Bradiarritmias Flashcards Preview

Cardiologia - PNS > Bradiarritmias > Flashcards

Flashcards in Bradiarritmias Deck (101):
1

Quais os pacemakers subsidiários quando o Nó Sinusal não funciona?

- Nó AV
- Sistema de condução especializado
- Miocárdio
(têm uma frequência de despolarização menor -> risco de hipoperfusão)

2

As células do Nó Sinoauricular apresentam uma fase 4 mais (rápida/lenta)

Rápida, motivo pelo qual formam o pacemaker dominante no coração normal

3

Porque é que as células do Nó SA são o pacemaker dominante?

Porque apresentam fase 4 mais rápida

4

Bradicardia resulta de falha na...

- Geração do impulso no Nó SA (automaticidade diminuída)
- Condução do impulso (bloqueio de saída)

= causas + comuns de bradicardia patológica

5

Causas + comuns de bradicardia patológica

- Disfunção NSA
- Bloqueio na condução AV

6

Única terapêutica eficaz para bradicardia sintomática (na ausência de etiologias extrínsecas reversíveis)

Pacemaker permanente

7

(?) é responsável por 30% dos pacemakers implantados na Europa

Disfunção NSA

8

Localização do NSA

- AD
- Epicárdio (vs. Nó AV)

9

NSA tem irrigação única ou dupla

Única = a. do NSA (55% - origem na coronária direita, resto - origem na circunflexa esquerda)

10

O Nó SA tem irrigação única. A a. do NSA tem origem na (?) em 55% dos casos

Coronária direita (resto - circunflexa esquerda)

11

Estrutura do NSA é homogénea ou heterogénea?

Heterogénea

12

Doença do NSA pode ser por causas extrínsecas ou intrínsecas. Quais as causas + comuns de disfunção extrínseca?

- Influências sistema nervoso autonómico
- Fármacos

13

Causas intrínsecas de doença do NSA, o que acontece?

Substituição do tecido original por fibrose (degenerativas).

14

Causas extrínsecas de doença do NSA

1. Autonómicas: hipersensibilidade do seio carotídeo, estimulação vasovagal
2. Fármacos: BB, BCC, antiarritmicos (I e III), Ivabradina, Lítio, Digoxina...
3. Hipotiroidismo
4. Hipoxemia
5. Hipotermia
6. Apneia do sono
7. Aspiração endo traqueal (manobra vagal)
8. Pressão intracraniana ++

Mnemo: os 3 HIPOpotamos que ressonavam muito e por isso fizemos uma aspiração endotraqueal, mas a coisa correu mal e deu aumento da pressão intracraniana

15

Causas intrínsecas de doença do NSA

1. Síndrome do NSA doente (SNSD)
2. Inflamatórias
3. DAC (incluindo EAM, ++ inferior)
4. Amiloidose senil
5. Cardiopatia congénita
6. Iatrogénico
7. Traumatismo torácico
8. Familiares: SNSD2 AD, SNSD1 AR
9. Doenças neuromusculares: síndrome Kearns-Sayre, Distrofia miotónica, ataxia Friedreich

16

Doença do NSA pode manifestar-se apenas por alterações no ECG?

Sim: bradicardia sinusal, pausa sinusal, bloqueio de saída, alternância TSV (++FA)-bradicardia

17

Os doentes com disfunção do NSA podem ser sintomas relacionados com a bradicardia e com a taquicardia?

Sim
Bradicardia: hipotensão, síncope e pré-síncope, fadiga, fraqueza
Taquicardia: palpitações, angina, IC, síncope após término

18

V ou F: em muitos casos, os sintomas associados à disfunção do NSA são consequência de uma doença CV concomitante

V

19

Objectivo da utilização do pacemaker na doença NSA

Melhorar sintomas (não afeta sobrevida, porque a doença do NSA não afecta a mortalidade global)

20

Mortalidade da doença do NSA (na ausência de outras comorbilidades)

Mortalidade não é alterada

Relembrar (doenças que não afectam sobrevida): ESV sem cardiopatia estrutural, trombocitose essencial, intolerância lactose, bacteriúria assx, hemofilia leve-moderada, PTI se plq >30.000, anemia perniciosa em mulheres, hemocromatose hereditária se tx antes de desenvolver cirrose

21

Que % dos doentes com doença NSA vão desenvolver taquicardia supraventricular (++ FA, FLA)

50%

22

Que doentes com doença NSA que desenvolvem taquicardia supraventricular devem ser anticoagulados?

