HPIM 300 - Apendicite Aguda E Peritonite Flashcards Preview

Gastro - MJRS > HPIM 300 - Apendicite Aguda E Peritonite > Flashcards

Flashcards in HPIM 300 - Apendicite Aguda E Peritonite Deck (20):
0

Perfuração da apendicite ocorre mais em indivíduos de que faixas etárias:

mais comum nas crianças e nos idosos

1

Infeção por Yersinia e a apendicite:

Elevados títulos de anticorpos foram encontrados em até 30% dos casos de apendicite provada.

2

A Apendicite aguda pode ser a primeira manifestação de:

Doença de Crohn

3

Patognomonico de apendicite aguda:

Sequência de DESCONFORTO ABDOMINAL e ANOREXIA

Ocorre em apenas 66% dos pacientes

4

Na apendicite aguda o diagnóstico não pode ser estabelecido a menos que se induza:

HIPERSENSIBILIDADE!!!

Por vezes está ausente no estadio visceral inicial mas depois desenvolve-se sempre e é encontrada em qualquer localização em relação com a posição do apêndice.

5

Hiperestesia da pele do QID e um sinal do psoas ou obturador positivos, valor diagnostico de apendicite aguda:

são frequentemente achados tardios e raramente de valor diagnóstico

6

Palpação de massa na apendicite aguda:

Uma MASSA pode desenvolver-se se ocorrer uma perfuração localizada mas não será normalmente detetável antes dos 3 dias após o início.

A presença de uma MASSA mais cedo sugere carcinoma do cego ou D. Crohn

7

Valor de leucócitos que sugere perfuração de apêndice:

Leucocitose > 20 000/uL sugere perfuração provável

8

Importância de , a não visualização do apêndice na TC na suspeita de apendicite:

associa-se ao achado de um apêndice normal em 98% das vezes

9

Ar livre intra peritoneal na apendicite:

Ar livre peritoneal é incomum mesmo na apendicite perfurada

10

CRIANÇAS < 2 ANOS, % de perfuração e peritonite generalizada na apendicite:

70-80%

11

Taxa de perfuração de apendicite nos idosos:

30% nos pacientes >70 anos.

12

Diagnostico de apendicite nas grávidas, exame de imagem:

DIAGNÓSTICO: melhor por ECOGRAFIA com acuidade de 80% mas se já ocorreu perfuração, a acuidade diminui para 30%

13

Achados patognomonicos de DIPelvica:

Corrimento vaginal fétido e a presença de diplococos intracelulares Gram-negativos

14

diagnósticos geralmente realizados quando existem gg aumentados e avermelhados na raiz do mesentério e é encontrado um apêndice normal na cirurgia num paciente com sensibilidade no QID:

LINFADENITE MESENTÉRICA AGUDA e a GASTROENTERITE AGUDA

15

ATB quando o diagnostico de apendicite aguda e questionável?

Os antibióticos não devem ser administrados quando o diagnóstico é questionável, uma vez que apenas irão mascarar a perfuração

16

Na apendicite aguda, abordagem diferente se um massa palpável for encontrada 3-5 dias após o início dos sintomas
!!! Geralmente fleimão ou abcesso!!!!

ATB largo espectro
Drenagem de abcessos >3cm
Fluidos parentéricos
Repouso intestinal
-----,Resolução em 1 semana

Apendicectomia pode ser realizada, com segurança, 6-12 semanas depois

17

% de casos de peritonite aguda no contexto de ascite e cirrose hepática:

90% dos casos, geralmente nos pacientes com ascite com baixa concentração proteica (<1g/L).

18

Peritonite asséptica ocorre por:

•irritação peritoneal pela presença anormal de fluidos fisiológicos (suco gástrico++, bile, enzimas pancreáticas++, sangue, urina – comum a infeção bacteriana secundária)

•presença de corpos estranhos estéreis (esponjas ou instrumentos cirúrgicos, amido das luvas cirúrgicas)

•complicação de uma doença sistémica rara como LES, Porfiria ou Febre Familiar do Mediterrâneo.

19

Taxa de mortalidade na Peritonite não complicada e na complicada:

•Taxa mortalidade <10% na Peritonite não complicada por úlcera péptica ou apêndice/divertículo perfurado numa pessoa saudável

•Taxa de mortalidade ≥ 40% nos idosos, naqueles com outras doenças de base e quando a peritonite está presente há mais de 48horas.