232- Bradiarritmias Flashcards Preview

Harrison > 232- Bradiarritmias > Flashcards

Flashcards in 232- Bradiarritmias Deck (43):
0

Quais são os pacemakers subsidiarios?

Nódulo AV,
Sistema de Condução,
Miocárdio

1

Características dos pacemakers subsidiários?

•Podem iniciar a activação eléctrica (nó sinusal não funcional ou suprimido)
•Menor frequência de despolarização

2

Características electrofisiológicas do nódulo sinusal?

•Potencial de repouso mais despolarizado
•Fase 0 mais lenta (Corrente de Ca2+)
•Fase 4 de despolarização diastólica mais rápida e, portanto, formam o pacemaker dominante no coração normal

3

Os dois mecanismos que levam à bradicardia?

a)Falha na iniciação do impulso
•Depressão da automaticidade com atraso ou supressão da fase 4 de despolarização diastólica (Doença ou fármacos ou SN autónomo)

b) Falha na condução do impulso
•Bloqueio de saída por fibrose, amiloidose, etc…

4

Causas mais comuns de: Bradicardia patológica ?

• Disfunção do nódulo sinusal
• Bloqueio AV

5

Definição de bradicardia patológica?

Freq. Cardíaca < 40 bpm em doentes em estado vigíl e não atletas

6

Diagnóstico diferencial de bradicardia patológica?

Bradicardia fisiológica. Diagnóstico difícil. Ocorre mais em jovens.

7

Clínica duma bradicardia com disfunção do nódulo sinusal?

•↑Frequência 5ª e 6ª década

* assintomático
- bradicardia sinusal no ECG
- parada sinusal no ECG
- bloqueio na saída no ECG
- alternância de taquicardia supraventricular, normalmente FÃ, e bradicardia

* sintomas da taquicardia
- palpitações
- angina de peito
- insuficiência cardíaca

* sintomas da bradicardia
- síncope ou pré-síncope
- hipotensão
- fadiga
- fraqueza
- Intolerância ao exercício

8

Formas de apresentação do BAV e frequências?

•BAV transitório é comum nos jovens, sendo provavelmente o resultado de um tónus vagal elevado em até 10% dos adultos jovens

•BAV adquirido e persistente é raro entre os adultos saudáveis

9

Única forma confiável de tratamento para a bradicardia sintomática na ausência de etiologias extrínsecas e reversíveis?

Instalação de pacemaker permanente.

10

Localização do nódulo sinusal?

Sulco terminal + Epicárdio + Junção AD e VCS

11

Histologia do nódulo sinusal?

Células nodais centrais prototípicas
1-Menos miofribilas específicas
2-Nenhum disco intercalado visível ao MO
3-RS pouco desenvolvido
4-Sem túbulos T
Células nodais periféricas
-Natureza transicional

12

Irrigação e inervação do nódulo sinusal?

•Origem na A. Coronária direita – 55-60%
•Origem na A. Circunflexa esquerda – 40-45%

SNSimpático, SNParassimpático e Gânglios

13

Potencial de acção do nódulo sinusal?

1.Potencial de membrana relativamente despolarizado (-40 a -60 mV) -Ausência relativa de correntes Ik1 (corrente repolarizante, corrente de K retificadora de influxo)
2.Fase 0 lenta (ICa-L, sem INa )
3.Fase 4 diastólica relativamente rápida (Diversas correntes)

14

Etiologia da disfunção do nódulo sinusal - causas extrínsecas?

1-Autonómicas (mais comum)
•Hipersensibilidade do seio carotídeo
•Estimulação vasovagal (cardioinibitória)

2-Fármacos (mais comum)
•B-bloqueadores (inibe corrente despolarizante - ↑TRNS)
•BCC (inibe canais de Ca2+ - despolarizantes - ↑TRNS)
•antiarrítmicos class I (efeito anestésico local por bloqueio dos canais de Na+) e III (atraso na repolarização por inibição da corrente de K+ - ou aumento da despolarização -supostamente isto não iria causar disfunção do nó sinusal). Ambos↑Bloqueio de saída do nó.
3-Hipotiroidismo
4-Apneia do sono
5-Hipoxia
6-Aspiração endotraqueal (manobra de Valsava)
7-Hipotermia
8-Elevação na pressão intracraniana (reacção de Cushing)

(5,6,7,8 presentes em e doentes em estado critico)

15

A distinção entre as causas extrínsecas e intrínsecas é importante uma vez que a disfunção ....a.... é reversível, devendo ser corrigida antes de considerar a possibilidade de ....b....

a- extrínseca
b- implantar um pacemaker

16

Etiologia da disfunção do nó sinusal - causas intrínsecas?

