286 - Doença Valvular Múltipla ou Mista Flashcards Preview

(Cardio - 2017 COPY) > 286 - Doença Valvular Múltipla ou Mista > Flashcards

Flashcards in 286 - Doença Valvular Múltipla ou Mista Deck (61):
1

Quais são as válvulas que podem ser acometidas pela doença cardíaca reumática e de que maneira?

Pode envolver isoladamente ou em combinação:
•  Mitral (EM, IM, EM + IM),
•  Aórtica (EA, IA, EA + IA)
•  Tricúspide (ET, IT, ET + IT)

2

V ou F

A IT funcional + Doença valvular mitral significativa é uma associação rara

F

A IT funcional + Doença valvular mitral significativa é uma associação comum

3

Quais poderão ser as consequências da da calcificação grave do anel mitral?

Regurgitação e Estenose ligeira

4

Na estenose aórtica grave pode-se desenvolver IM ______________ que pode não ___________ após SVA isolada

Na estenose aórtica grave pode-se desenvolver IM FUNCIONAL que pode não MELHORAR após SVA isolada

5

A rotura das cordas tendinosas é um achado frequente em doentes com EA. V ou F?

A rotura das cordas tendinosas é um achado INFREQUENTE em doentes com EA

6

A radiação do mediastino pode resultar em lesão de que válvulas?

Aórtica, mitral e tricúspide, mais frequentemente com estenose e regurgitação simultaneamente

7

A doença cardíaca carcinóide pode causar lesões mistas em que válvulas?

Tricúspide e pulmonar

8

Quais são as alterações valvulares que podem estar presentes nos síndrome de Marfan?

Insuficiência aórtica de dilatação da raiz da aorta e insuficiência mitral devido ao prolapso da válvula mitral

9

V ou F

A bicuspidia aórtica ou pulmonar apenas resulta em estenose aórtica ou pulmonar

F

A bicuspidia aórtica ou pulmonar pode resultar em estenose e insuficiência aórtica ou pulmonar

10

Alterações fisiopatológicas associadas com a válvula mais ______________ (proximal/distal) pode mascarar a expressão completa da lesão valvular ________ (proximal/distal)

Alterações fisiopatológicas associadas com a válvula mais PROXIMAL pode mascarar a expressão completa da lesão valvular DISTAL

11

Num doente com doença valvular reumática mitral e aórtica, a ___________ (aumento/redução) do débito cardíaco imposta pela doença da válvula mitral vai ___________ (aumentar/diminuir) a mangnitude das alterações hemodinâmicas da válvula aórtica

Num doente com doença valvular reumática mitral e aórtica, a REDUÇÃO do débito cardíaco imposta pela doença da válvula mitral vai DIMINUIR a mangnitude das alterações hemodinâmicas da válvula aórtica

12

O desenvolvimento de FA num doente com EM pode levar ao _______________ súbito num doente com doença valvular aórtica que anteriormente parecia não ser significativa.

O desenvolvimento de FA num doente com EM pode levar ao AGRAVAMENTO súbito num doente com doença valvular aórtica que anteriormente parecia não ser significativa

13

À medida que diminui o DC a gravidade da qualquer doença ________ (válvula) ou ___________ (válvula) associada pode ser subestimada

À medida que diminui o DC a gravidade da qualquer doença MITRAL ou AÓRTICA associada pode ser subestimada

14

Uma das associações mais comuns de doença multivalvular é a presença de uma IT na presença de uma doença valvular ______ (válvula) significativa.

Doença valvular mitral significativa

A IT nesta situação é devido à dilatação do VD e anel tricúspide

15

Um exemplo da doença multivalvulaf reumática é o envolvimento simultâneo da mitral e aórtica, frequentemente caracterizados por ___ e ___.

EM e IA

16

Na EM isolada, a pré carga do VE e a pressão diastólica estão ____________ (aumentadas/diminuidas) em função da gravidade da obstrução do VE

Na EM isolada, a pré carga do VE e a pressão diastólica estão DIMINUÍDAS em função da gravidade da obstrução do VE

17

Na associação IT funcional + patologia valvular mitral, como se costumam encontrar os folhetos da válvula tricúspide?

Normais

18

V ou F

Os doentes com EA grave + IM funcional costumam apresentar lesão das cordas tendinosas e dos folhetos valvulares mitrais

F

Os doentes com EA grave + IM funcional NÃO costumam apresentar lesão das cordas tendinosas e dos folhetos valvulares mitrais

19

V ou F

O alívio do excesso de pós-carga com a SVA cirúrgica ou trans-cateter, leva sempre à redução ou eliminação da IM funcional

F

O alívio do excesso de pós-carga com a SVA cirúrgica ou trans-cateter, frequentemente, mas não sempre resulta em redução ou eliminação da IM funcional

20

V ou F

A persistência de IM significativa após SVA associa-se a pior prognóstico funcional e diminuição da sobrevida.

