Hanseníase Flashcards Preview

Dermato > Hanseníase > Flashcards

Flashcards in Hanseníase Deck (41)
Loading flashcards...
1

Por quais células o mycobacterium leprae tem tropismo?

células da pele e dos nervos periféricos (macrófagos e células de Schwann dos nervos)

2

Quais os estados brasileiros com números mais altos de casos?

- Mato Grosso
- Tocantins
- Maranhão
- Mato Grosso do Sul

3

Características microbiológicas do M. leprae?

- Reprodução lenta --> tempo de incubação e curso da doença lentos
- BAAR
- Não cultivável em meios artificiais --> Não adianta fazer cultura!!
- Organizados em globias nos tecidos --> bacilos unidos por substância amorfa (gleias)

4

Como é a transmissão da hanseníase?

- Respiratória: pessoas multibacilares não tratadas eliminam bacilos pelas vias aéreas, sendo essa a principal forma. É necessário um contato próximo e prolongado (domiciliar). Portadores de menores qtdaades de bacilos não tem importância na transmissão.

- Cutânea: lesões ulceradas tb podem transmitir, mas é menos frequente.

5

A hanseníase é uma doença espectral, com dois polos, pois as manifestações dependem da competência imunológica da pessoa. V ou F?

Verdadeiro. É uma doença de alta infectividade e baixa patogenicidade, com evolução lenta e período de incubação prolongado.

6

Diferenças na resposta imunológica a hanseníase

- CD4: efetiva. Há lise bacilar pelos macrófagos

- CD8: produção de il4 e il10, que suprimem a ativação macrofágica e estimulam linf B (anticorpos não conferem imunidade)

7

Quais as formas interpolares da hanseníase segundo a manifestação de Madri?

- Indeterminada
- Tuberculoide
- Borderline ou dimorfa
- Virchowiana

8

Como é a classificação da OMS para hanseníase?

- Paucibacilares: menos de 5 lesões
- Multibacilares: mais de 5 lesões

9

Como é a caracterizada a hanseníase indeterminada?

- Mancha hipocrômica
- Alteração da sensibilidade térmica apenas
- Hipohidrose
- Rarefação de pelos na lesão (inflamação nos folículos)
- Paucibacilar (OMS)
- Diagnóstico clínico
- Não transmitem a doença nessa fase!! Não há bacilos nas mucosas

10

Qual a ordem de alteração de sensibilidade das lesões da hanseníase?

- Térmica
- Dolorosa
- Tátil

11

Como é feito o teste da sensibilidade térmica?

Encostar alternadamente frascos de água fria e morna, começando na pele sã. Teste inalterado não exclui o diagnóstico.

12

O que é o teste da histamina?

- Busca a reação tríplice de Lewis. Reduz a subjetividade do teste da sensibilidade térmica.
Injetar histamina na pele sã e na lesão. Na pele sã haverá um eritema primário e secundário (decorrente de resposta neural). Na lesão, apenas o eritema primário.

13

O que é o teste da pilocarpina?

- Feito mais em negros, em que o teste da histamina é pouco demonstrativo.
- Passar iodo e amido na pele sã e na lesão. Introduzir pilocarpina intradérmica. Na pele normal, a sudorese é estimulada, fazendo o iodo e amido reagirem, ficando com uma coloração escura. Na lesão, não haverá a reação porque a sudorese está prejudicada, se houver dano neural.

14

Quais os diagnósticos diferenciais de hanseníase indeterminada?

- Eczemátide,
- Pitiríase versicolor,
- Vitiligo,
- Leucodermias,
- Nevo hipocrômico (desde o nascimento)

15

Como é caracterizada a hanseníase tuberculoide?

- Forma limitada, paucibacilar
- Placa eritematosa, infiltrada, com bordos bem definidos e elevados, de evolução centrífuga, não pruriginosa
- Distribuição assimétrica
- Queda de pelos
- Hipohidrose ou anidrose
- Hipoestesia ou anestesia precoce
- Espessamento de troncos nervosos (sinal da raquete)
- Formação de granulomas tuberculoides
- Não transmitem a doença, sem bacilos na mucosa

16

Quais os diagnósticos diferenciais da hanseníase tuberculoide?

- Dermatofitose
- Granuloma anular
- Sarcoidose

17

Como se caracteriza a hanseníase dimorfa?

