SNC e SNP Flashcards Preview

FARMACOLOGIA > SNC e SNP > Flashcards

Flashcards in SNC e SNP Deck (28):
1

O que são fármacos parassimpatomiméticos?

São substâncias que apresentam atividade de estimular (agonista) uma determinada atividade intrínseca parassimpática

Agonistas parassimpáticos = agonistas muscarínicos = colinomiméticos

2

O que são fármacos parassimpatolíticos?

São drogas cuja função é bloquear e/ou inibir respostas do sistema nervoso autônomo parassimpático

Antagonista parassimpático = bloqueador muscarínico = colinolítico

3

O que são fármacos simpatomiméticos?

São substâncias que produzem efeitos provocados pela estimulação dos nervos simpáticos

Agonistas simpáticos

4

O que são fármacos simpatolíticos?

São fármacos cuja função consiste em inibir
ou bloquear a ação do sistema nervoso simpático

Antagonistas ou bloqueadores simpáticos

5

Neostigmina é o que e pra que serve?

É um parassimpaticomimético... é um anticolinesterásico.

Usado para aumentar o tônus muscular em pcts portadores de miastenia gravis e rotineiramente, na recuperação pós-anestésica para reverter o efeito dos bloqueadores musculares.

6

O que são os Organofosforados ("Chumbinhos")?

São parassimpatomiméticos de ação indireta, levando a
inibição da acetilcolinesterase (anticolinesterásicos), aumentando, portanto, a concentração de acetilcolina.

Sinais de envenenamento são: Bradicardia, incontinência fecal e urinária, broncoespasmo, sudorese excessiva, miose.

Antídoto: Atropina e Pralidoxina

7

O que é a Atropina e pra que é usada?

É um parassimpatolítico, portanto, bloqueando a ação parassimpática do organismo.... mimetizando, indiretamente, a ação simpática. Promovendo efeitos como: midríase, taquicardia, vasoconstrição...

Indicações:
1. Intoxicação por inseticidas (organofosforados)
2. Parassimpatolítico
3. Antiespasmódico
4. Anti-secretor
5. Edema pulmonar...

Contraindicações:
1. Glaucoma....

8

Quais principais agonistas simpáticos de ação direta?

1. Adrenalina
2. Noradrenalina
3. Dopamina
4. Dobutamina
5. Salbutamol (aerolin)
5. Fenoterol (Berotec)

9

Quais efeitos da adrenalina e qual seu uso e RAM?

Interage, pois, tanto os receptores β1- adrenérgico (cardíaco) e β2-adrenérgico (pulmonar). A adrenalina também tem como efeitos terapêuticos a
broncodilatação, o controle da frequência cardíaca e da pressão arterial.

Usos terapêuticos:
>> Broncoespasmo: como o que ocorre na crise asmática grave e choque anafilático (causado por
quadros de hipersensibilidade imediata). Nesse tipo de choque, a adrenalina é a droga de escolha,
pois age como antagonista fisiológico da histamina (fisiológico pois não competem pelo mesmo
receptor, mas são antagonistas agindo em receptores diferentes) ................

RAM: Distúrbios SNC, hemorragia, arritmias, edema pulmonar

10

Quais efeitos da noradrenalina e qnd são usadas?

Tem função de aumentar a resistência periférica, com efeito sobre receptores α1. Não interage com receptores β2. Era menos utilizada no tratamento do choque; atualmente, tem-se reintroduzido seu uso no
procedimento contra esta emergência circulatória.
A noradrenalina (norepinefrina) em infusão contínua deve ser usada nos casos de choque com hipotensão persistente, mesmo após uma adequada ressuscitação volumétrica, sobretudo quando persiste hipotensão (PAM < 60 mmHg) mas o débito cardíaco é normal (IC acima de 4 a 4,5 L/minuto/m2), não requerendo o suporte inotrópico.
Alguns autores defendem que, nos casos graves de choque, sobretudo no choque séptico com evolução rápida, a noradrenalina deve ser usada como primeira escolha mesmo que não se tenha a monitorização do débito cardíaco, mas não há consenso sobre a superioridade da noradrenalina/adrenalina sobre a dopamina em dose
alta.

11

O que é a Dopamina, como age e como é usada?

É um neurotransmissor, precursor natural da adrenalina e da noradrenalina.

