233- Taquiarritmias Flashcards Preview

Harrison > 233- Taquiarritmias > Flashcards

Flashcards in 233- Taquiarritmias Deck (33)
Loading flashcards...
0

Definição standard de taquiarritmias?

Ritmo que produz frequência ventricular > 100 bpm

Limitações:

i) Frequências auriculares podem exceder 100 bpm apesar de frequências ventriculares lentas (ex.: FA)

ii) Frequência ventricular pode exceder ritmo sinusal basal e ainda assim ser < 100 bpm (ex.: Ritmos ventriculares acelerados)

1

Sintomas gerais das taquiarritmias?

•Classicamente:
▪Palpitações
▪‘Racing of the pulse’ (pulso rápido)
•Nas ES, sensações de pausa ou ‘skipping of the pulse’  podem ser experienciadas pelo doente, que pode mesmo sentir um abrandamento da FC ou tontura
•Ritmos caóticos rápidos ou taquis auriculares c/ condução variável p/ os ventrículos podem causar irregulari//s dramáticas no pulso
•Taquis mt rápidas:
-compromisso hemodinâmico
-tonturas ou síncope ( ↓DC)
-dispneia ( ↑↑↑P enchi/o cardíaco) !
•Dor/ desconforto torácico (ocasional/) mimetiza isquémia miocárdica
•Mesmo indivíduos c/ f(x) ventricular sistólica |N| podem experienciar sintomas graves
•Colapso hemodinâmico c/ o desenvolvi/o de FV pode levar a MORTE SÚBITA

A CONDIÇÃO CARDÍACA SUBJACENTE, TIPICAMENTE, DITA A GRAVIDADE DOS SINTOMAS, INDEPENDENTEMENTE DA FC ESPECÍFICA.

2

Exames de Diagnóstico das Taquiarritmias?

1. ECG – fundamental p/ confirmação de uma arritmia em doentes c/ sintomas  ‘non-life-threatening’,  tais  c/o  palpitações ou tonturas

2.Holter 24h – apenas em doentes c/ sintomas DIÁRIOS!

3.Monitor de eventos activado pelo utilizador – doentes c/ sintomas intermitentes de duração prolongada

4.Monitor activado pelo utilizador com memória de registo  contínuo  (“loop recorder”)  – pode documentar episódios de curta duração, bem como o início da arritmia
▪Forma de monitorização preferida em doentes c/ eventos arritmogénicos menos frequentes (mas implica registo contínuo de ECG)

5.Monitor electrocardiográfico de registo contínuo implantado – utili em doentes c/ sintomas graves mas infrequentes, não identificados por monitorização intermitente
▪Fornece períodos de monitorização mais longos e detecção automática de arritmias

6. Hospitalização + estudo electrofisiológico – qd sintomas mt graves (ex.. Síncope) em que monitorização em ambulatório pode ser insuficiente.
▪Síncope + doença cardíaca estrutural + suspeição de TV considerar ainda implantação de CDI

7.Prova de esforço – em doentes c/ arritmias provocadas pelo exercício [outra coluna]

(Monitores automático podem ser usados para detectar arritmias assint!)

3

O que procurar em doentes com ECG em RS, s/ dça cardíaca estrutural?

1)Supra dST em V1/V2 ---> sínd Brugada
2)Alt intervalo QT consistentes c/ Sínd QT longo/curto --> ↑risco morte súbita
3)PR curto + onda delta sínd WPW

Estes padrões ECGráficos identificam um possível substrato arritmogénico que pode causar sintomas intermitentes com risco de vida, necessitando + exames e tx!

4

Quando monitorizar Taquis assintomáticas?

i. Suspeita de miocardiopatia induzida por taquicardia (dilat câmaras + depressão f(x) sistólica)
ii.↓  f(x) cardíaca após EAM fundamental monitorizar ocorrência de complexos ventriculares prematuros assintomáticos e TV não sustentadas para estratificar risco de morte súbita
iii. FA assintomática --> já q o tx anticoagulante depende da presença bem documentada desta arritmia

-A duração da monitorização para arritmias assintomáticas pode ter que ser alargada para optimizar a capacidade de detecção.

-ECG 12 derivações DURANTE A ARRITMIA pode ser uma importante ferramenta dx p/ identificar o mecanismo e origem da taquiarritmia

5

Muitas arritmias SV paroxísticas não estão associadas a risco significativo de doença cardíaca estrutural. V ou F?

Verdadeiro

6

Muitas arritmias SV paroxísticas estão associadas a risco significativo de doença cardíaca estrutural. V ou F?

Falso

7

Avaliação em busca de dça cardíaca isquémica e disf(x) cardíaca nas taquicardias paroxísticas é infrequentemente necessária, excepto se ditada pela gravi// ou características dos sintomas. V ou F

Verdadeira

8

Avaliação em busca de dça cardíaca isquémica e disf(x) cardíaca nas taquicardias paroxísticas é frequentemente necessária, principalmente se ditada pela gravi// ou características dos sintomas. V ou F

Falso. É infrequentemente necessaria, excepto se ditada pela gravidade dos sintomas.

9

Situações ECGgráficas em que se justifica avaliação do tamanho das câmaras e sua f(x), bem como f(x) valvular, apesar de clínica assintomática?

