prova 3 REG Flashcards Preview

pca > prova 3 REG > Flashcards

Flashcards in prova 3 REG Deck (38):
1

3 - AS AERONAVES COM PLANO DE VOO VFR "NÃO" PODERÃO ENTRAR, SEM AUTORIZAÇÃO DO RESPECTIVO APP, EM TMA OU CTR DE CLASSES

A)B, C OU D
B)D, E OU F
C)C, D OU E
D)A, B OU Cv

A)B, C OU D

2

5 - QUANDO UMA AERONAVE ESTIVER SENDO OBJETO DE INTERFERÊNCIA ILÍCITA, A MESMA ENCONTRAR-SE-À NA FASE DE

A)PERIGO.
B)APREENSÃO.
C)INCERTEZA.
D)ALERTA.

D)ALERTA.

3

9 - EM UM PLANO DE VOO AFIL, O PILOTO DEVERÁ INFORMAR, NO ITEM 13, A HORA

A)ESTIMADA DE DECOLAGEM.
B)ESTIMADA DE PASSAGEM SOBRE OS PONTOS AO LONGO DA ROTA.
C)REAL DE PASSAGEM SOBRE O PRIMEIRO PONTO DA ROTA AO QUAL O PLANO SE REFERE.
D)REAL DE DECOLAGEM.

D)REAL DE DECOLAGEM.

4

19 - DE ACORDO COM A NSCA 3-2/2008, INCENTIVAR A FORMAÇÃO E A MANUTENÇÃO DA CULTURA DE SEGURANÇA OPERACIONAL AERONÁUTICA É RESPONSABILIDADE DA(O)

A)AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL.
B)INSTITUTO DE AVIAÇÃO CIVIL.
C)PROFISSIONAL DO SIPAER.
D)SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL.

C)PROFISSIONAL DO SIPAER.

5

10 - QUANDO O PILOTO DE UMA AERONAVE PRETENDER VOAR VFR NO PRIMEIRO TRECHO DE VOO E IFR NO SEGUNDO, DEVERÁ, NO ITEM 8 DO PLANO DE VOO, INTRODUZIR A LETRA

A)I.
B)Y.
C)Z.
D)V.

C)Z.

6

11 - COM RELAÇÃO AO ESPAÇO AÉREO CLASSE D, PODE-SE AFIRMAR QUE OS VOOS

A)VFR SÃO SEPARADOS APENAS DOS VOOS IFR.
B)RECEBEM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO DE VOO, QUANDO REQUERIDO.
C)IFR RECEBEM AVISO PARA EVITAR TRÁFEGO, SEMPRE QUE SEJA POSSÍVEL.
D)RECEBEM AVISO PARA EVITAR TRÁFEGO, QUANDO REQUERIDO.

D)RECEBEM AVISO PARA EVITAR TRÁFEGO, QUANDO REQUERIDO.

7

16 - O APP DEVE INFORMAR AO PILOTO DA AERONAVE, PELO MEIO MAIS RÁPIDO, A HORA ESTIMADA DE APROXIMAÇÃO, QUANDO FOR PREVISTA UMA ESPERA DE, POR EXEMPLO,

A)35 MIN.
B)25 MIN.
C)20 MIN.
D)10 MIN.

A)35 MIN.

8

20 - SEGUNDO A NSCA 3-2/2008, PROPOR, AO CENIPA, A ATUALIZAÇÃO DAS NORMAS DO SIPAER, É ATRIBUIÇÃO DA(O)

A)DIVISÃO DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS E DA SEÇÃO DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS.
B)COMANDO-GERAL DE TECNOLOGIA AEROESPACIAL.
C)DIRETORIA DE MATERIAL AERONÁUTICO E BÉLICO.
D)CENTRO INTEGRADO DE DEFESA AÉREA E DE CONTROLE DE TRÁFEGO AÉREO.

A)DIVISÃO DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS E DA SEÇÃO DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS.