Risco +++:
- Idade >65A
- Hx AVC
- Valvulopatia
- Disfx VE
- Dilatação auricular

23

Alguns doentes sintomáticos com doença NSA (melhoram/pioram) com o desenvolvimento de FA

Melhoram, pelo aumento da FC média.

Relembrar:
- 50% dos doentes desenvolvem taquicardia supraventricular (FA ou FLA)

24

Risco de tromboembolismo é semelhante na variante taqui-bradi da SNSD e FA?

Sim

25

% dos doentes com doença NSA apresentam distúrbio da condução AV concomitante

Até 25% (mas apenas uma minoria necessita de terapêutica específica para o bloqueio AV de alto grau)

26

Até 25% dos doentes com doença NSA têm distúrbio da condução AV concomitante e (maioria/minoria) vai precisar de terapêutica específica para BAV alto grau

Minoria

Relembrar
- 50% doença NSA -> desenvolvem taquiarritmia supraventricular (++ FA ou FLA)
- Doença NSA não altera sobrevida (na ausência de comorbilidades)

27

Doença NSA: bradicardia sinusal

Ritmo sinusal com FC < 60bpm

Relembrar:
- Muito comum e normalmente benigna (jovens saudáveis com bom condicionamento físico)

28

Doença NSA: quando é que uma bradicardia sinusal é considerada anormal?

Ritmo sinusal + FC <40bpm em vigília* e na ausência de condicionamento físico**

* a dormir a FC diminui
** com bom condicionamento físico a FC diminui

29

Uma bradicardia sinusal é considerada anormal quando o ritmo é sinusal, mas a FC é (?) bpm, em vigilia e na ausência de condicionamento fisico

<40bpm

30

O que é uma pausa ou paragem sinusal?

Falha na geração do impulso. ECG: pausa sem onda P

Relembrar:
- Atletas (vigilia): pausas até 3s são comuns
- Idosos assintomáticos: pausas >3s

31

Idosos podem ter pausas sinusais >3s e ser assintomáticos?

Sim

Relembrar:
- Pausas até 3s são comuns em atletas no estado vigil

32

Pausas sinusais até 3s são comuns em (?) no estado vigil

Atletas

33

Pacemakers permanentes - código de 5 letras

1ª letra: câmara a ser estimulada
2ª letra: câmara a ser lida
3ª: resposta a evento detectado
4ª: programação ou resposta à frequência
5ª: função anti-taquicardia

Relembrar:
modos de programação mais comuns são VVIR e DDDR

34

Modos de programação + comuns de pacemaker permanente

DDDR
VVIR

Mnemo: um gago a dizer que "o DDDR está a VVIR com o pacemaker!"

35

Complicações do pacemaker permanente relacionadas com a sua implantação e funcionamento elétrico são comuns ou raras?

Raras

36

Abordagem para implantação de pacemaker permanente em adultos

Maioria: transvenosa via subclávia-VCS

37

Síndrome de Twiddler

- Raro
- Deslocamento do pacemaker dentro da bolsa SC com enovelamento dos cabos e disfunção do aparelho

Relembrar:
- Complicações dos pacemakers são raras

38

Síndrome de Pacemaker

- Limitação crónica dos pacemakers
- Alteração na sincronia A-V
- Trata-se com reprogramação do pacemaker para restaurar a sincronia

39

Como tratamos uma assíncronia mecânica do VE por pacing do VD?

Reprogamação do pacemaker ou pacing biventricular

40

Principal intervenção terapêutica nos doentes com disfunção do NSA..

