Sindrome Metabólica Flashcards Preview

Clinica Médica > Sindrome Metabólica > Flashcards

Flashcards in Sindrome Metabólica Deck (155):
1

Quais os critérios de síndrome metabólica?

I Diretriz Brasileira para SM e o NCEP-ATPIII
1. Circunferência abdominal
- > 88 mulher
- > 102 homem

2. PAS >= 130 e PAD >=85

3. Triglicerídeos >= 150

4. HDL colesterol
- < 50 mulher
- < 40 homem

5. Glicemia jejum >= 100

PRECISA DE TRÊS CRITÉRIOS

Obs: o que muda para o IDF é a circunferência abdominal. H>90/M>80

2

Quais as alterações troficas da hiperinsulinemia?

Acantose nigricans
Esteatose hepática
Hiperandrogenismo

3

Aterosclerose acomete que cama das artérias?

Íntima

4

As placas de ateroma podem apresentar quais tipos de manifestações clínicas?

Estáveis: ricas em colágeno e crescem devagar

Instáveis: atividade inflamatória. Risco de ruptura e trombose

5

Qual a definição de HAS?

Sustentadamente elevada e ensaios mostram benefício em tratar

6

Qual a prevalência de HAS no Brasil?

32,5%

7

Como é feito o diagnóstico de HAS?

Duas medidas em duas consultas diferentes acima do valor adotado pelas referências

Ou

Risco cardiovascular elevado

Ou

Níveis de TA > 180x110

8

O que é o hiato auscultatorio?

Abolição dos sons de korotkoff ao final da fase I e início da fase II.

9

Qual a classificação de AHA segundo a HAS?

Normal: < 120x80
Elevada: 120-129/<80
Estágio 1: 130-139/80-89
Estágio 2: >=140/>=90

10

Segundo as diretrizes brasileiras, qual a classificação de HAS?

Normal: <120/80
Pre-hipertensao: 121-139/81-89
Estágio 1: 140-159/90-99
Estágio 2: >=160/100
Estágio 3: >=180/110
Sistólica isolada: >=140/<90

11

Qual a definição de HAS do jaleco branco?

Prevalência 13%
Pressão alta no consultório e normal no ambulatório

12

Qual a definição de HAS mascarada?

Prevalência de 13%
Pressão normal no consultório e alterada no ambulatório

13

Diante de uma HAS do jaleco branco ou HAS mascarada, o que pode ser feito para dar o diagnóstico?

MRPA OU MAPA (padrao-ouro)

14

Quais as características da MAPA?

1. Melhor correlação com lesão de órgão-alvo
2. Observa o descenso durante o sono da PA

15

Quais os órgãos-alvo para a HAS?

Coração
Cérebro
Rim
Retina

16

Existe necessidade de normalização da TÁ imediatamente?

Não

17

Qual tratamento da HAS?

MEV + medicamentoso

18

Quais os medicamentos de primeira escolha na HAS?

Diuréticos TIAZIDICOS
Inibidores da ECA
Anatagonistas de angiotensina
Antagonistas do cálcio

19

Quais efeitos adversos mais importantes dos diuréticos tiazidicos?

4 hipo + 3 hiper

Hipovolemia
Hipocalcemia
Hiponatremia
Hipomagnesemia

Hipertrogoiceridemia
Hiperglicemia
Hiperlipidemia

20

Quais os benefícios do uso de diuréticos tiazidicos em relação a osteoporose?

Promove redução da excreção de cálcio
Reduz risco de fratura e benefício ao tratamento de nefrolitíase

21

Paciente HAS com tosse crônica, devemos associar essa alteração a qual droga?

IECA

Suspender e prescrever BRA

22

Qual a contraindicação dos IECAS?

Estenose bilateral de artéria renal
Estenose unilateral de artéria renal em rim único
Creatinina >3mg/dL

23

Os IECAS atuam na HAS promovendo o que?

Vasodilatação venosa e arterial
Bloqueio da transformação de angiotensina 1 em 2
Aumento de bradicinina

24

Qual benefício do uso de losartana em pacientes com ácido úrico aumentado?

Efeito uricosurico

Não pode usar na crise de gota

25

Quais os efeitos colaterais dos BRAs?