9

1 - AS AERONAVES QUE SOBREVOAREM AD SEM ÓGÃO ATC DEVERÃO MANTER ESCUTA DO ÓRGÃO PRESTADOR DO SERVIÇO DE INFORMAÇÃO DE VOO DE AERÓDROMO, PARA COORDENAÇÃO E INFORMAÇÃO DE V0O, NO ESPAÇO AÉREO

A)INFERIOR, NUM RAIO DE 27NM DO AD
B)INFERIOR, NUM RAIO DE 54NM DO AD
C)SUPERIOR, NUM RAIO DE 100KM DO AD
D)SUPERIOR, NUM RAIO DE 50KM DA AD

A)INFERIOR, NUM RAIO DE 27NM DO AD

10

2 - DE ACORDO COM O CBA, MEDIANTE REQUISIÇÃO DE AUTORIDADE ADUANEIRA, DE POLÍCIA OU DE SAÚDE, A AUTORIDADE AERONÁUTICA PODERÁ INTERDITAR A AERONAVE POR ATÉ

A)5 DIAS.
B)15 DIAS.
C)20 DIAS.
D)10 DIAS.

B)15 DIAS.

11

11 - QUANDO SE CONSIDERA QUE O COMBUSTÍVEL DE UMA AERONAVE "NÃO" É SUFICIENTE PARA QUE A MESMA POUSE COM SEGURANÇA, CONFIGURA-SE A FASE DE

A)INCERFA.
B)INCERTEZA.
C)PERIGO.
D)ALERTA.

C)PERIGO.

12

12 - PARA QUE SEJA CALCULADO O NÍVEL MÍNIMO PARA VOAR IFR FORA DE AWY, O PILOTO DEVE INICIALMENTE PROCURAR A ALTITUDE DO PONTO MAIS ELEVADO, PARA CADA LADO DO EIXO DA ROTA, DENTRO DE UMA FAIXA DE:

A)30 NM.
B)16 NM.
C)37 NM.
D)24 NM.

B)16 NM.

13

16 - UMA NOVA HORA ESTIMADA DEVERÁ SER NOTIFICADA AO ÓRGÃO ATC, CASO A ALTERAÇÃO SOBRE O PRÓXIMO PONTO DE NOTIFICAÇÃO, EM RELAÇÃO À ANTERIORMENTE INFORMADA, SE ALTERAR EM MAIS DE

A)2 MIN
B)4 MIN
C)5 MIN
D)3 MIN

A)2 MIN

14

13 - O ÓRGÃO ATC ADEQUADO DEVERÁ SER INFORMADO, CASO ENTRE OS PONTOS DE NOTIFICAÇÃO A VELOCIDADE DECLARADA NO PLANO DE VOO, NO NÍVEL DE CRUZEIRO, VARIAR A MAIS OU A MENOS, EM

A)10%.
B)5%.
C)15%.
D)20%.

B)5%.

15

15 - EM UM AEROPORTO, AS LUZES DE ILUMINAÇÃO DE APROXIMAÇÃO QUE DEVEM ESTAR LIGADAS, TANTO DURANTE O DIA COMO DURANTE A NOITE, INDEPENDENTE DAS CONDIÇÕES DE VISIBILIDADE, QUANDO ESTIVER SENDO USADA A PISTA CORRESPONDENTE, SÃO AS DO

A)SISTEMA VISUAL INDICADOR DE RAMPA DE APROXIMAÇÃO E AS DOS FARÓIS LUMINOSOS DE APROXIMAÇÃO.
B)SISTEMA VISUAL INDICADOR DE RAMPA DE APROXIMAÇÃO E AS DO INDICADOR DE TRAJETÓRIA DE APROXIMAÇÃO DE PRECISÃO.
C)INDICADOR DE ALINHAMENTO DE PISTA E AS DO SISTEMA DE LUZES DE APROXIMAÇÃO.
D)INDICADOR DE TRAJETÓRIA DE APROXIMAÇÃO DE PRECISÃO E DO INDICADOR DE ALINHAMENTO DE PISTA.

B)SISTEMA VISUAL INDICADOR DE RAMPA DE APROXIMAÇÃO E AS DO INDICADOR DE TRAJETÓRIA DE APROXIMAÇÃO DE PRECISÃO.

16

12 - NA PARTIDA, PARA A REALIZAÇÃO DE UM VOO VFR, O PILOTO EM COMANDO DA AERONAVE MANTERÁ ESCUTA PERMANENTE DA TWR
A)A PARTIR DO MOMENTO EM QUE ACIONAR OS MOTORES.
B)SOMENTE QUANDO SOLICITADO PELA TWR.
C)APÓS FECHAR AS PORTAS DA AERONAVE.
D)AO INICIAR O TÁXI.