1- Sindrome do nódulo sinusal doente
2- DAC (EAM agudo ou crónico . Nos quadros de EAM , tipicamente o inferior, as anormalidade são transitórias)
3- Inflamatórias
•Pericardite
•Miocardite (incluindo viral)
•Cardiopatia reumática
•Doença vascular do colagénio
•Doença de Lyme
4- Amiloidose Senil (9ª década)
5- Cardiopatias Congénitas (TGA/cirurgias de Mustard e Fontan)
6- Iatrogénicas (Radioterapia, Pós-cirúrgica)
7- Traumatismo torácico
8- Familiar
8.1.AD (variante SNSD taquicardia-bradicardia) - Mut HCN4 do gene If no Cr15
8.2.AR - Mut SCN5A no Cr3
- Inexcitabilidade auricular
- Ausência de ondas “p” no ECG
8.3. Doença do nó sinusal com miopia
8.4. Sdr de Kearns-Sayre (oftalmoplegia, degeneração pigmentar da retina e miocardiopatia)
8.5.Distrofia miotónica
8.6.Ataxia de Friedreich

17

Clínica da doença do nódulo sinusal?

Pode ser:
•Completamente assintomática:
-ECG:
-Bradicardia sinusal
-Paragem sinusal
-Bloqueio de saída do nó
-Variante taqui-bradicardia
•Relacionados com a taquicardia:
-Palpitações
-Angina de peito
-IC
•Relacionado com a bradicardia:
-Hipotensão
-Síncope e Pré-sincope
-Fadiga
-Fraqueza
•Minoria significativa: Sinais e sintomas de IC

Em muitos casos, os sintomas associados à disfunção do nó sinusal são uma consequência de DCV concomitante. A mortalidade global geralmente não é elevada na ausência de comorbilidades

18

Factores que aumentam a incidência de FA crónica?

•↑Idade
•HTA
•DM
•Dilatação do VE
•Doença valvar cardíaca
•Pacemaker ventricular

19

Os doentes com doença do nódulo sinusal sintomáticos que desenvolvem FA, podem experienciar uma particularidade clínica. Qual?

Como a FA induz taquicardia, os sintomas da bradicardia, na doença do nódulo sinusal, podem melhorar.

20

1-Relação da doença do nódulo sinusal, na sua variante bradi-taquicardia, com a FA. Tipo de risco implicado?
2-Quais os factores associados a este risco que implicam tratamento?
3-Qual o tratamento se estes factores se verificarem?

1- A doença do nódulo sinusal (associada frequentemente a FA) e a FA per si, estão associadas a um risco tromboembólico elevado.

2-•≥ 65anos
•Histórica AVC
•Doença valvar cardíaca Anticoagulantes
•Disfunção do VE
•Aumento AE

3- Anticoagulantes: Varfarina- induz um estado de deficiencia de factores de coagulação dependentes da vitK (2, 7, 9, 10, proteina C, S e Z)

21

ECG na doença do nódulo sinusal?

1.Bradicardia sinusal
•Fisiológica: <40bpm em repouso + estado vígil + não-atletas 2.Pausas sinusais
3.Paragem sinusal
4.Bloqueio de saída do nó
5.Taquicardia (no SNSD)
6.Incompetência cronotrópica (impossibilidade de aumentar a FC durante o exercício)

22

Classificação dos bloqueios de saída do nódulo sinusal?

- Bloqueio de 1ºgrau: não é aparente no ECG (é intra-nodal)

- Bloqueio de 2ºgrau: ritmo REGULARMENTE IRREGULAR
•Tipo 1 → Há atraso progressivo na condução do nó
(ausência intermitente de ondas “p” no ECG)
•Tipo 2 →Não há atraso na condução do nó
(ausência intermitente de ondas “p” no ECG)

- Bloqueio de 3ºgrau: Ausência de onda P

23

Diagnóstico de doença do nódulo sinusal?

1-ECG
-Limitado → necessidade de correlação com sintomas
-Relato de sintomas, sem que haja um registo concomitante de bradiarritmia sinusal, pode ser suficiente para excluir o diagnóstico

2-Holter e Monitor de eventos

3-Monitores implantáveis de ECG
-Registos a longo prazo (12 a 18meses)

4-Prova de esforço - (para distinguir bradicardia fisiologica do SA em repouso de incompetencia cronotrópica)
-Diagnóstico de incompetência cronotrópica
1.Incapacidade de ↑FC com o exercício
2.Incapacidade de ultrapassar 85% da FC máxima
3.FC 3s são consistentes com o diagnóstico mas podem estar presentes em idosos assintomáticos
-Determinação da FC intrínseca (↓FCI = doença do nó sinusal )

6-Testes electrofisiológicos:
-Estudo de síncope (+pacientes com cardiopatia estrutural)
•Exclusão síncope por TAV e BAV
-Avaliação TRNS (tempo de recuperação do nó sinusal)
-Avaliação TCSA (tempo de condução sinoauricular)
-Indicador sensível e específico de doença do nó sinusal intrínseca = TRNS anormal + TCSA anormal + FCI baixa

24

Tratamento da doença do nódulo sinusal?


