Trauma Flashcards Preview

Clínica > Trauma > Flashcards

Flashcards in Trauma Deck (109):
1

Qual a distribuição trimodal da mortalidade no trauma?

De segundos a minutos
De minutos até 24h
>24h

2

Em que momento no trauma a mortalidade é maior, e quais as principais causas?

Segundos a minutos (50% dos casos)
Apneia (TEC, trauma raquimedular), lesão cardíaca ou de aorta

3

Qual momento do trauma a mortalidade é menor e qual suas causas?

>24h (20% dos casos)
Sepse, TEP...

4

Qual momento do trauma pode ter sua mortalidade diminuída a partir da aplicação correta do ATLS?

Minutos até 24h

5

Primeira medida a se fazer num cenário de trauma?

Garantir a sua própria segurança

6

Quais medidas fazem parte do A no ATLS?

Estabilizar coluna cervical com colar + prancha rígida
Garantir via aérea pérvia

7

Sinal que indica que a via área está pérvia em paciente vítima de trauma?

Fonação preservada

8

Indicações de via aérea artificial na vítima de trauma?

Apneia, proteção da via aérea, incapacidade de manter oxigenação, TCE grave (Glasgow < ou igual a 8)

9

Tipos de via aérea artificial definitiva?

Possuem um balonete na traquéia
Intubação orotraqueal/nasotraqueal, cricostomia cirúrgica, traqueostomia

10

Condição para que possa ser feita intubação nasotraqueal?

Paciente deve estar cooperativo

11

Tipos de via aérea temporária?

Cricostomia por punção, máscara laríngea, combitubo

12

Sequência anestésica rápida feita na intubação orotraqueal?

Anestésico: etomidato 0,3 mg/kg
Relaxante muscular: succinilcolina 1mg/kg

13

Como é e qual o propósito da manobra de Sellick na intubação orotraqueal?

Compressão da cartilagem cricoide para comprimir o esôfago
Diminui broncoaspiração

14

Número máximo de vezes que se pode tentar fazer a intubação orotraqueal?

3 vezes

15

O que se fazer quando há distorção anatômica/fraturas ou incapacidade de visualização/sangramento durante a intubação orotraqueal?

Passar Máscara laríngea ou combitubo

16

O que fazer quando há necessidade de máscara laríngea/combitubo e o mesmo não se encontra disponível?

Fazer cricostomia cirúrgica

17

Situações que deve fazer a cricostomia por punção ao invés da cirúrgica?

Crianças<12 anos e paciente no "sufoco"

18

Relação inspiração/expiração ideal na cricostomia por punção?

1:4 segundos

19

Tempo máximo da cricostomia por punção e qual risco se ultrapassar esse tempo?

Máximo de 30-40 minutos
Risco de carbonarcose (retenção de CO2)

20

Grande indicação de traqueostomia no paciente vítima de trauma?

Fratura de laringe (rouquidão, enfisema, palpação)
Obs: tentar primeiro fazer IOTA

21

Medidas a serem feitas no B do ATLS?

Oferecer O2, fazer exame respiratório, oxímetro de pulso

22

Medidas que são avaliadas no C do ATLS?

Circulação e controla de hemorragia

23

Paciente de trauma com hipotensão, igual a ...?

Choque hemorrágico hipovolêmico

24

Medidas a serem feitas na letra C do ATLS?

1°: garantir acesso venoso periférico (se não conseguir: veia central, dissecção safena, punção intra-óssea...)
2°: reposição de cristaloide aquecido (1L no adulto e 20ml/kg na criança)

25

Criança<6 anos vítima de trauma, que não conseguiram pegar acesso periférico, qual deve ser a próxima opção de escola?

Punção intra-óssea

26

Paciente vítima de trauma com perda volêmica classe 1?

PA normal, FC <100 bpm, perda volêmica<15% (750ml)

27

Paciente vítima de trauma com perda volêmica classe 2?

PA normal
FC entre 100-120
Perda volêmica entre 15-30% (750-1500ml)

28

Paciente vítima de trauma com perda volêmica classe 3?