Angioedema

26

Quais os efeitos fisiológicos dos BCC?

Bloqueiam canais lentos de cálcio na musculatura lisa vascular e cardiaca
Vasodilatação
Coronariodilatador
Inotropico negativo
Cronotropico negativo

27

Quais as duas classes de BCC?

Cardiosseletivos (não di-hidropiridinicos - verapamil e diltiazem

Di-hidropiridinicos (agem sobre os vasos) - dipinas

Efeito vasodilatador - dipina>diltiazem>verapamil
Efeito cardíaco - verapamil>diltiazem>dipina

28

Quando paciente HAS apresenta edema maleolar, qual droga mais relacionada a esse quadro?

BCC

29

Qual representante de inibidor direto da renina, que teve seu estudo recente e incorporado?

Alisquireno

30

Quais são as drogas que geram taquicardia reflexa e lúpus farmacoinduzido?

Vasodilatadores arteriais diretos
Hidralazina e minoxidil

31

Quem são os agonistas de receptores alfa2-adrenergicos pre-sináptico e alfa1-bloqueadores?

Alfametildopa e clonidina

Peazosin, tansulosin etc

32

Como iniciar tratamento de HAS?

Diretriz brasileira
Estágio 1 + RCV<10%
Estágio 1 + RCV BAIXO/moderado - TNM

Estágio 1+RCV ALTO/E2/E3: TNM + terapia farmacológica (2 drogas?)
Alvo: <140x90 ou RCV alto/DRC/DM <130x80

33

Qual a escolha da terapêutica de HAS para a diretriz americana?

E1 + RCV<10% - TNM
E1+RCV>10%/DRC/DM/DCV - TNM + monoterapia

E2 - TNM + Terapia combinada

Alvo:
<130x85

34

Quando podemos considerar uma HAS resistente? Qual medicamento podemos associar?

HAS mesmo com uso de três drogas, sendo uma delas um diurético
Ou
Uso de quatro ou mais fármacos mesmo com a PA controlada

Espironolactona

35

Qual a enzima que participa na esterificação do colesterol HDL?

LCAT

36

Quais os sinais clássicos de hiperlipidemia primária? Qual a principal forma de hiperlipidemia primária?

Xantelasmas (pálpebras) e xantomas (tendões extensores)

Hiperlipidemia familiar combinada (hipertrigliceridemia isolada)

37

Quais os fatores Maia associados a dislipidemia secundária?

Álcool - hipertrigliceridemia
Tabagismo - HDL baixo
DM - hipertrigliceridemia + HDL baixo
Hipotireoidismo - LDL elevado

38

Qual a fórmula de Friedewald para calcular o LDL?

LDL=COLESTEROL TOTAL - HDL - (TG/5)

Só é confiável se TG <400

39

Quando devemos começar o rastreamento de dislipidemias?

>20 anos todos e repetir 5 anos

>10 anos se:
História familiar de colesterol elevado e/ou DAC precoce
Se criança apresentar xantomas, arco corneano e etc

40

A hipertensão sistólica isolada em jovens têm quais características?

Mais comum em homem
<30 anos de idade
Aumento do tônus simpatico
Pressão aortica normal e braquial aumentada

41

Quando deve iniciar o rastreio de HAS em pediatria? Quais os fatores levados em consideração no percentil dessa HAS?

A partir de 3 anos


Idade
Estatura
Sexo

42

Qual a técnica de aferição da pressão arterial em crianças?

Mangusto com comprimento de 80-100% do braço
Largura 40% da circunferência

Abaixo de 3 anos - aferir em decúbito dorsal

43

Qual a emergência hipertensiva mais comum?

Edema agudo de pulmão

44

Qual a definição de emergência hipertensiva?

Elevação aguda da pressão (S >=180 e/ou D>=120) com lesão de órgão alvo

45

Qual quadro da encefalopatia hipertensiva?

Pico HAS + início progressivo + alterações do SNC (cefaleias, tontura, distúrbio visual, crise convulsiva) + ausência de sinais focais

Conduta: TC de crânio para afastar AVC

46

Quando suspeitar de AVC hemorrágico?

Pico HAS + coma

47

Quando pensar em AVC isquêmico?