-Como a disfunção do nó sinusal não está associada a aumento da mortalidade, o objectivo da terapia deve ser o alívio dos sintomas

-A exclusão das causas extrínsecas bem como a correlação entre o ritmo cardíaco e a ocorrência de sintomas são essenciais

-Pacekemaker – PRINCIPAL intervenção em pacientes sintomáticos

-Tratamento farmacológico– LIMITADO!
•Digitálicos: ↓TRNS
•Isoprenalina e atropina (IV): ↑ FC (agudamente)
•Teofilina: ↑ FC (aguda e cronicamente) Cuidado: síndrome taquicardia-bradicardia (↑risco de taqui-supraventricular), Cardiopatia estrutural ( ↑ risco de arritmias ventriculares potencialmente graves)

-Estudo randomizado (se 30 Pacemaker

-Síncope vasovagal refractária a fármacos: Embora os ensaios iniciais sugerissem que os pacientes que fazem implantação de pacemaker tivessem menores recorrências e um maior período até à recorrência dos sintomas, pelos menos um estudo de follow-up não confirmou estes resultados

25

Localização do nódulo AV?

•Região póstero-inferior AD- Vértice do Triângulo de Koch:
-Posteriormente: Óstio do seio coronário
-Anteriormente: Anel septal da válvula tricúspide
-Superiormente: Tendão de Todaro

•Subendocárdio

26

Quais os factores de risco para desenvolver tromboembolismo em doente com síndrome taquicardia-bradicardia?

* idade >= 65 anos
* história de Avc
* aumento da AE
* disfunção do VE
* Doença válvulas cardíaca

27

Histologia do nódulo AV?

Células heterogéneas

28

Eixo de condução AV?

Aurículas + Nó AV + Ventrículos

29

Localização do nódulo AV?

Região posterior-inferior AD + Subendocárdio
|
V
Vértice do Triângulo de Koch:
-Posteriormente: Óstio do seio coronário
-Anteriormente: Anel septal da válvula tricúspide
-Superiormente: Tendão de Todaro

O feixe AV encontra-se em estreita proximidade com os orifícios das válvulas aórticas, mitral e tricúspide

30

Percentagem dos pacientes com disfunção do nó SA que desenvolvem taquicardia supraventricular, geralmente FA ou flutter?

33-50% - 1/3 - 1/2

31

Doentes com doença do nó sinusal e distúrbio da condução concomitante?

25% - 1/4

32

Quais são os Indicadores sensíveis e específicos de doença do nó sinusal intrínseca?

TRNS anormal + TCSA anormal + FCI baixa

33

O tónus vagal excerbado durante o sono ou em indivíduos bem condicionados fisicamente pode estar associado a todos os graus de BAV? Verdadeiro ou falso?

Verdadeiro

34

Código das cinco letras dos pacemakers?

1ª câmara cujo o ritmo está sendo controlado
2ª Câmara na qual ocorre leitura
3ª Resposta a um evento detectado (0-nenhuma;I-inibição;T-disparo; D-inibição+disparo)
4ª Programação ou resposta à frequência (Movimento, ventilação/min, intervalo qt)
5ª Existência de funções anti-taquicardia

35

Complicações da implantação do pacemaker?

Infeção
Hematoma
Pneumotórax
Perfuração cardíaca
Estimulação diafragmatica
Deslocamento dos eléctrodos

36

Complicações relacionadas com o funcionamento eléctrico do pacemaker?

Infecção
Desgaste
Falha do eléctrodo
Falha na interacção com a actividade eléctrica normal do coração
Síndrome de twiddler-Rotação do gerador de impulso em sua bolsa subcutânea (raro)
Síndrome do pacemaker-incapacidade de manter ou restaurar a sincronia AV (comum

37

Quais os sintomas do síndrome do pacemaker?

Palpitações cervicais
Palpitações
Tosse
Confusão
Dispneia do esforço
Tonturas
Síncope


Î PVJ
Ondas A em canhão
Sintomas de ICC-edema, estridor e terceiro som cardíaco

38

Causas de FA?

* Hipertiroidismo
* intoxicação alcoólica aguda
* anemia
* episódio vagotonico aguda
* pós-operatório - fase aguda ou inicial da recuperação de uma cirurgia de grande porte vascular! abdominal ou torácica
* desencadeada por outras taquicardias supraventriculares.

39

Irrigação e inervação do nódulo AV?

•Irrigação:
-Porção penetrante do feixe AV: A. do nó AV 1ª perfurante A. Coronária descendente anterior esquerda

-Ramos do feixe de His: Perfurantes septais da A. Coronária descendente anterior esquerda Ramos da coronária descendente posterior

•Inervação: SNA (≠ Feixe His e sistema distal de condução: SNA Minimamente influenciados!

40

Suprimento sanguíneo do nódulo AV e feixes?

* segmento penetrante do feixe AV
- artéria do nó AV
- primeira perfuraste da artéria coronária descendente anterior esquerda
* ramos dos feixes
- perfurastes septais da artéria coronária descendente anterior esquerda
- Ramos da coronária descendente posterior

41

Inervação do nó AV?

Nervos simpáticos e parasimpáticos pós-ganglionares

42

Percentagem de adultos jovens com tónus vagal elevado, que causa bradicardia?

10%