Pacemaker permanente (indicado para aliviar sintomatologia da bradicardia)

41

Indicações para implantação de pacemaker na disfunção do NSA: classe I

Resumidamente:
- Sintomas
- FA com bradicardia e pausas >5s

1. Disfunção NSA com bradicardia ou pausa sinusal sintomáticas
2. Disfunção NSA sintomática devido a terapêutica que não pode ser descontinuada/substituida
3. Incompetência cronotrópica sintomática
4. FA com bradicardia e pausas >5s

Relembrar:
- Idosos assx podem ter pausas sinusais >3s
- Doença NSA: 50% desenvolve taquicardia supraventricular (++ FA, FLA) que em alguns doentes melhora os sintomas pelo aumento da FC média

42

Doença NSA: síndrome taquicardia-bradicardia

Alternância entre bradicardia sinusal (FC <60bpm) e taquicardia auricular (FA +++ ou FLA)

43

Incompetência cronotrópica

- Forma de doença do NSA
- Incapacidade de aumentar FC em resposta ao exercício físico ou outro stress

Relembrar:
- É uma indicação para pacemaker permanente no caso de causar sintomas

44

Disfunção NSA assintomática com FC <40bpm é indicação para pacemaker?

Não

45

Disfunção NSA sintomática devido a fármacos não-essenciais: indicação para pacemaker?

Não (simplesmente substituir os fármacos por outros).

Relembrar:
- Disfunção NSA sintomática devido a terapêutica essencial de longa-duração que não pode ser substituida -> pacemaker

46

Disfx NSA na qual os sintomas sugestivos de bradicardia não se associam a FC baixas: indicação para pacemaker?

Não

47

Disfunção NSA: pacemaker de dupla câmara mostrou benefício na mortalidade comparativamente ao de câmara única?

Não

MAS...
Relembrar:
- Devido à BAIXA mas finita incidência de distúrbio da condução AV, os doentes com disfx NSA geralmente são tratados com pacemaker bicameral (A+V)

48

Os doentes com disfunção NSA com indicação para pacemaker geralmente são tratados com pacemaker uni ou bicameral?

Bicameral (devido à baixa mas finita incidência de distúrbio da condução AV - 25%)

Relembrar:
- Dupla câmara vs. câmara única: mortalidade =

49

Na DNSA, o pacing (unicameral/bicameral) é comprovadamente melhor que o (?), excepto em termos da diminuição da mortalidade

Bicameral

Relembrar:
- Ambos têm mortalidade =
- Bicameral: menor incidência FA, tromboembolismo, evita snd pacemaker, melhor QOL

50

Hipersensibilidade do seio carotídeo c/sincope ou pré-sincope recorrentes tem indicação para pacemaker permanente?

Sim, se houver um componente cardioinibitório significativo.
- Pacemaker unicameral ventricular com estimulação intermitente

51

Na hipersensibilidade do seio carotídeo sintomática com componente cardioinibitório significativo, qual o tipo de pacemaker que normalmente pomos?

Unicameral ventricular

Relembrar:
- Na DNSA o pacing bicameral é geralmente usado, devido à baixa (25%) mas finita incidência de distúrbio condução AV.

52

TRNS anormal + TCSA anormal + FCintrinseca baixa = indicador Sn e Sp de...

Doença intrínseca do NSA

TRNS: tempo de recuperação do NSA
TCSA: tempo de condução NSA

53

TRNS e TCSA anormais + FC intrínseca (alta/baixa) = indicador Sn e Sp de doença intrinseca NSA

Baixa

54

O papel da terapêutica farmacológica crónica no tratamento da disfunção NSA é (importante/limitado)

Limitado

Relembrar: podemos usar Digitálicos, Teofilina, Atropina iv

55

Tratamento bradicardia sinusal

Das 2 uma:
- Não requer tratamento
- Suporte temporário para a FC (ex: EAM inferior ou posterior)

56

Bradicardia sinusal pode ocorrer em enfartes de que parede(s)?

Inferior ou posterior

Relembrar:
- 50% dos EAM inferiores iam causar hiperatividade parassimpática (comum!)
- Bradicardia sinusal nestes casos é transitória

57

BAV adquirido e persistente é comum em adultos saudáveis?

Não. É muito mais comum se isquemia miocárdica, doença infiltrativa, envelhecimento e fibrose.

