Afecções Benignas e Malignas dos Ovários Flashcards Preview

Ginecologia > Afecções Benignas e Malignas dos Ovários > Flashcards

Flashcards in Afecções Benignas e Malignas dos Ovários Deck (41):
1

Como os Tumores Ovarianos Benignos são classificados?

Tumores Não Neoplásicos:

Cistos funcionais:

  • Cistos foliCulares
  • Cistos do Corpo lúteo
  • Cistos tecaluteínicos

Endometriomas

Abscesso tubo-ovariano

Ovários policísticos

Tumores Proliferativos (Neoplásicos):

Tumores epiteliais:

  • Cistoadenoma seroso
  • Cistoadenoma mucinoso

Tumores de Células Germinativas 

  • Teratoma Cístico Benigno

Tumores Sólidos Benignos:

Fibroma
Tumor de Brenner (Tumores epiteliais neoplásicos)
Luteoma da Gravidez

Tumores Funcionantes:

Feminilizantes:

  • Tecomas
  • Tumores de Células hilares
  • Gonadoblastomas

Virilizantes

Struma ovarii

Tumores Limítrofes

2

Quais as causas de massa anexial de acordo com as faixas etárias?

Infância

  • Tumor de células germinativas
  • Cisto funcional

Adolescência

  • Cisto funcional
  • Gravidez ectópica
  • Teratoma cístico benigno ou outro tumor de células germinativas
  • Tumor ovariano epitelial

Menacme

  • Cisto funcional
  • Gravidez ectópica
  • Tumor ovariano epitelial

Perimenopausa

  • Tumor ovariano epitelial
  • Cisto funcional

Pós-Menopausa

  • Tumor ovariano (maligno ou benigno)
  • Cisto funcional

3

Descreva sobre o Cisto Folicular

1. É o cisto funcional mais comum.

2. Cisto simples com mais que 3 cm e menos que 8 cm no maior diâmetro.

3. Origina-se de folículo estimulado pelas gonadotrofinas hipofisárias, que não se rompeu durante o ciclo menstrual.

4. Dependem da estimulação cíclica dos ovários (frequentes nas que menstruam e raros nas menopausadas).

5. Normalmente, se resolvem em 4 a 8 semanas com conduta expectante. 

4

Qual o cisto funcional mais comum?

Cisto Folicular

5

Descreva sobre o cisto luteínico.

1. Resulta do corpo amarelo que se tornou cístico devido à hemorragia excessiva na cavidade folicular.

2. Pode ser causado por acúmulo de líquido cístico, devido estímulo excessivo do LH.

3. Sua rotura e consequente hemorragia são mais comuns devido à vascularização de sua parede.

4. Os cistos não rotos podem causar dor, devido ao sangramento para a cavidade fechada do cisto.

5. Os sinais de rotura e hemorragia incluem hipersensibilidade bilateral ao exame pélvico.

6

Quais são os cistos funcionais menos comuns?

Cistos Tecaluteínicos 

7

Descreva sobre os cistos tecaluteínicos.

1. São os cistos funcionais menos comuns.

2. São bilaterais e incidem na gravidez (1/4 das gestações molares e 10% dos coriocarcinomas).  

3. São multicísticos, podem atingir grandes dimensões (até 30 cm), e tendem a regredir espontaneamente.

8

Quais são os Tumores Epiteliais?

Cistoadenoma Seroso

Cistoadenoma Mucoso

9

Descreva sobre o Cistoadenoma Seroso.

1. Originam-se do epitélio superficial do ovário

2. Representam 15% a 25% dos tumores benignos e são bilaterais em 7% a 12% dos casos.

3. Acomete pcts entre 20 e 50 anos.

4. São multiloculares, raramente com septações grosseiras, podendo apresentar projeções papilares e calcificações

5. Ao corte, mostram conteúdo claro ou acastanhado.

6. Possuem consistência firme, base larga e coloração pálida, medindo de 5 a 15 centímetros.

7. Corpos de Psammoma (áreas de granulações calcificadas) podem estar espalhados pelo tumor e identificados pelos raios X.