Pico HAS + fibrilacao atrial ou história de arritmias + déficits focais

48

Quando pensar em IAM?

Pico HAS + precordialgia + outros fatores de risco + alterações ECG

49

Qual quadro cliniconda dissecao aguda de aorta?

Pico HAS + dor torácica com irradiação para dorso + sopro protodiastolico + diferença de PA e pulso entre braços

50

Paciente jovem + pico hipertensiva + crise adrenergica. Pensar em?

Intoxicação por cocaina

Administrar diazepam + captopril. Não fazer betabloqueadores

51

Pico hipertensiva + papiledema + proteinúria + insuficiência renal. Estamos diante de que quadro?

Hipertensão acelerada maligna + nefroesclerose hipertensiva maligna

52

No edema agudo de pulmão, o que encontramos?

Pico hipertensiva + ortopedia + sinais de congestão (turgência jugular e estertoracao)

53

O que fazer diante de emergência hipertensiva?

Baixar a PÁ em minutos a poucas horas 20-25%

Droga de escolha: nitroprussiato
Nitroglicerina no IAM

54

Qual definição de urgência hipertensiva?

Aumento da TÁ sem lesão de órgão-alvo

Baixar a pressão com drogas orais
24-48h

55

Qual definição de pseudocrise hipertensiva?

Crise emocional. Paciente claramente ansioso.

Conduta: orientações

56

Quando usar IECA/BRA?

1. Jovens/Brancos
2. ICC, DM, DRC
3. Hiperuricemia (losartana)

57

Quando usar diurético tiazidicos?

1. Idoso/Negro
2. Osteoporose
3. Hipercalciuria/nefrolitíase

58

Quando devemos pensar em hipertensão secundária?

1. Início precoce (<30anos) e tardio (>65 anos)
2. HAS grave (acelerada/maligna); resistente; compressão de órgão-alvo desproporcional ao grau de hipertensão
3. Sintomatologia condizente com quadros de HAS secundária

59

Quais são as principais causas de HAS secundária?

Doenças renovasculares

60

Quais as causas de doença parenquimatoso renal mais comum de causar HAS secundária?

Glomerolopatia diabética e GEFS idiopática

61

Na doença renovascular, qual a fisiopatologia para HAS secundária em jovens e idosos? Qual exame padrão ouro? Qual tratamento?

Aterosclerose (idoso)
Displasia fibromuscular (jovem e mulher)

Arteriografia renal

IECA/BRA/BCC/BETA-BLOQ

62

HAS secundária + hipocalemia importante. Qual suspeita? Como confirmar? Qual tratamento?

Hiperaldosteronismo primário

Relação A/R (aldosterona/atividade de renina plasmática) + TC abdome

Adenoma - cirurgia resseccao
Hiperplasia idiopática - altas doses de espironolactona

63

Hipertensão lábil + tríade de cefaleia, palpitações e sudorese. Qual diagnóstico? Como confirmar? Qual tratamento?

Feocromocitoma

Dosagem de catecolamina urinárias ou ácido vanilmandelico

Resseccao do tumor
Preparo pre-op com alfa-bloqueador e depois beta-bloqueador

NÃO DAR BETA-BLOQ ISOLADO

64

Paciente obeso + ronco alto + engasgos + cansaço diurno. Qual diagnóstico? Como confirmar? Qual tratamento?

Apneia obstrutiva do sono

Polissonografia

Higiene do sono + perda ponderal + fonoterapia

65

Qual quadro da coarctação da aorta? Como confirmar? Qual tratamento?

Grande diferença de pulso e pressão arterial entre os MMSS E MMII

Eco e angiorressonancia

Técnica endovacular ou cirurgia

66

Qual a principal causa de doença renal crônica no Brasil?

HAS

67

Quais são os tipos de lesão renal da HAS?

Benigna:
Nefroesclerose hialina ou GEFS

Maligna:
Nefroesclerose hiperplasica (bulbo de cebola)

68

Quais os graus de retinopatia na HAS?

1: estreitamento arteríolas
2: cruzamento A-V patológico
3: manchas algodonosas e hemorragia em chama de vela
4: papiledema

3 e 4 já implica emergência hipertensiva

69

Quais os principais efeitos adversos das estatinas?