V

21

Em que situações está recomendada a reparação da válvula mitral quando há uma situação EA grave + IM funcional?

Nos casos de IM moderada a grave/grave no momento da SVA cirúrgica

22

Nos doentes com EA + IA, o gradiente pressão VE-Ao no doppler e a intensidade do sopro sistólico é _________ (maior/menor) que o expectável para a verdadeira área do orifício valvular durante a sístole

Nos doentes com EA + IA, o gradiente pressão VE-Ao no doppler e a intensidade do sopro sistólico é MAIOR que o expectável para a verdadeira área do orifício valvular durante a sístole

Isto acontece porque existe um aumento da velocidade fluxo sistólico trans-valvular na IA com função sistólica VE preservada

23

Caso a fórmula de Gorlin, utilizada para cálculo da área valvular, não seja corrigida, está não pode ser utilizada de forma fidedigna na EA+IA. V ou F?

V

24

Como se encontra a velocidade máxima da onda E no doppler da mitral na doença mitral mista?

Aumentada

25

Quando IA ou IM é a lesão dominante o VE está ________ (hipertrofiado/dilatado)

dilatado

26

Quando EA ou EM é a lesão dominante o tamanho do VE é normal ou aumentado. V ou F?

Falso.

Normal ou diminuído

27

Doentes com EA significativa + VE não dilatado + HVE concêntrica têm ___ (boa/má) tolerância ao desenvolvimento abrupto de IA

Doentes com EA significativa + VE não dilatado + HVE concêntrica têm MÁ tolerância ao desenvolvimento abrupto de IA

28

Regurgitação para-valvular é um FR significativo de mortalidade a _________ (curto/médio/longo) e __________ (curto/médio/longo) prazo após SVA transcatéter

Regurgitação para-valvular é um FR significativo de mortalidade a CURTO e MÉDIO prazo após SVA transcatéter

29

Doenças em que o VE não é capaz de dilatar em resposta a IA crónica (ou IM)

•  Doença cardíaca por radiação
•  Cardiomiopatia associada à obesidade e DM (alguns doentes)

30

Os doentes com doença valvular mista ou múltipla desenvolvem sintomas em estadios mais __________ (precoces/tardios) da história natural das doenças

Os doentes com doença valvular mista ou múltipla desenvolvem sintomas em estadios mais PRECOCES da história natural das doenças

31

Os sintomas de IC direita (distensão abdominal, edema) são manifestações _________ (precoces/tardias) da doença multivalvular avançada

Os sintomas de IC direita (distensão abdominal, edema) são manifestações TARDIAS da doença multivalvular avançada

32

Doença mista de uma única válvula manifesta-se mais frequentemente por sopros sistólicos e diastólicos. Vo u F?

V

33

Muitos doentes com IA significativa têm sopros __________________ de ejecção mesmo na ausência de esclerose/estenose valvular

Muitos doentes com IA significativa têm sopros MESOSSISTÓLICOS de ejecção mesmo na ausência de esclerose/estenose valvular

34

Sopros separados da EA e IA podem por vezes ser difíceis de distinguir do sopro contínuo associado ao:

Ducto Arterial Patente (DAP) ou Rotura do Seio de Aneurisma de Valsalva

35

V ou F?

Sopro contínuo da Rotura do Seio de Valsalva é frequentemente audível pela primeira vez após um episódio de dor tóracica aguda.

V

36

O som de ejecção precoce, que normalmentdefine a doença valvular aórtica bicúspide dos jovens adultos, muitas vezes não está presente quando os doentes têm ___ e ___ mista congénita

IA e EA mista congénita

37

Num doente com patologia valvular esquerda com sinais ECG de doença cardíaca direita deve levar à pesquisa de ____ (HTP/HTA) e/ou patologia valvular do coração ________ (esquerdo/direito).

HTP e/ou patologia valvular do coração direito

38

A presença de FA num doente com doença aórtica valvular pode ser um sinal para a presença de que patologia valvular não diagnosticada?

Doença valvular mitral não diagnosticada

39

Graus aumentados de hipertensão do AE podem levar a linhas Kerley B na radiografia de tórax. V ou F?

V

40

A presença de uma veia azigos de dimensões aumentadas na projecção radiográfica frontal indica o que?