1. Taquicardias Auriculares Focais
2. Taquicardias Auriculares Macroreentrantes
3. Flutter auricular
4. Fibrilhação Auricular
5. Taquicardia Ventricular (Em doentes c/ TV, avaliação ecocardiográfica do tamanho e f(x) VD e VE deve ser realizada por norma!)

10

O que suspeitar numa TV num contexto de ↓f(x) VE?

Doença Coronária Cardíaca avançada

11

O que suspeitar numa TV num contexto de dilat isolada VD?

miocardiopatia arritmogénica do VD

12

O que suspeitar numa TV polimórfica sem prolonga/o QT?

deve SEMPRE levantar suspeita de processo isquémico instável

13

Taquicardias podem ser devidas a dois tipos de anomalias. Quais?

1. Anomalias na formação do impulso
2. Anomalias na propagação do impulso

14

Cardio- Anomalias na formação do impulso eléctrico devem-se principalmente a...?

Automaticidade anormal (embora também se deva a actividade deflagrada)

15

Aumento da automaticidade geralmente causa...?

Taquicárdia sinusal

16

Automaticidade anormal pode ser devida a...?

1.↑ declive da fase 4 de despolarização
2.↓ Limiar para despolarização em regiões do miocárdio que não o nódulo SA

17

Automaticidade anormal responsável pela maioria das ESA, ESV e por algumas TA. V ou F?

Verdadeiro

18

Pós-despolarizações devem-se a...?

Aumento do Ca2+ intracelular

19

Actividade deflagrada está relacionada com pós-despolarizações que ocorrem com...?

•No final do PA, durante a fase 3 (= pós-despolarizações precoces)
•Após o PA, durante a fase 4 (= pós-despolarizações tardias)

20

Numa taquiarritmia sustentada, qual o primeiro mecanismo que se deve supor como base da fisiopatologia?

Mecanismo de reentrada

21

Uma taquiarritmia auriculoventricular ocorre quando uma ES bloqueia a via de condução lenta. Verdadeiro ou Falso?

Falso

22

Qual a arritmia sustentada mais comum?

Fibrilhação auricular

23

Na FA em que valores normalmente se encontra a frequência cardíaca?

120 a 160 bpm

Às vezes mais se 200 ou menos de 100

24

Percentagem de adultos com mais de 70 anos que têm FA?

> 5%

25

Sintomatologia da FA?

•Muitos assintomático se sem consequências hemodinâmicas aparentes
•Sensação de pulso irregular
•Palpitações (em muitos são severas)
•Hipotensão, Congestão pulmonar e Angina (em alguns são severos) •Intolerância ao esforço e Fadiga fácil, por falta de controlo da FC •Tonturas severas ou Síncope, pela pausa pós-FA e antes do retomar do ritmo sinusal

26

ECG na FA?

Onda P caótica
Intervalo PP < 200ms
V1 mimetiza o flutter auricular

27

Factores de risco para AVC na FA?

* história de AVC ou ataque isquêmico transitório ou embolia sistêmica
* estenose mitral reumática
* hipertensão arterial
* diabetes mellitus
* idade >65 anos
* ICC
* disfunção ventricular esquerda
* aumento expressivo da aurícula esquerda (>0.5 cm)
* eco contraste espontâneo

28

Tratamento da para o controlo agudo da FA?

a) controlo AGUDO da frequência

* ANTICOAGULAÇÃO

- Heparina iv -arritmia por > 12h e estiverem presentes os fatores de risco para AVC com FA.

- se indicação para cardioversao imediata
* Se FA > 24-48h e não estiver anticoagulado
- Ecocardiograma Trans-Esofágico(ETE), para excluir trombo na AE que se tenha deslocado

* Se FA longa duração/duraçãodesconhecida,
- Iniciar Anticoagulação com o ETE, mantendo-a pelo menos um mês após restauro do ritmo sinusal

- Manter Heparina, em conjugação com Varfarina, até que INR > 1,8

-não indicação para cardioversao imediata

* Manter Anticoagulação por mínimo de 3 semanas com INR >1,8 confirmado em duas ocasiões, antes da cardioversão

* Controle da frequência ventricular na FA aguda:
- beta bloqueadores
- BCC - verapamil ou diltiazem
- digoxina - raramente


* REVERSAO IMEDIATA DA FA
- cardioversao com corrente continua transtoracica com choque bifasico de 200J sincronizado com o complexo QRS

- terapia farmacológica
* amiodarona
* procainamida
* ibutilida (++)

* MANUTENCAO DO RITMO SINUSAL

- terapia farmacológica
* beta bloqueantes
* terapia antiarritmica ( se frequência elevada ou sintomas significativos)
- se cardiopatia estrutural
* sotalol (excepto
se disfuncao grave do VE) (risco de QT longo e TV polimorfica)
* amiodarona
* dofetilida (risco de QT longo e TV polimorfica)
* dronedarona (excepto se disfuncao grave do VE)

- sem cardiopatia estrutural
* antiarritmicos de classe IC
- Flecainide
- Propafenon

29

Tratamento para o controlo crónico da FA?

-Beta-bloqueantes
-Diltiazem
-Verapamil
-Digoxina

Se inadequado
- ablação da junção AV
- ablação da junção AV + pacing

-EM TODOS OS CASOS USAR TERAPIA ANTICOAGULANTE CRÔNICA