Hepatotoxicidade e miopatia

70

Quais são as drogas utilizadas na redução do LDL e qual seu mecanismo?

Estatinas - inibição HMG-CoA redutase - aumenta receptores de LDL hepáticos

Resinas de troca - reduz absorção Intestinal

Ezetimibe - inibe absorção Intestinal

Inibidora da PCSK9 (Alirocumab) - inibe a PCSK9 que deixa de destruir os receptores de LDL hepáticos

71

Quando utilizar fibratos na redução do TG?

TG > 500

Mecanismo: estimular o PPAR-alfa

72

Qual escolha terapêutica para dislipidemia?

1. ASCVD <75 anos
2. LDL >=190
Tto: alta intensidade: rosu 20-40mg ou ator 40-80mg

3. ASCVD >75 anos
4. DM com LDL 70-189
5. Sem ASCVD, sem DM, LDL 70-189 e risco CV em 10 anos >=7,5%
Tto: moderada a alta
Ator 10-20mg
Rosu 5-10mg
Sinvaatatina 20-40mg

73

Qual doença aumenta o risco de hepatotoxicidade e miopatia das estatinas?

Hipotireoidismo

74

Quais são os achados laboratoriais que levantam a suspeita de lesão de órgão-alvo na HAS?

Microalbuminuria
Parâmetros ecocardiograficos
USG vascular
Rigidez arterial
Função endotelial
Índice tornozelo-braquial

75

Quais exames solicitar antes de iniciar etária para HAS?

EAS
potássio
Creatinina e Tx filtração glomerular
Glicemia jejum e HbA1c
CT, HDL e TG
Ácido úrico
ECG

76

Os fatores de risco cardiovascular avaliam quais parâmetros?

Sexo masculino
Idade
História de DCV em 1o grau
Tabagismo
DIslipidemia (CT, HDL, LDL E TG)
Residência insulinica
Obesidade

77

Quais exames devem ser solicitados antes do início e a casa incremento de estatinas?

CK TOTAL
TGP (principalmente)

78

O que representa a pseudo-has?

Consequência da aterosclerose em idosos onde observamos a radial endurecida mesmo com insuflação do manguito 30mmHg acima

79

Quais as consequências do hiato auscultatorio?

PAS falsamente baixa
PAD falsamente alta

80

Quais as indicações de cirurgia bariátrica?

IMC >=40
IMC>35 + comorbidades (DM2 etc)

81

Quais são as opções cirúrgicas para bariátrica?

+disabsortiva:
Scopinaro - derivação biliopancreatica
Switch duodenal - tira parte do estômago

+restritiva:
Capela (aberta)
Wittgrove (vídeo)
Ambas são bypass gástrico c/Y de Roux
Preferencial para diabético

82

Quando indicar tratamento farmacológico para obesidade?

IMC > 30
IMC > 27 + comorbidades

Sibutramina ou Orlistat

83

Com relação às insulinas, quais são as de ação ultra-rápida, rapida, intermediária e prolongada?

Ultra-rápida:
Lispro/aspart/glulisina

Rápida: regular

Intermediária: NPH

Prolongada:
Glargina
Detemir
Degludeca

84

Qual tempo de ação das insulinas?

Ultra-rápida: 15-30min (30-60min)
Rápida: 30-60min (2-4h)
Intermediária: 2-4h (6-12h)
Prolongada: 2-4h (glargina sem pico)

85

Qual a função da substituição das insulinas rápidas por ultra-rápidas?

Diminuir risco de hipoglicemia pre-prandial e hiperglicemia pós-prandial

86

Qual insulina age em cada horário no esquema padrão de insulinoterapia?

Pré-café da manhã: NPH vespertina do dia anterior
Pos-café: regular do café
Pré-almoço: regular da manhã
Pre-jantar: NPH da manhã
Ao deitar: regular vespertina

87

Qual característica dos fenômenos do alvorecer e efeito somogy?

Alvorecer: hiperglicemia matinal pelo Gh alto e NPH baixa

Somogy: hiperglicemia matinal de rebote. NPH alta fazendo hipoglicemia na madrugada e cortisol compensando gerando hiperglicemia matinal

Como resolver? NPH mais tarde da noite

88

Quais as características da DM 1?