Hipotensão
FC entre 120-140 bpm
perda volêmica entre 30-40% (1500-2000 ml)

29

Paciente vítima de trauma com perda volêmica classe 4?

Hipotensão
FC >140
Perda volêmica >40% (>2000ml)

30

Melhor parâmetro para avaliar se a reposição volêmica está adequada na vítima de trauma?

Diurese: no adulto 0,5ml/kg/h; na criança 1ml/kg/h; em <1 ano 2ml/kg/h

31

Que situações não se deve sondar o paciente vítima de trauma?

Se sangue no meato, hematoma perineal, retenção urinária, fraturas de pelve - nesses casos fazer uretrocistografia retrógrada para avaliar

32

Famosa fratura de pelve na vítima de trauma que é decorrente de sangramento venoso, e qual a conduta?

Fratura em livro aberto (open book)
Amarrar a pelve do paciente

33

O que deve ser avaliado no D (disfunção neurológica) do ATLS?

Escala de coma de Glasgow, avaliação de pupilas e extremidades

34

Medidas que devem ser tomadas no E do ATLS?

Exposição do paciente e controle do ambiente
Prevenir hipotermia (cristaloide aquecido, desligar ar condicionado...)

35

Clínica do pneumotórax hipertensivo?

Murmúrio vesicular diminuído ou abolido, hipertimpanismo, desvio contralateral da traquéia, turgência jugular, hipotensão

36

Diagnóstico do pneumotórax hipertensivo?

Clínico!!

37

Conduta imediata no pneumotórax hipertensivo?

Toracocentese de alívio (no 2° espaço intercostal na linha hemiclavicular ou entre 4°- 5° EIC entre linha axilar anterior e linha axilar média)

38

Conduta definitiva no pneumotórax hipertensivo?

Toracostomia (drenagem) (no 5° espaço intercostal entre linha axilar média e linha axilar anterior)

39

Quando ocorre o pneumotórax aberto?

Lesão extensa (>2/3 do diâmetro da traquéia)

40

Conduta imediata no pneumotórax aberto?

Curativo em 3 pontas

41

Conduta definitiva no pneumotórax aberto?

Toracostomia (drenagem) ( no 5° espaço intercostal entre linha axilar anterior e linha axilar média)

42

O que é o pneumotórax simples e qual a conduta?

Lesão <1/3 do diâmetro da traquéia e não hipertensivo
Não precisa drenar! Só drena se for fazer transporte aéreo ou ventilação mecânica

43

O que é o tórax instável?

Fraturas em 2 ou mais arcos costais consecutivos em pelo menos 2 pontos em cada arco

44

Clínica do tórax instável?

Dor, respiração paradoxal

45

Conduta no tórax instável?

Suporte (O2, analgesia...)

46

No tórax instável há risco de que lesão e qual a conduta?

Risco de contusão pulmonar
Suporte (O2, analgesia)
Se hipoxemia (SatO2 <90% ou PaO2< ou igual a 60%): avaliar intubação orotraqueal

47

O que ocorre no hemotórax?

Lesão de vasos intercostais ou parênquima, geralmente autolimitada

48

Clínica do hemotórax?

Murmúrio vesicular diminuído, macicez , jugular colabada

49

Conduta no hemotórax?

Drenagem em selo d'água (sempre tirar o sangue)

50

Quando deve ser feita a toracotomia no hemotórax?

Se drenagem >1500ml, se débito constante >200- 300ml em 2-4 horas

51

Quando deve ser feita a toracotomia de reanimação?

Parada em AESP + lesão penetrante + sinais de vida (pupilas reagentes, movimentos, ECG com atividade organizada)

52

O que é o tamponamento cardíaco?

Líquido no espaço pericárdico

53

Clínica do tamponamento cardíaco?

Turgência jugular, hipotensão, hipofonese de bulhas = TRÍADE DE BECK

54

Dx do tamponamento cardíaco?

Clínica+ FAST

55

Conduta imediata no tamponamento cardíaco?

Pericardiocentese (tirar 15-20ml)

56

Conduta definitiva no tamponamento cardíaco?

Toracotomia

57

Paciente com pneumotórax hipertensivo, que drenou corretamente e não melhorou, pensar em que?

