Leishmaniose e Esporotricose Flashcards Preview

Dermato > Leishmaniose e Esporotricose > Flashcards

Flashcards in Leishmaniose e Esporotricose Deck (35)
Loading flashcards...
1

Quais os agentes etiológicos que causam leishmaniose?

- Leishmania trópica e L. guyanensis: L. cutânea
- L. brasiliensis: L. cutâneo mucosa
- L. amazonenses: L cutânea e cutânea difusa
- L. infantum: L. visceral

2

Quais as formas evolutivas do agente etiológico?

- Promastigota: tubo digestivo do vetor
- Amastigota: nas células do hospedeiro

3

Como ocorre a transmissão da leishmaniose tegumentar?

- Picada dos flebotomíneos

4

Quais os dois padrões de ocorrência da leishmaniose no Brasil?

- Surtos epidêmicos em áreas de desmatamento: animais silvestres como reservatórios. Homem em idade laboral é mais acometido, por se exporem mais a áreas de mata

- Endêmica em áreas de colonização antiga e centros urbanos: reservatórios são cães, equinos e roedores. Pessoas de qlqr sexo e faixa etária podem ser infectadas

5

Como é classificada a leishmaniose quanto a resposta imunológica?
A doença depende da espécie de leishmania e da resposta imunológica do hospedeiro!!!

- Formas imunológicas (resposta da imunidade celular - intradermorreação de Montenegro positiva): abortada, cutânea, mucosa, cutâneo mucosa

- Formas anérgicas (resposta imune celular inadequada - intradermorreação de Montenegro negativa - mais graves): cutâneo primitiva difusa, visceral ou cutâneo secundária

6

Como é a forma abortada da leishmaniose?

- Ocorre em residentes de áreas endêmicas que são picados mas não desenvolvem a doença

7

Como é a forma cutâneo-mucosa da doença?

- Mais comum no Brasil
- Acomete inicialmente a pele, pode se disseminar hematogenicamente e acometer mucosas.
- Leishmania braziliensis

8

Como é a forma mucosa da doença?

- Paciente não desenvolve lesão cutânea mas o parasita sofre disseminação linfática ou hematogênica, atingindo mucosas

9

Características de cada subforma da forma anérgica de leishmaniose

- Cutânea primitiva difusa: múltiplas picadas, surgindo lesão em cada sítio
- Visceral: leishmania infantum
- Cutânea secundária: há uma única picada, mas não se desenvolve lesão no sítio. parasita sofre disseminação hematogênica ou linfática, ocorrendo diversas lesões cutâneas

10

Quais as formas clínico epidemiológicas mais frequentes no Brasil?

- Leishmania amazonensis: florestas primárias e secundárias da Amazônia, rara; forma cutânea ou cutânea difusa dependendo da imunidade; sem acometimento de mucosas
- Leishmania guyanensis: norte da bacia amazônica; lesões únicas ou múltiplas; raramente envolve mucosas
- Leishmania braziliensis: padrão peridomiciliar; animais domésticos; mulheres e crianças; tropismo por mucosas

11

Como é a lesão da leishmaniose tegumentar?

- Úlcera com bordos elevados, fundo granuloso, sem exsudação, indolor, no sítio de inoculação

12

Como é a clínica da leishmaniose tegumentar?

- Lesão característica
- Linfadenopatia satélite
- Incubação de semanas a meses
- Pode haver disseminação hematogênica, com lesão mucosaa
- Outras raras apresentações clínicas: verrucosa, impetigoide, tuberosa, ectimatoide

13

Quais os diagnósticos diferenciais de leishmaniose tegumentar?

- Esporotricose (principal quando há múltiplas lesões próximas)
- Forma cutâneo difusa --> hanseníase (diferenciar com história, epidemiologia, lab, biópsia)
- Ectima (tem sinais flogísticos e evolui rápido - semelhante a impetigo, mas mais grave)

14

Quais os diagnósticos diferenciais de uma placa verrucosa no antebraço?