A)A PARTIR DO MOMENTO EM QUE ACIONAR OS MOTORES.

17

2 - QUANDO UMA ACFT INTERCEPTADA PISCAR TODAS AS LUZES DISPONÍVEIS, A INTERVALOS IRREGULARES, ISTO TERÁ O SEGUINTE SIGNIFICADO
A)"IMPOSSÍVEL CUMPRIR".
B)"EM PERIGO".
C)"ENTENDIDO. CUMPRIREI".
D)"AD INDICADO É INADEQUADO".

B)"EM PERIGO".

18

14 - A AERONAVE QUE TIVER RECEBIDO AUTORIZAÇÃO PARA POUSO E DEIXAR DE FAZÊ-LO, PASSADOS 5 MINUTOS DA HORA QUE DEVERIA POUSAR, SERÁ CONSIDERADA EM EMERGÊNCIA, NA FASE DE
A)DETRESFA.
B)PERIGO.
C)INCERFA.
D)ALERTA.

D)ALERTA.

19

17 - QUANDO SE CONSIDERA QUE O COMBUSTÍVEL DE UMA AERONAVE "NÃO" É SUFICIENTE PARA QUE A MESMA POUSE COM SEGURANÇA, CONFIGURA-SE A FASE DE
A)PERIGO.
B)INCERTEZA.
C)ALERTA.
D)INCERFA.

A)PERIGO.

20

19 - O AMPARO LEGAL QUE REGE O SISTEMA DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS É O (A):
A)ANEXO I AO DECRETO Nº 5196/04
B)LEI Nº 7183/84
C)PARAGRAFO ÚNICO DO ARTIGO 18 DA LEI COMPLEMENTAR Nº 97/99.
D)ARTIGO 25 DO CBAER.

D)ARTIGO 25 DO CBAER.

21

D)ARTIGO 25 DO CBAER.
20 - O DECRETO Nº 87.249/82, QUE REGULAMENTA O SIPAER, EM SEU ARTIGO 1°, PARÁGRAFO 1º, DEFINE AS ATIVIDADES DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMO SENDO
A)AS QUE ENVOLVEM AS TAREFAS REALIZADAS COM A FINALIDADE DE EVITAR PERDAS DE VIDAS E DE MATERIAL DECORRENTES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS.
B)OS PRINCÍPIOS ADOTADOS NA SEGURANÇA OPERACIONAL DA INVESTIGAÇÃO AERONÁUTICA.
C)AS ATRIBUIÇÕES FUNDAMENTAIS DO CENIPA.
D)OS MÉTODOS DE APLICAÇÃO DE TÉCNICAS ESPECÍFICAS DE INVESTIGAÇÃO AÉREA.

A)AS QUE ENVOLVEM AS TAREFAS REALIZADAS COM A FINALIDADE DE EVITAR PERDAS DE VIDAS E DE MATERIAL DECORRENTES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS.

22

4 - DOS DOCUMENTOS ABAIXO RELACIONADOS, EXPEDIDOS PELA ANAC, AQUELE QUE TEM CARÁTER PERMANENTE É O(A)
A)CCT.
B)LICENÇA.
C)CCF.
D)CHT.

B)LICENÇA.

23

11 - A SEPARAÇÃO VERTICAL MÍNIMA QUE DEVE SER MANTIDA ENTRE UMA AERONAVE QUE ESTEJA VOANDO NO FL270 E UMA OUTRA ABAIXO DESTA, DENTRO DA ÁREA DE JURISDIÇÃO DE UM MESMO ACC, É DE:
A)600M
B)300M
C)500M
D)400M

B)300M

24

19 - NA EVENTUALIDADE DA ATIVAÇÃO DA ESTRUTURA MILITAR DE GUERRA OU DA ESTRUTURA AEROESPACIAL DE GUERRA, A ESTRUTURA E ATRIBUIÇÕES DO SIPAER SERÃO ESTABELECIDAS
A)EM DOCUMENTO ESPECÍFICO.
B)PELOS ELOS-SIPAER.
C)PELA ASSESSORIA DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO, SEGURANÇA DE VOO E DA AVIAÇÃO CIVIL.
D)PELA NORMA DO SISTEMA DO COMANDO DA AERONÁUTICA 3-2.