Tem ação sobre receptores α, β e dopaminérgicos (estes dois últimos justificam o seu uso em choques). Como as principais ações da dopamina correlacionando com seus sítios de ação, temos:
o Sistema Cardiovascular: inotrópico e cronotrópico positivo; o Sistema Renal: aumento do fluxo sanguíneo renal (indicado por este motivo para pacientes com insuficiência renal em quadro de choque) estimulando receptores dopaminérgicos.
Na realidade, estudos atuais mostram que a Dopamina somente é indicada se a pressão arterial média estiver
muito baixa (PAM < 60 mmHg). A dopamina é útil no choque em trás níveis:
>>Dose alta (10 a 20 microgramas/kg/min): tem efeito pressor, sustentando a pressão arterial nos casos de choque grave e descompensado. É alfa-agonista.
>> Dose intermediária (5 a 10 microgramas/kg/min): a droga tem efeitos inotrópicos semelhantes é dobutamina. Aumenta o débito cardíaco no choque cardiogênico ou séptico leve a moderado. É beta e alfa-agonista.
>> Dose baixa (2 a 5 microgramas/kg/min): melhora a perfusão renal e a diurese (efeito dopaminérgico, com vasodilatação esplêncnica e aumento do fluxo renal em 50%). Entretanto, na prática, a função renal sofre pouca melhora com a utilização de dopamina nesta dose.

12

O que é a Dobutamina, como age e como é usada?

Tem ação apenas sobre receptores β1, aumentando o débito com discreta aumento da frequência
cardíaca e um grande efeito inotrópico. Não interfere na vascularização renal. Pode desenvolver tolerância com o uso prolongado.
Na prática clínica, é indicada quando a disfunção miocárdica é a causa primária do choque (o chamado choque cardiogênico). Também é usada em estados de baixo débito cardíaco, como miocardite, miocardiopatia e infarto do miocárdio. Caso a PA esteja adequado, pode ser combinada com vasodilatador para reduzir a pós-carga.

13

Drogas no Choque

Na hierarquia do uso de drogas para o choque, temos: adrenalina (com uso mais complexo e generalizado devido a sua interação com seus receptores) > noradrenalina (ação de taquicardia e vasopressão) > dopamina (embora aja em receptores α e β dos vasos, não apresenta uma vasopressão renal por interagir em receptores dopaminérgicos
desses vasos) > dobutamina (ação apenas no aumento da força de contração cardíaca).

14

Como age o Salbutamol (Aerolin) e pra que serve?

É um agonista β2 específico, sendo ele um dos substitutos do Isoproterenol para tratamento da crise asmática, por realizar broncodilatação sem taquicardia. Porém, esta seletividade é relativa à quantidade administrada dessa droga: grandes concentrações em indivíduos hipersensíveis, pode haver estimulação β1. O Salbutamol e a Ritodrina funcionam ainda como relaxantes uterinos, muito utilizado nos casos de parto prematuro para se adiar em cerca de 48h este parto (tempo
necessário para se administrar corticoides na mãe e assim, a produção de surfactantes pelos pulmões do bebê).

15

Como age o Fenoterol (Berotec) e pra que serve?

Fenoterol (Berotec; Duovent): É um agonista do receptor beta-2 adrenérgico de ação curta a prolongada, e deve ser o simpatomimético de escolha para tratamento da asma em associação ao corticoide inalatório, sendo comumente utilizado na forma de bombinha com espaçador ou nebulização (10 gotas diluídas em 3 a 5 ml de soro fisiológico para adulto). Geralmente, também é associado ao Brometo de Ipratrópio (anti-colinérgico), 20 gotas.
O Fenoterol é, portanto, um fármaco utilizado pela medicina como antiasmático devido ao seu efeito
broncodilator, em associação a corticoides e Brometo de Ipratrópio, principalmente para crise asmática e para tratamento prolongado da asma leve a moderada.

16

Quais principais agonistas simpáticos de ação indireta?

1. Anfetaminas

2. Metilfenidato (Ritalina)

17

Qual composto é efeito a Ritalina e qual sua ação?

Metilfenidato.

Estimulante leve do sistema nervoso central com mecanismo de ação ainda não bem elucidado, estruturalmente relacionado com as anfetaminas
É um potente inibidor da recaptação da dopamina e da noradrenalina. Bloqueia a captura das catecolaminas pelas terminações das células nervosas pré-ganglionares; impede que sejam removidas do
espaço sináptico.

18

Qual exemplo de fármaco agonistas simpático de ação mista?