58

BAV podem ocorrer em adultos jovens saudáveis?

Sim, sendo até comuns. 10% dos adultos jovens têm um tónus vagal +++

59

Que % dos adultos jovens tem um tónus vagal aumentado?

10% = BAV transitórios são comuns (mas persistentes são RAROS!)

60

Única terapeutica confiavel para BAV sintomático

Pacemaker permanente (= doença NSA)

Relembrar:
- DNSA: 20% dos pacemakers na Europa
- BAV: 80% dos pacemakers na Europa

61

Onde se localiza o Nó AV?

- Subendocárdio
- Região posterior e inferior da AD no vertice do triângulo de Koch

62

O feixe penetrante AV resulta da convergência dos feixes aurículo-nodais transicionais e atravessa o...

Corpo fibroso central (muito próximo das válvulas aórtica, tricúspide e mitral; vulnerável a lesões no caso de valvulopatias e da sua correção cirúrgica)

63

Porque é que o feixe penetrante AV está especialmente vulnerável a lesões?

Porque passa próximo das válvulas "ATM": aórtica, tricúspide e mitral. Ptt, se houver uma valvulopatia ou correção cirurgica, pode ser danificado.

64

(?) é a continuação do feixe AV penetrante após emergir do anel fibrose central, junto ao septo ventricular

Feixe de His

65

Feixe His divide-se em...

Ramo dto: atravessa VD
Ramo esqdo: corre na camada subendocárdica do septo ventricular esqdo

66

Rede Purkinje é a ramificação dos ramos dto e esqdo do feixe de His que se distribui pelo (?) do VD e VE

Endocárdio

67

Irrigação do feixe penetrante AV

- artéria do NAV
- 1ª perfurante da descendente anterior esquerda

68

Irrigação dos ramos do feixe His

- perfurantes septais da descendente anterior esqda
- ramos da descendente posterior

69

Inervação SNA do NAV vs. Feixe His e sistema de condução distal

- NAV: intensamente inervado
- Feixe His e sistema condução distal: minimamente inervados pelo SNA

70

Onde ocorre a condução + rápida do coração?

Feixe de His e os seus ramos

71

NAV: zona de transição + NAV compacto. Zona de transição tem uma condução decremental, o que significa?

Há um atraso da condução com frequências de estimulação progressivamente mais rápidas

Relembrar:
- Zona de transição tem um fenótipo elétrico intermédio entre o dos miócitos auriculares e o das células do NAV compacto

72

Características estruturais e fisiológicas do NAV compacto

- Potencial membrana em repouso despolarizado (-60mV)
- Potenciais acção baixa amplitude
- Fase 0 lenta (mediada por Ca)
- Fase 4 de despolarização diastólica
- Resistência de alta intensidade
- Insensibilidade relativa ao K+
- Conexão elétrica entre cels ténues (poucas gap-junctions e aumento volume extracelular)

73

Feixe de His e seus ramos: potenciais de ação

- Automaticidade modesta (fase 4)
- Fase 0 muito rápida (vs. NSA, NAV)
- Fase 2 (platô) prolongada

Relembrar: condução + rápida do coração

74

Feixe His e seus ramos: gap junctions são escassas ou abundantes?

Abundantes (vs. NAV)

Relembrar:
- Condução + rápida do coração
- Fraca ligação ao miocárdio ventricular

75

Classificação da doença de condução AV relativamente a etiologia

1. Causas funcionais ("extrínsecas"): reversíveis

2. Causas estruturais ("intrinsecas"): irreversíveis, devido à fibrose.

76

Classificação da doença do NAV relativamente à gravidade

1º grau
2º grau
3º grau / total

77

Causas funcionais (extrínsecas) de doença NAV podem ser divididas em...

1. Autonómicas
2. Metabólicas/Endócrinas
3. Fármacos

78

Causas autonómicas de doença NAV

- Hipersensibilidade do seio carotídeo
- Síncope vasovagal

Relembrar:
- São também causas de DNSA
- Tónus vagal pode estar aumentado durante o sono e em atletas, podendo causar TODOS os graus de BAV

79

Tónus vagal aumentado durante o sono e em altas pode causar BAV de qualquer grau?