A)EM DOCUMENTO ESPECÍFICO.

25

20 - A NORMA DO SISTEMA DO COMANDO DA AERONÁUTICA Nº 3-3/2013 - NSCA 3-3 - TRATA DA(O)
A)GESTÃO DA SEGURANÇA DE VOO NA AVIAÇÃO BRASILEIRA
B)PROTOCOLOS DE INVESTIGAÇÃO E OCORRÊNCIAS AERONÁUTICAS DA AVIAÇÃO CIVIL CONDUZIDAS PELO ESTADO BRASILEIRO.
C)PLANO DE EMERGÊNCIA AERONÁUTICA EM AERÓDROMO.
D)ESTRUTURA E ATRIBUIÇÕES DOS ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DO SIPAER.

A)GESTÃO DA SEGURANÇA DE VOO NA AVIAÇÃO BRASILEIRA

26

1 - NO CASO DE POUSO FORÇADO, A AUTORIDADE DO COMANDANTE PERSISTE:
A)ATÉ O "CORTE" DOS MOTORES.
B)ATÉ QUE AS AUTORIDADES COMPETENTES ASSUMAM A RESPONSABILIDADE.
C)INDEFINIDAMENTE.
D)ATÉ O DESEMBARQUE DO ÚLTIMO PASSAGEIRO.

B)ATÉ QUE AS AUTORIDADES COMPETENTES ASSUMAM A RESPONSABILIDADE.

27

3 - AS ATIVIDADES DE EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO REGULAR, NÃO REGULAR OU DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS, SÃO CONSIDERADOS COMO SERVIÇOS AÉREOS:
A)PÚBLICOS.
B)PRIVADOS.
C)FEDERAIS.
D)ESTADUAIS.

A)PÚBLICOS.

28

6 - QUANDO UMA AERONAVE ESTIVER SENDO OBJETO DE INTERFERÊNCIA ILÍCITA, A MESMA ENCONTRAR-SE-À NA FASE DE
A)PERIGO.
B)INCERTEZA.
C)APREENSÃO.
D)ALERTA.

D)ALERTA.

29

12 - UMA AERONAVE EXECUTANDO UM PROCEDIMENTO DE DESCIDA QUE CONTENHA A TRAJETÓRIA DE PENETRAÇÃO TERÁ O SEU ALTÍMETRO AJUSTADO PARA QNH, AO
A)CRUZAR A ALTITUDE DE TRANSIÇÃO.
B)CRUZAR O NÍVEL DE TRANSIÇÃO.
C)INICIAR A DESCIDA.
D)ABANDONAR O NÍVEL MÍNIMO DE ESPERA.

C)INICIAR A DESCIDA.

30

17 - COM RELAÇÃO AO ESPAÇO AÉREO CLASSE D, PODE-SE AFIRMAR QUE OS VOOS
A)VFR SÃO SEPARADOS APENAS DOS VOOS IFR.
B)IFR RECEBEM AVISO PARA EVITAR TRÁFEGO, SEMPRE QUE SEJA POSSÍVEL.
C)RECEBEM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO DE VOO, QUANDO REQUERIDO.
D)RECEBEM AVISO PARA EVITAR TRÁFEGO, QUANDO REQUERIDO.

D)RECEBEM AVISO PARA EVITAR TRÁFEGO, QUANDO REQUERIDO.

31

20 - A NSCA 3-3/2013 É DE APLICAÇÃO COMPULSÓRIA NO ÂMBITO
A)DAS ORGANIZAÇÕES OPERADORAS DE SERVIÇOS AEROPORTUÁRIOS.
B)DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE PÚBLICO REGULAR E NÃO REGULAR.
C)DO COMANDO DA AERONÁUTICA.
D)DOS FABRICANTES DE AERONAVES, MOTORES E COMPONENTES.

C)DO COMANDO DA AERONÁUTICA.

32

1 - DE ACORDO COM CBA, OS VOOS INTERNACIONAIS REGULARES PODEM SER REALIZADOS POR OPERADORAS:

A)TRANSNACIONAIS, INCLUSIVE.
B)NACIONAIS, APENAS.
C)ESTRANGEIRAS, APENAS.
D)NACIONAIS E ESTRANGEIRAS.