HT da aurícula direita

41

Qual é o exame mais utilizado para o diagnóstico e caracterização da doença valvular mista ou múltipla?

Ecografia transtorácica com doppler

42

Qual é a válvula para a qual a ecocardiografia TE pode ser particularmente útil na avaliação com maior detalhe anatómico?

Válvula mitral

Este exame também pode ser utilizado para diagnosticar Endocardite infecciosa

43

Quando é que a prova de esforço pode ser útil, com ou sem Ecocardiografia?

Quando o grau de limitação funcional reportado pelo doente não é explicável pelos achados do eco TT em repouso

44

V ou F

A RM cardíaca é mais indicada para a avaliação da morfologia valvular

F

A RM cardíaca é MENOS indicada para a avaliação da morfologia valvular

45

Porque é que é importante identificar a alteração valvular dominante?

Para realizar o tratamento e seguimento de acordo com as recomendações para a lesão dominante, ajustando o que for necessário tendo em conta as restantes lesões valvulares

46

V ou F

Os vasodilatadores pulmonares são uma terapêutica eficaz para diminuição da resistência vascular pulmonar no contexto de doença valvular múltipla

F

Os vasodilatadores pulmonares são uma terapêutica INEFICAZ para diminuição da resistência vascular pulmonar no contexto de doença valvular múltipla

47

V ou F

Doentes com doença valvular múltipla e/ou mista podem ter sintomas limitantes ou sinais de diminuição fisiológica mesmo com lesões valvulares moderadas.

V

48

V ou F

A cirurgia de substituição valvular aórtica e mitral concomitante está associada com um risco de mortalidade perioperatória significativo quando em comparação com a substituição isolada de cada válvula

V

49

Quando é que deve ser realizada a cirurgia de substituição valvular dupla da aorta e mitral concomitantemente?

•  Doença valvular grave (irreparável) aórtica e mitral
•  Doença valvular grave numa válvula e moderada noutra, para evitar o risco de re-operação da válvula não operada

50

A reparação da válvula tricúspide por IT funcional moderada a grave é _________ (comum/incomum) no momento da cirurgia valvular ___________ (direita/esquerda), particularmente no caso de existir dilatação do anel tricúspide (>__ mm)

A reparação da válvula tricúspide por IT funcional moderada a grave é COMUM no momento da cirurgia valvular ESQUERDA, particularmente no caso de existir dilatação do anel tricúspide (>40 mm)

51

Re-operação para reparação ou substituição devido a IT progressiva, anos após a cirurgia inicial para a doença valvular à ____________ (esquerda/direita), está associado a risco relativamente ___________ (elevado/baixo) de mortalidade peri-operatória

Re-operação para reparação ou substituição devido a IT progressiva, anos após a cirurgia inicial para a doença valvular à ESQUERDA, está associado a risco relativamente ELEVADO de mortalidade peri-operatória

52

A presença de IM moderada-grave em doentes com EM reumática é contraindicação para valvuloplastia mitral por _________ ______________

A presença de IM moderada-grave em doentes com EM reumática é contraindicação para valvuloplastia mitral por BALÃO PERCUTÂNEO

53

A presença de IA significativa em doentes com EA é contraindicação para valvulotomia aórtica por balão percutânea. V ou F

V.

54

V/F

Já se faz reparação de EA por TAVR e IM funcional com clip mitral concomitantemente.

V

55

V/F

A RM cardíaca tem maior utilidade para avaliação anatómica e fisiológica, e menos para avaliação valvular

V

e por isso que é GOLD STANDARD na TERALOGIA DE FALLOT (recordando o capitulo)

56

V/F

A historia natural da doença das valvulopatias multiplas não tem correlação com o grau da valvulopatia dominante

F

é domindado pela lesao principal

57

V/F

A ventriculografia e Aortografia com contraste é realizada infrequentemente.

V

58

V/F

Ergotaminas são uma causa frequente te lesão mista Aortica e/ou mitral

F

RARA

59

V/F

A IM funcional pode complicar o curso clinico de um doente com EA. A incompetência mitral deve-se às alterações da geometria do VE e ao puxar sistólico anormal dos folhetos da valvula durante a sistole no contexto de uma pressao sistólica elevada

V

60

V/F

sintomas como dispneia de esforço e fadiga estão relacionados com o aumendo das pressoes de enchimento, reduçao do DC ou da sua combinação

V

61

V/F

No contexto de doença aortica mistal (EA + IA), o sopro é contínuo.

F

não é. Mas a separação dos dois componentes pode ser dificil de fazer e por isso faz DDx com sopros continuos (rutura seio de valsalva, Patencia do Canal Arterial)