8. Aproximadamente 20% dos cistoadenomas serosos são malignos, e 5 a 10% dos tumores epiteliais são limítrofes.

10

Descreva sobre Cistoadenoma Mucinoso.

1. Representa 15% dos tumores benignos. São bilaterais em 5% a 7% dos casos.

2. Constitui os grandes tumores abdominais, chegando até a 50 cm de diâmetro.

3. Incidência na terceira e quarta décadas.

4. São geralmente multilobulados, císticos, de conteúdo mucoide e acastanhados ao corte.

5. Complicação = Pseudomixoma peritoneal (secreção de material mucinoso e gelatinoso, formando ascite que recidiva após o tratamento cirúrgico).

11

Descreva sobre os Teratomas Císticos Benignos

1. Representam 10% a 15% de todos os tumores ovarianos.

2. Normalmente unilaterais. Bilateral em 10% a 12% dos casos.

3. O risco de se tornar maligno é raro (1%) e maior na pós-menopausa.

4. O período etário = menacme (idade reprodutiva), com pico maior em torno dos 30 anos.

5. A torção do pedículo é a complicação mais frequente e incide em 3,5%.

12

Quais são os Tumores Sólidos Benignos?

  1. Fibroma
  2. Tumor de Brenner
  3. Luteoma da Gravidez

13

Descreva sobre o Fibroma.

1. São os tumores do cordão sexual mais comuns.

2. Não apresentam atividade hormonal.

3. Possui aspecto firme, espiralado, branco na superfície e raramente apresenta sinais de degeneração.

4. Associação com ascite (10 a 15%) e hidrotórax (1%), o que caracteriza a Síndrome de Meigs.

14

Descreva sobre o Tumor de Brenner.

1. Possui células cuboides claras, os chamados ninhos de células de Walthard.

2. São tumores epiteliais benignos. Raramente ocorre transformação maligna.

3. Pode estar associado à síndrome de Meigs.

4. Pode estar associado a um cistoadenoma mucinoso, assemelhando-se ao quadro de um tumor maligno.

15

Descreva sobre o Luteoma da Gravidez.

1. Raro, sólido, que pode ser bilateral e levar ao aumento do ovário em até 12 centímetros.

2. Em aproximadamente 25% dos casos, associam-se com virilização, que tem início no segundo trimestre da gestação, produzindo testosterona.

3. Com isso, a masculinização de um feto do sexo feminino pode ocorrer.

4. A maioria dos casos regride espontaneamente, mas o aumento persistente do tumor indica a cirurgia.

16

Quais são os Tumores Funcionantes (Tumores do Estroma Gonádico)?

Feminilizantes:

  • Tecomas
  • Tumores de Células hilares

Virilizantes

  • Gonadoblastomas

Struma ovarii

17

Descreva sobre os Tecomas.

1. Originam-se do estroma cortical dos ovários.

2. São geralmente unilaterais e raramente malignos.

3. Representam 2% dos tumores ovarianos, com predomínio na pós-menopausa. Durante o período reprodutivo é raro.

4. Frequentemente (75% dos casos), produzem estrógenos.

5. Sintomas correlacionam-se com sua indução estrogênica e incluem sangramento genital e hiperplasia endometrial na pós-menopausa.

18

Descreva sobre os Gonadoblastomas.

1. É um tumor misto, constituído por elementos germinativos e elementos do cordão sexual.

2. Logo, podem produzir androgênios e estrogênios.

3. O tratamento recomendado é a ooforectomia.

4. Pacientes com disgenesia gonadal e presença de cromossoma Y são consideradas de alto risco para o tumor.

5. Nestes casos, a conduta é a gonadectomia.

19

Descreva sobre o Struma Ovarii.

