HPIM 298 - Isquemia Vascular Mesenterica Flashcards Preview

Gastro - MJRS > HPIM 298 - Isquemia Vascular Mesenterica > Flashcards

Flashcards in HPIM 298 - Isquemia Vascular Mesenterica Deck (20):
0

Qual é a mais comum, isquemia intestinal aguda ou crónica?

A isquemia intestinal aguda é mais comum que a isquemia arterial crónica

1

Fatores de risco para ISQUEMIA INTESTINAL AGUDA:

•Fibrilhação auricular
•Enfarte do miocárdio recente
•Doença valvular cardíaca
•Cateterismo recente cardíaco ou vascular

2

Locais mais comuns de isquemia no cólon:

Os vasos colaterais no cólon encontram-se no ângulo esplénico e no cólon descendente e sigmóide – Ponto de Griffiths e Ponto de Sudeck respetivamente

3

Para a ocorrência de angina intestinal crónica e necessária:

A TROMBOSE progressiva de pelos menos 2 vasos major do suprimento sanguíneo do intestino

4

Isquemia mesentérica não oclusiva (IMNO), resulta de:

Ocorre por vasoconstrição mesentérica (vasospasmo arteriolar) desproporcional em resposta a um stress fisiológico severo como desidratação e choque.

5

Taxa de mortalidade de isquemia intestinal:

Taxa de mortalidade >50%

6

Maior indicador de sobrevida de isquemia intestinal:

O maior indicador de sobrevida é o tempo até ao diagnóstico e tratamento.

7

Rx abdominal na isquemia intestinal permite identificar:

•ar livre intraperitoneal (perfuração víscera com necessidade de exploração urgente);
•isquemia intestinal precoce: edema parede intestinal (impressão do polegar “thumbprinting”);
•isquemia avançada: ar na parede abdominal (pneumatose intestinal) e no sistema venoso porta;
•calcificação da aorta e suas tributárias (indica doença aterosclerótica)

8

Importância do Scanning duplex mesentérico na isquemia mesenterica:

•Elevada velocidade de pico de fluxo na artéria mesentérica superior associam-se com um VPP de 80% com a isquemia mesentérica.

•Um exame negativo virtualmente exclui o diagnóstico de isquemia mesentérica.

9

O gold standard para o diagnóstico e abordagem da doença arterial oclusiva aguda é:

a LAPAROTOMIA

10

A isquemia mesenterica não obstrutiva apresenta se com:

dor abdominal generalizada
anorexia
fezes sanguinolentas
distensão abdominal.

Estes pacientes estão frequentemente prostrados pelo que os achados físicos podem não ajudar no diagnóstico

11

Colonoscopia na colite isquémica:

Se se suspeita de colite isquémica, deve-se realizar colonoscopia para avaliar a integridade da mucosa do cólon.

"A visualização da região retosigmoideia pode demonstrar diminuição da integridade da mucosa que se associa mais comummente com a IMNO e, de vez em quando, a IMAO como resultado da perda aguda do fluxo para a AMinferior após uma cirurgia aórtica. "

12

A ISQUEMIA DA MUCOSA DO CÓLON PODE SER CLASSIFICADA:

Leve – eritema mucoso mínimo -100% reversibilidade

Moderada – ulcerações pálidas da mucosa e evidência de extensão à camada muscular - ~50% reversibilidade

Severa – ulcerações severas que resultam na coloração preta e verde da mucosa consistente com necrose de toda a espessura da parede intestinal – 0% reversibilidade

13

V/F
De todas as doenças intestinais agudas a insuficiência venosa mesentérica é a que tem pior prognóstico.

FALSO
É a que tem melhor prognóstico!!!!!

14

Diagnostico da trombose venosa mesenterica:

TC espiral abdominal com contraste oral ou IV

•Parede intestinal espessada
•Ascite
•Fase arterial atrasada e coágulo na veia mesentérica superior

15

V/F
Dor abdominal sem perda de peso não é ANGINA MESENTÉRICA CRÓNICA

Verdadeiro

16

Gold standard para a confirmação da oclusão arterial mesentérica:

Angiografia Mesentérica

17

determinação da viabilidade do intestino intraoperatoriamente nos pacientes com suspeita de isquemia intestinal:

Após a revascularização, a parede intestinal deve ser observada a voltar à sua coloração rosada e a ter peristalse.

A palpação dos vasos arteriais maiores pode ser realizada assim como a colocação de um doppler de medição do fluxo no bordo antimesentérico da parede intestinal.

Nenhum é um indicador definitivo de viabilidade.

Em casos equívocos, área de não fluorescência (1g de fluoresceína de sódio IV) >5 mm --> não viabilidade

Se mesmo assim a dúvida persistir a reexploração 24-48h após a cirurgia permitirá demarcar o intestino não viável.

18

Qual a incidência de colite isquémica após uma reparação aórtica eletiva vs emergente?

5-9%;
o triplo

19

Qual a taxa de sucesso da angioplastia com stent endovascular no tratamento da isquemia mesentérica cronica?

80%