Sim

80

Causas metabólicas / endócrinas de doença NAV

- HiperK , HiperMg
- Hipotiroidismo*
- Insuficiência suprarrenal ("hiposuprarrenal")

Mnemo: 2Hiper2Hipo

81

HiperK+ e hiperMg são causas de disfunção do NSA ou do NAV?

NAV

Relembrar:
- Outras causas metabólicas/endócrinas: hipotiroidismo, insuf. suprarrenal

82

Fármacos que causam doença funcional do NAV

- Digitálicos
- Anti-arritmicos classes II e III
- BB
- BCC
- Li
- Adenosina

Relembrar: todos estes também causam DNSA

83

Causas estruturais infecciosas de doença NAV

- Endocardite
- Doença de Lyme
- Doença de Chagas
- Sífilis
- TB
- Difteria
- Toxoplasmose

84

Que % dos casos de doença de Lyme atingem o coração? Desses, que % desenvolve BAV reversível?

50%; 10% desenvolve BAV que é geralmente reversível mas que pode precisar de pacemaker temporário

85

BAV associado à Doença de Lyme é geralmente reversível ou irreversível?

Reversivel, mas pode precisar de pacemaker temporario.

86

Causas estruturais inflamatorias de doença NAV

- LES
- AR
- DMTC
- Esclerodermia

87

Causas estruturais infiltrativas de doença NAV

- Sarcoidose
- Hemocromatose
- Amiloidose (primária e secundária)

Relembrar:
- MCP raramente ocorre na amiloidose secundária

88

Neoplasias são causas comuns de doença NAV?

Não, são causas raras

Relembrar: linfoma, mesotelioma, melanoma

89

Cirurgia reparação CIV e CIA são causas (muito raras/comuns) de doença de condução AV

Muito raras

Relembrar: neoplasias, radiação e ablação por cateter também são causas raras

90

Doenças degenerativas do NAV que causam distúrbio da condução

- Doença de Lev
- Doença de Lenègre

Mnemo: (um algarvio a contar) que um nègre (doença Lenègre) não sabia conduzir (distúrbio da condução) e por isso lhe disse: Lev aqui este carro!

91

(?) é uma das causas degenerativas mais comuns de BAV e tem inicio na 4ª década de vida

Fibrose progressiva idiopática do sistema de condução

Relembrar:
- Doenças degenerativas que também causa doença NAV: doença de Lev, doença de Lenègre

92

Que distúrbio da condução pode ocorrer em crianças com coração estruturalmente normal, nascidas de mães com LES?

Doença de condução AV (NAV)

93

Em que % dos EAM ocorre BAV transitório?

25% (++ BAV 1º grau ou 2º grau, embora 3º tb possível)

94

Quais os graus de BAV mais commumente causados por EAM?

2º grau e 3º grau

95

EAM pode causar BAV transitórios ou permanentes?

Transitórios E permanentes

Relembrar:
- 25% dos BAV causam BAV transitório

96

BAV: EAM inferior x anterior - qual tem melhor px?

EAM inferior tem melhor px porque o bloqueio é ao nível do NAV, com ritmo de escape estável e QRS estreito, apesar de causar BAV de 2º grau ou +

97

BAV secundário a EAM anterior tem pior px e está associado a bloqueio em localização?

Complexo NAV distal, feixe His e seus ramos (vs. EAM inferior: NAV, melhor px)

98

QRS no BAV secundário a EAM inferior vs. EAM anterior?

EAM inferior: estreito (melhor px)
EAM anterior: largo (pior px, mortalidade ++)

99

BAV 1º grau

Atraso na condução AV, ++ NAV (mas também pode ocorrer nas aurículas, feixe His, sistema Purkinje)

100

Num BAV o PR é ?

>200ms (há um atraso na condução mas o impulso chega aos ventrículos)

101

Podemos localizar o BAV 1º grau com base na largura do QRS: como?

QRS estreito: atraso no NAV (raramente feixe de His)

QRS largo: atraso no sistema de condução distal