- Lesão foveolar (em queijo suíço): lesões em placas que formam buracos, múltiplas, assimétricas, borda interna bem delimitada, bordas externas mais espalhadas, eritematosas ou ferrugíneas
- Tende mais a multibacilar
- Alterações de sensibilidade
- Troncos nervosos acometidos
- Características de HT e HV - instabilidade imunológica

18

Qual a classificação da OMS para hanseníase virchowiana?

- Multibacilares
- Alta carga de bacilo na mucosa nasaal, principais responsáveis pela transmissão da doença.

19

Quais as características da hanseníase virchowiana?

- Face infiltrada: fácies leonina, acentuação dos sulcos, coloração ferrugínea, nódulos
- Casos graves: destruição do septo nasal, desabamento da pirâmide nasal
- Hansenomas: nódulos, tubérculos, pápulas
- Comprometimento de todo o tegumento
- Lóbulo auricular acometido, infiltração do pavilhão auricular
- Madarose bilateral
- Anestesia em luvas e botas
- Doença sistêmica: adenopatia, fígado, testículos

20

Quais os diagnósticos diferenciais de hanseníase virchowiana?

- Sífilis secundária
- Leishmaniose difusa
- Farmacodermias
- Neurofibromatose

21

Como diferenciar leishmaniose difusa de HV?

- Biópsia, sorologia, PCR

22

Quais as principais manifestações neurológicas da hanseníase?

Afeta SNP:
- Sensitivo: hipoestesia/anestesia
- Autônomo: redução ou ausência de sudorese
- Motor: paralisia e amiotrofia (fase mais avançada)

23

Quais os nervos mais acometidos na hanseníase e deformidades associadas?

- Ulnar - mão em garra, garra cubital
- Fibular - pé caído/marcha escarvante
- Tibial posterior: mal perfurante plantar
- Auricular
- Mediano - mão em garra
- Radial - mão caída
- Facial - paralisia facial
- Trigêmeo - paralisia da córnea

24

Considera-se um caso de hanseníase a pessoa que a presenta um ou mais dos seguintes sinais:

- Lesão ou área da pele com alteração de sensibilidade térmica e/ou dolorosa e/ou tátil
- Acometimento de nervos periféricos, com ou sem espessamento (palpar), associado a alterações sensitivas e/ou motoras e/ou autonômicas
- Presença de bacilos M. leprae confirmada na baciloscopia de esfregaço intradérmico ou na biópsia da pele

25

Quais os sítios de coleta do raspado intradérmico para o exame baciloscópico (BAAR)?

- 2 lóbulos auriculares
- Cotovelo direito
- 1 lesão (na ausência de lesão, cotovelo esquerdo)

26

Qual a utilidade do BAAR?

- Ajuda na dúvida diagnóstica e classificação do pct
- Se positiva, o pct é multibacilar
- Se negativa, não afasta diagnóstico, pct pode ser paucibacilar (dça localizada, não disseminada)
- Não é necessário esperar resultado para tratar qd o diagnóstico for clínico
- Caso se inicie o tto para pauci, mas a baciloscopia é positiva, desconsiderar o protocolo para pauci e começar para multi

27

O que é observado no histopatológico da hanseníase?

- Infiltrado compacto de histiócitos vacuolados, espumosos --> células de Virchow
- Ajuda no diagnóstico diferencial de sarcoidose, linfoma, leishmaniose

28

Como é feito o exame dos contatos do pct com hanseníase?

- Todos que moram juntos precisam ser examinados
- Exame dermatológico, exame neurológico
- Não precisa fazer baciloscopia
- Indicar a vacina de BCG para contatos próximos não diagnosticados, caso não tenham cicatriz ou apenas 1.
- Contatos dos paucibacilares tb precisam ser convocados, pois um deles pode ter transmitido a doença

29

Como é o tratamento da forma paucibacilar da hanseníase?

- Cartela verde
- Supervisionado 1x por mês: 2 cápsulas de rifampicina 600mg e 1 cp de dapsona
- Auto-administrado: dapsona 100mg/dia por 28 dias
- Durante 6 meses

30

Qual o tratamento da forma multibacilar da hanseníase?

- Cartela vermelha
- Supervisionado 1x por mês: 3 cápsulas de clofazimina 300mg, 1 cp de dapsona 100mg e 2 cápsulas de rifampicina 600mg
- Auto-administrado: dapsona 100mg/dia e clofazimina 50mg/dia
- Durante 12 meses