D)NACIONAIS E ESTRANGEIRAS.

33

4 - EM UMA DETERMINADA LOCALIDADE, A ALTITUDE DO PONTO MAIS ELEVADO É DE 3200 FT, A CORREÇÃO DE QNE É IGUAL A 120 FT, O RUMO MAGNÉTICO É DE 125° EM REGIÃO MONTANHOSA. PEDE-SE O NÍVEL PARA O VOO IFR FORA DE AWY.

A)070.
B)060.
C)040.
D)050.

A)070.

34

13 - EM TERMOS DE SEPARAÇÃO DAS NUVENS, UMA AERONAVE VOANDO NO ESPAÇO AÉREO CLASSE B, VFR, DEVERÁ MANTER-SE:

A)A 300M VERTICALMENTE E A 1300M HORIZONTALMENTE DAS MESMAS.
B)LIVRE DE NUVENS E ACIMA DA CAMADA MAIS DENSA PREDOMINANTE.
C)A 1500M VERTICALMENTE E A 300M HORIZONTALMENTE DAS MESMAS.
D)LIVRE DE NUVENS E AVISTANDO O SOLO.

D)LIVRE DE NUVENS E AVISTANDO O SOLO.

35

3 - A QUALQUER TEMPO, COMPROVADA POR EXAME DE SAÚDE OU PROCESSO ADMINISTRATIVO, A INCAPACIDADE FÍSICA OU PROFISSIONAL DO TITULAR DE UMA LICENÇA, O CERTIFICADO MÉDICO AERONÁUTICO E O DE HABILITAÇÃO TÉCNICA PODERÃO SER

A)POSTERGADOS.
B)CASSADOS.
C)ANULADOS.
D)REVOGADOS.

B)CASSADOS.

36

10 - OS ÓRGÃOS ATS SOMENTE ACEITARÃO CANCELAMENTOS DE PLANOS DE VOO IFR, SE AS NOTIFICAÇÕES VIEREM ACOMPANHADAS DAS MUDANÇAS QUE TENHAM DE SER FEITAS NO

A)PVA
B)CPL
C)FPL
D)RPL

B)CPL

37

11 - QUANDO, POR QUALQUER RAZÃO, O POUSO FOR REALIZADO EM AD QUE NÃO O DE DESTINO DECLARADO NO PLANO DE VÔO, E ESTE FOR PROVIDO DE TWR, A INFORMAÇÃO DE CHEGADA, APRESENTADA PELO PILOTO ÀQUELE ÓRGÃO ATS, DEVE SER COMPOSTA DE:

A)IDENTIFICAÇÃO DA AERONAVE, AERÓDROMO DE PARTIDA, AERÓDROMO DE DESTINO, AERÓDROMO DE CHEGADA E HORA DE CHEGADA
B)IDENTIFICAÇÃO DA AERONAVE, AERÓDROMO DE PARTIDA, AERÓDROMO DE DESTINO
C)IDENTIFICAÇÃO DA AERONAVE, AERÓDROMO DE PARTIDA, AERÓDROMO DE DESTINO E HORA DE CHEGADA
D)IDENTIFICAÇÃO DA AERONAVE E HORA DE POUSO

B)IDENTIFICAÇÃO DA AERONAVE, AERÓDROMO DE PARTIDA, AERÓDROMO DE DESTINO

38

13 - ASSINALE A OPÇÃO QUE CONTÉM A ORDEM CORRETA, NO QUE SE REFERE ÁS PRIORIDADES, QUANTO À SEQUÊNCIA DE POUSO DE AERONAVES.

A)OPERAÇÃO SAR/CONDUZINDO O PRESIDENTE DA REPÚBLICA/MISSÃO DE SEGURANÇA INTERNA
B)PLANADOR/MANOBRA MILITAR/CONDUZINDO O PRESIDENTE DA REPÚBLICA
C)LESIONADO EM ESTADO GRAVE/OPERAÇÃO SAR/ MISSÃO DE GUERRA
D)MISSÃO DE GUERRA/TRANSPORTANDO ENFERMO/OPERAÇÃO SAR

C)LESIONADO EM ESTADO GRAVE/OPERAÇÃO SAR/ MISSÃO DE GUERRA