Ginecologia - DSTs Flashcards Preview

M.E.D. > Ginecologia - DSTs > Flashcards

Flashcards in Ginecologia - DSTs Deck (39):
1

As causas de corrimento vaginal baixo e alta são:

1. Baixo: Vulvovaginites e Cervicites
2. Alto: Doença Inflamatória Pélvica

2

Agente etiológico da
Vaginose bacteriana:
Candidiase
Tricomoníase

Gardnerella vaginalis
Cândida albicans
Trichomonas vaginalis

3

Critérios diagnósticos para Vaginose Bacteriana:

Critérios de Amsel (3/4)
- Corrimento Branco-acinzentado, fino e homogêneo
- pH vaginal > 4,5 (N: 3,5 - 4,5)
- Teste das Aminas + (Whiff)
- Clue Cells (em alvo) na microscopia

4

Critérios padrão-ouro para diagnóstico de vaginose bacteriana:

Critérios de Nugent (gram)

5

Duas opções terapêuticos para tratamento de Vaginose Bacteriana:

Metronidazol, 500mg, VO 12/12h por 7 dias
Metronidazol gel, 0,75%, (1 amplicador 5g), VV, por 5 dias
Gestantes: Clindamicina 600mg, VO no 1º T
2º e 3ºT Metronidazol 250mg, VO, 8]8h por 7 dias

6

Apresentação clínico-diagnóstico da candidíase:

PRURIDO;
Corrimento branco aderido, em nata;
pH < 4,5 e;
Pseudo-hifas na microscopia

7

Duas opções terapêuticas para candidíase vaginal:

Miconazol gel, via vaginal por 7 noites
Nistatina gel, via vaginal por 14 noites
Fluconazol 150mg, VO dose única

8

Tratamento da candidíase recorrente:

Fluconazol 150mg, VO, 1cp no dia 1, 4 e 7 e após, 1cp por semana por 6 meses

9

Apresentação clínico-diagnóstico da tricomoníase:

Corrimento amarelo-esverdeado, bolhoso
pH > 5 (5-6);
Colo em framboesa, tigroide
Protozoário movel e flagelado
Pode ter KOH positivo

10

Conduta e duas opções terapêuticas para tricomoníase:

Metronidazol 500mg, VO, 12/12h por 7 dias (não pode creme)
Metronidazol 2g, VO dose única
Tratar parceiro, rastreio de outras DSTs e orientações

11

Vulvovaginites com pH > 4,5? e < 4,5?

pH > 4,5: Vaginose e tricomoníase
pH < 4,5: Candidíase

12

Agente etiológico e fator de risco das cervicites e DIP:

Neisseria gonorrhoeae (gonococo)
Chlamydia trachomatis

Transmissão sexual

13

Qual apresentação clinico-diagnóstica das cervicites?

Corrimento cervical;
Colo hiperemiado, friável;
Sinusiorragia e dispareunia

14

Tratamento da Cervicite:

Ceftriazona IM dose única +
Azitromicina 1g, VO, dose única
(Não usar cipro)

15

Quais são os critérios maiores/mínimos da DIP?

Dor abdominal em baixo ventre
Dor a mobilização do colo
Dor anexial

16

Quais são os critérios menores/adicionais da DIP?

Febre > 38,3ºC
Leucocitose
VHS/PCR aumentados
Cervicite: corrimento, comprovação laboratorial

17

Quais são os critérios elaborados da DIP?

Endometrite (Biópsia)
Abscesso Tubo-ovariano ou no fundo de saco
DIP na Laparoscopia

18

Qual a classificação de Monif, e para qual doença ela é aplicada?

Para DIP
Estágio 1: DIP não complicada
Estágio 2: DIP com peritonite
Estágio 3: Oclusão da trompa/abcesso
Estágio 4: Acesso > 10cm ou roto

19

Após diagnóstico de DIP, qual a conduta? Qual a classificação usada?

Convocar parceiro + Rastrear novas DSTs + Orientação +Tratamento de acordo com:
Classificação de Monif:
Est 1 Ambulatorial
Est 2 e 3: Hospitalar
Est 4: Hospitalar e cirúrgico
Est 1 sem melhora e gestantes: Hospitalar

20

Qual o tratamento medicamentoso da DIP?

Tratamento ambulatorial:
Ceftriaxona 500mg, IM, dose única +
Metronidazol 500mg, VO, 12/12h por 14 dias +
Doxiciclina 100mg, VO, 12/12h por 14 dias
Tratamento Hospitalar:
Clindamicina IV + Gentamicina IV
MS 2018: Ceftriaxona IV + Metronidazol IV + Doxiciclina VO por 14 dias

21

Qual a conduta diante de um paciente com corrimento uretral?

