Doenças infecciosas Flashcards Preview

Imunologia > Doenças infecciosas > Flashcards

Flashcards in Doenças infecciosas Deck (47)
Loading flashcards...
1

Quais são as condicionantes da suscetipibilidade a uma infeção?

- Diferentes repertórios de células T;
- Diferentes MHC;
- Diferente capacidade de apresentação antigénica;
=> Isto implica diferentes capacidades de resposta a uma infeção

2

Quais as infeções mais comuns, em termos de virulência e suscetibilidade?

As menos virulentas e menos suscetíveis

3

O que é preciso para estabelecer colónias?

Ultrapassar barreiras

4

Após entrada e invasão do microorganismo

- O organismo hospedeiro percebe se consegue ou não ultrapassar aquela ação e se consegue sobrepor-se ao agente infeccioso;
- Quando o microorganismo se consegue estabelecer, há todo um processo de resposta => inata e adaptativa

5

De que depende o desenvolvimento de uma infeção?

Interação entre microorganismo e hospedeiro:
- Entrada do microorganismo;
- Invasão e colonização dos tecidos:
º Fuga ao controlo imunitário do hospedeiro;
º Lesão tecidular ou alteração funcional;

6

Quais os possíveis locais de entrada da infeção?

=> É nestes locais que se vão estabelecer os mecanismos de defesa!
Mucosas:
- Via aérea;
- Trato GI;
- Trato reprodutor;
Epitélio externo:
- Superfície externa;
- Feridas e abrasões;
- Mordidas de insetos;

7

Como responde o organismo à infeção?

a) Inicialmente: mecanismos de imunidade inata (barreiras);
b) A longo prazo: resposta depende da imunidade adquirida

8

Imunidade inata

Primeira linha de defesa contra microorganismos;
Papel crucial:
- No reconhecimento inicial da infeção:
a) Despoleta resposta inflamatória;
b) Controla ou elimina infeção;
c) Influencia e controla imunidade adaptativa;
- No reconhecimento de células lesadas:
a) Exprimem heat shock proteins, fosfolípidos alterados
=> Vias são partilhadas por citocinas de imunidade inata

9

NEMO, IKBA, IRAK4

Genes da imunidade inata;
A sua mutação implica alterações nos fatores de crescimento, com output negativo

10

Imunidade Adaptativa

Vão completar de modo específico o que se inicia na resposta inata;
Elimina microorganismos numa fase tardia da infeção;
Há memória imunológica;
Vão ter diferentes mecanismos conforme o agente que combatem:
- Bactérias extracelulares: Th estimula célula B, com neutralização e opsonização da bactéria e ativação do complemento;
- Bactérias intracelulares: APC apresenta bactéria à Th (HLA II), que leva à ativação macrofágica, com fagocitose e morte da bactéria;
- Vírus: HLA I apresenta o péptido viral à T CD8, o que culmina na morte da célula infetada pelo vírus (por ação das CD8 e NK)

11

Formas do microorganismo atuar no hospedeiro

EFEITO DIRETO:
- Produção de exotoxinas;
- Endotoxinas;
- Efeito citopático direto;
EFEITO INDIRETO:
- Imunocomplexos;
- Anticorpos anti hospedeiro;
- Imunidade celular;

12

Mimetismo molecular

Há regulação da resposta e bloqueio da saída de autoanticorpos, mas se houver um vírus que estabelece uma molécula muito próxima do self, pode haver ativação com produção de autoanticorpos => DOENÇA AUTOIMUNE => ex: diabetes mellitus tipo I (não está totalmente provado)

13

Mecanismos de evasão dos microorganismos

Diminuição da antigenicidade;
Expressão de antigénios semelhantes aos do hospedeiro;
Regulação/inibição da RI;
Variabilidade das moléculas expressas à superfície

14

Resposta imune a infeções virais

Vírus passa maior pare do tempo intracelular => resposta mediada por NK (1º) e células T CD8;
IFN tipo I (alfa e beta):
- Qualquer célula os pode secretar;
- Potenciam ativação das NK;
- Aumentam expressão MHC I;
- Aumentam apresentação antigénica;
- Limitam a replicação viral por via JAK STAT => inibe síntese proteica;
IMUNIDADE INATA:
- Indução da produção de IFN tipo I;
- Ativação das células NK (recebe input de IFN tipo 2 [gamma]);
IMUNIDADE ADAPTATIVA:
- Neutralização por anticorpos;
- Resposta mediada por células: Reconhecimento via MHC I, que estimula a célula a desgranular, o que leva a uma reorientação do citoesqueleto para atuar na célula alvo com perforinas e granzimas

15

Vacinação anti vírica

O príncipio é criar anticorpos que se liguem à hemaglutinina

16

Quais as técnicas que utilizam anticorpos para diagnóstico de infeção?

