Obstetrícia - Infecções na Gestação Flashcards Preview

Medicina Interna > Obstetrícia - Infecções na Gestação > Flashcards

Flashcards in Obstetrícia - Infecções na Gestação Deck (47):
0

Sífilis é uma doença de:

Notificação compulsória

1

Sífilis congênita (Transmissão):

Placentária

2

Taxa de transmissão da sífilis congênita não tratada nas fases primária e secundária:

70-100%

3

Taxa de transmissão da sífilis congênita não tratada, na fase latente tardia e Terciária:

30%

4

Feto só é acometido pela sífilis congênita após:

16 semanas (Imaturidade imunológica).

5

A imunoincompetência fetal evita lesões teciduais até a:

18ª semana

6

sífilis congênita pode causar:

Aborto espontâneo, morte fetal, prematuridade e feto hidrópico

7

Sífilis congênita precoce (até 2 anos):

Baixo peso, rinite sanguinolenta, patologias ósseas, hepatoesplenomegalia e alterações pulmonares

8

Sífilis congênita tardia (após 2 anos):

Fronte olímpica, Tíbia em sabre, Nariz em sela, Dentes de Hutchinson e arco palatino elevado

9

Sífilis primária (Tratamento):

Penicilina benzatina 2,4 milhões UI Intramuscular dose única

10

Sífilis secundária (Tratamento):

Penicilina benzatina 4,8 milhões (1 dose de 2,4 e outra uma semana depois)

11

Sífilis tardia latente e terciária (tratamento):

7,2 milhões (1 dose de 2,4 por 3 semanas consecutivas)

12

Controle pós tratamento por dosagem de VDRL:

Com 1,3,6,12 e 24 meses

13

Alternativas terapêuticas da sífilis:

Eritromicina, Doxiciclina ou Tetraciclina

14

O tratamento da sífilis em gestante deve ser feita com penicilina até:

30 dias antes do parto

15

Sífilis (Diagnóstico):

Dosar VDRL

16

Títulos baixos de VDRL sugere:

Doença muito recente ou muito antiga

17

Na duvida do diagnóstico de sífilis:

Solicitar teste sorológico treponemico

18

Título de VDRL mantido mesmo após o tratamento:

Sugere Neurossífilis

19

Gestantes HIV positivo podem apresentar testes sorológicos para sífilis:

Negativos (Falso-negativo).

20

A chance de haver transmissão vertical em portadoras de HIV:

20%

21

A chance de transmissão vertical em gestantes com quadro clínico de AIDS:

50%

22

A transmissão vertical do HIV ocorre:

1/3 dos casos durante a gestação e 2/3 no parto

23

A chance de transmissão do HIV pelo aleitamento é de:

7-22% por mamada

24

Com o uso do TARV há uma redução da transmissão vertical para:

Até 2% de chance de transmitir, se realizadas todas as intervenções preconizadas pelo programa nacional de DST/AIDS

25

Testes rápidos para HIV são solicitados quando:

No momento do parto, em gestantes sem sorologia; e em gestantes com risco de exposição constante

26

Se o teste rápido para HIV for reagente:

Quimioprofilaxia e coleta de sangue para confirmação do diagnóstico (se confirmado -> adota medidas profiláticas para transmissão vertical)

27

TARV:

Zidovudina (AZT), Lamivudina (3TC), Nevirapina (NVP) e Nelfinavir (NFV).

28

Medida profilática para transmissão vertical no momento do Trabalho de parto (HIV):

AZT endovenoso 3h antes da cesarea e até clampeamento do cordão

29

Medida no puerpério quanto ao aleitamento materno em gestante HIV positiva:

Enfaixamento por 10 dis ou 1g de Cabergolina

30

a chance de transmissão vertical de hepatite B:

95%

31

Prevenção de transmissão vertical de Hepatite B:

Imunoglobulina hiperimune e vacina (1ª dose).

32

Toxoplasmose na gravidez:

Infecção aguda ou reagudização na gestante

33

Complicações da toxoplasmose no feto:

Morte, micro ou macroencefalia, surdez e retardo mental

34

Tríade da toxoplasmose congênita:

Coriorretinite, Hidrocefalia e Calcificações cerebrais

35

Toxoplasmose na gestante (Diagnóstico):

IgM e IgG; e teste de avidez de anticorpos IgG

36

Toxoplasmose na gestação (Fase aguda):

Complexo Antígeno-anticorpo facilmente dissociável, IgG tem baixa avidez pelo antígeno, infecção ocorrida em menos de 12s

37

Toxoplasmose em gestante (Fase Crônica):

Complexo antigeno-anticorpo de dificil dissociação, IgG com alta avidez pelo antígeno, infecção há mais de 12 semanas

38

Gestante com IgM e IgG não reagentes (Toxoplasmose):

Suscetível

39

IgM reagente e IgG reagente com teste de avidez de IgG maior que 60% (Toxoplasmose):

IgM residual, sem risco para o feto

40

IgM reagente e IgG reagente com teste de avidez de IgG menor que 30% (Toxoplasmose):

Quadro agudo, inicia o tratamento e amniocentese

41

IgM reagente e IgG reagente com Teste de avidez de IgG entre 30-60% (Toxoplasmose):

Resultado inconclusivo, inicia o tratamento

42

IgM reagente e IgG não reagente (Toxoplasmose):

IgM Falso positivo

43

Tratamento da infecção materna (Toxoplasmose):

Espiramicina 3g/dia

44

Tratamento da infecção fetal (Toxoplasmose):

Alterna de 3 em 3 semanas o tratamento materno (Espiramicina) e o fetal (Pirimetamina, Sulfadiazina e Acido folínico)

45

Tratamento a partir da 36ª semana de gestação (Toxoplasmose):

Somente esquema de espiramicina até o parto, para evitar plaquetopenia pela pirimetamina que levaria à hiperbilirrubinemia neonatal

46

Seguimento com ultrassonografia (Toxoplasmose):

Quinzenal ou mensal até o parto

Decks in Medicina Interna Class (194):