1. Efedrina


Tem ação em alfa e beta receptores e na
liberação da noradrenalina armazenada em terminais nervosos. Tem uma ação, portanto, simpatomimética, promovendo taquicardia, vasoconstricção (atuando em receptores α) e/ou vasodilatação (atuando em receptores β), retenção do conteúdo gástrico, retenção da urina, etc.
A efedrina é uma amina simpatomética similar aos derivados sintéticos da anfetamina, muito utilizada em medicamentos para emagrecer, pois ao acelerar o
metabolismo, ela promove maior mobilização gordura; porém, causa uma forte dependência (taquifilaxia: rápida diminuição do seu efeito em doses consecutivas), o que fez a droga ser proibida para estes fins.

19

Quais principais representantes de fármacos simpatolíticos?

São medicamentos que bloqueiam a ação do sistema nervoso simpático. São comumente empregados como anti-hipertensivos uma vez que, em verdade, agem como antagonistas do sistema nervoso simpático, bloqueando receptores α (diminuindo assim a vasoconstricção) e β (diminuindo assim a estimulação do coração).


Inibidores de ação central:
1. Clonidina
2. Alfametildopa

Alfabloqueadores:
1. Doxazosina

Betabloqueadores:
1. Atenolol
2. Propranolol

Bloqueadores alfa e beta:
1. Carvedilol

20

Anticolinesterásicos - Antídotos de reversão

estes fármacos são classificados como parassimpatomiméticos de ação indireta (quanto a sua ação autonômica) ou colinomiméticos indireto (quanto a sua ação motora), pois estimulam a ação parassimpática sem estimular seus receptores, mas sim, neste caso, inibindo a enzima anti-colinestarese
(responsável por quebrar acetilcolina)
Os representantes mais comuns dessa classe de fármacos são: Neostigmina, Piridostigmina e Fisostigmina.

>> Neostigmina e piridostigmina: Reversão do efeito dos curares por competição; e miastenia grave.
>> Fisostigmina: glaucoma de ângulo fechado, pois mimetiza os receptores muscarínicos da musculatura ciliar, o que reduz a tensão dos ligamentos do cristalino e facilita a drenagem do humor aquoso

21

Ansiolíticos e sedativos - características

Sinônimos: hipnóticos, sedativos, tranquilizantes menores.

Definição: drogas que causam sono e reduzem a
ansiedade.

Ex: barbitúricos, benzodiazepínicos e etanol.

22

Drogas antipsicóticas- características

Sinônimos: neurolépticos, tranquilizantes maiores,
antiesquizofrênicos.

Definição: drogas eficazes no alívio dos sintomas da
esquizofrenia.

Exemplos: clozapina, clorpromazina, haloperidol

23

Antidepressivos - características

Sinônimos: timolépticos

Definição: que aliviam os sintomas depressivos.

Ex: Inibidores da monoamina oxidase e antidepressivos
tricíclicos.

24

Estimulantes psicomotores - características

Sinônimo: psicoestimulantes

Definição: drogas que produzem vigília e euforia

Ex: anfetamina, cocaína e cafeína

25

Drogas psicomiméticas - características

Sinônimos: alucinógenos, drogas psicodislépticas.

Definição: drogas que causam distúrbios da percepção
(alucinações visuais) e do comportamento.

Ex: dimetilamida do ácido lisérgico (LSD), mescalina e
fenciclidina.

26

Potencializadores da cognição - características

Sinônimos: drogas nootrópicas

Definição: drogas que melhoram a memória e o
desempenho cognitivo

Ex: tacrina, donepezil, piracetam

27

Drogas antiepilépticas - características

Sinônimos: anticonvulsivo, anticonvulsivante, estabilizante
de humor ou antiepilético.

Definição: grupo de fármacos utilizados na prevenção e tratamento das crises convulsivas e epiléticas, neuralgias e também no tratamento de transtornos de humor, como transtorno bipolar e ciclotimia.

Ex: Hidantoínas (Fenitoína); Barbitúricos (Fenobarbital);
Desoxibarbitúricos (Primidona); Iminoestilbenos
(Carbamazepina); Succinimidas (Etosuximida); Ácido
Valproico; Oxazolidinadionas (Trimetadiona);
Benzodiazepínicos (Diazepam).

28

Antiparkinsonianos - características

Sinônimos: utilizados para tratamento da doença de
Parkinson.

Ex: Anticolinérgicos (Triexifenidil, biperideno); Liberadores de dopamina (Amantadina); Precursor dopaminérgico (Levodopa); Inibidores periféricos da dopa-descarboxilase (Carbidopa, benserazida); Agonistas dopaminérgicos (Bromocriptina, pergolida); Inibidores da MAO-B (Selegilina, cabergolida).