de Colo - Qual tipo histológico mais comum?

Escamoso

102

Câncer de Colo - Qual o 2º tipo mais comum?

Adenocarcinoma

103

Câncer de Colo - Adenocarcinoma está mais relacionado a qual HPV?

18

104

Câncer de Colo - Como se dá expansão

Continuidade
Contiguidade

105

Câncer de Colo - Estadiamento

0 - Carcinoma in situ
I - Restrito ao colo
A1: <3mm de profundidade
A2: 3-5mm
B1: 5mm-4cm
B2: >4cm
IIA - Parte superior da Vagina
IIB - Paramétrios
IIIA - Terço inferior da Vagina
IIIB - Parede pélvica
IVA - Bexiga e Reto
IVB - Metástase à distância

106

Câncer de Colo - Conduta Estadio 0

Cone

107

Câncer de Colo - Conduta Estadio IA1

Histerectomia tipo 1

108

Câncer de Colo - Conduta Estadio IA2

Histerectomia tipo 2

109

Câncer de Colo - Conduta Estadio IB1

Wertheim-Meigs

110

Câncer de Colo - Conduta Estadio IB2/IIA

Wertheim-Meigs ou QT

111

Câncer de Colo - Conduta >IIB

QT e RxT

112

Wertheim-Meigs o que tira?

Histerectomia total abdominal
Paramétrios
Ligamentos Uterossacros
Terço superior da vagina
Linfadenectomia pélvica

113

Achados no exame citológico compatíveis com efeito citopático do HPV

Coilocitose
Discariose
Disceratose

114

Câncer de Vulva - Fatores de risco

Iguais Câncer de Colo
Linfogranuloma Venéreo

115

Câncer de Vulva - Dx diferencial

Donovanose

116

Câncer de Vulva - Sintoma mais comum

Prurido

117

Câncer de Vulva - Tipo histológico mais comum

Escamoso

118

Câncer de Vulva - 2º tipo mais comum

Melanoma

119

Câncer de Vulva - Teste de Colins

Feito para direcionar a Bx

120

Câncer de Vulva - Tratamento

<2cm retirar lesão com margem de 2cm
>2cm vulvectomia

121

Líquen Escleroso - Características

Idosa
Pequenos lábios apagados
Hipocromia vulvar

122

Líquen Escleroso - tto

Pomada de Clobetasol

123

Causas de sangramento após menopausa

Atrofia genital
Terapia Hormonal
Câncer de endométrio

124

Câncer de Endométrio - Fatores de risco

Obesidade*
>60 anos
Branca
Dieta rica em gordura
Menacme longo
Nuliparidade
Anovulação Crônica

125

Câncer de Endométrio - Fatores de Proteção

Multiparidade
ACO
DIU
Tabagismo

126

Câncer de Endométrio - Dx

Exame + USG = suspeita
Bx se suspeita

127

Câncer de Endométrio - Tipo mais comum

Endometrióide

128

Câncer de Endométrio - Espessura endométrio suspeita na pós menopausa

Sem TH: >4-5mm
Com TH: >8mm

129

Hiperplasia Endometrial - importância

precede 80% dos CA de endométrio

130

Hiperplasia Endometrial sem atipia- Tto

progesterona

131

Hiperplasia Endometrial com atipia - Tto

histerectomia

132

Câncer de Endométrio - Tto e Estadiamento

Laparotomia

133

Câncer de Endométrio - Tto se >IB

Radioterapia

134

Câncer de Endométrio - Tto se metástase

QT

135

Mioma com crescimento após menopausa, suspeita

Sarcoma