Doença autoimune
Destruição progressiva das cel.beta
Pcte < 30 anos
Quadro abre de forma abrupta
Peptídeo C indetectável
Emagrecimento

89

Quais os tipos de DM1?

1A: produção de autoanticorpos
Anti-insulina - primeiro
Anti-GAD
Anti-IA-2/ICA 512

1B: sem auto-anticorpos

LADA: lentamente progressiva em adultos aos 30 anos

OBS: menos genética que a DM2

90

Quais características da DM2?

Doença genética
Obesidade
Acima dos 45 anos
Insidiosa
Peptídeo C detectável (>0,1)
Autoanticorpos negativos
Concordância genética >80%
20% são magros

91

O que é o MODY?

DM2 em jovens.
Doença genética autossômica dominante
História familiar é REGRA

92

Quais cuidados devemos ter com as insulinas e seu armazenamento?

Guardar fora da geladeira se 15-30 graus
Guardar na geladeira se T>30o
Rolar entre as palmas das mãos para atingir temperatura de uso

93

Como dar diagnóstico de DM?

Dois exames:
Glicemia de jejum >=126
TOTG >=200
HbA1c >=6,5%
Glicemia aleatoria >=200 e sintomas (polidipsia, polifagia e perda ponderal) ou crise hiperglicêmica

94

O valor da hemoglobina glicada pode ser alterado por algum fator?

Anemia
Estados hemorrágicos
Anemia carencial
Gravidez
Hemoglobinopatias

95

Quais são os pacientes considerados pré-diabéticos? Qual conduta?

Glicemia de jejum alterada (100-125)
Intolerância à glicose (TOTG 140-199)
HbA1c 5,7-6,4%

Perda de peso (7%) + 150min atividade física + metformina (IMC >25-35)

96

Quando é feito rastreamento de DM?

1. > 45 anos
2. Independente da idade se IMC >25 ou >23 com fator de risco

Esse rastreamento é feito com TOTG ou HbA1c

97

Quais níveis de HbA1c alvo no paciente DM? E de glicemia de jejum?

<7%

Podendo ser diferente dependendo do grupo, sendo aceito <8%

Jejum<100
Pré-prendial 70-130(<110)
Pós-prandial <140 (<180)

98

Quais são as drogas que reduzem a resistência a insulina?

Biguanidas (metformina)
Glitazonas (pioglitazona)

99

Qual o benefício em se usar metformina? E quais as contraindicações?

Reduzem peso

Creatinina >1,5 ou 1,4; TFG <60-30
ICC descompensada
Hepatopatias

100

Quais as principais complicações ao uso das glitazonas?

Aumento de peso
Retenção de líquido

Contraindicado em ICC classe III e IV da NYHA

101

Dos secretagogos, quais agente na glicemia pós-prandial e secreção basal? Qual principal efeito dessas drogas?

Sulfunilureias - secreção basal

Glinidas - pós-prandial

Ganho ponderal
Hipoglicemia iatrogenica

102

Quais drogas atuam na glicemia pós-prandial?

Glinida
Acarbose - não tem efeito adverso de causar hipoglicemia iatrogenica

103

Quais as drogas que atuam na redução do peso no DM?

Biguanida (metformina)
Analogo de GLP-1 (exenatide e liraglutide)

104

Quais drogas não influenciam no peso do DM?

Inibidores DPP4
Acarbose
SGLT-2

105

Qual droga no DM tem efeito colateral de aumentar recorrência de infecção urinária?

SGLT-2 (dapaglifozin, canaglifozin, etc)

106

Quando no DM 2 já começamos o tratamento com insulina?

HbA1c >=10%
Sintomas francos de hiperglicemia
Glicemia jejum >200

107

No quadro de cetoacidose diabética, quais são os sinais ou sintomas?

Dor abdominal
Rebaixamento de consciência
Poliuria polidipsia emagrecimento
Hálito cetônico
Respiração profunda de kussmaul

108

Qual diagnóstico de cetoacidose diabética?

Glicemia > 250
Acidose metabólica: pH <7,3 e HCO3 < 15
Cetose moderada (cetonemia ou cetonuria 3+ e 4+)

109

Quais as consequência da cetoacidose?