1. É variante do teratoma cístico maduro

2. Se observa predomínio de mais de 50% de tecido tireoidiano (20% dos teratomas têm pequenos focos).

3. Por esta razão, caracteriza-se pela produção ectópica de hormônios tireoidianos.

4. Em 5% dos casos desenvolve sintomas de tireotoxicose.

5. Possui baixo potencial de malignidade.

20

Descreva sobre Tumores Limítrofes de Ovário.

1. Respondem por 10% a 15% dos tumores epiteliais.

2. São um grupo especial de neoplasias, cujo comportamento biológico e aspecto histopatológico os coloca entre os tumores benignos e os francamente malignos.

3. Permanecem limitados aos ovários com baixo potencial de crescimento e invasão (bom prognóstico).

4. Predominantemente antes da menopausa, em mulheres entre 30 e 50 anos

5. 20 a 25% disseminam-se além do ovário. São capazes de se metastatizar, porém não apresentam invasão estromal.

21

Quais são os critérios para diagnóstico de tumores limítrofes?

• Hiperplasia epitelial com pseudoestratificação em tufo, cribiforme e micropapilar;

• Atipia nuclear e aumento da atividade mitótica;

• Grupos celulares isolados;
• Ausência de invasão verdadeira do estroma,

ou seja, sem destruição tecidual.

22

Qual a conduta básica diante de uma massa anexial?

1. Anamnese e exame físico

2. USGTV

3. Doppler fluxometria

4. CA 125

5.Outros: Tomografia Computadorizada (TC) / Ressonância Magnética (RM) / outros marcadores (alfafetoproteína, hCG, LDH, CA 19-9)

6. Cirurgia

23

Na anamnese e exame físico da paciente com massa anexial, quais os dados mais importantes?

IDADE

Cistos na pré-menopausa são comuns e usualmente benignos, incluindo os cistos funcionais, os endometriomas e os ovários policísticos.

O risco de malignidade aumenta com a idade.

SINTOMAS

Nenhum ou poucos sintomas vagos e inespecíficos.

Logo, apenas 25% das mulheres são diagnosticadas com a doença maligna limitada aos ovários.

EXAME FÍSICO

Detecção de tumor anexial assintomático durante o exame pélvico rotineiro.

24

Quais são as características ultrassonográficas das Massas Ovarianas Benignas?

VOLUME <8 CM

ASPECTO DA PAREDE INTERNA: Regular

ASPECTO DO CONTEÚDO: Unilocular, Cístico

SEPTAÇÕES: Se presentes, finas

25

Quais são as caraterísticas ultrassonográficas das massas ovarianas Malignas?

VOLUME > 8 CM

ASPECTO DA PAREDE INTERNA: Iregular

ASPECTO DO CONTEÚDO: Multilocular, misto

SEPTAÇÕES: Grosseiras , espessas (>3 mm)

26

Quais são os Aspectos Clínicos,Ultrassonográfios e faixa etária do Cisto Folicular?

Aspectos Clínicos

  • Volume < 8 cm
  • Regressão espontânea (80%)

Ultrassonográficos

  • Unilocular
  • Cístico
  • Homogêneo
  • Parede lisa
  • Único

Faixa Etária

  • Menacme

27

Quais são os Aspectos Clínicos,Ultrassonográfios e faixa etária do Cisto de Corpo Lúteo?

Aspectos Clínicos

  • Dor pélvica
  • Rotura
  • Regressão espontânea

Ultrassonográficos

  • Unilocular
  • Heterogêneo
  • Ecos internos
  • Parede espessada
  • Único (maioria)

Faixa Etária

Menacme

28

Quais são os Aspectos Clínicos,Ultrassonográfios e faixa etária do Endometrioma?

