Asma e DPOC Flashcards Preview

Pneumo > Asma e DPOC > Flashcards

Flashcards in Asma e DPOC Deck (42)
Loading flashcards...
1

Valor de referência VEF1

Normal = 4L

2

Valor de referência CVF

Normal = 5L

3

Valor de referência VEF1/CVF

Normal = 4/5 = 0,8

4

Como deve ser tratada a asmática GRÁVIDA

TRATA IGUAL
* corticoides inalatórios de escolha: BUDESONIDA e BECLOMETASONA
(“Grávida está esperando um BB”)

5

Diagnóstico diferencial sibilância

“Nem tudo que sibila é asma e nem toda asma sibila”

ASMA
IC
TEP
Obstrução VAS
DRGE
CHURG STRAUSS
Aspergilose broncopulmonar alérgica

6

Diagnóstico asma

1) espirometria inicial: obstrução
VEF1/CVF < 0,7

2) asma (reversível) ou DPOC (irreversível)? Espirometria pós broncodilatador
↑>12% + ↑>200ml VEF1 = reversão

3) se espirometria for normal: ESPIROMETRIA COM TESTE PROVOCATIVO (METACOLINA): ↓20% no VEF1

7

Tratamento de manutenção da ASMA
MEDIDAS PARA TODOS OS CASOS:

"mata o gato, vacina, bombinha no bolso"
1) Medidas ambientais
2) Vacinar para pneumococo e gripe
3) beta 2 de curta para alívio

Iniciar corticoide inalatório em dose baixa

8

Se não controlar com medidas gerais + CO inalatório em dose baixa

1) medidas ambientais
2) vacina para pneumococo e gripe
3) beta 2 de curta
4) corticoide inalatório em dose baixa
5) beta 2 agonista de longa (EVITAR EM <12 ANOS)

9

Se não controlar com medidas gerais + CO inalatório em dose baixa + beta 2 de longa

Aumentar dose do CO inalatório
1) medidas ambientais
2) vacina para pneumococo e gripe
3) beta 2 de curta
4) corticoide inalatório em dose MÉDIA
5) beta 2 agonista de longa (EVITAR EM <12 ANOS)

10

Se não controlar com medidas gerais + CO inalatório em dose média + beta 2 de longa

Aumentar dose do CO inalatório + encaminhar para especialista + omalizumab e/ou corticoide VO
1) medidas ambientais
2) vacina para pneumococo e gripe
3) beta 2 de curta
4) corticoide inalatório em dose ALTA
5) beta 2 agonista de longa (EVITAR EM <12 ANOS)
6) encaminhar para especialista
7) omalizumab e/ou CO VO

11

O que fazer se tiver asma controlada por 3 meses

VOLTAR 1 PASSO

12

Classificação do controle da asma

4 PERGUNTAS: A B C D
A - atividades limitadas?
B- bombinha de alívio ≥ 2x/semana?
C- cordou à noite?
D - diurnos: sintomas >2x/semana?

CONTROLADA: nenhum "sim"
PARCIALMENTE CONTROLADA: até 2 "sim"
DESCONTROLADA: 3 ou 4 "sim"

13

O que fazer inicialmente se asma não controlada?

verificar:
ambiente
aderência ao tto
tecnica do tto (como pct usa)

14

CRISE asmática leve-moderada

1) Fala frases completas
2) Não usa musculatura acessória
3) PFE>50%, FC ≤ 120, SATO2≥ 90%

15

tto CRISE asmática leve-moderada

"crise leve-mod não precisa do A -> só BCD"
Beta 2 de curta: 20/20 min por 1h
Corticoide VO: Prednisolona VO 1mg/kg, máx 50mg**
Dar O2 suplementar: alvo = satO2 93-95% (crianças: 94=98%)

**prednisolona VO:
crianças > 5 anos: 1-2mg/kg, máx 40 mg
crianças <5 anos: evitar corticoide sistêmico

16

CRISE asmática GRAVE

1) Fala por palavras, agitação
2) PFE ≤ 50%, FC>120, SatO2<90, FR>30
3) Não melhorou com tto da leve-mod

17

Tto CRISE asmática GRAVE

ABCD
Atroven - brometo de ipratrópio
Berotec - beta 2 de curta
Corticoide VO ou IV
Dar oxigênio

Considerar: MgSO4 IV, Corticoide inalatório dose alta

18

CRISE asmática MUITO GRAVE

Sonolento, confuso
Tórax silencioso
Acidose respiratória (na leve costuma ter alcalose pela hiperventilação, aqui já não elimina CO2)

19

Tto CRISE asmática MUITO GRAVE

TTO GRAVE
+
Preparar IOT
Indicar CTI
Considerar trocar para beta2 agonista IV

20

ALTA na asma:

1) Melhora clínica
2) PEF> 60-80%
3) Sat O2> 94% em ar ambiente

21

O que fazer quando dar alta na crise de asma

Iniciar tto ou ↑passo que estava
Reavaliar ambiente, aderência, técnica
5-7 dias de CO VO (crianças: 3-5 dias)
Nova consulta em 2-7 dias