Osmolaridade gerando desidratação neuronal e rebaixamento de nível de consciência

Depleção de volume e hidroeletrolitica

Acidose metabólica (ácido acetoacetico e ácido beta-hidroxibutírico) - anion hão aumentado

110

Qual tipo de acidose acontece na cetoacidose diabética?

pH < 7,3
HCO3 < 15
BE menor que -10
Anion gap aumentado >12
Normocloremia

111

Qual base do tratamento da cetoacidose diabética?

Hidratação SF0,9% 15-20ml/kg
Reposição de potássio
Insulinoterapia

112

Quando usar potássio na cetoacidose?

K > 5,2: aguarda a próxima dosagem
K 3,3-5,2: 20-30meq em cada litro
K <3,3: não faz insulina. E repõe 20-30meq/h

113

Qual a taxa de queda da insulina na cetoacidose?

50-75mg/dl

114

Quando usar bicarbonato na cetoacidose?

pH <6,9

115

Na cetoacidose o que desaparece primeiro, a glicemia ou a acidose?

Glicemia na metade do tempo da acidose

116

Quais as complicações da cetoacidose diabética?

Edema cerebral (mais comum e principalmente em crianças abaixo de 20 anos)
Mucormicose (secreção enegrecida inodora pelo nariz)

117

Qual diagnóstico do estado hiperosmolar hiperglicêmico?

Glicemia > 600
Hiperosmolaridade >320
Ausência de acidose e cetose

118

Em qual tipo de paciente é mais comum o estado hiperosmolar hiperglicêmico? A desidratação é mais ou menos acentuada que a cetoacidose?

Idoso institucionalizado e sequelado

Muito maior

119

Qual quadro clínico do estado hiperosmolar hiperglicêmico?

Rebaixamento de consciência
Desidratação
Sem sintomas gastrointestinais ou respiração de kussmaul

120

Qual tratamento do estado hiperosmolar?

Mesmo da CAD

Enfoque maior na hidratação com salina 0,45%

121

Quais são as alterações sistêmicas dos níveis de glicemia persistentemente elevados?

Glicacao de proteínas
Hiperosmolaridade
Aumento de sorbitol dentro das células

122

O quadro de capsulite adesiva está relacionado aos níveis glicêmicos no DM?

Não.

Relacionado ao tempo de doença
Doença coronariana
Doença aterosclerotica

123

Qual prognóstico e tratamento da capsulite adesiva?

Bom prognóstico
Autolimitando
Injeções de corticoide intra-articular

124

Quais alterações presentes na capsulite adesiva?

Congelamento articular
Diminuição de amplitude de movimento
Redução acentuada do volume da articulação glenoumeral

125

Quais são as complicações microvasculares da DM?

Retinopatia
Nefropatia
Neuropatia

126

A retinopatia diabética é a principal causa de cegueira entre 20-74 anos, sendo a complicação microvascular mais comum do DM. Quais os tipos e graus de retinopatia diabética?

Não proliferativo:
1. Precoce: microaneurismas e exsudatos duros
2. Avançada: hemorragias em chama de vela e manchas algodonosas
Tto: controle rígido da glicemia

Proliferativa:
Isquemia em grande massa do tecido retiniana
Formação de NEOVASOS
Tto: fotocoagulacao

Maculopatia:
Edema macular e microaneurismas na região da mácula

127

Qual a principal causa de rins em estado terminal no Brasil?

Nefropatia hipertensiva
Nefropatia diabética

128

Qual a principal causa de nefropatia?

Nefropatia idiopática
GEFS
Nefropatia diabética

129

Como e feito o rastreamento de nefropatia diabética?

Albuminuria

<30mg/g - normal
>30mg/g - aumentada (>300 é muito aumentada)

130

Quis são as formas de lesão nefropatica no DM?

Glomerulopatia diabética:
Glomeruloesclerose nodular (lesão de kimmepstiel-wilson)
Ou glomeuloesclerose difusa

131

Os rins na nefropatia diabética estão de qual tamanho?

Aumentados

Hipertrofia glomerular e tubular pela hiperfiltracao

132

Qual tratamento da nefropatia diabética?

Albuminuria 30-300:
IECA/BRA

>300:
Controle da PA
Não previne, mas retarda a evolução

133

Qual a neuropatia mais comum no DM?