LECT!
- Leishmaniose
- Esporotricose
- Cromomicose (lesão crônica, não dolorosa, escura)
- Tuberculose cutânea
Epidemiologia, laboratório e biópsia são essenciais para a diferenciação

15

Placa verrucosa em face, quais os diagnósticos diferenciais?

- LECT
- Carcinoma epidermoide

16

Quais as repercussões mucosas da leishmaniose?

- Preferência por naso e orofaringe
- Na tentativa de impedir a expansão do parasita, ocorre resposta granulomatosa, com destruição tecidual
- Risco de perfuração do palato, septo nasal

17

Quais os diagnósticos diferenciais do comprometimento mucoso?

- Sífilis terciária
- Hanseníase virchowiana
- Granuloma letal da linha média (linfoma)
- Granulomatose de Wegener

18

Qual fásceis o paciente com leishmaniose tegumentar grave pode apresentar?

- Leishmaniótica (nariz de tapir ou nariz de anta)
- Infiltração edematosa do revestimento de sustentação do nariz
- Podem ocorrer sérias deformidades, impedindo alimentação, respiração e fonação adequadas

19

Qual o tripé do diagnóstico da leishmaniose?

- Clínica: úlcera característica e comprometimento mucoso com cicatriz característica (lembra roda de carroça)
- Epidemiologia: procedência, atividade profissional, lazer em florestas
- Laboratório

20

Como é o diagnóstico laboratorial da leishmaniose?

- EVIDENCIAÇÃO DO PARASITA é o padrão ouro: histopatológico da lesão, punção aspirativa, escarificação
- Provas imunológicas: reação de Montenegro, ELISA, imunofluorescência indireta
- PCR

21

Como é o tratamento da leishmaniose tegumentar?

- Antimonial pentavalente (glucantime) IM ou EV - dose varia com a forma da doença. Efeito colateral: dor muscular, hepatotóxico, pró-arritmogênico
- Pentamidina: se pct n responde
- Anfoterecina B: se pct não responde

22

Qual a definição de esporotricose?

- Doença subaguda ou crônica do homem e de alguns animais, causada pelo fungo Sporothrix schenkii
- Infecção benigna limitada à pele e ao tecido celular subcutâneo

23

Qual a história epidemiológica da esporotricose?

- Fungo muito presente no solo, madeira
- História de contato com gato (de rua e domésticos que saem)
- Profissões como jardineiro, florista, agricultor, feirante

24

Quais as formas clínicas de esporotricose?

- Cutânea: cutâneo-linfática (mais comum), cutâneo-localizada, cutânea-disseminada

- Extra-cutânea: imunossuprimidos (aids)

Irá depender da resposta da imunidade HUMORAL do indivíduo (não celular, como é na leishmaniose)

25

Como é a clínica da forma cutâneo-linfática da esporotricose?

- Nódulo que evolui com ulceração no sítio de inoculação
-Cordão indolor de nódulos linfáticos acometidos no trajeto de drenagem linfática (podem evoluir para goma, assim como a lesão inicial) - fungo ascende pela drenagem linfática

26

Diagnóstico diferencial de lesão ulcerada, com pústulas que não responde a atb?

- Bactéria resistente
- Esporotricose

Perguntar se a pessoa tem gato ou teve contato com gato!

27

Como é feita a suspeita clínica de esporotricose?

- Lesão única ulcerada com nódulos no trajeto de drenagem linfática + contato com gato

28

Como é a clínica da forma cutânea localizada de esporotricose?

- Associada a boa resistência do hospedeiro
- Lesão papulosa ou papulo-tuberosa SEM cordão de nódulos ascendentes
- Suspeitar com a história de contato com gato
- Placas verrucosas ou ulceradas

29

Qual o diagnóstico diferencial da forma cutânea localizada como placa verrucosa?

- LECT (leish, esporo, cromo, tb cutânea)
- Confirmar com epidemiologia e laboratório

30

Qual o diagnóstico diferencial de uma lesão úlcero-crostosa associada a algumas pústulas e lesões nodulares e eritematosas?

- esporotricose
- eritema nodoso
Podem ocorrer em consonância