Gram disponível?
Gram - presente? Ceftriaxona + Azitromicina
Sem Gram -? Azitromicina apenas

22

Causas de Ulcera genital multiplas e única:

Múltiplas:
Herpes;
Cancro Mole
Donovanose
Única:
Linfogranuloma
Sifilis

23

Causas de Ulcera genital dolorosa e indolor:

Dolorosa:
Herpes;
Cancro mole
Indolor:
Linfogranuloma
Donovanose
Sifilis

24

Causas de ulcera genital com fistulização e sem fistulização:

Com:
Cancro Mole e Linfogranuloma
Sem:
Herpes, Sífilis e donovanose

25

Agentes etiológicos da: Herpres, sífilis, cancro mole, linfogranuloma e donovanose

Herpres: Herpes simplex
Sífilis: Treponema pallidum
Cancro Mole: Haemophilus ducreyi
Linfogranuloma: Chlamydia trachomatis (L1, L2, L3)
Donovanose: Klebsiella granulomatis

26

Características clinico-diagnósticas do Cancro mole e o tratamento:

Ulceras, múltiplas, dolorosas, fundo sujo, odor fétido, friável, adenopatia que fistuliza para 1 ORIFÍCIO

Tratamento: Azitromicina 1g, VO, dose única
ou Ceftriaxona 500mg, IM dose única

27

Caracteristicas clinico-diagnósticas do Herpes genital e seu tratamento:

Ulcera múltiplas dolorosas, e limpas, adenopatia dolorosa sem fistulização
Tto: Primeira infecção: Aciclovir 400mg, 3x/dia por 7 dias + sintomáticos
Na segunda infecção: por cinco dias

28

Quais as formas clínicas da sífilis?

Primária: Cancro Duro com ulcera única, indolor que some
Secundária: Condiloma plano e cutâneomucosa não ulcerada
Terciária: Gomas sifilíticas, tabes dorsalis, astropatia de charcot, aneurisma aortico

29

Como é feito o diagnóstico laboratorial da sífilis?

Tem que ser feito um teste treponemico (FTA-Abs) ou não treponemico (VDRL) e confirmado com o outro em caso de positivo:
VDRL FTA-Abs Interpretação
- - Não é sífilis (ou janela)
- + Sífilis precose ou curada
+ - Falso-positivo
+ + Sífilis não tratada/recente
Obs: Na gestante só precisa de um

30

Método padrão-ouro para diagnóstico de sífilis:

Pesquisa em campo escuro

31

Como é feito o tratamento de sífilis:

Primária e Secundária:
Penicilina Benzatina, 1x 2,4kk UI, IM
Terciária e indeterminada:
Penicilina Benzatina, 3x 2,4kk UI, IM

32

Como é determinado tratamento inadequado na gestante?

Tratamento incompleto ou com outra droga
Há < 30 dias do parto
Tratamento inadequado para a forma clínica

33

Como determinar falha terapêutica na sífilis?

Aumento em 2 diluições (Ex: 1:16 --> 1:64)

34

Apresentação clínica-diagnóstica do linfogranuloma venéreo e tratamento:

Papula/ulcera indolor com adenopatia dolorosa que fistuliza em bico de regador
Tto: Doxiciclina 100mg, VO, 12/12h por 14 a 21di

35

Apresentação clínica-diagnóstica da donovanose e tratamento:

Ulcera profunda, ondolor e crônica, biópsia com corpúsculo de donovan
Tto: Doxiciclina 100mg, VO 12/12h por 21d

36

Em caso de violência sexual, quais são as profilaxias virais e não virais?

Virais:
HIV(até 72h): Tenofovir + lamivudina + Dolutegravir (28d)
Hept B: Vacina ou Imunoglobulina (max 14 dias)
Não Virais:
Sífilis: Penicilina Benzatina 2,4kk UI IM
Clamídia e cancro mole: Azitromicina 1g VO dose única
Gonococo: Ceftriaxona 500mg, IM dose única
Tricomoníase: Metronidazol

37

Como é feita a contracepção em caso de violência sexual na mulher?

Levonorgestrel 1,5mg VO dose única

38

Quais os termos para serem assinados em caso de interrupção de gravidez na violência sexual?

Termo de consentimento livre esclarecido
Termo de responsabilidade
Termo de Relato Circunstanciado
Parecer técnico
Termo de aprovação de procedimento de interrupção de gravidez
Realizar coleta de conteúdo vaginal e solicitar exames

39

Quais as medidas iniciais diante de um caso de violência sexual?

Acolher a vítima
Direito a BO e exame pericial (não obrigação)
Notificação Compulsória imediada (SINAN)
Comunicação ao conselho tutelar ou vara da infância se criança ou adolescente