=> Permitem distinguir carácter agudo vs. crónico
Imunohistoquímica;
ELISA;
EIA;

17

Como se medem as cargas virais?

PCR

18

Se as células NK tiverem algum problema, há algum mecanismo de compensação?

SIM:
- ADCC

19

Mecanismos de evasão dos vírus

Bloqueio da ação de IFN tipo I por inibição de enzimas;
Inibição das TAP no processamento do antigénio;
Diminuição da expressão de MHC I e MHC II nas células infetadas;
Proteínas que se ligam a fatores do complemento, inibindo as vias de ativação;
Mutação dos antigénios da membrana;
Imunosupressão;
Latência;

20

Bloqueio da ação das IFN tipo I

Mecanismo de evasão vírica;
Há inibição da via JAK STAT => Há inibição da inibição da síntese proteica, logo HÁ SÍNTESE PROTEICA VIRAL

21

Inibição das TAP

Mecanismo de evasão vírica;
TAP são canais que permitem passagem de péptidos do citosol para retículo;
Vírus como CMV e HSV usam este mecanismo;

22

Proteínas que se ligam a fatores do complemento

Mecanismo de evasão vírica;
HSV produz proteína que se liga a C3b => Bloqueio da ativação das TRÊS vias

23

Variação antigénica (antigenic drift)

Mecanismo de evasão vírica;
Vírus têm elevada capacidade de mutação;
Sofrem pequenas mutações, originando novas estirpes;
Assim, é possível prever estirpe dominante dos anos seguintes => mecanismo da vacina da gripe sazonal (por isso não são 100% eficazes);

24

Salto antigénico (antigenic shift)

Mecanismo de evasão vírica;
Troca de informação genética entre estirpes de espécies diferentes, originando uma nova estirpe mais virulenta,;
Tem maior impacto que uma só mutação;
- Uma só célula infetada origina milhares de partículas virais => elevada taxa de replicação, com maior probabilidade de mutação (HIV é exemplo máximo de hipermutabilidade)
Ex: influenza

25

Imunosupressão por infeção direta das células imunitárias ou desequílibrio na produção de citocinas

Mecanismo de evasão vírica;
Causa inibição da resposta imune;
Ex: HIV => infeta células T CD4+ => cél. Th são destruídas, com diminuição da resposta imune => Infeção crónica
º HIV tem tropismo seletivo para CD4
NÃO É EXCLUSIVO DE HIV:
[Cél. Treg fazem down regulation da resposta imune através da libertação de IL-10 e TGF beta] => EBV consegue produzir BCRF1 (homóloga da IL-10)

26

Latência

Mecanismo de evasão vírica;
Ex:
- HSV => fica latente nos nervos sensoriais do gânglio trigeminal que controlam a área afetada, recidivando com stress, imunosupressão ou radiação;
Não se cura orque durante o tempo de latência "esconde-se" em zonas com proteção imune (não conseguimos atacar)

27

Resposta imune a infeções bacterianas

Depende se forem intra ou extracelular

28

Resposta imune a infeções bacterianas - Extracelular

Grande parte da resposta é assumida por fagocitose e neutralização de Acs;
Há intervenção de:
a) Células B: produção de anticorpos;
b) Células dendríticas: apresenta antigénios às Th para melhorar resposta inflamatória

29

Resposta imune a infeções bacterianas - Intracelular

- Resposta + complexa;
- Altamente resistentes => têm capacidade de sobreviver dentro das células fagocíticas, através da formação de GRANULOMAS
- Há apresentação antigénica pelas células dendríticas às células T CD4+, que ativam diferentes vias para induzir inflamação, ativação macrofágica e resposta de anticorpos
Ex: Mycobacteria (em imunocomprometidos dá infeções atípicas)

30

Patogenia das bactérias extracelulares

Causam resposta inflamatória localizada;
Produzem toxinas:
- Toxinas bacterianas => endo ou exotoxinas;
Ação das toxinas:
- Citotóxica;
- Outras (ex: toxina diftérica inibe síntese proteica)