22

Fatores de risco DPOC

1) Tabagismo
2) Hist fam de DPOC
3) Deficiência de alfa-1-antitripsina (pensar no não tabagista)

23

Suspeitar de DPOC

1) tosse crônica
2) expectoração crônica
3) dispneia

24

3 passos da abordagem do DPOC

1) Diagnóstico com espirometria
2) Classe GOLD
3) Classe ABCD

25

Diagnóstico DPOC

Obstrução IRREVERSÍVEL
1) espirometria inicial VEF1/CVF< 0,7 (obstrução)
2) espirometria pós broncodilatador: SEM MELHORA (irreversibilidade)

26

Grau de obstrução DPOC - CLASSE GOLD

GOLD 1 (leve): VEF1 ≥ 80%
GOLD 2 (moderado): VEF1 < 80%
GOLD 3 (grave): VEF1 < 50%
GOLD 4 (muito grave): VEF1 < 30%

27

Classe ABCD - DPOC

Coluna (C=A / D=B): gravidade dos sintomas
Linha (C=D/ A=B): número de exacerbações no último ano

C | D ≥ 2 exacerbações(último ano) OU 1 internação
_______
A | B 0-1 exacerbação(último ano)
* ¨

*A e C: CAT< 10, mMRC 0-1
¨B e D: CAT≥ 10, mMRC ≥ 2

28

mMRC

GRAU 0: dispneia apenas com esforços extenuantes

GRAU 1: dispneia quando anda com pressa ou sobe leve inclinação

GRAU 2: caminha mais lentamente do que pessoas da mesma idade/tem que parar de andar por causa de dispneia

GRAU 3: Para de andar por causa de dispneia após 100m ou alguns minutos em nível plano

GRAU 4: Dispneia que impede o indivíduo de sair de casa, ou aparece com esforços mínimos como vestir ou tirar a roupa

29

Escore CAT

Questionário de sintomas com avaliação de 0-5 para cada pergunta

30

Tratamento DPOC
Medidas para todas as classes (A/B/C/D)

Cessar tabagismo
Vacinação (pneumococo e influenza)
broncodilatador de alívio
fisioterapia

31

tto DPOC classe A

1) Broncodilatador (qqr um)
verificar eficácia do tto...
2) continuar, parar ou trocar a classe de broncodilatador

32

tto DPOC classe B

1) tiotrópio (LAMA) ou beta 2 de longa (LABA)
se mantiver sintomas...
2) tiotrópio + beta 2 de longa

33

tto DPOC classe C

1) Tiotrópio (LAMA)
se mantiver exacerbações...
2) Tiotrópio (LAMA) + beta 2 de longa (LABA)

34

tto DPOC classe D

1) Tiotrópio (LAMA) + beta 2 de longa (LABA)
se mantiver exacerbações...
2) LAMA + LABA + CO inalatório
se mantiver exacerbações...
3) ROFLUMILASTE + AZITROMICINA (profilaxia infecção)

35

: 💀 Quando dar O2 domiciliar no DPOC

PaO2 ≤55 ou Sat O2≤ 88% em repouso
OU
PaO2 56-59 + Ht >55% ou cor pulmonale

36

Medidas que reduzem mortalidade no DPOC

1) Cessar tabagismo
2) O2 domiciliar qnd indicado
3) Cirurgia de pneumoredução (enfizematosos)/transplante pulmonar

37

DPOC descompensada

1 ou mais dos sintomas cardinais:
- piora da dispneia
- aumento do volume do escarro
- secreção mais purulenta

38

Principal causa de descompensação DPOC

Infecção pulmonar (bacteriana>viral)

39

Principais agentes bacterianos responsáveis pela descompensação de uma DPOC

H influenza
Pneumococo
Moraxella

40

Quando iniciar ATB na DPOC descompensada

1) Secreção mais purulenta
+
piora da dispneia e/ou aumento do vol do escarro

2) Indicação de suporte ventilatório (IOT ou VNI)

41

Como tratar DPOC descompensada

ABCD

A - antibiótico (amoxi-clavulanato/ macrolídeo/ cefalosporina 2ª/3ª geração/ quinolona respiratória)
B - broncodilatador inalatório de curta
C - corticoide por 5 dias (prednisolona VO ou metilprednisolona IV)
D - Dar oxigênio com BAIXO FLUXO (alvo: Sat O2 88-92% // iniciar VNI: pH≤ 7,35 +/- PaCO2 ≥45 +/- dispneia grave )

redução do nível de consciência = INTUBAR (seja DPOC ou asma)
Obs: se tiver condensação no RX o pct tem pneumonia, não apenas descompensação do DPOC

42

Qnt tem que aumentar o VEF1 pos prova broncodilatadora para ser asma?

Adultos: aumento > 12% e aumento > 200ml em relação ao valor basal

Criança: aumento > 12% do previsto