245 - EAM com SST Flashcards Preview

Harrison > 245 - EAM com SST > Flashcards

Flashcards in 245 - EAM com SST Deck (15)
Loading flashcards...
0

De que depende a quantidade de miocárdio lesado?

1. Do  território  suprido  pelo  vaso  acometido
2. Do  grau  de  oclusão
3. Da  duração  da  oclusão
4. Da  circulação  colateral
5. Das  necessidades  de  oxigénio  do  miocárdio
6. De  factores  locais  que  podem  promover  a  lise  do  trombo
7. Da  perfusão  miocárdica  na  zona  enfartada,  após  recuperação  do  fluxo  na  coronária  obstruída  

1

Causas do EAM com SST?

* Ruptura  de  placa (+++)
* Êmbolos  coronários
* Anomalias  congénitas
* Espasmo  coronário
* Doenças  sistémicas  (++  inflamatórias)

2

Factores de risco para desenvolver um EAM com SST?

* Múltiplos  factores  risco  CV (+++)
* Angina  instável (+++)
* Estados  pró-‐trombóticos
* Doenças  do  colagénio
* Uso  de  cocaína
* Trombos  ou  massas  intracardíacas

3

Diagnóstico diferencial do EAM com SST?

* Pericardite  aguda
- Irradiação  para  o  trapézio  sugere  pericardite  →  não  acontece  no  EAM
* Embolia  pulmonar
* Dissecção  aguda  da  aorta
* Costocondrite
* Distúrbios  GI

4

Exame físico do EAM com SST?

* Difícil palpar  o  ictus  cordis

* Se  EAM  anterior  →  pode-se  detectar  uma  pulsação  sistólica  anormal  na  região  apical,  devido  ao  abaulamento  discinéco  do  miocárdio  enfartado

* S3  e  S4
* hipofonese  de  S1
* desdobramento  paradoxal  de  S2
* Sopro  meso  ou  telessistólico  apical  transitório  →  disfunção  da  válvula  mitral

* Em  muitos  doentes  com  EAM  transmural é  audível,  em  alguma  fase  da  evolução,  um  ruído  de  atrito  pericárdico

* Pulso  carotídeo  apresenta  ↓  do  volume  por  ↓  do  volume  sistólico

* Pode  ocorrer  ↑  da  temperatura  até  38ºC  durante  a  primeira  semana  enfarte

* A  TA  é  variável  →    na  maioria  dos  doentes  com  EAM  transmural sistólica  ↓  10-‐15  mmHg    em  relação  aos  valores  pré-‐EAMt

5

Quando fazemos ICP primária?

Fibrinólise CI
Diagnóstico  duvidoso
Choque cardiogénico
Alto risco hemorrágico
Sintomas com > 2-3h de evolução

6

Quando fazer a fibrinólise?

* Doentes  que  se  apresentam  na  1ª  hora  de  sintomas;

* Se  problemas  logíscos  no  transporte  para  um  centro  especializado  de  ICP;

* Se  a  decisão  de  fazer  ICP  levar  a  um  atraso  >1 h  relavamente  ao  início  de  fibrinólise.

7

Contra indicações absolutas da fibrinólise?

1. História  de  hemorragia  cerebrovascular
2. AVC  não  hemorrágico  ou  outro  evento  cerebrovascular  no  último  ano
3. PAS  >180  e/ou  PAD  >110  mmHg
4. Suspeita  de  dissecção  aórtica
5. Hemorragia  interna  activa  (excepto  menstruação)

8

Contraindicações relativas do uso da fibrinólise?

1. Ancoagulação  (INR ≥2)
2. Cirurgia  ou  procedimento  invasivo  recente  (<  2  semanas)
3. Reanimação  cárdio-pulmonar  prolongada  (>  10  minutos)
4. Diátese  hemorrágica  conhecida
5. Gravidez
6. Doença oftalmológica hemorrágica
7. Úlcera  péptica activa
8. História  de  HTA  grave  actualmente  controlada
9. Estreptoquinase :  se  já  foi  administrada  nos  úlmos  5  dias  a  2  anos

9

Complicações da fibrinólise?

* Alergias - 2% dos que tomam estreptoquinase
* Hipotensão - 4-10%
* Hemorragia - mais perigoso é o AVC hemorrágico (0.5-0.9%)

10

Situações que aumentam o risco de tromboembolismo?

* ENFARTE  ANTERIOR
* DISFUNÇÃO  VE  GRAVE
* IC
* HISTÓRIA  DE  EMBOLIA
* EVIDÊNCIAS  DE  TROMBO  MURAL
* FIBRILHAÇÃO  AURICULAR

11

Contraindicação para beta-bloqueante?

* IC  grave
* BAV
* HipoTA ortostática
* Asma

12

Que tipo de doentes tem benefício máximo com os IECAs?

* Idosos
* Enfarte da parede anterior
* Enfarte prévio
* Disfunção global do VE

13

Quais os doentes que beneficiam com IECAs indefinidamente?

* Evidências  de  IC
* Redução  global  da  função  VE
* Extensa  anormalidade  regional  da  motilidade  da  parede
* Hipertensos

14

A que doentes se dá a espirinolactona?

* FEVE  <  40%;
* ICC;
* DM;
* Sem  disfunção  renal  significativa  (Cr  >2,5  H,  >2,0  M)  ou  hipercaliémia  (>5)  e  que  já  estão  recebendo  doses  terapêuticas  de  IECA