Polineuropatia distal simétrica

Insidiosa
Simétrica
Forte predomínio sensitivo
MMII em botas e Luvas

Tto: antidepressivo triciclico

134

Quais outros tipos de nefropatia focal no DM?

Mononeuropatia do III par (falta de midríase)
Síndrome do túnel do carpo

135

Qual a principal etiologia do pé diabético?

Neuropatia diabética

136

Qual tratamento do pé diabético?

Sem infecção:
Local. Compressas úmidas

Infectado:
ATB VO se for de boa
ATB IV se gangrena

Amoxicilina-clavulanato
Cefalosporina de 2 ou 3a geração

137

As manifestações dermatológicas do DM, como a Necrobiosis lipoidica diabeticorum (placas pré-Tibiais) responde a qual tratamento?

Corticoide tópico

Não adianta tratar a glicemia nesses casos

138

O que significa espondilo-hiperostose difusa idiopática ou hiperostose ancilosante ou doença de Forestier?

Limitação da coluna vertebral
Formação de pontes entre as vértebras (sindesmofitos)
Sem destruição do disco intervertebral
Calcificação dos ligamentos

Etiologia multifatorial
Correlação 3x maior com DM

139

Quais as características do infarto muscular diabético?

Mais comum no DM1
Dor aguda ou subaguda em coxa ou panturrilha
Prognóstico bom com resolução espontânea
Recorrência contralateral 40%
Relaciona-se com maior tempo de doença

140

No momento do diagnóstico da DM 2, qual exame devemos solicitar para rastreio de nefropatia e qual a periodicidade deste?

Relação albumina/creatinina

Anualmente

141

Os exames de lipidograma e hemoglobina glicada devem ter qual periodicidade?

Semestral ou 3/3 meses

142

Diante de nefropatia diabética com microalbuminuria devemos prescrever quais drogas?

IECA/BRA

Obs: cuidado com as contra-indicacoes.
Gravidez é uma delas

143

Paciente diabético em uso de metformina e outra droga oral otimizada, devemos pensar em utilizar qual droga?

Insulina

144

Quais são os possíveis efeitos do nipride?

Aumento da pressão intracraniana
Diminuição da perfusão cerebral

145

Qual a diferença de atuação das biguanidas e glitazonas?

Biguanidas - atuam diminuindo a glicogenolise e gliconeogenese hepática

Glitazonas - atuam diminuindo a resistência periférica à insulina, principalmente no músculo esquelético

146

Como se caracteriza a respiração de kussmaul?

Hiperpneia e pausas inspiratório e expiratorias

147

Quais são os dois tipos de MODY no Brasil e seus tratamentos?

MODY2: oligossintomaticos com níveis de glicemia e glicada pouco alterados. Tto nenhum

MODY3: sintomático e níveis de glicemia e glicada alterados. Tto: primeira escolha é SULFUNILUREIA

148

Quais são as duas cirurgias bariátricas mais realizadas atualmente?

Capela/wittgrove - bypass gástrico em Y de Roux

Sleeve - gastrectomia vertical

149

O acidose da acidose diabética exerce que efeito no potássio?

Promove troca de H+ para dentro da celular e K+ para fora como tentativa de efeito tampão.

150

O rastreio das complicações da DM devem ser iniciadas quando?

DM 1 - 5 anos após diagnóstico

DM 2 - no momento do diagnóstico e depois anualmente

151

Quando consideramos um IAM incidente ou recorrente?

Incidente - até 28 dias

Recorrente - após 28 dias

152

As novas diretrizes de IAM recomendam quais parâmetros laboratoriais?

Troponinas

CKMB não tem sido mais indicado

153

Quais são os fatores de risco associado a todas as grandes doenças crônicas?

Tabagismo
Álcool
Inatividade física
Alimentação não saudável

154

Quais as únicas estatinas que não necessitam de ajuste no doente renal crônico?

Atorvastatina e fluvastatina

155

Nos HAS estágio 1 de baixo a moderado risco CV, a terapia não farmacológica deve ser tentada por quanto tempo e quando devemos iniciar terapia medicamentosa?

3-6 meses

Se não adesão ou se piora dos níveis pressóricos