Lesão de brônquio fonte

58

Dx e conduta na lesão de brônquio fonte?

Dx: broncoscopia
Conduta imediata: fazer um segundo dreno ou IOT seletiva
Conduta definitiva: toracotomia com reparo de lesão

59

Órgão mais acometido por lesão contusa no trauma abdominal?

Baço

60

Órgão mais acometido por lesão por arma de fogo em trauma abdominal?

Intestino delgado

61

Órgão mais acometido por lesão por arma branca no trauma abdominal?

Fígado

62

Sinal do cinto de segurança indica lesão de...?

Intestino delgado

63

Melhor exame para avaliar trauma abdominal e condição para que possa ser feito?

TC de abdome
Paciente deve estar estável hemodinamicamente

64

Exame mais sensível para detectar sangue no trauma abdominal e quando ele está positivo?

Lavado peritoneal diagnóstico
Positivo se aspirado inicial > ou igual a 10ml de sangue ou conteúdo do TGI
ou pós lavagem se Gram +, hemácias>100.000/mm³, leucócitos >500/mm³, fibras alimentares, bile

65

Exame rápido para detectar líquido livre no trauma abdominal e que áreas ele procura?

FAST
Saco pericárdico
Espaço hepatorrenal
Espaço esplenorrenal
pelve/fundo de saco

66

Qual a diferença do FAST estendido (E-FAST) para o FAST comum?

O E-FAST também olha o espaço pleural

67

Quando deve fazer a videolaparoscopia para investigar lesão no trauma abdominal?

Se lesão na transição toracostomia ou em lesões de DIAFRAGMA
Paciente deve estar estável hemodinamicamente

68

Quando indicar laparotomia no trauma abdominal?

Quando há abdome cirúrgico:
No trauma penetrante- se choque, peritonite ou evisceração
No trauma contuso- se peritonite ou retro/pneumoperitônio

69

Conduta no trauma penetrante não cirúrgico (sem choque, peritonite ou evisceração) por arma de fogo?

Laparotomia
Se em flanco ou dorso

70

Conduta no trauma contuso não cirúrgico hemodinâmica estável?

TC com contraste para avaliar o grau da lesão
Pode fazer FAST antes da TC

71

Conduta no trauma de abdome contuso não cirúrgico hemodinamicamente instável?

Se não for politrauma: laparotomi
Se for politrauma: faz FAST ou lavado peritoneal diagnóstico-> se positivos, laparotomia

72

O que é a cirurgia para controle de danos e qual seu propósito?

Cirurgia inicial breve, para levar para reanimação na UTI depois e com reoperação planejada
Serve para prevenir a tríade letal: hipotermia + coagulopatia + acidose

73

Valor da pressão intra-abdominal normal e valor da hipertensão intra-abdominal?

PIA normal: 5-7mmHg
HIA: PIA > ou igual a 12mmHg

74

Classificação da hipertensão intra-abdominal?

Grau 1: 12-15 mmHg
Grau 2: 16-20
Grau 3: 21-25
Grau 4: >25

75

Definição da síndrome compartimental abdominal?

Pressão intra-abdominal > ou igual a 21mmHg + lesão de órgão (IRA, insuficiência respiratória, hipotensão, hipertensão intracraniana...)

76

Tratamento da síndrome compartimental abdominal?

Se SCA com hipertensão intra-abdominal grau 3: conservador-> SNG, posição supina, reposição cautelosa, drenagem de coleções intra-abdominais, analgesia e sedação
Se SCA com HIA grau 4: medidas conservadoras + descompressão

77

Definição de TCE grave, moderado e leve a partir do Glasgow?

Grave: < ou igual a 8
Moderado: 9-12
Leve: 15

78

Tipos de lesões cerebrais difusas no traumatismo cranioencefálico?

Concussão cerebral e lesão axional difusa

79

Clínica e conduta já concussão cerebral?

Perda súbita da consciência por "nocaute" (por até 6 horas!)+ comum, lesão por desaceleração
Conduta: observação

80

Clínica na lesão axional difusa?