Aspectos Clínicos

  • Dismenorreia
  • Dispareunia
  • Dor pélvica
  • Volume variável

Ultrassonográficos

  • Parede variável
  • Conteúdo homogêneo e/ou heterogêneo

Faixa Etária

Menacme

29

Quais são os Aspectos Clínicos,Ultrassonográfios e faixa etária dos Ovários Policísticos?

Aspectos Clínicos

  • Amenorreia
  • Hirsutismo
  • Obesidade

Ultrassonográficos

Aumento do volume ovariano

Folículos múltiplos

Faixa Etária

Menacme

30

Quais são os Aspectos Clínicos,Ultrassonográfios e faixa etária do Cistoadenoma?

Aspectos Clínicos

Massa Pélvica

Ultrassonográficos

Uni ou bilateral

Septações

Calcificações

Faixa Etária

20 a 40 anos

31

Quais são os Aspectos Clínicos,Ultrassonográfios e faixa etária do Teratoma Cístico Benigno?

Aspectos Clínicos

  • Massa pélvica
  • Dor aguda (torção)

Ultrassonográficos

  • Ecos brilhantes
  • Sombras acústicas
  • Parede espessa Uni ou bilateral

Faixa Etária

20 a 30 anos

32

Quais são os Aspectos Clínicos,Ultrassonográfios e faixa etária do tumor sólido ou funcionante benigno?

Aspectos Clínicos

  • Massa pélvica
  • Produção hormonal anormal

Ultrassonográficos

  • Sólido

Faixa Etária

  • Menacme
  • Menopausa

33

Qual o marcador tumoral mais sensível para tumoras epiteliais, em especial os serosos?

Antigeno Cancerígeno (CA) 125

34

Qual o marcador sensível para tumores ovarianos mucinosos?

CA 19-9

35

Como é o manejo de massa pélvica na criança e no adolescente?

36

Como é o manejo de massa anexial na pré e pós menopausa?

37

A questão descreve uma paciente com queixa de aumento de volume abdominal e dor lombar com uma massa anexial mista, o que poderia nos fazer pensar em um teratoma maduro. No entanto, o que define a questão é a presença de líquido livre em cavidade pélvica sugerindo pseudomixoma peritoneal. O pseudomixoma peritoneal é o termo clínico usado para descrever a presença de material mucoide ou gelatinoso circundado por tecido fibroso, encontrado nos tumores mucinosos, principalmente malignos. Acabou, respondeu a questão aí! A rotura de um tumor ovariano mucinoso pode extravasar seu conteúdo mucoide para a pelve e cavidade abdominal, formando o pseudomixoma peritoneal. Este fenômeno causa extensa adesão das alças intestinais, podendo resultar em obstrução. E vale lembrar que o pseudomixoma peritoneal também pode ser secundário a um adenocarcinoma apendicular. Nenhum outro tumor descrito nas demais alternativas da questão forma o pseudomixoma peritoneal. Resposta: letra B.

38

Qual a epidemiologia do tumor maligno de ovário?

1. Entre 40 e 65 anos (raro antes dos 30 anos)

2. Ocorre em menos de 1% dos casos.

3. Incidência aumenta com a idade

4. É maior na raça branca do que na negra.

5. O risco de desenvolvimento de câncer ovariano durante toda a vida é aproximadamente de 1,4%. 

39

No tumor de ovário, quais são os critérios de suspeição de malignidade pelo US?

(1) Cistos > 8 cm.

(2) Cistos que apresentam septos espessos (> 3 mm), papilas, espessamento da parede do cisto, nodularidades, multiloculações, presença de componente sólido no seu interior (muito sugestivo).

(3) Massas sólidas.

40

No tumor de ovário, correlacione os marcadores com seus tumores.

CA 125 - Tumores epiteliais (cistoadenocarcinoma seroso)

CEA e CA19-9 - Cistoadenocarcinoma mucinoso

HCG - Coriocarcinoma e carcinoma embrionário

Alfafetoproteina - Tumor de seio endodérmico e carcinoma embrionário 

41