Perda súbita da consciência por >6h, lesão por cisalhamento, lesão por desaceleração+ rotação
Glasgow baixo + TC inocente

81

Que vaso está presente no espaço epidural?

Artéria meníngea

82

Que vaso está presente no espaço subdural?

Veias ponte

83

Localização e vaso lesado no hematoma subdural?

Espaço subdural- veias ponte

84

Clínica e fatores de risco para hematoma subdural?

Clínica progressiva, + comum que o epidural
Fator de risco: atrofia cortical (idoso, alcoolista)

85

Imagem do hematoma subdural na TC?

Em cresente- acompanha a calote craniana
Sangramento em babação

86

Localização e vaso lesado no hematoma epidural?

Espaço epidural
Artéria meníngea

87

Clínica e fatores de risco para o hematoma epidural?

Paciente com intervalo lúcido entre a perda de consciência
+ Raro que o subdural
Fatores de risco: trauma intenso no osso temporal

88

Imagem na TC do hematoma epidural?

Imagem biconvexas (uma "bola")

89

Imagem da hemorragia intraparenquimatosa na TC?

Imagem branca no MEIO do parênquima

90

Qual a solução de preferência na reposição volêmica inicial do paciente politraumatizado?

Ringer lactato

91

Paciente com pneumotórax hipertensivo+ enfisema subcutâneo extenso, que faz drenagem com grande saída de ar e sem melhora significativa, qual o dx e conduta?

Lesão brônquica - broncoscopia para visualizar lesão - toracotomia

92

Paciente com pneumotórax aberto, que é feita cobertura total da ferida ao invés de curativo de 3 pontas, vai evoluir com que complicação?

Pneumotórax hipertensivo

93

Imagem de RX sugestiva de trauma de aorta?

Alargamento do mediastino

94

O que é a manobra de Pringle?

Clampeamento do Ramo hepático para interromper o fluxo vascular

95

Paciente com lesão hepática + estabilidade hemodinâmica, qual a conduta?

Tratamento conservador

96

O que é a tríade de Philip Sandbloom?

Hemorragia digestiva+ dor em hipocôndrio direito+ icterícia
Indica sangramento em árvore biliar, sendo sua principal etiologia o trauma

97

Imagem em mola em espiral no rx contrastado do TGI, indica que lesão?

Hematoma duodenal

98

Vítima que trauma que apresenta pneumoperitônio na TC ou RX, qual a conduta?

Laparotomia imediata

99

Na cistografia de paciente com trauma de bexiga, imagens de "orelha de cachorro" e "gota de lágrima", significam o que respectivamente?

Lesão intraperitoneal e lesão extraperitoneal

100

Qual porção da uretra é mais comumente acometida na fratura pélvica com migração superior da próstata?

Uretra posterior (principalmente a uretra membranosa)

101

Conduta no paciente com trauma cervical sintomático?

Abordagem cirúrgica

102

Hematoma periorbitrário (sinal do guaxinim), indica que lesão?

Lesão de base de crânio

103

Como deve ser feita a descompressão gástrica no paciente com fratura de base de crânio?

Por cateter orogástrico (cateteres nasogástricos estão contraindicados)

104

O que é o sinal de Battle e o que ele indica?

Equimose retroauricular (região do mastóide)
Indica fratura de base de crânio

105

Ttt da hipertensão intracraniana no TCE grave?

Elevação da cabeceira (30-40°), manter pressão de perfusão cerebral >70 mmHg, drenagem de líquor, manitol, sedação, hiperventilação leve (manter PaCO2 entre 30-35mmHg)
Obs: glicocorticóides não melhoram o prognóstico

106

Presença de hemorragias puntiformes em corpo caloso na TC, em paciente vítima de TCE, é sugestivo de...?

Lesão axonal difusa

107

Abordagem do hematoma subdural com desvio de linha média >5mm?

Cirurgia

108

Que tipo de choque cursa com hipotensão + bradicardia/ FC normal?

Choque neurogênico

109

Até que grau de lesão esplênica o paciente pode receber ttt conservador?

Até o grau 3 (estabilidade hemodinâmica, ausência de extravasamento de contraste na TC, exame abdominal negativo...)